John Deere logo

    Conecta

    Sua fonte centralizada de notícias Agro

    CONECTA NEWS – 05/10/2022

    Fique ligado nas principais notícias do agronegócio no Brasil e no mundo. O conteúdo do Conecta News é uma parceria com o SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS
    Agencia SAFRAS & Mercado, Portal de Notícias
    CONECTA NEWS – 05/10/2022
    CONECTA NEWS – 05/10/2022

    Tags:

    Trigo

    Soja

    Agricultura

    Arroz

    Clima

    Grãos

    Algodão

    Cana-de-Açúcar

    Alimentação

    Café

    CAFÉ: Exportações globais diminuem 3,7% em agosto – OIC
    As exportações de café em grão dos países membros e não-membros da Organização Internacional do Café (OIC) totalizaram 8,83 milhões de sacas de 60 quilos em agosto, décimo-primeiro mês da safra mundial 2021/22, contra 9,17 milhões de sacas registradas no mesmo mês de 2021, queda de 3,7%. Já as exportações acumuladas da safra 2021/22, entre outubro e agosto, somam 118,864 milhões de sacas, queda de 0,3% em relação aos onze primeiros meses da temporada 2020/21, quando foram embarcadas 119,249 milhões de sacas.

    ALGODÃO: NY despenca com alta do dólar, fracas exportações e realização
    A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures) para o algodão fechou com preços acentuadamente mais baixos nesta quarta-feira. As cotações caíram de forma acentuada no dia diante da alta do dólar contra outras moedas e de dados mostrando fracas exportações norte-americanas. Realização de lucros e ajustes técnicos contribuíram para o movimento baixista. As exportações de algodão dos Estados Unidos em agosto totalizaram 268,836 mil toneladas, conforme dados do Departamento do Comércio dos Estados Unidos. Em julho, o volume havia sido de 306,252 mil toneladas. Em agosto de 2021, foram 209,408 mil toneladas. Segundo o Icac, o consumo global de algodão em 2022/23 deve cair 3,21% ante a temporada anterior, adicionando pressão baixista às cotações futuras. Os contratos com entrega em dezembro/2022 fecharam o dia a 83,23 centavos de dólar por libra-peso, desvalorização de 4,97 centavos, ou de 5,6%. A posição março/2023 fechou a 81,74 centavos, queda de 4,45 centavos, ou de 5,2%.

    CAFÉ: NY tem ganhos fortes com aperto na oferta de curto prazo
    A Bolsa de Mercadorias de Nova York (Ice Futures US) para o café arábica encerrou as operações desta quarta-feira com preços acentuadamente mais altos. Os preços dispararam no dia na trilha do petróleo, diante de fundamentos altistas envolvendo aperto na oferta no curto prazo. O Brasil colheu uma safra menor que o esperado em 2022 e há problemas produtivos também em outras nações, como a Colômbia. Há indicações de queda em embarques do Brasil e Colômbia, trazendo uma redução na disponibilidade de arábicas globalmente para o curto prazo. Isso traz um prêmio para o contrato dezembro em relação a outras posições. Posições futuras que já representam a safra 2023 do Brasil, quando se aguarda uma boa produção, estão em patamares bem mais baixos que dezembro. A Organização Internacional do Café (OIC) apontou que entre outubro de 2021 e agosto de 2022 os embarques do Brasil caíram 27,2%, enquanto as exportações da Colômbia baixaram 28,7%. A queda nos embarques da Colômbia se deve ao persistente clima desfavorável, reduzindo a oferta do país. E ainda há a questão dessa safra 2022 abaixo do que se imaginava no Brasil. Os contratos com entrega em dezembro/2022 fecharam o dia a 224,65 centavos de dólar por libra-peso, alta de 5,35 centavos, ou de 2,4%. A posição março/2023 fechou a 214,65 centavos, valorização de 4,05 centavos, ou de 1,9%.

