CONECTA NEWS – 28/07/2022

Fique ligado nas principais notícias do agronegócio no Brasil e no mundo. O conteúdo do Conecta News é uma parceria com o SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS

Agricultura

img-news
TRIGO: Plantio atinge 93% da área no Rio Grande do Sul, diz Emater
O plantio do trigo atinge 93% daárea no Rio Grande do Sul. Na semana passada, os trabalhos chegavam a 90%. Emigual momento do ano passado, eram 100%. A média dos último cinco ano para o período é de 98%. A estimativa de cultivo de trigo no Estado para a safra 2022 é de 1.413.763 hectares. A produtividade estimada é de 2.822 kg/ha. Avançou a implantação da cultura para 93% da área. Iniciou a floração em pequenas áreas implantadas inicialmente. As informações são do boletim semanal da Emater/RS.

TRIGO: Incerteza sobre oferta da Ucrânia faz Chicago fechar em forte alta
A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o trigo encerrou com preços acentuadamente mais altos. O mercado segue influenciado pelo ceticismo em relação à retomada das exportações de grãos da Ucrânia, bem como pelas incertezas sobre o volume que deve ingressar a partir disso. A demanda internacional pelo grão está aquecida, o que favorece a valorização. Analistas consultados pela Reuters disseram que os investidores ainda não sabem como precificar a situação. As vendas líquidas norte-americanas de trigo, referentes à temporada comercial 2022/23, que tem início em 1o de junho, ficaram em 412.000 toneladas na semana encerrada em 21 de julho. Destaque para a venda de 98.100 toneladas para as Filipinas. Analistas esperavam exportações entre 250 mil e 650 mil toneladas. As informações são do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). No fechamento de hoje, os contratos com entrega em setembro de 2022 eram cotados a US$ 8,17 por bushel, ganho de 23,75 centavos de dólar, ou 3,38%, em relação ao fechamento anterior. Os contratos com entrega em dezembro de 2022 eram negociados a US$ 8,35 1/4 por bushel, baixa de 26,75 centavos, ou 3,3% em relação ao fechamento anterior.

ETANOL: Orplana reforça importância da aprovação do PL 3149/2020
A onda de calor extremo registrada na Europa e Estados Unidos coloca, mais uma vez, o mundo sob alerta para a urgência no combate às mudanças climáticas. Em contrapartida, o governo federal publicou um decreto, na última sexta-feira (22), que adiou para setembro de 2023 o cumprimento das metas de 2022 estabelecidas pelo programa RenovaBio (Política Nacional de Biocombustíveis) em relação a compras de Créditos de Descarbonização (CBios) pelas distribuidoras de combustíveis. Neste contexto, a Organização das Associações de Produtores de Cana do Brasil (Orplana) reforçou, em carta enviada ao presidente Jair Bolsonaro, sobre a importância do RenovaBio para toda a cadeia sucroenergética; bem como da aprovação do Projeto de Lei 3149/2020, que trata da remuneração dos CBios e prevê divisão dos valores de venda na proporção de 80% aos produtores rurais. Hoje, os CBIOs são importantes componentes no rol de receitas do campo e ajudam a manter a atividade, gerando benefícios econômicos aos trabalhadores e ainda diversos benefícios ambientais frente ao combustível fóssil, destaca a carta assinada pelo presidente da Orplana, Gustavo Rattes de Castro. Para a Orplana, a prorrogação das metas estabelecidas pelo RenovaBio poderá prejudicar o setor. Bem como desincentivar o mais avançado programa de descarbonização existente no Brasil e que é exemplo para o mundo, diz o documento da entidade que representa 32 associações e 14 mil produtores rurais de cana-de-açúcar do Brasil. As informações partem da assessoria de imprensa da Orplana.

MILHO: Chicago fecha em forte alta com previsão de clima adverso nos EUA
A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o milho fechou a sessão de hoje com preços acentuadamente mais altos. Segundo a Agência Reuters, o milho encontrou suporte em preocupações de que as colheitas nos Estados Unidos e na Europa ficarão abaixo das previsões anteriores. O mercado também é impulsionado pela previsão de clima quente e seco sobre as lavouras dos Estados Unidos, ao menos, até o início de agosto. As dúvidas em relação à retomada das exportações da Ucrânia pelo Mar Negro completaram o quadro positivo. As vendas líquidas norte-americanas de milho para a temporada comercial 2021/22, que tem início no dia 1o de setembro, ficaram em 150.300 toneladas na semana encerrada em 21 de julho. Representa um forte aumento frente à semana anterior e sobre a média das últimas quatro semanas. O México liderou as compras, com 70.000 toneladas. Para a temporada 2022/23, foram mais 193.700 toneladas. Analistas esperavam exportações entre 200 mil e 700 mil toneladas, somando-se as duas temporadas. As informações são do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). Na sessão, os contratos de milho com entrega em setembro fecharam a US$ 6,15 por bushel, ganho de 14,75 centavos de dólar, ou 2,45%, em relação ao fechamento anterior. A posição dezembro de 2022 fechou a sessão a US$ 6,19 por bushel, alta de 16,00 centavos, ou 2,65% em relação ao fechamento anterior.

