CONECTA NEWS – 01/02/2022

Fique ligado nas principais notícias do agronegócio no Brasil e no mundo. O conteúdo do Conecta News é uma parceria com o SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS

Agricultura

img-news
ALGODÃO: Brasil exporta 199,361 mil toneladas em janeiro
As exportações brasileiras de algodão bruto somaram 199,361 mil toneladas em janeiro (21 dias úteis), com média diária de 9,493 mil toneladas. A receita com as vendas ao exterior totalizou US$ 380,622 milhões, com média diária de US$ 18,124 milhões. As informações são do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Em relação à igual período do ano anterior, houve recuo de 30,70% no volume diário exportado (13,699 mil toneladas diárias em janeiro de 2021). Já a receita diária teve retração de 14,76% (US$ 21,263 milhões diários em janeiro de 2021).

CARNE BOVINA: Exportação atinge 140,543 mil toneladas em janeiro – Secex
As exportações de carne bovina fresca, congelada ou refrigerada do Brasil renderam US$ 727,739 milhões em janeiro (21 dias úteis), com média diária de US$ 34,654 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 140,543 mil toneladas, com média diária de 6,692 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 5.178,00. Em relação a janeiro de 2021, houve ganho de 43,16% no valor médio diário da exportação, aumento de 24,71% na quantidade média diária exportada e valorização de 14,79% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

AÇÚCAR: Exportação atinge 1,363 milhão de toneladas em janeiro – Secex
A receita diária média obtida com as exportações brasileiras de açúcar e outros melaços foi de US$ 24,452 milhões em janeiro, com 21 dias úteis. Já o volume médio diário de exportações atingiu 64,925 mil toneladas. Foram exportadas 1.363.426 toneladas de açúcar em janeiro, com receita total de US$ 513,494 milhões e um preço médio de US$ 376,60 por tonelada. Na comparação com a média diária de janeiro de 2021, de US$ 30,511 milhões, houve queda de 19,86% no valor obtido diariamente pelas exportações de açúcar em janeiro de 2022. Em volume, houve recuo de 35,17%, ante as 100,140 mil toneladas diariamente embarcadas em janeiro de 2021. Já o preço médio subiu 23,16%, ante os US$ 304,7 por tonelada verificados em janeiro de 2021.

MILHO: Exportações somam 2,822 milhões de toneladas em janeiro – Secex
As exportações de milho do Brasil apresentaram receita de US$ 689,798 milhões em janeiro (21 dias úteis), com média diária de US$ 32,847 milhões. A quantidade total de milho exportada pelo país ficou em 2,822 milhões de toneladas, com média de 134,412 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 244,40. Em relação a janeiro de 2021, houve alta de 43,02% no valor médio diário da exportação, ganho de 14,57% na quantidade média diária exportada e valorização de 24,83% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

SOJA: Exportações do Brasil somam 2,47 mi de toneladas em janeiro – Secex
As exportações de soja em grão do Brasil renderam US$ 1,248 bilhão em janeiro (20 dias úteis), com média diária de US$ 59,418 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 2,47 milhões de toneladas, com média diária de 117,605 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 505,20. Na comparação com janeiro de 2021, houve alta de 5.007,44% na receita média diária e de 4.651,82% no volume. O preço subiu 7,48%. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

MILHO: Chuvas favorecem plantio da safrinha na área da Coopavel (PR)
As lavouras de milho verão receberam chuvas benéficas na área de abrangência da Cooperativa Coopavel, que atua em 20 municípios do oeste e sudoeste do Paraná. Segundo fonte da cooperativa, que concedeu entrevista exclusiva à Agência SAFRAS, choveu na sexta-feira, no domingo e um pouco ontem. "Teve lugares que choveu mais de 100 milímetros", destaca. A produtividade média esperada foi mantida em 5.200 quilos por hectare. Inicialmente, o rendimento médio esperado era de 10.300 quilos. A área colhida avançou para 22%, ante 15% na semana passada. Das lavouras restantes, 74% estão em fase de maturação e 26% em enchimento de grão. A área a ser plantada foi estimada em 28 mil hectares. Em relação ao plantio do milho safrinha, as chuvas favoreceram os trabalhos. O percentual semeado chega a 26%, ante 20% na semana passada. Das lavouras semeadas, 73% estão em fase de emergência e 27% em desenvolvimento vegetativo. São esperados 157 mil hectares este ano com a segunda safra de milho, ante 129 mil na temporada passada. A produtividade média está estimada em 6.700 quilos por hectare, mesmo nível da semana anterior.

CAFÉ ROBUSTA: Londres fecha mista após esboçar reação técnica
A Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres (ICE Futures Europa) para o café robusta encerrou as operações desta terça-feira com cotações pouco alteradas. Os contratos para entrega em março/2022 fecharam o dia a US$ 2.178 a tonelada, com alta de US$ 3, ou de 0,13%. A posição maio/2022 fechou a US$ 2.176 a tonelada, ganho de US$ 4, ou de 0,18%. O mercado esboçou uma reação amparado por correção técnica depois de ter atingindo US$ 2.161 por tonelada na última sessão de janeiro, nível mais baixo em três meses. Um ritmo mais acelerado das exportações do Vietnã aliviou preocupações com o abastecimento de curto prazo. O Vietnã é o maior produtor mundial de café robusta.

