CONECTA NEWS – 16/03/2022

Fique ligado nas principais notícias do agronegócio no Brasil e no mundo. O conteúdo do Conecta News é uma parceria com o SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS

Agricultura

img-news
CAFÉ: NY fecha em alta acentuada com recuperação 
A Bolsa de Mercadorias de Nova York (Ice Futures US) para o café arábica encerrou as operações desta quarta-feira com preços acentuadamente mais altos. As cotações disparam no dia em movimento de correção técnica após as recentes perdas acentuadas. Os preços atingiram os patamares mais baixos em 4 meses, seguindo o petróleo e com a apreensão com os efeitos econômicos globais da guerra entre Rússia e Ucrânia e sobre a demanda por café. No entanto, recentemente a Organização Internacional do Café (OIC) indicou que o mercado mundial em 2021/22 deverá ter um déficit na oferta de 3,1 milhões de sacas, após ter tido um superávit de 5,9 milhões de sacas em 2020/21. Os contratos com entrega em maio/2022 fecharam o dia a 217,50 centavos de dólar por libra-peso, valorização de 6,35 centavos, ou de 3,0%. A posição julho/2022 fechou a 217,25 centavos, alta de 6,45 centavos, ou de 3,0

MILHO: Chicago fecha com em queda por fraca demanda por etanol nos EUA 
A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o milho fechou a sessão de hoje com preços em forte queda. O cereal foi pressionado por vários fatores. Notícias de que a demanda de milho voltada a produção de etanol recuou nos Estados Unidos e de que a produção de petróleo no país ficou acima do esperado impactaram os preços. Também pesou o indicativo de avanços nas negociações entre Rússia e Ucrânia visando um plano de paz entre os dois países, ainda que provisório. A produção de etanol de milho dos Estados Unidos caiu 0,2% na semana encerrada em 11 de março, atingindo 1,026 milhão de barris diários (*), ante 1,028 milhão de barris na semana anterior (04), segundo dados da AIE (Administração de Informação de Energia). Já os estoques de etanol dos Estados Unidos passaram de 25,271 milhões de barris para 25,950 milhões de barris no mesmo período comparativo (+2,7%). Os contratos de milho com entrega em maio fecharam a US$ 7,30 por bushel, perda de 28,00 centavos de dólar, ou 3,69%, em relação ao fechamento anterior. A posição julho de 2022 fechou a sessão a US$ 6,97 por bushel, queda de 26,25 centavos, ou 3,62% em relação ao fechamento anterior. 

TRIGO: Chicago fecha no limite de baixa com chuvas nos EUA 
A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o trigo encerrou com preços no limite de baixa. O mercado foi fortemente pressionado pelos rumores de trégua entre a Rússia e a Ucrânia - que poderia reabrir os negócios com grãos na região do Mar Negro -, bem como por chuvas benéficas para os próximos dias em regiões secas de trigo de inverno no Meio Oeste dos Estados Unidos. No fechamento de hoje, os contratos com entrega em maio de 2022 eram cotados a US$ 10,69 1/4 por bushel, baixa de 85,00 centavos de dólar, ou 7,36%, em relação ao fechamento anterior. Os contratos com entrega em julho de 2022 eram negociados a US$ 10,42 1/2 por bushel, perda de 85,00 centavos de dólar, ou 7,53%, em relação ao fechamento anterior. 

SOJA: Em dia volátil, Chicago segue outros mercados e fecha em baixa 
Os contratos futuro da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a quarta-feira com preços mais baixos, em dia de muita volatilidade. O mercado iniciou a sessão com alta, ainda sustentada por fatores fundamentais. Mas após trigo e milho acentuarem as quedas e o petróleo mudar de direção para o território negativo, os preços da soja também caíram. No final da sessão, o mercado operava perto das mínimas do dia, avaliando também a decisão do banco central americano de elevar as taxas básicas de juros após três anos sem alteração. Amanhã, as atenções se voltam para os números de embarques dos Estados Unidos na semana. O mercado aposta em vendas entre 1,1 milhão e 2,5 milhões de toneladas. Os contratos da soja em grão com entrega em maio fecharam com baixa de 9,50 centavos de dólar por bushel ou 0,57% a US$ 16,49 1/4 por bushel. A posição julho teve cotação de US$ 16,25 por bushel, com perda de 9,75 centavos ou 0,59%. Nos subprodutos, a posição maio do farelo fechou com baixa de US$ 6,00 ou 1,23% a US$ 478,00 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em maio fecharam a 73,55 centavos de dólar, com baixa de 0,13 centavo ou 0,17%. 

