CONECTA NEWS – 13/07/2022

Fique ligado nas principais notícias do agronegócio no Brasil e no mundo. O conteúdo do Conecta News é uma parceria com o SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS

Agricultura

img-news
CAFÉ: Logística é grande desafio para exportação em 2022/23
Apesar de uma safra bem menor em volume na temporada 2021/22 depois do recorde histórico de 2020/21, e de graves entraves logísticos decorrente da pandemia global de Covid-19, o Brasil exportou quase 40 milhões de sacas de 60 quilos de café no ciclo encerrado em 30 de junho. Em apresentação dos resultados dos embarques do ano-safra 2021/22, os dirigentes do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé) apontaram que o grande desafio para o segmento exportador em 2022/23 será a questão logística. "Apesar dos gargalos logísticos, da guerra na Europa, exportamos um volume expressivo, perto de 40 milhões de sacas, dentro da média dos últimos cinco anos", disse Marco Antonio Marcos, diretor geral da entidade. Segundo Marcos, além das questões logísticas, com escassez de contêineres, há ainda os efeitos do conflito na Ucrânia e os efeitos da volatilidade nos preços como grande desafios para o setor exportar de café em 2021/22. Já o presidente do Cecafé, Günter Hausler, salientou que muitos desafios se apresentam para o ano-safra recém iniciado. "Mas a grande questão mesmo é a logística. As agências marítimas apontam que o cenário de escassez de contêineres só deve começar a se normalizar a partir do segundo semestre de 2023. Então, mesmo tendo uma disponibilidade maior de café em 2022, a exportação vai depender dessas variáveis. E ainda temos o desafio da Covid-19, no Brasil e ao redor do mundo. Recentemente o maior porto movimentador de contêineres do mundo, em Xangai, foi totalmente paralisado. O que posso dizer é que iremos trabalhar muito para buscar os melhores resultados", assinalou. Sobre projeções de receita e volume de exportação de café para 2022/23, o Cecafé preferiu não fazê-las. "Projeção agora não tem como ser feita, é muito difícil. Mas estaremos acompanhando o mercado diariamente, avaliando os preços, assim como os entraves logísticos", salientou Hausler.

SOJA/MILHO: Preços de fretes oscilam nas principais rotas do país
Levantamento elaborado por SAFRAS & Mercado indica que os preços dos fretes da soja e do milho oscilaram nas principais rotas de escoamento do país na semana terminada em 13 de julho. O frete entre Cascavel e Paranaguá seguiu em R$ 143,00 por tonelada. Entre Sorriso (MT) e Paranaguá, o preço por tonelada caiu de R$ 560,00 para R$ 550,00. De Rondonópolis a Paranaguá, os preços caíram de R$ 400,00 para R$ 370,00 por tonelada. Entre Passo Fundo e Rio Grande, o frete recuou de R$ 110,00 para R$ 105,00 por tonelada. Entre Rio Verde (GO) e o Porto de Santos, os preços estabilizaram em R$ 330,00 por tonelada.

CAFÉ: SAFRAS estima colheita 2022/23 no Brasil em 59% até 12/julho
A colheita de café da safra brasileira 2022/23 está em 59% até o dia 12 de julho. O número faz parte do levantamento semanal de SAFRAS & Mercado para a evolução da colheita da safra. Na semana anterior, o índice era de 48%. A colheita segue atrasada em relação ao ano passado, quando 62% da safra estava colhida neste período. Os trabalhos também estão atrasados contra à média dos últimos 5 anos, que é de 65%. Segundo o consultor de SAFRAS & Mercado, Gil Barabach, a colheita ganhou ritmo, mas segue atrasada. "A colheita de café no Brasil voltou a andar muito bem ao longo da última semana. E com isso, reduziu, novamente, a diferença e já anda, praticamente, em linha com igual período do ano passado. O clima mais seco e o percentual de maturação elevado das lavouras justificam a aceleração nos trabalhos. O equacionamento de mão de obra também favoreceu a melhor performance", assinalou. A colheita de arábica alcança 50% da safra, acima dos 49% de igual época do ano passado, mas bem abaixo dos 56% de média dos últimos 5 anos para o período. "Seguem surgindo relatos de perda de potencial acima do esperado. Já o perfil preliminar da qualidade continua muito positivo, tanto para bebida como para o percentual de peneira", disse Barabach. Os trabalhos com conilon chegam a 75% do potencial da safra, ainda bem abaixo dos 82% em igual época do ano passado e dos 87% de média no período entre 2017 a 2021. A safra maior, a demora na maturação e a dificuldade com mão de obra explicam a lentidão dos trabalhos.

