CONECTA NEWS – 19/07/2022

Fique ligado nas principais notícias do agronegócio no Brasil e no mundo. O conteúdo do Conecta News é uma parceria com o SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS

Agricultura

img-news
MILHO: Chicago despenca por fatores técnicos e fraca demanda global
A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o milho fechou a sessão de hoje com preços acentuadamente mais baixos. O cereal consolidou fortes perdas, pressionado pela estabilidade nas condições das lavouras norte-americanas e pelo avanço nas conversas sobre o corredor de grãos na região do Mar Negro. Segundo a Reuters, fatores técnicos, a queda generalizada no mercado de commodities e sinais de fraca demanda internacional completaram o quadro baixista. O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou dados sobre as condições das lavouras americanas de milho. Segundo o USDA, até 17 de julho, 64% estavam entre boas e excelentes condições o mercado esperava 63%, 25% em situação regular e 11% em condições entre ruins e muito ruins. Na semana anterior, os números eram de 64%,26% e 10%, respectivamente. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse nesta terça-feira que a Rússia espera que as negociações sobre uma passagem segura para embarques de grãos ucranianos através do Mar Negro continuem em breve, informou a agência de notícias estatal russa TASS. Na sessão, os contratos de milho com entrega em setembro fecharam a US$ 5,96 3/4 por bushel, recuo de 15,50 centavos de dólar, ou 2,53%, em relação ao fechamento anterior. A posição dezembro de 2022 fechou a sessão a US$ 5,95 1/4 por bushel, baixa de 15,50 centavos, ou 2,53% em relação ao fechamento anterior.

TRIGO: Chicago fecha em baixa predominante pressionada por realização
A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o trigo encerrou com preços predominantemente mais baixos. Após volatilidade, o mercado se consolidou no território negativo, ainda que distante das mínimas. Os contratos foram pressionados por um movimento de realização. A melhora nas lavouras dos EUA e o cancelamento de uma operação de compra do Egito completam o quadro baixista. A queda foi limitada pelas dúvidas quanto à retomada das exportações da Ucrânia pelo Mar Negro favorecem o viés altista. O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou dados sobre as condições das lavouras americanas de trigo primavera. Segundo o USDA, até 17 de julho, 71% estão entre boas e excelentes condições o mercado esperava 70%, 23% em situação regular e 6% em condições entre ruins e muito ruins. Na semana passada, os percentuais ficavam em 70%, 25% e 5%, respectivamente. O Egito cancelou, através da Autoridade Geral para Oferta de Commodities (GASC, na sigla em inglês), sua licitação de importação de trigo nesta terça-feira. Segundo traders, as ofertas recebidas foram consideradas muito caras. No fechamento de hoje, os contratos com entrega em setembro de 2022 eram cotados a US$ 8,12 1/4 por bushel, baixa de 0,50 centavo de dólar, ou 0,06%, em relação ao fechamento anterior. Os contratos com entrega em dezembro de 2022 eram negociados a US$ 8,28, recuo de 1,50 centavo de dólar, ou 0,18%, em relação ao fechamento anterior.

SOJA: Chicago fecha em baixa por fatores técnicos e realização de lucros
Os contratos futuro da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a terça-feira com preços em baixa, mas acima das mínimas do dia. Após os fortes ganhos de ontem, um movimento de vendas técnicas e de realização de lucros pressionou as cotações. Na primeira parte da sessão, a correção de rumo foi impulsionada pela queda do petróleo e de outras commodities. Mas com a recuperação do barril, a queda da soja foi amenizada. Os participantes seguem de olho nos mapas meteorológicos. A previsão de tempo seco em parte das regiões produtoras dos Estados segue sendo motivo de preocupação. O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA)divulgou ontem dados sobre as condições das lavouras americanas de soja. Segundo o USDA, até 17 de julho, 61% estavam entre boas e excelentes condições o mercado esperava 62%, 29% em situação regular e 14% em condições entre ruins e muito ruins. Na semana anterior, os índices eram de 62%, 29% e 9%, respectivamente. Os contratos da soja em grão com entrega em agosto fecharam com baixa de 20,00 centavos ou 1,33% a US$ 14,77 1/4 por bushel. A posição novembro teve cotação de US$ 13,58 1/4 por bushel, com perda de 22,00 centavos de dólar ou 1,59%. Nos subprodutos, a posição agosto do farelo fechou com alta de US$ 0,50 ou 0,11% a US$ 435,00 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em agosto fecharam a 61,89 centavos de dólar, com perda de 1,31 centavo ou 2,07%.

