CONECTA NEWS – 25/07/2022

Fique ligado nas principais notícias do agronegócio no Brasil e no mundo. O conteúdo do Conecta News é uma parceria com o SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS

Agricultura

img-news
CAFÉ: Estoques certificados de Nova York caíram 879 sacas em 25/07
Os estoques certificados de café nos armazéns credenciados da Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures) na posição de 25 de julho de 2022 estão em 704.848 sacas de 60 quilos, com queda de 879 sacas em relação ao dia anterior. As informações partem da ICE Futures.

ALGODÃO: NY tem leves ganhos escorada no petróleo e com dólar em baixa
A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures) para o algodão fechou com preços levemente mais altos nesta segunda-feira. Em sessão volátil, em que o mercado teve dificuldades para definir um rumo, tendo apresentado perdas em parte do dia, houve recuperação e NY fechou com ligeiros avanços. A valorização do petróleo e a queda do dólar contra outras moedas garantiu sustentação. . Os contratos com entrega em dezembro/2022 fecharam o dia a 91,06 centavos de dólar por libra-peso, alta de 0,17 centavo, ou de 0,2%.

TRIGO: Demanda nos EUA e incertezas no Mar Negro sustentam boa alta em Chicago
A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o trigo encerrou com preços significativamente mais altos. O mercado foi impulsionado pelas incertezas geradas pelo ataque com mísseis russos na Ucrânia. Os investidores temem pelo acordo fechado sobre o corredor de grãos. Os temores iniciais, no entanto, arrefeceram após Rússia e Ucrânia confirmarem que o bombardeio não afetou armazéns de grãos, nem causaram danos significativos. Segundo a Reuters, a Rússia descartou a possibilidade de que o ataque ao porto de Odessa possa atrapalhar o acordo e disse que o documento não a impede de continuar bombardeando estruturas militares ucranianas. Assim, os ganhos no fechamento não foram tão expressivos quanto no início do dia. Analistas ouvidos pela Dow Jones disseram que não deve haver donos de navios dispostos a colocar suas embarcações e tripulações em risco. Deve levar algum tempo até que traders ganhem confiança de que a Ucrânia realmente pode exportar alguns milhões de toneladas ao mês. Algumas ofertas pelo trigo ucraniano foram vistas por traders, mas a maioria para o final de agosto. Sinais de demanda pelo produto estadunidense completaram o quatro positivo. As inspeções de exportação norte-americana de trigo chegaram a 475.426 toneladas na semana encerrada no dia 21 de julho, conforme relatório semanal divulgado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). O mercado esperava 375 mil toneladas. Na semana anterior, as inspeções de exportação de trigo haviam atingido 191.333 toneladas. Em igual período do ano passado, o total inspecionado fora de 515.514 toneladas No fechamento de hoje, os contratos com entrega em setembro de 2022 eram cotados a US$ 7,70 por bushel, ganho de 11,00 centavos de dólar, ou 1,44%, em relação ao fechamento anterior. Os contratos com entrega em dezembro de 2022 eram negociados a US$ 7,88 1/2 por bushel, alta de 11,00 centavos, ou 1,41% em relação ao fechamento anterior.

FERTILIZANTES: Importações somam 3,35 milhões de toneladas em julho
As importações de fertilizantes do Brasil envolveram US$ 2,624 bilhões em julho (16 dias úteis), com média diária de US$ 164 milhões. A quantidade total de fertilizantes importada pelo país ficou em 3,35 milhões de toneladas, com média de 209,5 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 782,80. Em relação a julho de 2021, houve alta de 179,6% no valor médio diário da importação, ganho de 19,5% na quantidade média diária importada e valorização de 134% no preço médio. Os dados são do Ministério da Economia e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

MILHO: Chicago fecha em forte alta com ceticismo no Mar Negro e clima adverso nos EUA
A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o milho fechou a sessão de hoje com preços acentuadamente mais altos. Desde o início do dia, o cereal foi impulsionado pelos ataques russos à Ucrânia, que trouxe ceticismo em relação ao acordo sobre o corredor de grãos assinado na sexta-feira. O clima quente e seco sobre as lavouras dos Estados Unidos completou o quadro altista. Segundo a Reuters, a Rússia descartou que o ataque ao porto de Odessa possa atrapalhar o acordo. Conforme Moscou, o ataque mirou apenas na infraestrutura militar ucraniana e não deve impactar os termos do contrato. As forças armadas da Ucrânia disseram que os ataques não atingiram áreas de armazenagem de grãos, nem causaram danos significativos. Traders estão céticos quanto a isso. Analistas acredita, que será preciso tempo para que haja confiança na retomada do comércio pela região. Na sessão, os contratos de milho com entrega em setembro fecharam a US$ 5,80 por bushel, ganho de 15,75 centavos de dólar, ou 2,79%, em relação ao fechamento anterior. A posição dezembro de 2022 fechou a sessão a US$ 5,83 3/4 por bushel, alta de 19,50 centavos, ou 3,45% em relação ao fechamento anterior.