EUA: Inflação de alimentos e commodities segue alta, mas parece ter moderado
A inflação nos preços de alimentos e commodities permanece significativa mas já há sinais de desaceleração em relação aos meses anteriores, afirma o Livro Bege, relatório econômico sobre as 12 principais regiões dos Estados Unidos produzido pelo Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano). O documento também disse que a oferta de mão de obra parece ter melhorado nos últimos tempos. "Os aumentos nos custos de alimentos, commodities e energia (principalmente combustível) permaneceram significativos, embora vários relatórios notam que a inflação de preços para essas categorias desacelerou em comparação com os últimos meses, mesmo permanecendo historicamente elevada", afirma o relatório. Alguns também notaram moderação nos preços de insumos de construção, como madeira e aço. De acordo com o Fed, a maioria espera que as pressões de preços persistam pelo menos até o final do ano. Embora vários distritos tenham destacado preocupações com o resfriamento da demanda futura, no geral o poder dos preços foi estável e, em alguns setores, como viagens e hospitalidade, as empresas foram bem-sucedidas em repassar aumentos consideráveis aos clientes com pouca ou nenhuma reação. Mercado de trabalho A maioria dos distritos continuou a relatar que o emprego aumentou em um ritmo modesto a moderado e as condições permaneceram apertadas em geral. No entanto, quase todos os distritos notaram melhorias modestas na disponibilidade de mão de obra em meio à demanda mais fraca por trabalhadores, particularmente entre os setores de indústria e construção. A maioria dos Distritos continuou a relatar crescimento salarial. "Um terço dos distritos indicou que os empregadores estavam considerando ou deram bônus aos funcionários para compensar os custos relacionados à inflação, enquanto em dois distritos, os trabalhadores solicitaram aumentos para compensar custos mais altos", explica o relatório. "Um quarto dos distritos indicou que o crescimento salarial permanecerá elevado nos próximos seis meses, enquanto alguns notaram que as pressões salariais devem diminuir ainda este ano", concluiu. As informações são da Agência CMA.

ALGODÃO: NY cai mais 3%, refletindo temor por recessão global
A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures) para o algodão fechou com preços em forte baixa. As preocupações com a economia global seguem no foco do mercado, determinando a terceira sessão seguida de perdas. Nesta semana, os contratos acumulam perdas de cerca de 8%. A aversão ao risco no mercado financeiro internacional está no foco. Hoje, o índice de inflação dos Estados Unidos em junho ficou acima do esperado, reforçando o sentimento de que a política monetária americana continuará dura. Para o mercado, o temor de queda no consumo se reflete em perdas. Os contratos com entrega em dezembro fecharam a 87,71 centavos de dólar por libra-peso, baixa de 3,13 centavos, ou de 3,44%. Março/2023 fechou a 83,83 centavos, com perda de 2,85 centavos, ou de 3,28%.

MILHO: Chicago se recupera e fecha em alta significativa
A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o milho fechou a sessão de hoje com preços significativamente mais altos. O mercado buscou uma recuperação frente às fortes perdas da última sessão, cobrindo posições vendidas e avaliando as condições de clima nos Estados Unidos, onde os níveis de umidade em áreas produtoras estão diminuindo. O sentimento de que a demanda nos Estados Unidos para etanol está perdendo força e o aumento nas estimativas de estoques finais e da produção norte-americana indicadas ontem pelo Departamento de Agricultura do País, impediram uma recuperação mais expressiva nos preços. Também há preocupações com a situação da economia norte-americana, em meio ao indicativo de que o Federal Reserve poderá adotar um aperto na política monetária do país. A produção de etanol de milho dos Estados Unidos diminuiu 3,7% na semana encerrada em 08 de julho, atingindo 1.005 mil barris diários (*), ante 1.044 mil barris na semana anterior (01) segundo dados da AIE (Administração de Informação de Energia). Já os estoques de etanol dos Estados Unidos passaram de 23,490 milhões de barris para 23,606 milhões de barris no mesmo período comparativo (+0,49%). (*) Cada barril equivale a 159 litros. Na sessão, os contratos de milho com entrega em setembro fecharam a US$ 6,00 por bushel, recuo de 6,00 centavos de dólar, ou 1,01%, em relação ao fechamento anterior. A posição dezembro de 2022 fechou a sessão a US$ 5,95 1/4 por bushel, alta de 8,75 centavos, ou 1,49% em relação ao fechamento anterior.

logo