ALGODÃO: Goiás deve registrar aumento de 16,5% na produção em 2021/2022 
Com previsão de produção de 127,9 mil toneladas de algodão na safra 2021/2022, crescimento de 16,5% em relação à safra anterior, o estado de Goiás se mantém na terceira posição no ranking nacional - atrás apenas de Mato Grosso (1) e Bahia (2). Além do aumento na produção, a expectativa é de crescimento de 12,4% na área de cultivo, com 28,3 mil hectares, e de 0,4% na produtividade média, que deve passar a ser de 4,4 toneladas por hectare. Os dados foram compilados e analisados pela Gerência de Inteligência de Mercado da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) e integram a edição de março do boletim Agro em Dados. 
No ranking dos municípios goianos, Chapadão do Céu está em primeiro lugar, com 39,1% da produção estadual, seguido por Cristalina, em segundo lugar, com 22,6% da produção goiana. Aparecem na lista Britânia (3), Montividiu (4) e Luziânia (5). De acordo com o Agro em Dados - que também utilizou informações repassadas pela Associação Goiana dos Produtores de Algodão (Agopa) - é esperado, ainda, aumento no cultivo da pluma em área irrigada no Estado, que saiu de 10,6% em participação na safra anterior para 41,6% na atual. Em relação ao Valor Bruto de Produção (VBP) do algodão, o boletim deste mês revela que a estimativa é de R$ 792,2 milhões em 2022, crescimento de 37,9% em comparação ao ano passado. Já nas exportações, Goiás está na sétima posição, com 2,0% de participação entre os principais estados exportadores. 
Em 2021, foram US$ 73,6 milhões em volume exportado. Segundo o secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tiago Mendonça, os números da cotonicultura em Goiás revelam que há uma diversificação de produção agrícola no Estado e que cada vez mais são feitos investimentos em diferentes culturas no Estado. "Somado às políticas de fortalecimento do agro, temos solo fértil e clima favorável para várias atividades da agricultura em Goiás. Isso eleva produção, produtividade e resulta em desenvolvimento em vários municípios goianos. No caso específico do algodão, Goiás deverá alcançar, na safra 2021/2022, números mais expressivos que a safra anterior. Mostra que estamos atentos às demandas do mercado e trabalhando para levar produtos de qualidade tanto interno quanto externamente", destaca. As informações são da Seapa. 

EUA: Taxa de juros básica é elevada para a faixa de 0,25% e 0,5% - Fed
O Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) decidiu aumentar em 0,25 ponto percentual (pp) a taxa básica de juros dos Estados Unidos para a faixa entre 0,25% e 0,5%, em uma tentativa de controlar a inflação crescente no país. Segundo comunicado do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), o comitê também deve iniciar a redução de seu patrimônio em reunião futura. "Com o adequado fortalecimento da política monetária, o Comitê espera que a inflação volte à sua meta de 2% e o mercado de trabalho continue forte. Em apoio a essas metas, o Comitê decidiu aumentar a faixa-alvo para a taxa federal de juros para 0,25% e 0,5% e prevê que aumentos contínuos na faixa-alvo serão apropriados", afirma o comunicado do banco. "Além disso, o Comitê espera começar a reduzir suas participações em títulos do Tesouro e títulos lastreados em hipotecas e dívidas de agências em uma próxima reunião", acrescentou. As informações partem da Agência CMA.

CAFÉ: Londres fecha em forte alta seguindo recuperação de NY
A Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres (ICE Futures Europa) para o café robusta encerrou as operações desta quarta-feira com preços acentuadamente mais altos. Os preços dispararam no dia para o robusta em Londres, acompanhando a recuperação técnica observada para o arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US). Recentes previsões da Organização Internacional do Café (OIC) de déficit na oferta global na temporada 2021/22 também foram citadas como aspecto altista para o café. No entanto, os aspectos técnicos foram primordiais para os ganhos, com NY puxando a subida de Londres. O último relatório da Organização Internacional do Café (OIC), relativo a fevereiro, estima que o mercado global de café terá um déficit de 3,1 milhões de sacas na oferta na temporada 2021/22. Esse cenário vem após um superávit da ordem de 5,9 milhões de sacas em 2020/21. Os contratos para entrega em maio/2022 fecharam o dia a US$ 2.148 a tonelada, alta de US$ 67, ou de 3,2%. A posição julho/2022 fechou a US$ 2.121 a tonelada, elevação de US$ 68, ou de 3,3%.

logo