SOJA: Chicago fecha em forte alta, seguindo petróleo e mercados vizinhos
Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a sexta-feira com preços mais altos. O mercado foi impulsionado pelo desempenho positivo das commodities neste início de semana. A alta do petróleo liderou esse movimento. Outro fator que ajudou a sustentar as cotações foi a incerteza em torno do acordo fechado na sexta para a liberação das exportações ucranianas. Durante o final de semana, a Rússia bombardeou o porto de Odessa. Para o mercado, o ataque trouxe a certeza que a retomada dos embarques de grãos da Ucrânia não vai ser tão fácil de ser efetivada. As inspeções de exportação norte-americana de soja chegaram a 388.212 toneladas na semana encerrada no dia 21 de julho, conforme relatório semanal divulgado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). O mercado esperava 340 mil toneladas. Na semana anterior, as inspeções de exportação de soja haviam atingido 436.829 toneladas. No final do dia, o USDA vai divulgar os dados sobre as condições das lavouras americana. O mercado espera uma queda de 1 ponto percentual no índice de lavouras em boas a excelentes condições, para 60%. Os contratos da soja em grão com entrega em agosto fecharam com alta de 38,50 centavos ou 2,68% a US$ 14,73 por bushel. A posição novembro teve cotação de US$ 13,46 por bushel, com ganho de 30,25 centavos de dólar ou 2,29%. Nos subprodutos, a posição setembro do farelo fechou com alta de US$ 15,90 ou 3,98% a US$ 415,20 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em setembro fecharam a 58,32 centavos de dólar, com perda de 0,51 centavo ou 0,86%.

ALGODÃO: Brasil exporta 16,662 mil toneladas até 4a semana de julho
As exportações brasileiras de algodão bruto somaram 16,662 mil toneladas até a quarta semana de julho (16 dias úteis), com média diária de 1,041 mil toneladas. A receita com as vendas ao exterior totalizou US$ 41,447 milhões, com média diária de US$ 2,590 milhões. As informações são do Ministério da Economia Em relação à igual período do ano anterior, houve recuo de 62,4% no volume diário exportado (2,770 mil toneladas diárias em julho de 2021). Já a receita diária teve decréscimo de 43,8% (US$ 4,611 milhões diários em julho de 2021).

CAFÉ: Embarques de julho do Brasil estão em 1,750 milhão de sacas
As exportações brasileiras de café em grão em julho chegaram a 1.750.582 sacas de 60 quilos no acumulado até o dia 24, com 16 dias úteis computados (média diária de 109.412 sacas), com receita chegando a US$ 425,381 milhões (média diária de US$ 26,586 milhões), e preço médio de US$ 242,99 por saca. A receita média diária obtida com as exportações de café em grão em julho está 74,6% maior no comparativo com a média diária de julho de 2021, que fora de US$ 15,225 milhões. Já o volume médio diário embarcado está 1,1% maior que o de julho de 2021, que tinha o registro de 108.268 sacas diárias de média. O preço médio, por sua vez, disparou 72,8%. Os dados são da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério da Economia.

MILHO: Exportações somam 2,871 milhões de toneladas em julho
As exportações de milho do Brasil apresentaram receita de US$ 836,782 milhões em julho (16 dias úteis), com média diária de US$ 52,299 milhões. A quantidade total de milho exportada pelo país ficou em 2,871 milhões de toneladas, com média de 179,444 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 291,40. Em relação a julho de 2021, houve alta de 185,6% no valor médio diário da exportação, avanço de 98,2% na quantidade média diária exportada e valorização de 44,1% no preço médio. Os dados são da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia.

AÇÚCAR: Exportação atinge 2,253 milhões de toneladas em julho
A receita diária média obtida com as exportações brasileiras de açúcar e outros melaços totaliza US$ 55,024 milhões em julho (16 dias úteis). Já o volume médio diário de exportações atingiu 140,873 mil toneladas. Foram exportadas 2.253.966 toneladas de açúcar no período, com receita total de US$ 880,388 milhões e um preço médio de US$ 390,60 por tonelada. Na comparação com a média diária de julho de 2021, de US$ 37,543 milhões, verifica-se alta de 46,6% no valor obtido diariamente pelas exportações de açúcar em julho de 2022. Em volume, houve alta de 25,5%, ante as 112,215 mil toneladas diariamente embarcadas em julho de 2021. Já o preço médio subiu 16,7%, ante os US$ 334,60 por tonelada verificados em julho de 2021. Os dados partem da Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

logo