CAFÉ: Estoques certificados de Nova York caíram 6.935 sacas em 19/07
Os estoques certificados de café nos armazéns credenciados da Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures) na posição de 19 de julho de 2022 estão em 727.222 sacas de 60 quilos, com queda de 6.935 sacas em relação ao dia anterior.

CAFÉ: NY fecha sessão volátil com novos ganhos, seguindo mercados
A Bolsa de Mercadorias de Nova York (Ice Futures US) para o café arábica encerrou as operações desta terça-feira com preços mais altos. A sessão foi volátil, de perdas e ganhos. Mas, NY terminou dando sequência à recuperação técnica, fechando a terceira sessão seguida com altas. O dia voltou a ser de menor aversão ao risco, com o dólar em queda contra outras moedas, com bolsas de valores avançando, com o petróleo subindo, o que garantiu suporte também ao café. Houve movimentos de realização de lucros após a sexta-feira passada e segunda-feira agora de fortes altas, o que pressionou para baixo os preços em muitos momentos. Mas, ao final das contas o mercado encontrou sustentação acompanhando outros indicadores e também recebeu sustentação da contínua queda nos estoques certificados da bolsa de NY, o que sugere aperto na oferta no curto prazo, mesmo em meio à colheita no Brasil. Os contratos com entrega em setembro/2022 fecharam o dia a 216,50 centavos de dólar por libra-peso, alta de 1,30 centavo, ou de 0,6%. A posição dezembro/2022 fechou a 212,20 centavos, valorização de 1,00 centavo, ou de 0,5%.

SOJA: Brasil deve embarcar até 7,794 milhões de toneladas em julho
As exportações brasileiras de soja em grão deverão ficar em 7,794 milhões de toneladas em julho, conforme levantamento semanal da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (ANEC). Em julho do ano passado, as exportações ficaram em 7,969 milhões de toneladas. Em junho, o país embarcou 9,952 milhões de toneladas. Na semana entre 10 e 16 de julho, o Brasil embarcou 1,543 milhão de toneladas. Para o período entre 17 e 23 de julho, a ANEC indica a exportação de 1,857 milhão de toneladas. Para o farelo de soja, a previsão é de embarques de 2,206 milhões de toneladas em julho. No mesmo mês do ano passado, o total exportado foi de 1,748 milhão de toneladas. Em junho, volume ficou em 2,157 milhões de toneladas. Na semana passada, as exportações ficaram em 488,339 mil toneladas e a previsão para esta semana é de 458,951 mil toneladas.

AÇÚCAR: Londres fecha sessão com cotações mais baixas
A ICE Futures Europe (Bolsa de Londres) para o açúcar refinado fechou as operações com cotações em forte baixa. Os contratos com entrega em Agosto/2022 fecharam a US$ 539,60 por tonelada, queda de US$ 14,50 a tonelada (-2,6%) na comparação ao fechamento anterior. Outubro/2022 fechou a US$ 519,70 por tonelada, recuo de US$ 11,20 a tonelada (-2,1%).

AÇÚCAR: Nova York cai quase 3% com fraqueza técnica e etanol mais barato no Brasil
A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures US) para o açúcar bruto encerrou o pregão eletrônico com cotações acentuadamente mais baixas. Os contratos com entrega em outubro/2022 encerraram o dia a 18,84 centavos de dólar por libra-peso, recuo de 0,57 centavo (-2,93%). A posição Março/2023 fechou cotada a 19,03 centavos (-2,56%). O mercado despencou com fraqueza técnica e com o etanol mais barato no Brasil. Rompendo importantes suportes gráficos e técnicos, stops de venda (vendas automáticas) de fundos e especuladores foram acionadas, intensificando as perdas, e fazendo o primeiro contrato operar novamente abaixo da linha de 19 centavos. No Brasil, o governo adota medidas para o etanol acompanhar a redução nos preços da gasolina, na forma de desoneração. Com isso, o biocombustível fica menos atrativo para as usinas, que tendem a incrementar a produção de açúcar.

