CONECTA NEWS – 04/02/2022

Fique ligado nas principais notícias do agronegócio no Brasil e no mundo. O conteúdo do Conecta News é uma parceria com o SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS

Agricultura

img-news
CAFÉ ROBUSTA: Londres tem perdas na semana com aumento da oferta do Vietnã
A Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres (ICE Futures Europa) para o café robusta encerrou as operações desta terça-feira com cotações em leve baixa. Os contratos para entrega em março/2022 fecharam o dia a US$ 2.229 a tonelada, com perda de US$ 5, ou de 0,22%, acumulando perda de 1,6% na semana. A posição maio/2022 fechou a US$ 2.213 a tonelada, recuo de US$ 7, ou de 0,31%%. O mercado andou de lado nas últimas sessões, com correção técnica depois de ter atingindo US$ 2.161 por tonelada na última sessão de janeiro, nível mais baixo em três meses. Um ritmo mais acelerado das exportações do Vietnã aliviou preocupações com o abastecimento de curto prazo, pressionando as cotações em Londres. O Vietnã é o maior produtor mundial de café robusta. 

GRÃOS: Conab executou 3.145 ações de fiscalização em 2021
O relatório de fiscalização anual dos programas operados pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) aponta que em 2021 foram executadas 3.145 vistorias pela empresa, divididas em 25 etapas de fiscalização programadas e oito etapas especiais de fiscalização. As ações foram realizadas nas 27 unidades da federação, em 1.280 municípios e contaram com a participação de 350 fiscais. 
Nas fiscalizações de estoques governamentais foram conferidos produtos depositados em armazéns localizados em 72 municípios, em operações que mobilizaram 119 empregados da Companhia e abrangeram 100% do volume estocado em 271 armazéns, o que resulta em um total de 304.254 toneladas, em números acumulados, já que foi realizada mais de uma vistoria nestes armazéns ao longo do ano. Em relação às perdas em armazenagem, foram computadas 1.101 toneladas, representando um decréscimo de cerca de 80% em relação ao ano de 2020. 
Para efetuar as ações de fiscalização foi utilizado o Sistema de Fiscalização de Estoques (Sifisc) da Companhia, especialmente desenvolvido para as fiscalizações governamentais. Além dos estoques, também foram fiscalizados o Programa de Vendas em Balcão (ProVB), a Política de Garantia de Preços Mínimos para os Produtos da Sociobiodiversidade (PGPM-Bio), o Prêmio do Seguro Rural (PSR) e o Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro), totalizando 2.411 vistorias. 
Também foram objeto de fiscalizações realizadas pela Conab o Programa de Aquisição de Alimentos (atual Alimenta Brasil) e o Selo Biocombustível Social (SBS). Cronograma 2022 Para este ano de 2022 já estão programadas cinco etapas de fiscalização dos estoques governamentais, a serem realizadas nos meses de abril, maio, junho, agosto, novembro e dezembro, abrangendo todos os estados brasileiros detentores de estoques. Para o Alimenta Brasil, estão previstas quatro etapas, também a partir do mês de abril, abrangendo 26 estados e o DF. Para o ProVB serão nove etapas, percorrendo também todo o país em 146 dias de acompanhamento. Já a PGPM-Bio deve ter 16 roteiros de fiscalização distribuídos em 12 estados, somando 177 dias de vistorias.

CARNE BOVINA: Brasil exporta 159.997 toneladas em janeiro – ABRAFRIGO
De acordo com a Associação Brasileira de Frigoríficos (ABRAFRIGO), o ano de 2022 começou com queda nas importações de carne bovina do maior cliente do produto brasileiro. A China, principal cliente do país, em janeiro do ano passado comprou 79.896 toneladas e, neste ano, adquiriu 66.101 toneladas, queda de 14,5%. Pelo continente, a China reduziu sua movimentação em 15% e em Hong Kong em 26%, perfazendo queda de 17,3% no total importado pelo país. Com isso houve queda de participação daquele mercado na exportação total do país: em 2021 ela foi de 62,84% e, nos resultados de janeiro de 2022, ela caiu para 41,3%. 
Apesar disso, houve um grande aumento nas compras por parte dos maiores clientes do Brasil no mercado internacional e as exportações totais de carne bovina (somadas in natura e processadas) registraram uma elevação de 25,85% no volume. Em janeiro de 2021, a movimentação foi de 126.138 toneladas e em janeiro de 2022 passou para 159.997 toneladas. 
Na receita, o crescimento foi ainda mais elevado: em janeiro de 2021 ela foi de US$ 549,1 milhões e, no mesmo mês de 2022, alcançou US$ 803,6 milhões. Houve um crescimento de 46% na entrada de divisas, puxado por um aumento de 25% na movimentação e pela elevação de 16% nos preços médios. A ABRAFRIGO, que compilou os dados fornecidos pela Secretaria de Comércio Exterior (SECEX/DECEX), do Ministério da Economia, indica que, entre os 20 maiores clientes do produto brasileiro, 17 aumentaram suas importações, enquanto somente a China, comprando por Hong Kong e pelo continente e a Itália reduziram suas compras em comparação com janeiro de 2021. 
O crescimento mais expressivo em volume importado foi dos Estados Unidos, que elevou suas aquisições em 526,3% relação a janeiro de 2021, passando de 2.748 toneladas para 17.210 toneladas em janeiro de 2022, se transformando no terceiro maior cliente do produto brasileiro neste ano. Na segunda posição, o Egito surpreendeu e suas importações cresceram 318,7%, ultrapassando os EUA, ao passar de 4.501 toneladas no ano passado para 18.851 toneladas em janeiro de 2022. Outro significativo aumento de volume das compras foi o da Rússia, que já foi o maior cliente do Brasil no passado, e que elevou suas importações em 184,8%, passando de 1.769 toneladas em janeiro de 2021 para 5.040 toneladas, já ocupando a 10a posições entre os 20 maiores importadores. No geral, entre estes maiores clientes, também cresceram de maneira significativa, Israel, com 76,9% de aumento; Filipinas (+ 68%); Emirados Árabes (+80,8%) e Filipinas (+ 68%).