SOJA: Chicago sobe mais de 2% no grão, impulsionado por clima nos EUA, boa exportação e alta de 6% do óleo
Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a quinta-feira com preços mais altos. Foi a quinta alta consecutiva, em meio às preocupações com o clima seco no Meio Oeste dos Estados Unidos e o potencial prejuízo à safra americana. O bom resultado das exportações semanais norte-americanas e o desempenho positivo do óleo de soja completaram o cenário altista. As exportações líquidas norte-americanas de soja, referentes à temporada 2021/22, com início em 1º de setembro, ficaram em negativas em 58.600 toneladas na semana encerrada em 21 de julho. Países Baixos (Holanda) lideraram as importações, com 57.000 toneladas. Para a temporada 2022/23, ficaram em 748.800 toneladas. Analistas esperavam exportações entre 150 mil e 700 mil toneladas, somando-se as duas temporadas. Os preços futuros do óleo de soja disparam mais de 6% na Bolsa de Mercadorias de Chicago, antes do relatório de uso de matéria-prima de biocombustíveis da AIE - Administração de Informação de Energia, que sai amanhã. Espera-se que o uso de óleo de soja como matéria-prima para biocombustível aumente para cerca de 950 milhões de libras para maio, que seria superior a 20% em relação a esta época do ano passado, de acordo com estimativas da Futures International. Os contratos da soja em grão com entrega em setembro fecharam com alta de 32,50 centavos ou 2,28% a US$ 14,57 por bushel. A posição novembro teve cotação de US$ 14,40 por bushel, com ganho de 30,50 centavos de dólar ou 2,16%. Nos subprodutos, a posição setembro do farelo fechou com baixa de US$ 2,90 ou 0,65% a US$ 443,10 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em setembro fecharam a 64,00 centavos de dólar, com ganho de 4,15 centavo ou 6,93%.

CARNE BOVINA: Argentina acelera questões sanitárias para comercializar carne livre de aftosa com o Japão
Funcionários da chancelaria da Argentina viajaram a Tóquio, no Japão, para analisar uma agenda estratégica para aprofundar o comércio e os investimentos bilaterais, bem como para acelerar as negociações de questões sanitárias para a entrada de carne argentina produzida em áreas livres da febre aftosa para o mercado japonês. O vice-chanceler Pablo Tettamanti viajou a Tóquio para visitar seu homólogo japonês, Suzuki Hiroshi, na XXVI Reunião de Consultas Políticas. O objetivo do encontro foi acelerar o comércio de carne livre de febre aftosa para o mercado asiático, bem como aprofundar os investimentos e o forte desenvolvimento da cooperação técnica e científica. Além disso, ambos os funcionários se referiram às possibilidades na mineração, na indústria automotiva, na produção de hidrogênio verde e na reciclagem de amônia e na economia digital. Também, promoveu-se a negociação de um acordo sobre usos pacíficos da energia nuclear, considerando as boas perspectivas para as empresas argentinas do setor científico-tecnológico. As informações partem da Agência CMA Latam.

MILHO: Colheita 21/22 atinge 74,2% da área na Argentina, diz Bolsa de Buenos Aires
A colheita de milho da safra 2021/22 atinge 74,2% na Argentina. Segundo a Bolsa de Cereais de Buenos Aires, a superfície é estimada em 7,3 milhões de hectares, 7,6% acima do ano anterior. Os trabalhos avançaram 7 pontos percentuais na semana. A projeção de produção fica em 49 milhões de toneladas, contra 52,5 milhões de toneladas em 2020/21. Em números absolutos, foram colhidos 36,834 milhões de toneladas ao longo de 5,245 milhões de hectares.

TRIGO: Plantio atinge 98,8% da área na Argentina, diz Bolsa de Buenos Aires
O plantio de trigo atinge 98,8% da área na Argentina. Segundo a Bolsa de Cereais de Buenos Aires, a superfície é estimada em 6,1 milhões de hectares. A estimativa representa uma queda interanual de 9%. Os trabalhos avançaram 2 pontos percentuais na última semana e estão 0,2 ponto percentual atrasados na comparação com o ano passado. Em números absolutos, o plantio chega a 6,026 milhões de hectares.

CAFÉ: NY fecha com perdas moderadas com realização de lucros
A Bolsa de Mercadorias de Nova York (Ice Futures US) para o café arábica encerrou as operações desta quinta-feira com preços moderadamente mais baixos. A sessão foi volátil e NY operou entre ganhos e perdas no dia. O mercado chegou a superar a linha importante de US$ 2,20 a libra-peso para setembro, mas mostrou resistência e terminou recuando diante de ajustes técnicos e realização de lucros. Correção técnica terminou determinando o fechamento no terreno negativo. Vale registrar que o mercado vinha de três sessões seguidas de ganhos e chegou a apresentar nesta quinta-feira, na máxima do dia, o valor mais alto de preço em 20 dias. Assim, o movimento justifica correção técnica com realização de lucros. Os contratos com entrega em setembro/2022 fecharam o dia a 218,40 centavos de dólar por libra-peso, baixa de 0,70 centavo, ou de 0,3%. A posição dezembro/2022 fechou a 214,60 centavos, desvalorização de 0,75 centavo, ou de 0,3%.

logo