John Deere logo

    Conecta

    Sua fonte centralizada de notícias Agro

    CONECTA NEWS – 01/09/2022

    Fique ligado nas principais notícias do agronegócio no Brasil e no mundo. O conteúdo do Conecta News é uma parceria com o SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS
    Agencia SAFRAS & Mercado, Portal de Notícias
    CONECTA NEWS – 01/09/2022
    CONECTA NEWS – 01/09/2022

    Tags:

    Clima

    Soja

    Agricultura

    Trigo

    Arroz

    Algodão

    Café

    Alimentação

    Grãos

    Cana-de-Açúcar

    MERCADO ETANOL: Preços acentuam fraqueza após Petrobras voltar a mexer na gasolina
    O mercado físico de etanol teve uma quinta-feira marcada por preços de estáveis a mais baixos na maioria das praças de negociação do Centro-Sul e Centro-Oeste do país. O dia foi marcado pelo ajuste de baixa de 7,06% na gasolina promovido pela Petrobras e agendado para a próxima sexta-feira, dia 2 de setembro. Com isto, até mesmo o piso anterior de R$ 2,50 o litro já começa a ser questionado pelos agentes de mercado, sendo que este era tido, há quatro semanas, como um vetor de mercado altamente estressado. O detalhe é que quanto mais o etanol hidratado cair no curto prazo, maior será a formação de estoques para a entressafra e maior será o represamento de oferta que derrubará os preços principalmente ao longo do fim do primeiro trimestre de 2023, disse o analista de SAFRAS & Mercado, Maurício Muruci. Segundo ele, o vetor central da pressão de baixa da entressafra deverá ser no final de fevereiro após o carnaval, quando as usinas encontrarem um mercado com demanda baixa e estoques ainda elevados, junto a pressão de tancagem com a proximidade da safra nova em meio a pressão das distribuidoras por produto novo e não mais o etanol antigo armazenado desde agosto do até então ano anterior. Neste contexto o hidratado em Ribeirão Preto estável, mas nominal e equivalente a R$ 2,63 com usinas pedindo R$ 2,65 e sem ofertas de distribuidoras. O anidro na mesma localidade estável, mas nominal e equivalente a R$ 2,85 com usinas pedindo R$ 2,88 e sem ofertas de distribuidoras. No Paraná o hidratado sem indicações tanto de usinas quanto de distribuidoras, mas equivalente a R$ 2,53. Em Goiás, vendas de hidratado para fora do estado em queda de 1,19% a R$ 2,50 com usinas pedindo R$ 2,53 e distribuidoras tentando comprar a R$ 2,48. Para dentro do estado queda 0,78% a R$ 2,53 o litro com usinas pedindo R$ 2,55 e distribuidoras tentando comprar a R$ 2,50.

