John Deere logo

    Conecta

    Sua fonte centralizada de notícias Agro

    CONECTA NEWS – 18/11/2022

    Fique ligado nas principais notícias do agronegócio no Brasil e no mundo. O conteúdo do Conecta News é uma parceria com o SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS
    Agencia SAFRAS & Mercado, Portal de Notícias
    CONECTA NEWS – 18/11/2022
    CONECTA NEWS – 18/11/2022

    Tags:

    Agricultura

    Mercado

    Soja

    Clima

    Trigo

    Etanol

    Café

    Cana-de-Açúcar

    Agência SAFRAS & Mercado

    CAFÉ: Estoques certificados de Nova York subiram 13.720 sacas em 18/11
    Os estoques certificados de café nos armazéns credenciados da Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures) na posição de 18 de novembro de 2022 estão em 497.809 sacas de 60 quilos, com aumento de 13.720 sacas em relação ao dia anterior.

    MILHO: Chicago fecha mista entre boa demanda e queda do petróleo
    A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o milho fechou a sessão de hoje com preços mistos. Os contratos com entrega mais próxima foram sustentados pelo sentimento de boa demanda para o milho dos Estados Unidos. As posições mais distantes caíram pressionadas pelo forte declínio nos preços do petróleo. Fatores como a renovação do acordo de grãos na região do Mar Negro por mais 120 dias também pesaram negativamente. Na semana, a posição dezembro subiu 1,48%. Na sessão, os contratos de milho com entrega em dezembro fecharam a US$ 6,67 3/4 por bushel, ganho de 0,25 centavo de dólar, ou 0,03%, em relação ao fechamento anterior. A posição março fechou a sessão a US$ 6,70 por bushel, alta de 1,00 centavo, ou 0,14% em relação ao fechamento anterior. 

    AGENDA: Acompanhe os principais eventos do agronegócio na semana que vem
    Abaixo, os principais eventos ligados ao agronegócio e à economia na semana entre 21 e 25 de novembro:
    Segunda-feira (21/11) - China: O Banco do Povo da China (Pboc, o banco central do país) publicará a decisão de política monetária na noite anterior. - OCDE: O relatório trimestral de crescimento do PIB, OECD GDP Growth, será publicado pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). - Alemanha: O índice de preços ao produtor de outubro será publicado às 4h pelo Destatis. - O BC divulga às 8h30min o Relatório Focus com as previsões do mercado para a economia. - Inspeções de exportação semanal dos EUA - USDA, 13hs. - O Ministério da Economia divulga, a partir das 15h, o resultado parcial da balança comercial de novembro. - Relatório de condições das lavouras dos EUA USDA, 18hs.
    Terça-feira (22/11) - OCDE: O Economic Outlook 2022 será publicado pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). - Dados sobre as lavouras do Paraná - Deral, na parte da manhã.
    Quarta-feira (23/11) - EUA: A ata da última reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) realizada nos dias 1 e 2 de novembro será publicada pelo Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) às 16h. - EUA: A posição dos estoques de petróleo até sexta-feira da semana passada será publicada às 12h30 pelo Departamento de Energia (DoE). 
    Quinta-feira (24/11) - Feriado nos EUA - Dia de Ação de Graças. - O IBGE divulga, às 9h, o IPCA-15 referente a novembro. - Dados de desenvolvimento das lavouras argentinas - Bolsa de Cereais de Buenos Aires, 15hs. - Dados das lavouras no Rio Grande do Sul - Emater, na parte da tarde.
    Sexta-feira (25/11) - Alemanha:A leitura do Produto Interno Bruto (PIB) de terceiro trimestre de 2022 será publicada às 4h pelo Destatis. - Exportações semanais de grãos dos EUA - USDA, 10h30. - Relatório de condições das lavouras da Argentina Ministério da Agricultura, na parte da manhã. - Dados de desenvolvimento das lavouras no Mato Grosso - Imea, na parte da tarde.