CAFÉ: Vendas de grãos na Tanzânia caem 53% no primeiro trimestre
As vendas de grãos de café da Tanzânia caíram 53% no primeiro trimestre deste ano em comparação com o trimestre anterior, principalmente devido a um declínio na demanda global, disse o banco central do país na segunda-feira. As vendas caíram para 12.498,6 toneladas métricas de 26.879,4 toneladas no quarto trimestre de 2021, disse o banco em seu relatório consolidado de desempenho econômico zonal. A aquisição também foi 12% menor do que no primeiro trimestre do ano passado, em 14.125,3 toneladas, disse. Quase todo o café da Tanzânia é vendido para exportação. Os leilões de arábica da Tanzânia usam o índice de preços da Bolsa de Mercadorias e Futuros de Nova York (ICE) como referência. Os preços do Robusta seguem o contrato negociado em Londres na ICE. As vendas diretas também são permitidas. As exportações de grãos de café da Tanzânia devem cair 8,7%, para 1,05 milhão de sacas de 60 quilos no ano de comercialização que começa em julho de 2022 a junho de 2023 devido à menor oferta exportável, de acordo com o recente relatório anual de café da Tanzânia do Departamento de Agricultura dos EUA. O café da Tanzânia é exportado principalmente para o Japão, EUA, União Europeia, Marrocos, Rússia, Coreia do Sul e India, disse o USDA. As informações são da Dow Jones.

TRIGO: Plantio no Paraguai ainda está em fase de desenvolvimento
A União dos Grêmios de Produção (UGP) do Paraguai indicou que o plantio de trigo ainda está em fase de desenvolvimento, mas com expectativas apontando para o próximo plantio que deve começar em setembro ou outubro. "Estamos analisando um pouco as perspectivas e conseguindo os insumos necessários, já que os fertilizantes dobraram de preço, temos que ver quanto chega este mês e sempre fica a dúvida se vai ter o suficiente para todos", disse o presidente da UGP, Héctor Cristaldo em entrevista à Rádio Nacional do Paraguai. Cristaldo destacou que o sindicato está entrando em um período de safra com custos muito elevados devido ao aumento de combustíveis, fertilizantes e outros insumos, o que fará com que os preços não consigam manter os níveis atuais. As informações são da Agência CMA LatAm.

AGRONEGÓCIO: Argentina espera atingir recorde anual de US$ 90 bi em exportações
A Ministra da Economia, Silvina Batakis, e o Chanceler Santiago Cafiero, reuniram-se para analisar o crescimento das exportações e esperam finalizar no ano em torno de US$ 90 bilhões, sendo o volume máximo da história. Até o No momento, eles acumulam nos primeiros seis meses do ano e chegam a US$ 44,5 bilhões. As exportações registraram níveis recordes nos primeiros 5 meses do ano, chegando a US$ 35,917 bi, sendo o maior valor histórico para este período e superando em 13% o recorde de janeiro-maio de 2013. Os produtos exportados com maior crescimento foram trigo (US$ 1,805 bilhão), milho (US$ 998 milhões), óleos brutos de petróleo (US$ 922 milhões) e biodiesel (US$ 655 milhões) devido aos preços mais elevados, mas também cresceu em quantidade, registando as Manufaturas de Origem Industrial os maiores valores exportados desde 2013. Os três principais parceiros da Argentina foram Brasil, China e Estados Unidos, absorvendo em juntos 26,3% das exportações e forneceram 52,0% das importações de janeiro a maio de 2022. Por outro lado, os maiores superávits corresponderam ao comércio com o Chile (US$ 1,874 bilhão), Holanda (US$ 1,388 bilhão), India (US$ 1,386 bilhão), Peru (US$ 909 milhões), Indonésia (US$ 902 milhões) e Argélia (US$ 860 milhões). Por fim, Batakis e Cafiero destacaram o comércio intrazona do MERCOSUL, que chegou a US$ 17,500 bilhões nos primeiros 5 meses, com um aumento de 19% ano-a-ano. A Argentina aumentou seus 16% em exportações para o bloco e 22% de suas importações. O comércio extrazona do bloco foi de US$ 287,400 bilhões, aumentou 28% até agora este ano.

MILHO: Plantio no Paraguai é maior em 2022, mas com menor qualidade do grão
De acordo com a União de Grêmios de Produção (UGP) do Paraguai, a área de plantio de milho foi ampliada em relação ao ano anterior, alcançando maior produtividade, mas com menor qualidade do produto. Em entrevista à Rádio Nacional do Paraguai, o presidente da PMU, Héctor Cristaldo, afirmou que o campo está atualmente em plena colheita de milho e que este ano foram cultivados pouco mais de um milhão de hectares em relação a 2021. No entanto, indicou que a qualidade do milho da colheita deste ano "não está muito boa" e o preço caiu a partir do esperado, que estava acima de 200 dólares, agora se encontrando abaixo. "Está em andamento uma colheita razoavelmente boa que vai tirar muitas dúvidas que tínhamos sobre se teríamos ou não abastecimento. Por esse lado, não teremos mais problema, pois teremos uma produção razoável", disse.

logo