John Deere logo

    Conecta

    Sua fonte centralizada de notícias Agro

    CONECTA NEWS – 13/10/2022

    Fique ligado nas principais notícias do agronegócio no Brasil e no mundo. O conteúdo do Conecta News é uma parceria com o SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS
    Agencia SAFRAS & Mercado, Portal de Notícias
    CONECTA NEWS – 13/10/2022
    CONECTA NEWS – 13/10/2022

    Tags:

    Trigo

    Clima

    Soja

    Arroz

    Agricultura

    Alimentação

    Grãos

    Café

    Cana-de-Açúcar

    Algodão

    MERCADO ETANOL: Demanda estabilizada e oferta em queda sustentam preços
    O mercado físico do etanol teve uma quinta-feira marcada por preços de estáveis a mais altos. Em Ribeirão Preto, o etanol hidratado seguiu firme, a R$ 3,00 o litro, com usinas pedindo R$ 3,05 e distribuidoras tentando comprar a R$ 2,98 o litro. O anidro na mesma localidade ficou estável, também a R$ 3,00, mas com indicações nominais. Segundo o analista da Consultoria SAFRAS & Mercado, Maurício Muruci, como a demanda interna tem conseguido se estabilizar na faixa de 1,37 bilhão de litros ao longo dos últimos três meses e a safra do Centro-Sul tem entrado em seu declínio sazonal de oferta, os preços conseguem uma sustentação de alta bem sólida no curto prazo, ainda mais quando se tem a expectativa de retomada do crescimento das vendas ao longo do final do ano, entre dezembro de 2022 e fevereiro de 2023. Ao mesmo tempo, os níveis de competitividade relativamente válidos em alguns estados brasileiros reafirmam esta tendência, o que deve garantir o etanol em leve tendência de alta nos próximos meses.

    CAFÉ: Estoques certificados de Nova York caíram 7.980 sacas em 13/10
    Os estoques certificados de café nos armazéns credenciados da Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures) na posição de 13 de outubro de 2022 estão em 408.419 sacas de 60 quilos, com queda de 7.980 sacas em relação ao dia anterior. As informações partem da ICE Futures.

    MERCADO AÇÚCAR: Preços seguem firmes no cenário doméstico
    Os preços do açúcar cristal ficaram estáveis no mercado físico paulista nesta quinta-feira. Em Ribeirão Preto, a saca de 50 quilos do açúcar cristal com até 150 Icumsa teve preço de R$ 125,00 (21,51 centavos de dólar por libra-peso). O etanol hidratado se mostrou 13,98% mais baixo em relação ao açúcar bruto de Nova York equivalendo a 14,56 centavos de dólar por libra-peso (PVU), 24,86% menos vantajoso que o açúcar cristal de Ribeirão Preto, equivalendo a R$ 93,92 por saca (16,16 centavos). Nova York A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures US) para o açúcar bruto encerrou o pregão eletrônico com cotações mistas. Os contratos com entrega em Março/2023 encerraram o dia a 18,81 centavos de dólar por libra-peso, alta de 0,13 centavo (+0,69%). A posição Maio/2023 fechou cotada a 17,85 centavos (+0,28%). O mercado adotou uma postura de consolidação depois de estabelecer máximas de quase três meses na sessão de ontem, quando a posição março foi a 18,94 centavos. Câmbio O dólar comercial encerrou a sessão em alta de 0,05%, sendo negociado a R$ 5,2740 para venda e a R$ 5,2720 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,2290 e a máxima de R$ 5,3810.