    SOJA: Fatores fundamentais e cenário financeiro provocam perda de 1% em Chicago
    Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a quarta-feira com preços em baixa. Após duas sessões de reação técnica, o mercado voltou a sucumbir ao cenário fundamental e às preocupações com uma possível recessão mundial, prejudicando a demanda pela oleaginosa. Em termos fundamentais, o bom avanço da colheita nos Estados Unidos e do plantio no Brasil exercem pressão sobre as cotações futuras. O mercado ainda sente o impacto negativo dos números do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) para os estoques trimestrais, divulgados na sexta e que ficaram bem acima do esperado. Outro ponto baixista para o mercado segue sendo o cenário financeiro. As preocupações com a economia global se renovaram hoje e o clima de aversão ao risco aumentou. O dólar subiu forte frente a outras moedas, tirando competitividade das commodities de exportação dos Estados Unidos, caso da soja. Os contratos da soja em grão com entrega em novembro fecharam com baixa de 13,75 centavos ou 0,99% a US$ 13,69 3/4 por bushel. A posição janeiro teve cotação de US$ 13,80 1/2 por bushel, com perda de 13,00 centavos de dólar ou 0,93%. Nos subprodutos, a posição dezembro do farelo fechou com baixa de US$ 3,00 ou 0,74% a US$ 398,50 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em dezembro fecharam a 65,54 centavos de dólar, com ganho de 0,52 centavo ou 0,79%.

    TRIGO: Em mais uma sessão volátil, Chicago fecha com preços mistos
    A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o trigo encerrou com preços mais baixos. Em mais uma sessão volátil, os contratos com entrega em dezembro de 2022 e março de 2023 próxima caíram. A maioria dos contratos com entrega mais distante fecharam em alta. Pelo lado negativo, pesaram um movimento de realização e novos temores de recessão da economia global, além de previsões de rendimentos estáveis para o trigo dos Estados Unidos. A pressão altista veio de uma correção técnica, após duas sessões de queda consecutivas, além das tensões entre Rússia e Ucrânia, que seguem trazendo incertezas ao mercado. No fechamento, os contratos com entrega em dezembro de 2022 eram cotados a US$ 9,02 por bushel, baixa de 1,00 centavo de dólar, ou 0,11%, em relação ao fechamento anterior. Os contratos com entrega em março de 2023 eram negociados a US$ 9,15 1/4 por bushel, retração de 0,25 centavo, ou 0,02%, em relação ao fechamento anterior.

    ARROZ: Vietnã deve importar 2,050 milhões de toneladas na safra 2022/23
    O Vietnã deverá importar 2,05 milhões de toneladas de soja em grão no ano comercial 2022/23 - início em janeiro de 2023 -, ante 1,95 milhão de toneladas na temporada anterior. Os números constam no relatório Gain Report, do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). O consumo do país deve totalizar 2,080 milhões de toneladas em 2022/23, ante 2,035 milhões de toneladas em 2021/22. Os estoques finais para a temporada 2022/23 foram estimados em 457 mil toneladas, ante 439 mil na safra anterior.

    CARNE BOVINA: Exportações do Paraguai somam 263.204 toneladas de janeiro a setembro
    As exportações de carne bovina no Paraguai entre janeiro e setembro totalizam 263.204 toneladas e atingiram um valor de US$ 1,376 bilhão, segundo o Serviço Nacional de Qualidade e Saúde Animal (Senacsa). O relatório também detalha que, em termos de miudezas bovinas, foram exportados até agora este ano 44.475 toneladas por um valor aproximado de US$ 89,465 milhões. Em setembro foram abatidas 171.131 cabeças de gado, com a produção atingindo 42.067 toneladas. Por fim, o Senacsa informa que entre janeiro e setembro deste ano os principais mercados de exportação de carne bovina do país foram Chile com mais de 99.991 toneladas, Rússia com 55.354 toneladas, Brasil com 30.646 toneladas, República da China (Taiwan), com 29.688 toneladas, Israel com 14.168 toneladas e Uruguai, com 7.161 toneladas.