CONECTA NEWS – 28/01/2022

Fique ligado nas principais notícias do agronegócio no Brasil e no mundo. O conteúdo do Conecta News é uma parceria com o SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS

Agricultura

img-news
ALGODÃO: Associação da China prevê queda de 0,4% da área em 2022/23
A Associação de Algodão da China (China Cotton Association - CCA) divulgou sua pesquisa de intenções de plantio 2022/23 em 11 províncias, que colocou a área de algodão em 2,87 milhões de hectares (queda de 0,4%). As informações são da Abrapa. 

AÇÚCAR REFINADO: Londres fecha sessão com cotações em baixa
A ICE Futures Europe (Bolsa de Londres) para o açúcar refinado fechou as operações com cotações em baixa. Os contratos com entrega em março/2022 fecharam a US$ 495,20 por tonelada, queda de US$ 4,50 a tonelada (-0,90%) na comparação ao fechamento anterior. Maio/2022 fechou a US$ 486,50 por tonelada, recuo de US$ 4,00 a tonelada (-0,81%). 

CAFÉ ROBUSTA: Londres consolida em movimento de correção técnica
A Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres (ICE Futures Europa) para o café robusta encerrou as operações desta sexta-feira com cotações em leve alta. Os contratos para entrega em março/2022 fecharam o dia a US$ 2.193 a tonelada, com alta de US$ 10, ou de 0,45%. A posição maio/2022 fechou a US$ 2.173 a tonelada, alta de US$ 9, ou de 0,41%. O mercado adotou uma postura de consolidação, com correção técnica após sucumbir para mínimas de dois meses e meio, atingindo os patamares mais baixos desde o início de novembro na sessão da quinta-feira. As cotações vêm sendo pressionadas pelo incremento da disponibilidade no Vietnã, maior produtor mundial, com a colheita agora praticamente completa.

ALGODÃO: Semeadura no Brasil atinge 74% da área, estima Abrapa
A Abrapa informou o progresso da semeadura da safra 2021/22 de algodão no Brasil até quinta-feira (27). Mato Grosso tinha plantado 69% da área; Bahia, 84%; Goiás, 86%; Minas Gerais, 85%; Mato Grosso do Sul, 100%; Maranhão, 86%; Piauí, 100%; São Paulo, 90%; e Paraná, 100%. A média do Brasil era de 74% da área plantada, ante 52% na semana anterior. As informações são da Abrapa.

CARNE SUINA: Incertezas no mercado global continuam em 2022 – Rabobank
Em publicação relativa ao primeiro trimestre de 2022, o Rabobank sinaliza que o cenário de incertezas para o mercado global de carne suína deve prosseguir em 2022. De acordo com o banco holandês, a Covid-19 continua sendo o maior curinga para a cadeia global de fornecimento de carne suína, uma vez que tanto a produção quanto a demanda seguem vulneráveis a quaisquer interrupções. A pandemia levou a muitas mudanças no gerenciamento da cadeia de suprimentos e nos padrões de consumo, que continuarão evoluindo. 
Para o Rabobank, embora muitas coisas estejam incertas, uma confirmação é de que os custos de insumos continuam a aumentar, como taxas de envio, preços da energia e dos grãos para alimentação animal, juntamente com os custos trabalhistas, o que está desafiando as cadeias de fornecimento de carne suína. Segundo o banco, em uma economia em desaceleração, produtores e processadores estão encontrando dificuldades para repassar todos os custos adicionais aos consumidores, de modo que as margens seguirão sob pressão. 
As importações e exportações globais de carne suína provavelmente cairão em relação aos níveis de 2021, principalmente devido às reduções na demanda de importação da China, à medida que a produção local se recupera. Embora os países importadores tradicionais - principalmente Japão e Coréia do Sul, além de alguns novos países importadores - provavelmente aumentem as importações, os principais exportadores precisarão encontrar um novo equilíbrio entre oferta e demanda. 
O banco sinaliza também que há preocupações em torno da peste suína africana (PSA). A enfermidade continua influenciando a produção e os mercados de carne suína na Europa, Ásia e nas Américas. 
Para o segundo e terceiro trimestres, o Rabobank sinaliza alguns fatores que precisarão ser observados, como os casos de covid-19 e suas restrições nos principais países produtores e consumidores de carne suína, os surtos de peste suína africana e outras doenças animais, as biotecnologias ou vacinas para os casos de covid-19 e PSA e a erupção vulcânica em Tonga e seus impactos potenciais no clima, produção de energia e na produção agrícola. 

ARROZ: Preço de exportação da Tailândia sobe, apesar de demanda fraca
Os preços de exportação na Tailândia avançaram novamente nesta semana, apesar da fraca demanda pelo produto do país no exterior. O preço da tonelada de arroz com 5% de quebrados oscilou de US$ 408 a US$ 415 nesta quinta-feira (27), ante US$ 407 a US$ 410 na semana anterior. Os preços de exportação de arroz do Vietnã ficaram de estáveis. O preço da tonelada de arroz com 5% de quebrados oscilou de US$ 395 a US$ 405 nesta quinta-feira (27), mesmo valor da semana anterior.

AGRICULTURA: Chuva volumosa favorece cultivos no centro-norte do país - Conab
Nas primeiras semanas deste ano, o clima continuou favorecendo os cultivos do centro-norte brasileiro. O desenvolvimento dos cultivos de verão em Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais, Pará, Rondônia e Matopiba foi beneficiado por bons volumes pluviais. A análise faz parte da edição de janeiro do Boletim de Monitoramento Agrícola, Cultivos de Verão (Safra 2021/2022), divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) nesta sexta-feira. 
Ainda segundo a publicação, em algumas localidades dos estados citados, o excesso de precipitação causou danos por inundação, excesso de umidade do solo, falta de luminosidade e dificuldade na realização de tratos culturais. Menores volumes pluviais Foram observadas precipitações irregulares e de baixo volume que persistiram no sudoeste do Mato Grosso do Sul, oeste de São Paulo e nos estados da região Sul. 
A restrição hídrica e as altas temperaturas têm prejudicado o desenvolvimento dos cultivos de verão na metade oeste do Paraná, no oeste de Santa Catarina e no noroeste e centro do Rio Grande do Sul. De acordo com o Boletim, as chuvas ocorridas no período de 15 a 21 de janeiro amenizaram a extensão das áreas sob restrição, mas permanece a condição de atenção principalmente nas lavouras em estádios reprodutivos. 
Mesmo com as chuvas da semana passada, as temperaturas locais permanecem elevadas. O Boletim de Monitoramento Agrícola é resultado da colaboração entre a Conab, o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) e o Grupo de Monitoramento Global da Agricultura (Glam), além de agentes colaboradores que contribuem com dados pesquisados em campo. Com informações da assessoria de imprensa da Conab.

logo