    MERCADO TRIGO: Preços demonstram acomodação no Brasil no início de setembro
    O mercado brasileiro de trigo iniciou o mês de setembro com preços acomodando. No Paraná, a colheita avança no norte e no oeste, mostrando bons níveis de produtividade/qualidade e que as perdas devido às geadas são pontuais e não devem comprometer o potencial produtivo. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Élcio Bento, a indicação posto indústrias está por volta de R$ 1.800/tonelada (t). "Essa indicação, contudo, é por aqueles moinhos que estão comprados para este mês de setembro. Aqueles que têm necessidade de recompor estoques pagam até R$ 1.850/t para os primeiros lotes da safra nova. Os vendedores, aos poucos, vêm mostrando uma maior flexibilidade nas pedidas". disse. No início da semana demonstravam interesse a R$ 1.900/t. Os últimos reportes já sinalizam para vendedores indo a mercado entre R$ 1830/t e R$ 1.850/t no norte do estado. "Apesar da reticência demonstrada pelos vendedores, parece cada vez mais claro que as pontas do mercado devem se encontrar num nível entre R$ 1.800/t e R$ 1.850/t para a negociação dos primeiros lotes da safra nova. Com o avanço da colheita, a pressão deve aumentar. Agentes destacam a recente alta dos fretes como um fator que tem dificultado a realização de negócios. Aqueles compradores que já compraram e precisam apenas retirar acabam arcando com a alta dos fretes", analisou. Para negócios novos, contudo, a tendência é de pressão sobre as cotações no FOB para aliviar o custo no CIF. No Rio Grande do Sul as indicações de compra recuaram para cerca de R$ 1.700/tonelada para lotes remanescentes da safra velha. Nesse estado, o distanciamento entre compradores e vendedores é grande e limita a realização de negócios. Safra nova indicada no porto (sobre rodas) por volta de R$ 1.670/t. Chicago A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o trigo encerrou com preços acentuadamente mais baixos. O cereal, assim como as commodities em geral, foi pressionado pela aversão ao risco, diante do temor de recessão global. Os investidores partem para aplicação mais seguras, o que explica o tombo nas bolsas de valores da Europa e da Ásia. O petróleo também tem queda consistente de cerca de 3%. No fechamento de hoje, os contratos com entrega em dezembro de 2022 eram cotados a US$ 7,94 1/4 por bushel, recuo de 37,25 centavos de dólar, ou 4,47%, em relação ao fechamento anterior. Os contratos com entrega em março de 2023 eram negociados a US$ 8,11 1/4 por bushel, baixa de 36,50 centavos, ou 4,3%, em relação ao fechamento anterior. Câmbio O dólar comercial encerrou a sessão em alta de 0,71%, negociado a R$ 5,2380 para venda e a R$ 5,2360 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,1480 e a máxima de R$ 5,2580.

    MERCADO AÇÚCAR: Preços caem no cenário doméstico refletindo novo reajuste na gasolina
    Os preços do açúcar cristal ficaram mais baixos no mercado físico paulista no dia de hoje. Em Ribeirão Preto, preços a R$ 125,00 a saca (21,80 centavos), queda de 0,79%. O etanol hidratado foi 19,45% mais baixo que o açúcar bruto de Nova York equivalendo a 12,94 centavos de dólar por libra-peso (PVU) e 34,13% menos vantajoso que o açúcar cristal de Ribeirão Preto, equivalendo a R$ 82,34 por saca (14,36 centavos). Segundo informações da Consultoria SAFRAS & Mercado, com a gasolina cada vez mais barata no Brasil, as usinas tendem a direcionar mais cana para a produção de açúcar nos últimos meses da safra 2022/23 da Região Centro-Sul. Na manhã desta quinta-feira, a Petrobras anunciou redução de 7% nos preços da gasolina nas refinarias, válida a partir da meia-noite de sexta-feira. É o terceiro reajuste para baixo em cerca de um mês. Nova York A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures US) para o açúcar bruto encerrou o pregão eletrônico com cotações mistas. Os contratos com entrega em outubro/2022 encerraram o dia a 17,99 centavos de dólar por libra-peso, alta de 0,10 centavo (+0,55%) em relação ao fechamento anterior. A posição março/2023 fechou cotada a 17,82 centavos (+0,28%). O mercado chegou a testar a linha dos 18 centavos nas intradiárias, chegando a 18,07 na máxima, mas perdeu força diante de uma série de notícias negativas. Ao mesmo tempo que o petróleo voltou a despencar, a Petrobras anunciou novo corte nos preços da gasolina no Brasil, fatores que tornam o etanol cada vez menos atrativo para as usinas do maior exportador global de açúcar. Completando o tom negativo da quinta-feira, o real também se enfraqueceu ante o dólar, o que é um estímulo para as usinas brasileiras exportarem mais. Já na India, agora a maior produtora mundial de açúcar, o mercado espera que o governo estabeleça uma política de exportação em duas etapas na temporada 2022/23, na medida em que tem que avaliar os interesses tanto dos fornecedores de cana, das usinas e ainda da indústria consumidora locais para tentar equilibrar a oferta doméstica do adoçante. Com informações da Reuters. Câmbio O dólar comercial encerrou a sessão em alta de 0,71%, negociado a R$ 5,2380 para venda e a R$ 5,2360 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,1480 e a máxima de R$ 5,2580.

