CONECTA NEWS – 25/01/2022

Fique ligado nas principais notícias do agronegócio no Brasil e no mundo. O conteúdo do Conecta News é uma parceria com o SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS

Agricultura

img-news
AÇÚCAR: Nova York fecha mista com dólar firme e clima favorável no Brasil
A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures US) para o açúcar bruto encerrou o pregão eletrônico com cotações mistas. Os contratos com entrega em março/2022 encerraram o dia a 18,78 centavos de dólar por libra-peso, queda de 0,03 centavo em relação ao fechamento anterior (ou 0,15%). A posição Maio/2022 fechou cotada a 18,41 centavos (-0,43%). Os contratos mais longos avançaram. O dólar firme voltou a exercer pressão negativa sobre os preços, assim como o fator clima. Após um início de semana praticamente seco, as chuvas deverão voltar com força entre a quinta-feira e o sábado no Centro-Sul do Brasil, reforçando um cenário positivo para o desenvolvimento dos canaviais da região, disse o analista da Consultoria SAFRAS & Mercado, Maurício Muruci. Com a entressafra chuvosa, a safra de cana da principal região produtora do país deverá se recuperar parcialmente, passando das 520 milhões de toneladas no ano passado após uma quebra histórica provocada por estiagem prolongada e ainda eventos de geadas para 560 milhões de toneladas, aponta a SAFRAS.

EMPRESAS: Grupo Lavoro conclui aquisição da Agrozap
Dando continuidade à sua estratégia de expansão no Brasil, a Lavoro, maior distribuidora de insumos agrícolas da América Latina, concluiu o processo de aquisição da Agrozap (Facirolli Comércio e Representações Ltda.), uma das líderes na distribuição de insumos agrícolas no Triângulo Mineiro. 
Fundada em 2001, atualmente a Agrozap conta com nove lojas, sendo a matriz em Uberaba e as filiais localizadas nas cidades mineiras de Capinópolis, Carmo do Paranaíba, Conceição das Alagoas, Frutal, Nova Ponte, Patos de Minas, Sacramento e Uberlândia. A empresa possui mais de 100 colaboradores e cerca de 1.000 clientes ativos. 
"Estamos muito felizes com a chegada da Agrozap ao grupo Lavoro. Temos a certeza de que esta parceria fortalecerá ainda mais a nossa presença no estado de Minas Gerais, tão relevante para o agronegócio brasileiro", explica Marcelo Abud, CEO da Lavoro. 
A estratégia de negócios da empresa contempla o crescimento orgânico das suas unidades e a aquisição de empresas que tenham sinergia com a companhia, assim como a ampliação das áreas de atuação das investidas ou a abertura de filiais em regiões em que ainda não estejam presentes. As informações são da assessoria de imprensa da empresa.

MILHO: Brasil deve embarcar 2,647 milhões de t em janeiro, aponta ANEC
As exportações brasileiras de milho deverão ficar em 2,647 milhões de toneladas em janeiro, conforme levantamento semanal da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (ANEC). Em janeiro do ano passado, o Brasil exportou 2,163 milhões de toneladas. Em dezembro de 2021, os embarques do cereal somaram 3,321 milhões de toneladas. Na semana entre 2 e 8 de janeiro, dados revisados apontam que o Brasil embarcou 343,064 mil toneladas. No período entre 9 de janeiro e 15 de janeiro, a ANEC indica que a exportação ficou em 967,826 mil toneladas. 

AÇÚCAR REFINADO: Londres fecha sessão com cotações em leve baixa
A ICE Futures Europe (Bolsa de Londres) para o açúcar refinado fechou as operações com cotações em leve baixa. Os contratos com entrega em março/2022 fecharam a US$ 504,00 por tonelada, queda de US$ 0,50 a tonelada (-0,09%) na comparação ao fechamento anterior. Maio/2022 fechou a US$ 496,50 por tonelada, recuo de US$ 0,50 a tonelada (-0,1%).