MILHO: Line-up previu embarques em janeiro de 2,311 milhões de toneladas
O line-up, a programação de embarques nos portos brasileiros, indicou que puderam ser exportadas 2,311 milhões de toneladas de milho em janeiro, conforme levantamento de SAFRAS & Mercado. Desse total, 2,239 milhões de toneladas já foram embarcadas. No acumulado de fevereiro/21 a janeiro/22, a programação de embarques aponta volumes de 21,038 milhões de toneladas de milho.

CARNES: Minerva investe em IA para automatizar classificação de carcaças
A Minerva Foods implantou uma tecnologia recente para automatizar a tipificação de carcaças bovinas em suas operações, que potencializa a capacidade e rendimento da produção. Com o uso de Inteligência Artificial, o processo de classificação é capaz de analisar imagens específicas, coletadas durante o processo por meio de câmeras especiais, instaladas dentro das unidades produtivas, e reproduzir em tempo real o padrão de corte em todas as carcaças trabalhadas, de maneira mais ágil e precisa. Dessa forma, a Companhia potencializa a padronização de tipificação de carcaças, além de aumentar a precisão dos dados sobre a produção. 
"Para calibrar o novo sistema, foram mais de 30 mil imagens avaliadas e classificadas manualmente. Com essa tecnologia, cada imagem de meia carcaça está sendo avaliada e classificada, em média, a cada 0,8 segundos. O investimento em I.A. é parte do nosso olhar estratégico sobre como a inovação aumenta a nossa produtividade ao mesmo tempo em que resulta em produtos com qualidade superior. Estamos otimizando nossa operação, tornando a produção ainda mais assertiva e padronizada, desde a escolha de fornecedores até o produto final", destaca Silvio Irizawa, Diretor Industrial da Minerva Foods. 
Além da classificação da cobertura de gordura nas carcaças, a tecnologia da Minerva Foods disponibiliza informações sobre falhas manuais, de sistema ou equipamento, e presença de pontos atípicos em cada região de corte. O mecanismo ainda permite avaliar melhor os padrões dos fornecedores da Companhia, entender o comportamento do gado por região e montar indicadores para tomadas de decisão. A empresa ainda reuniu uma equipe de pesquisadores especializados que, em cooperação com os profissionais da Minerva Foods, criou um Termo de Referência Técnica (TRT), que serviu de base para o treinamento inicial da Inteligência Artificial. Desenvolvidos em parceira com uma startup, a tecnologia está sendo implantada, inicialmente na unidade de Rolim de Moura/RO. A previsão é que em breve, todas as unidades da Minerva Foods já estejam equipadas com o novo mecanismo.

CLIMA: Chuva reaparece no próximo fim de semana no Rio Grande do Sul
Nos últimos sete dias, a precipitação foi mais intensa sobre parte da Região Central e as Planícies Costeiras. O acumulado alcançou 75 milímetros. Por outro lado, praticamente não choveu sobre a Fronteira Oeste, agravando cada vez mais a estiagem na região. Após mais uma semana com sol e muito calor, a precipitação reaparecerá a partir da sexta-feira (4). O sábado (5) será o dia com maiores acumulados de chuva. Na Zona Sul, estimam-se 45mm (região de Jaguarão). Já na Fronteira Oeste, estima-se algo entre 5mm e 25mm. A partir do domingo (6), retorna o tempo seco. Um outro evento de chuva, porém mais fraco, é aguardado para 11 de fevereiro, sexta-feira da semana que vem. As informações são do Irga com Somar Meteorologia.

MILHO: Plantio da safrinha está próximo de iniciar em Dourados (MS)
O plantio da safrinha 2022 de milho em Dourados, no sul de Mato Grosso do Sul, está próximo de ser iniciado e deve ocupar uma área de 170 mil hectares. Quem informa é o departamento técnico da Coperplan. De acordo com o engenheiro-agrônomo Eduardo Brandt, a área deve ser similar à cultivada no ano passado. "O produtor está em compasso de espera das chuvas para iniciar o cultivo do cereal. Há alguma previsão para quinta-feira, mas ele deve aguardar para ver se as precipitações de fato se confirmam", pontua. Brandt destaca que a expectativa de rendimento médio está estimada entre 5.400 e 6.000 quilos por hectare de milho na safrinha, similar à registrada em anos anteriores. Levantamento de SAFRAS & Mercado indica que o plantio da safrinha atingia 6,2% da área estimada de 2,141 milhões de hectares até o dia 28 de janeiro. No mesmo período do ano passado, o plantio atingia 0,5% da área cultivada de 2,136 milhões de hectares, enquanto a média de semeadura para o período nos últimos cinco anos é de 1,9%.

logo