John Deere logo

    Conecta

    Sua fonte centralizada de notícias Agro

    CONECTA NEWS – 11/10/2022

    Fique ligado nas principais notícias do agronegócio no Brasil e no mundo. O conteúdo do Conecta News é uma parceria com o SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS
    Agencia SAFRAS & Mercado, Portal de Notícias
    CONECTA NEWS – 11/10/2022
    CONECTA NEWS – 11/10/2022

    Tags:

    Trigo

    Clima

    Soja

    Agricultura

    Arroz

    Cana-de-Açúcar

    Café

    Algodão

    Grãos

    Alimentação

    MERCADO TRIGO: Volatilidade dificulta definição de preços no Brasil
    O mercado brasileiro de trigo segue com os agentes em ritmo de espera nesta terça-feira, véspera de feriado. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Élcio Bento, a alta volatilidade no mercado internacional e as incertezas em relação à produção nacional dificultam a definição de um patamar de preços que dê segurança, tanto para compradores, quanto para vendedores, irem ao mercado com maior agressividade. As indicações de compra no Paraná ficam em R$ 1.750/t e de venda a R$ 1.850. No Rio Grande do Sul, apenas oferta na exportação a R$ 1.850/t no porto. Indicações pelos moinhos locais gaúchos próximas a R$ 1.650/t. Vendedores entre R$ 1.750 e R$ 1.800/t. "Esses números mostram que os moinhos do RS não estão dispostos a pagar nem a paridade de exportação neste momento. Essa postura se explica pela perspectiva de uma safra recorde com um grande excedente em relação à moagem estadual. Na outra ponta, o interesse do vendedor gaúcho está acima até mesmo dos preços indicados pelo mercado internacional. Isso sugere que os produtores acreditam que a situação de quebra no Paraná e alta internacional proporcionará momentos mais atrativos para negociar. No cenário internacional, depois da alta expressiva da véspera, nesta terça-feira os preços devolveram boa parte dos ganhos. Incertezas sobre o plantio da próxima safra de inverno e a tensão no Mar Negro seguem no radar. No âmbito doméstico, mais uma semana de chuvas intensas pode estar levando um bom percentual da qualidade da safra brasileira 'por água abaixo'", disse o analista. Chicago A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o trigo encerrou com preços acentuadamente mais baixos. O mercado realizou parte dos lucros acumulados na disparada de ontem, quando chegou a subir mais de 7%. Segundo a Reuters, a Rússia, maior exportador global do grão, considera abolir a taxação de suas vendas externas, o que favoreceria uma maior entrada do produto no mercado internacional. As inspeções de exportação norte-americana de trigo chegaram a 614.371 toneladas na semana encerrada no dia 6 de outubro, conforme relatório semanal divulgado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). O mercado esperava o número em 575 mil toneladas. Na semana anterior, as inspeções de exportação de trigo haviam atingido 667.577 toneladas. Em igual período do ano passado, o total inspecionado fora de 446.896 toneladas. As atenções se voltam ao relatório de oferta e demanda norte-americana de outubro do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que sai amanhã. Segundo analistas consultados por agências internacionais, os estoques finais dos Estados Unidos em 2022/23 devem ser indicados em 563 milhões de bushels, contra 610 milhões em setembro. As estimativas variaram de 477 milhões a 615 milhões de bushels. Os estoques globais ao final de 2021/22 são estimados em 275,7 milhões de toneladas, contra 275,7 milhões de toneladas em setembro. O volume mínimo estimado foi de 274,2 e o máximo, 278 milhões de toneladas. Para 2022/23, as reservas são estimadas em 267,1 milhões de toneladas. As estimativas variam de 262,6 a 270 milhões de toneladas. Em setembro, foram 268,6 milhões de toneladas. No fechamento, os contratos com entrega em dezembro de 2022 eram cotados a US$ 9,01 por bushel, baixa de 37,00 centavos de dólar, ou 3,94%, em relação ao fechamento anterior. Os contratos com entrega em março de 2023 eram negociados a US$ 9,17 por bushel, retração de 34,50 centavos, ou 3,62%, em relação ao fechamento anterior. Câmbio O dólar comercial encerrou a sessão em alta de 1,54%, sendo negociado a R$ 5,2710 para venda e a R$ 5,2690 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,1800 e a máxima de R$ 5,2820.

