CONECTA NEWS – 11/03/2022

Fique ligado nas principais notícias do agronegócio no Brasil e no mundo. O conteúdo do Conecta News é uma parceria com o SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS

Agricultura

img-news
CAFÉ: NY fecha em baixa com fatores técnicos e apreensão com guerra
A Bolsa de Mercadorias de Nova York (Ice Futures US) para o café arábica encerrou as operações desta sexta-feira com preços mais baixos. Em mais uma sessão errática e volátil, NY buscou direcionamento e notícias. A alta do petróleo deu suporte às cotações. Porém, fatores técnicos, com o mercado testando níveis mais baixos, e a apreensão com a guerra entre Rússia e Ucrânia e os efeitos econômicos globais e sobre a demanda de café pressionaram os preços. No balanço da semana, o contrato maio acumulou baixa de 1%. Os contratos com entrega em maio/2022 fecharam o dia a 224,25 centavos de dólar por libra-peso, desvalorização de 2,25 centavos, ou de 1%. A posição julho/2022 fechou a 221,40 centavos, queda de 2,05 centavos, ou de 0,9%.

TRIGO: Marrocos tem estoques para cinco meses de consumo
O Marrocos tem estoques de trigo para cobrir cinco meses de consumo, depois de receber a maioria de seus pedidos da Ucrânia antes do início do conflito no país, disse fonte marroquina da indústria. Os países do norte da África são grandes importadores de trigo e, mesmo antes da interrupção das exportações ucranianas e russas, o Marrocos havia dito que sua própria colheita de grãos este ano seria duramente atingida pela seca. As informações são da Agência Reuters.

AÇÚCAR: Nova York consolida e fecha semana com perdas no acumulado
A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures US) para o açúcar bruto encerrou o pregão eletrônico com cotações em alta. Os contratos com entrega em maio/2022 encerraram o dia a 19,24 centavos de dólar por libra-peso, alta de 0,14 centavo (ou 0,73%) em relação ao fechamento anterior, mas acumulando perda de 1,24% na semana. A posição Julho/2022 fechou cotada a 19,19 centavos (+0,68%). O mercado adotou uma postura de consolidação após a forte volatilidade na semana. Logo na segunda-feira, o primeiro contrato foi alçado para máximas de três meses, indo a 19,89 centavos, isso depois de subir mais de 6% na semana passada. Investidores continuam avaliando fatores como o rally do petróleo e a alta da gasolina no Brasil, que mexem com a competitividade do etanol e podem fazer as usinas mudar o mix produtivo ao longo da safra 2022/23. Ajudou a conter os ganhos dos futuros do açúcar bruto nos últimos dias a notícia dando conta que as usinas de açúcar indianas assinaram contratos para exportar 550 mil toneladas do adoçante, com o aumento dos preços globais e a desvalorização da rúpia tornando as vendas no exterior lucrativas. Com informações da Reuters.

AÇÚCAR REFINADO: Londres fecha sessão com cotações em alta
A ICE Futures Europe (Bolsa de Londres) para o açúcar refinado fechou as operações com cotações em alta. Os contratos com entrega em maio/2022 fecharam a US$ 530,20 por tonelada, alta de US$ 2,70 a tonelada (+0,51%) na comparação ao fechamento anterior. Agosto/2022 fechou a US$ 520,10 por tonelada, ganho de US$ 2,40 a tonelada (+0,46%).

CAFÉ: Londres fecha com preços pouco alterados buscando direção
A Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres (ICE Futures Europa) para o café robusta encerrou as operações desta sexta-feira com preços pouco alterados. O mercado teve uma sessão de busca de direção e notícias. Terminou acomodando-se próximo da estabilidade. A alta do petróleo deu sustentação para o robusta londrino, enquanto as perdas do arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) pressionaram. Segue a apreensão com a guerra entre Rússia e Ucrânia e os efeitos econômicos do conflito, que podem afetar a demanda pelo café. No balanço da semana, o contrato maio acumulou uma alta de 2,8%. Os contratos para entrega em maio/2022 fecharam o dia a US$ 2.095 a tonelada, alta de US$ 2, ou de 0,1%. A posição julho/2022 fechou a US$ 2.072 a tonelada, estável.

CARNE SUINA: ABCS realizará Semana Nacional em junho
Neste ano a Semana Nacional da Carne Suína (SNCS) vai acontecer de 1 a 17 de junho, atuando como aliada dos produtores, varejistas e consumidores, impulsionando o escoamento das ofertas , vendas, consumo de carne suína e trazendo ganhos para toda a cadeia de valor. De acordo com a Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS), nos últimos 10 anos o consumo per capita de carne suína cresceu em 32%, e apenas em 2021, a SNCS foi responsável por gerar R$ 13 milhões vendas da proteína, educando os colaboradores do varejo e fomentando verdadeiros festivais de variedade e ofertas. E é por este motivo que a ABCS acredita que a estratégia da SNCS é um excelente instrumento para auxiliar todos os elos da suinocultura a atravessar esse momento de dificuldade e gerar ganhos a cadeia de valor . A décima edição da SNCS volta às gôndolas das maiores e melhores redes de varejo de todo o Brasil.

GRÃOS: Ucrânia pode semear mais cereais e cortar milho em 2022
A Ucrânia provavelmente reduzirá a área semeada de colza e milho em 2022 e a substituirá por cereais como trigo sarraceno, aveia e milheto, disse a União de Produtores Agrícolas nesta sexta-feira, após a invasão do país pela Rússia. Conforme a Agência Reuters, a Ucrânia é um grande produtor global e exportador de grãos e óleos vegetais, mas autoridades e agricultores esperam um declínio na safra de 2022 e nas exportações devido à invasão. "A ênfase será nas culturas da primavera que serão colhidas no verão, porque não sabemos qual será a situação (daqui para frente)", disse Denys Marchuk, vice-chefe do Conselho Agrário ucraniano, à televisão local. "Para a nutrição completa de sua população e das forças armadas, maior ênfase será dada ao trigo sarraceno, às ervilhas, aos tipos de culturas que permitirão a colheita para que a Ucrânia seja totalmente fornecida com alimentos", disse ele. 
A Ucrânia tradicionalmente inicia os trabalhos de campo de primavera no final de fevereiro ou em março. Os agricultores dizem que começarão a semear em áreas seguras assim que puderem. O vice-ministro da Agricultura Taras Vysotskiy disse que a escassez de combustível induzida pela guerra seria o principal problema para os agricultores nesta primavera, pois eles tinham sementes suficientes para prosseguir com a semeadura da primavera. A Ucrânia já suspendeu as exportações de centeio, aveia, milheto, trigo sarraceno, sal, açúcar, carne e gado diante da invasão. Também introduziu licenças para exportações de trigo, milho e óleo de girassol. A Ucrânia, maior exportadora mundial de óleo de girassol, previu antes da invasão que poderia exportar mais de 60 milhões de toneladas de grãos, incluindo 33 milhões de toneladas de milho e 23 milhões de toneladas de trigo, na temporada 2021/22, de julho a junho. O Ministério da Agricultura disse que a Ucrânia exportou 43 milhões de toneladas de vários grãos na temporada 2021/22 até 23 de fevereiro, um dia antes de a Rússia lançar seu ataque ao seu vizinho. A Ucrânia aumentou sua produção de grãos em 32% em 2021, para 85,7 milhões de toneladas.

logo