SOJA: Pela primeira vez, vazio sanitário é definido no RS – Seapdr
O Rio Grande do Sul contará com um calendário definido para o vazio sanitário da soja na safra 2022/2023: o período escolhido foi de 13 de julho a 10 de outubro de 2022. O novo calendário foi publicado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) nesta quinta-feira (03/02), por meio da Portaria n 516, que estabelece os períodos de vazio sanitário para cultura da soja em 21 estados produtores. "A escolha dessas datas para o vazio sanitário tem como objetivo aproveitar as geadas do Estado, que costumam ocorrer do meio para o final de julho, para ajudar no controle das plantas guaxas. Assim, haverá redução no uso de herbicidas, como o 2,4-D, para efetuar este controle", explica o diretor do Departamento de Defesa Vegetal, Ricardo Felicetti. 
Durante o vazio sanitário, que teve o período de duração estendido de 60 para 90 dias, não se pode manter vivas plantas de soja em qualquer fase de desenvolvimento na área determinada. É uma estratégia para o controle da ferrugem asiática, doença causada pelo fungo Phakopsora pachyrhizi. Esta será a primeira safra em que o Rio Grande do Sul adotará a medida. "Estender o calendário de semeadura foi uma boa decisão. O vazio sanitário de 90 dias aproveitando as geadas de inverno para controle da soja guaxa vai solucionar duas preocupações: a ambiental, pela deriva do 2,4-D, e a econômica, já que este insumo duplicou de preço", avalia o vice-presidente da Farsul, Elmar Konrad. As datas foram discutidas pelo setor produtivo, no âmbito da Câmara Setorial da Soja, em junho de 2021, e confirmadas em reunião realizada em dezembro do ano passado. A partir desta aprovação, uma proposta para o vazio sanitário e o calendário de semeadura da soja para a safra 2022/2023 foi encaminhada ao Mapa. Os calendários de vazio e semeadura da soja são definidos safra a safra, e enviados para o Ministério até 31 de dezembro do ano anterior. "É importante frisar que a construção do calendário contou com o setor produtivo, representado por mais de 30 entidades que participaram da discussão das datas de vazio e semeadura", ressalta o coordenador da Câmara Setorial, Nereo Sterlick.

MILHO: Line-up prevê embarques em fevereiro de 520,342 mil toneladas
O line-up, a programação de embarques nos portos brasileiros, indicou que poderão ser exportadas 520,342 mil toneladas de milho em fevereiro, conforme levantamento de SAFRAS & Mercado. Desse total, 199,3 mil toneladas já foram embarcadas.

ALGODÃO: Semeadura no Brasil atinge 88% da área, estima Abrapa
A Abrapa informou o progresso da semeadura da safra 2021/22 de algodão no Brasil até quinta-feira (3). Mato Grosso tinha plantado 86% da área; Bahia, 90%; Goiás, 88%; Minas Gerais, 95%; Mato Grosso do Sul, 100%; Maranhão, 97%; Piauí, 100%; São Paulo, 90%; e Paraná, 100%. A média do Brasil era de 88% da área plantada, ante 74% na semana anterior. As informações são da Abrapa.

CARNES: Rebanho em MT quebra recorde e atinge 32,7 milhões de bovinos
Mato Grosso atingiu novo recorde na pecuária e seu rebanho bovino agora soma 32,7 milhões de cabeças. Um aumento de 1,624 milhão de cabeças no período de um ano. O crescimento está baseado em investimentos, tecnologia e sustentabilidade. No comparativo do mês de novembro de 2021 em relação ao mesmo período do ano anterior, o rebanho cresceu 5,2% em Mato Grosso, segundo o Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea). Com isso, o Estado se mantém como líder na produção de carne bovina do Brasil. 
Esse aumento abrangeu praticamente todas as 14 regionais do Estado, com exceção da regional de Barra do Garças, que apresentou decréscimo de 0,6%. Já os destaques de maior produção vão para as regionais de Cáceres e Vila Bela da Santíssima Trindade que, juntas, detêm mais de 2 milhões de cabeças de gado. O diretor-técnico da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Francisco Manzi, afirma que os números são resultado do bom desempenho do trabalho no campo, com pecuaristas atuando para que, cada vez mais, possam melhorar seus sistemas de produção. E, além disso, obter maior rentabilidade e ampliar a escala de produtividade, aproveitando com mais eficiência as áreas de pastagem já existentes. 
Atualmente, Mato Grosso possui cerca de 24 milhões de hectares destinados ao pasto, o que corresponde a 25% do território do Estado. Outros 62% do território são áreas preservadas, que correspondem as áreas decresceria legal mantidas pelos produtores, as unidades de conservação e as terras indígenas. As demais áreas são destinadas para outras atividades do agronegócio, como agricultura. "A pecuária é o negócio de Mato Grosso, presente nos 141 municípios, nos três biomas do estado. Temos uma pecuária moderna, bem desenvolvida, adaptada às nossas condições climáticas e que respondem muito bem às tecnologias empregadas. Hoje temos a idade de abate sendo cada vez menor, com mais de 20% dos animais sendo abatidos antes dos dois anos de idade, com o peso cada vez maior de carcaça. Tudo isso respeitando o meio ambiente, com 62% de cobertura vegetal nativa. Isso demonstra a pujança, a vocação e a qualidade que tem o rebanho e os produtores rurais do Estado", afirmou o diretor. 


logo