CAFÉ ROBUSTA: Londres sobe acompanhando recuperação do arábica e do petróleo
A Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres (ICE Futures Europa) para o café robusta encerrou as operações desta terça-feira com cotações em alta. Os contratos para entrega em março/2022 fecharam o dia a US$ 2.237 a tonelada, com alta de US$ 40, ou de 1,82%. A posição maio/2022 fechou a US$ 2.203 a tonelada, ganho de US$ 37, ou de 1,70%. As cotações buscaram recuperação amparadas em fatores técnicos após as perdas das últimas duas sessões, acompanhando o direcionamento positivo do referencial nova-iorquino e ainda do petróleo. Na semana passada, o primeiro contrato do robusta em Londres afundou para US$ 2.184 por tonelada, nível mais baixo em dois meses.

SOJA: Esmagamento em Mato Grosso é recorde em dezembro – Imea
Mato Grosso apresentou um volume de 786,47 mil toneladas de soja esmagadas em dezembro de 2021, maior valor já observado para o período. Esse cenário foi impulsionado pela manutenção da demanda externa pelo farelo, que favoreceu uma maior produção do subproduto no estado, bem como pelo óleo, uma vez que as exportações acumuladas do produto cresceram 73,92% em 2021, no comparativo anual. Com isso, o processamento de soja atingiu 10,31 milhões de t em 2021, com uma produção de 7,66 milhões de t de farelo e 2,1 milhões de t de óleo. Apesar do cenário externo positivo, a redução da mistura obrigatória do biodiesel no diesel em 10% em 2021 contribuiu para um esmagamento 0,41% inferior ao volume visto em 2020. Por fim, para 2022, o adiantamento da colheita em relação à safra 20/21 e as projeções para uma ampla produção, trazem a perspectiva de crescimento do esmagamento para 11,21 milhões de t. As informações constam no Boletim Semanal do Imea - Instituto Mato-grossense de Economia Agrícola.

SOJA/MILHO: Estiagem no RS gera perda de R$ 36,14 bilhões ao produtor – FecoAgro
As perdas financeiras que os produtores do Rio Grande do Sul deverão alcançar devido à estiagem que assola o Estado já chegam a R$ 36,14 bilhões. É o que informa o segundo levantamento realizado pela Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS), considerando os números que foram divulgados até o momento. O impacto na soja é de R$ 29,51 bilhões no Valor Bruto da Produção (VBP), enquanto que no milho este valor já é de R$ 6,62 bilhões. O estudo ainda considera que o efeito dominó na economia gaúcha, considerando que a matriz insumo-produto, para cada R$ 1,00 gerado da porteira para dentro, outros R$ 3,29 serão gerados nos demais setores que atuam fora da porteira devido a este ganho de safra, pode chegar a R$ 115,67 bilhões só considerando a quebra nas duas culturas. 
A metodologia de cálculo utilizada pela FecoAgro/RS considerou a expectativa inicial de produção do IBGE e foi aplicado o percentual de perdas divulgado nesta semana pela Rede Técnica Cooperativa (RTC), que consultou 23 cooperativas parceiras da rede até o dia 22 de janeiro, considerando também o preço médio recebido pelo produtor em janeiro de 2022. Segundo os dados da Rede Técnica Cooperativa (RTC), a quebra de safra de soja é de 48,7% sendo que em algumas regiões as perdas ultrapassam os 70%. Já no milho, as estimativas apontam para uma perda de 70% das lavouras segundo a FecoAgro/RS. No levantamento anterior, de 4 de janeiro, os números eram de 59,2% no milho e 24% na soja, com impacto financeiro de R$ 5,41 bilhões e R$ 14,36 bilhões respectivamente, totalizando R$ 19,77 bilhões. A produção inicial estimada pelo IBGE, contabilizada nos cálculos, era de 20,95 milhões de toneladas na soja e 6,09 milhões de toneladas no milho. As informações partem da assessoria de imprensa da FecoAgro/RS.

ETANOL: Demanda voltará aos níveis pré-pandemia, diz ADM
A demanda para o etanol deve continuar forte em 2022, disseram executivos da Archer Daniels Midland (ADM) em "call" com analistas nesta terça-feira. As altas margens para o setor de etanol da companhia e uma grande demanda de gasolina durante os feriados do final do ano ajudaram a ADM a obter lucro de US$ 728 milhões durante o 4T, disse seu CFO, Ray Young. "Estamos vislumbrando a demanda para o etanol voltando aos níveis pré-pandemia aqui nos Estados Unidos", disse, prevendo crescimento no consumo do biocombustível em 2022 na comparação com 2021. As informações partem da Dow Jones.


logo