    CARNE BOVINA: Exportações da Argentina de janeiro a agosto superariam as do mesmo período de 2021 em volume
    As exportações de carne bovina da Argentina, em volume, de janeiro a outubro deste ano, seriam 9,4% superiores aos do mesmo período de 2021. No comparativo com janeiro a agosto de 2020, os embarques em quantidade agora entre janeiro e agosto de 2022 superariam o montante em 8,5% e em 34% o mesmo período de 2019, segundo dados do centro CEPA. O relatório destaca que não apenas os níveis de exportação se mantêm em termos de quantidade, mas também que, as exportações argentinas de carne bovina correspondentes a agosto de 2022 atingiram um valor de US$ 329,5 milhões, resultado 32% superior aos US$ 249,6 milhões obtidos em agosto de 2021. Por sua vez, o preço médio de exportação é moderadamente superior (+10,3%) ao observado no mesmo mês de 2021, e foi ligeiramente superior ao registrado no mês de julho. As informações partem da Agência CMA Latam.

    TRIGO DE INVERNO: USDA aponta plantio em 55% nos Estados Unidos
    O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou relatório sobre a evolução do plantio das lavouras de trigo de inverno. Até 9 de outubro, a semeadura estava apontada em 55%. O mercado esperava 55%. Na semana passada, eram 40%. Em igual período do ano passado, o número estava em 58% e a média dos últimos cinco anos é de 58%.

    ALGODÃO: USDA estima 30% das lavouras entre boas e excelentes condições nos EUA
    O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou dados sobre as condições das lavouras americanas de algodão. Segundo o USDA, até 9 de outubro, 30% estavam entre boas e excelentes condições, 23% em situação regular e 47% em condições entre ruins e muito ruins. Na semana passada, eram 31%, 23% e 46%, respectivamente.

    SOJA: USDA estima que 57% das lavouras estão entre boas e excelentes condições nos EUA
    O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou dados sobre as condições das lavouras americanas de soja. Segundo o USDA, até 9 de outubro, 57% estavam entre boas e excelentes condições (o mercado esperava 57%), 28% em situação regular e 15% em condições entre ruins e muito ruins. Na semana anterior, os índices eram de 55%, 29% e 16%, respectivamente.

    MILHO: USDA diz que 54% das lavouras estão entre boas e excelentes condições nos EUA
    O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou dados sobre as condições das lavouras americanas de milho. Segundo o USDA, até 9 de outubro, 54% estavam entre boas e excelentes condições (o mercado esperava 52%), 26% em situação regular e 20% em condições entre ruins e muito ruins. Na semana anterior, os números eram de 52%, 27% e 21%, respectivamente.

    SOJA: Produção da safra 22/23 deve crescer a 48 milhões de toneladas na Argentina – BCR
    A projeção de produção da safra 22/23 de soja da Argentina fica em 48 milhões de toneladas. Segundo a Bolsa de Comercio de Rosario (BCR), isto representa um aumento interanual de 11%. A área é esperada em 16,7 milhões de hectares, alta de 2,5% ano a ano. As informações são da CMA Latam.

    TRIGO: Região núcleo da Argentina tem perda de 10% da área devido à seca
    A Bolsa de Comercio de Rosario (BCR) disse que a zona núcleo da Argentina teve perda de 10% da área plantada com trigo devido ao déficit hídrico. Restam 400 mil hectares, ou 34% da área, em condições muito ruins, que podem ter o mesmo destino. Ao todos, são 1,2 milhão de hectares semeados com o cereal. As informações são da Agência CMA Latam.