    FEIJÃO: Emater monitora riscos de doenças e menor produtividade no RS
    A área projetada de feijão 1a safra no Rio Grande do Sul é de 30.561 hectares. A produtividade estimada permanece em 1.701 kg/ha. Espera-se uma produção de 51.985 toneladas. Os cultivos estão em implantação. O estado geral das lavouras é adequado, mas há risco de as temperaturas mais baixas afetarem a produtividade e favorecerem o aparecimento de doenças. Na região administrativa da Emater/RS-Ascar de Frederico Westphalen, a semeadura da safra foi finalizada. A cultura apresenta-se com 30% em desenvolvimento vegetativo; em floração, 50%; e enchimento de grãos, 20%. Na de Ijuí, o cultivo aproximou-se do final de implantação. As lavouras apresentam desenvolvimento inicial mais lento, ocasionado pelo frio. No entanto, não foram observadas folhas encarquilhadas, principal sintoma de injúria, que ocorre quando as temperaturas registradas são inferiores às ideais para o desenvolvimento da cultura. Foram registrados ataques de insetos desfolhadores, que causaram pequenos danos nas folhas mais novas, logo controlados antes de causarem prejuízos. Na de Porto Alegre, houve uma intensificação na semeadura, condicionada pelo tempo favorável. Houve alguns problemas de atraso na germinação, relacionados às baixas temperaturas nos solos. No período, foram instaladas seis Unidades de Referência Técnica (URT), com o objetivo de fomentar e avaliar a adaptabilidade das cultivares de feijão FEPAGRO Triunfo, FEPAGRO Garapiá e RS Centenário, e como forma de gerar uma alternativa de renda aos agricultores familiares. Na de Soledade, foram implantados 75% dos cultivos. Predomina a fase vegetativa, e 5% das lavouras iniciaram o enchimento de grãos. As chuvas recorrentes, intercaladas com períodos de alta incidência solar, foram adequadas à manutenção da umidade nos solos e ao desenvolvimento das plantas. Entretanto, as baixas temperaturas dificultaram o crescimento inicial e favoreceram as doenças, como antracnose, quando associadas ao molhamento das folhas. Comercialização (saca de 60 quilos) Segundo o levantamento semanal de preços realizado pela Emater/RS-Ascar no Estado, o valor médio aumentou +1,64%, passando de R$ 239,09 para R$ 243,00 As informações são do boletim semanal da Emater/RS.

    ALGODÃO: NY fecha com preços mistos ainda avaliando USDA / Petróleo sustenta
    A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures) para o algodão fechou com preços mistos nesta quinta-feira, pouco alterados no comparativo com o fechamento da quarta-feira. A apreensão com recessão global, com o IPC dos Estados Unidos acima do esperado, reforçando o sentimento de que o Fed (Federal Reserve) seguirá austero na política monetária trouxe pressão. O clima de aversão ao risco no financeiro internacional ajudou a pressionar as commodities, entre elas o algodão. Por outro lado, valorização do petróleo deu sustentação aos preços. Os investidores ainda seguem avaliando os dados do relatório de oferta e demanda do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). O USDA estimou a produção de algodão dos EUA na temporada 2022/23 em 13,81 milhões de fardos, ante 13,83 milhões no mês anterior. Para a safra 2021/22, são esperados 17,52 milhões de fardos. As exportações deverão ficar em 12,5 milhões de fardos em 2022/23, ante 12,6 milhões no mês anterior. O consumo interno foi previsto em 2,3 milhões de fardos para 2022/23, mesmo patamar do mês passado. Baseado nas estimativas de produção, exportação e consumo, os estoques finais norte-americanos foram previstos em 2,8 milhões de fardos para a temporada 2022/23, ante 2,7 milhões no mês anterior. Na temporada 2021/22, foram 3,75 milhões de fardos. O USDA estimou a produção global de algodão em 118,05 milhões de fardos, ante 118,45 milhões no mês anterior. Para 2021/22, são esperados 115,54 milhões de fardos. Os contratos com entrega em dezembro/2022 fecharam o dia a 84,79 centavos de dólar por libra-peso, desvalorização de 0,13 centavo, ou de 0,1%. A posição março/2023 fechou a 83,49 centavos, alta de 0,02 centavo, ou de 0,02%.

    MILHO: Plantio atinge 66% da área no Rio Grande do Sul – Emater
    O plantio de milho atinge 66% da área no Rio Grande do Sul. Segundo a Emater/RS, na semana passada, eram 64%. Em igual momento do ano passado, os trabalhos atingiam 65%. A média dos últimos cinco anos é de 59%. A área estimada de cultivo para a safra 2022/2023 é de 831.786 hectares. A produtividade esperada é de 7.337 kg/ha. O desenvolvimento das lavouras permanece lento devido às baixas temperaturas registradas ainda no início de outubro. Já as localizadas em regiões mais frias apresentam plantas com entrenós mais curtos e folhas pequenas. Após as chuvas, os produtores intensificaram os tratos culturais, como o controle de plantas invasoras e a adubação nitrogenada em cobertura. As informações são do boletim semanal da Emater/RS.