    AÇÚCAR: Maiores usinas da França antecipam safra temendo cortes de energia
    As duas maiores produtoras de açúcar da França, Tereos e Cristal Union, anteciparão o início de sua produção em 2022 antes de possíveis restrições de energia impostas pelo governo neste inverno se a Rússia cortar o fornecimento de gás, disseram nesta quarta-feira. A produção de açúcar está entre as indústrias mais intensivas em energia. As fábricas francesas, que geralmente funcionam entre meados de setembro e início de fevereiro, dependem muito do gás para transformar suas beterrabas em açúcar. A Tereos e a Cristal Union planejam antecipar o início da produção em cerca de uma semana, com as primeiras fábricas entrando em ação no final da próxima semana. Estamos antecipando o início de nossas plantas para não estarmos ativas durante os meses de janeiro e fevereiro, que são os mais frios e, portanto, quando há os maiores riscos de ter cortes (de energia), disse o presidente-executivo da Cristal Union, Xavier Astolfi, à Reuters. Hoje ainda não sabemos até que ponto eles farão essas restrições, mas somos uma indústria de inverno, então precisamos nos antecipar, disse um porta-voz da Tereos. O porta-voz acrescentou que a data final para a atividade da fábrica dependerá das condições climáticas durante a campanha. A decisão de antecipar a produção foi tomada após consulta aos cooperados, disseram os produtores de açúcar. Aqueles que aceitarem colher antecipadamente suas beterrabas receberão uma compensação. As informações partem da Reuters.

    CARNES: Exportação de aves atingiu 398,599 mil toneladas em agosto – Secex
    As exportações de carne de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas do Brasil renderam US$ 830,766 milhões em agosto (23 dias úteis), com média diária de US$ 36,120 milhões. A quantidade total exportada pelo país 398,599 mil toneladas, com média diária de 17,330 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 2.084,20. Em relação a agosto de 2021, houve alta de 28,9% no valor médio diário, ganho de 8,7% na quantidade média diária e avanço de 18,6% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

    CAFÉ: Embarques de agosto fecharam em 2,330 milhões de sacas
    As exportações brasileiras de café em grão em agosto chegaram a 2.330.380 sacas de 60 quilos no acumulado fechado do mês, com 23 dias úteis computados (média diária de 101.322 sacas), com receita chegando a US$ 556,552 milhões (média diária de US$ 24,198 milhões), e preço médio de US$ 238,82 por saca. A receita média diária obtida com as exportações de café em grão em agosto foi 24,2% maior no comparativo com a média diária de agosto de 2021, que fora de US$ 19,487 milhões. Já o volume médio diário embarcado foi 22,4% menor que o de agosto de 2021, que tinha o registro de 130.625 sacas diárias de média. O preço médio, por sua vez, disparou 60,1%. Os dados são da Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

    FERTILIZANTES: Importações somam 3,49 milhões de toneladas em agosto
    As importações de fertilizantes do Brasil envolveram US$ 2,49 bilhões em agosto (23 dias úteis), com média diária de US$ 108,57 milhões. A quantidade total de fertilizantes importada pelo país ficou em 3,49 milhões de toneladas, com média de 151,6 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 716,00. Em relação a agosto de 2021, houve alta de 51,8% no valor médio diário da importação, perda de 22,9% na quantidade média diária importada e valorização de 96,7% no preço médio. Os dados são do Ministério da Economia e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

    ALGODÃO: NY despenca acompanhando petróleo e outros mercados
    A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures) para o algodão fechou com preços acentuadamente mais baixos nesta quinta-feira. As cotações despencaram no dia acompanhando o movimento baixista do petróleo, de outras commodities nas bolsas de futuros e de bolsas de valores. O dólar subiu contra outras moedas, sendo aspecto baixista para as commodities. A aversão ao risco por conta de temores envolvendo recessão global contaminou os mercados e a pluma seguiu o movimento. Notícias de lockdowns na China, o que gera ainda maiores preocupações em torno da economia chinesa, podendo prejudicar o consumo, exerceram pressão sobre os mercados. Há preocupações com aumento de taxas de juros por parte de bancos centrais em países e o impacto da recessão no consumo. Os contratos com entrega em dezembro/2022 fecharam o dia a 108,21 centavos de dólar por libra-peso, queda de 5,00 centavos, ou de 4,4%.