    TRIGO: Colheita atinge 4% da área no Rio Grande do Sul – Emater
    A colheita de trigo atinge 4% da área no Rio Grande do Sul. Segundo a Emater/RS, na semana passada eram 3%. Em igual momento do ano passado, os trabalhos atingiam 5%. A média dos últimos cinco anos é de 11%. A Emater/RS-Ascar realizou a segunda avaliação da safra de inverno e estimou a área efetivamente cultivada de trigo em 1.458.026 hectares. A produtividade revista é de 3.210 kg/ha, sendo aproximadamente 11% superior à projetada inicialmente, resultando em uma produção de 4.680.780 toneladas, cerca de 32% superior à produção de 2021. O tempo na semana foi favorável aos cultivos, com destaque para a elevada radiação solar e para o retorno das chuvas mais volumosas em parte da região produtora. As lavouras apresentam excelente potencial produtivo, justificando o aumento da expectativa de produtividade. As espigas são bem formadas, com elevado número de espiguetas e de grãos uniformes. A cultura está se aproximando do final do ciclo, com 28% em maturação.

    TRIGO: Bolsa de Buenos Aires corta safra da Argentina devido à seca
    Sem chuvas recentes, a projeção de produção da Argentina foi cortada em 5,7% para 16,5 milhões de toneladas. Segundo a Bolsa de Buenos Aires, na semana passada, eram esperadas 17,5 milhões de toneladas. Na última semana, algumas lavouras sofreram com a ocorrência de geadas. Os impactos do evento serão avaliados nas próximas semanas, mas já se esperam novas perdas. As condições de cultivo se dividem entre boas a excelentes (12%), normais (39%) e regular a ruins (49%). Na semana passada, 46% estavam de regular a ruins. Em igual período do ano passado, eram 23% nesta condição. As condições hídricas se dividem entre ótima e adequada (47%), regular a seca (53%). Na semana passada, eram 51% de regulares a secas. Em igual período do ano passado, 32% das lavouras sofriam com déficit hídrico.

    CAFÉ: NY despenca e apenas contrato dezembro ainda está acima de US$ 2
    A Bolsa de Mercadorias de Nova York (Ice Futures US) para o café arábica encerrou as operações desta quinta-feira com preços acentuadamente mais baixos. Dando sequência às perdas da quarta-feira, o café despencou novamente na Bolsa. Os preços caíram aos patamares mais baixos em mais de dois meses e meio. E apenas o contrato dezembro ainda fechou acima de US$ 2,00 a libra-peso, com as demais posições rompendo para baixo essa importante linha técnica e psicológica. O sentimento mais tranquilo em relação à oferta global, com números sólidos das exportações brasileiras de setembro, pressiona as cotações em NY. Segundo o Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé), o Brasil embarcou no total (café verde e industrializado) 3,4 milhões de sacas de 60 quilos em setembro, com incremento de 4,5% em relação a setembro de 2021. No acumulado do ano os embarques estão em 28,7 milhões de sacas, com queda de 3,9% sobre o acumulado de 2021. Ainda que em 2022 o acumulado siga negativo, as indicações são de melhora no fluxo de exportações. Ainda, o cenário é de clima favorável à abertura e pegamento das floradas que vão resultar na safra de 2023 do Brasil. Isso tranquiliza o mercado em relação à safra e oferta futura mundial. Os contratos com entrega em dezembro/2022 fecharam o dia a 202,15 centavos de dólar por libra-peso, baixa de 7,60 centavos, ou de 3,6%. A posição março/2023 fechou a 196,05 centavos, queda de 5,35 centavos, ou de 2,6%.

    MILHO: Plantio 22/23 atinge 16,4% da área na Argentina - Bolsa de Buenos Aires
    O plantio de milho da safra 2022/23 atinge 16,4% na Argentina. Segundo a Bolsa de Cereais de Buenos Aires, a superfície é estimada em 7,5 milhões de hectares, 2,6% abaixo do ano anterior. Os trabalhos avançaram 2,4 pontos percentuais desde a semana passada e estão 7,2 pontos atrasados na comparação com o ano passado.