    TRIGO: Chicago fecha semana em queda após renovação de corredor de grãos
    A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o trigo encerrou com preços mais baixos. O mercado foi pressionado pela renovação do acordo de grãos do Mar Negro. Além disso, a queda do dólar e a alta do petróleo completam o quadro baixista. Na semana, a posição dezembro caiu 1,29%. No fechamento, os contratos com entrega em dezembro de 2022 eram cotados a US$ 8,03 1/4 por bushel, alta de 3,50 centavos de dólar, ou 0,43%, em relação ao fechamento anterior. Os contratos com entrega em março de 2023 eram negociados a US$ 8,22 por bushel, recuo de 3,00 centavos, ou 0,36%, em relação ao fechamento anterior.

    SOJA: Recuperação técnica sustenta contratos em Chicago e reduz perda semanal
    Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a sexta-feira com preços em alta. Movimentos de correção, baseados em fatores técnicos, garantiram a recuperação, reduzindo as perdas acumuladas ao longo da semana. O cenário fundamental ainda mantém o mercado sob pressão. Os Estados Unidos estão colhendo uma safra cheia e o Brasil vai evoluindo sem maiores problemas no plantio, trabalhando com uma safra possível de quase 155 milhões de toneladas. Os contratos da soja em grão com entrega em janeiro fecharam com alta de 11,25 centavos ou 0,79% a US$ 14,28 1/4 por bushel. A posição março teve cotação de US$ 14,33 1/4 por bushel, com ganho de 11,00 centavos de dólar ou 0,77%. Nos subprodutos, a posição dezembro do farelo fechou com alta de US$ 4,70 ou 1,15% a US$ 410,40 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em dezembro fecharam a 72,74 centavos de dólar, com ganho de 0,61 centavo ou 0,84%.

    CAFÉ: NY fracassa na tentativa de reação e cai seguindo petróleo e com apreensões com demanda 
    A Bolsa de Mercadorias de Nova York (Ice Futures US) para o café arábica encerrou as operações desta sexta-feira com preços mais baixos. Em sessão volátil, NY esboçou uma recuperação técnica e teve ganhos em parte do dia. Porém, foi perdendo forças e voltou ao terreno negativo, marcando a quinta sessão seguida de baixas. A queda do petróleo e o dólar firme contra outras moedas, em que pese a baixa em relação ao real, foram catalisadores do movimento negativo. As apreensões com a demanda contribuíram para o desempenho negativo. Há preocupações com a recessão, com as tensões geopolíticas diante da guerra na Ucrânia e com a covid-19 tendo aumento de casos pelo mundo.
    Afora isso, o clima segue favorável nas regiões produtoras de café do Brasil para a safra de 2023. Isso tranquiliza o mercado em relação à oferta futura. Assim, no balanço da semana, o contrato março/2023 acumulou uma desvalorização de 7,7%. Os contratos com entrega em dezembro/2022 fecharam o dia a 151,30 centavos de dólar por libra-peso, baixa de 1,40 centavo, ou de 0,9%. A posição março/2023 fechou a 155,10 centavos, queda de 1,25 centavo, ou de 0,8%.

    AÇÚCAR: NY sobe com cobertura de posições vendidas e expectativa de alta nos combustíveis no Brasil
    A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures US) para o açúcar bruto encerrou o pregão eletrônico com cotações mais altas. Os contratos com entrega em Março/2023 encerraram o dia a 20,05 centavos de dólar por libra-peso, alta de 0,32 centavo (+1,62%) em relação ao fechamento anterior, acumulando ganho de 2,1% na semana. A posição Maio/2023 fechou a 18,84 centavos (+1,18%). As cotações voltaram a disparar com cobertura de posições vendidas por parte de fundos, mas seguiram abaixo de um pico de sete meses estabelecido na quarta-feira, quando a posição março foi a 20,48 centavos. Rumores de que o novo governo brasileiro não irá renovar as isenções fiscais sobre os combustíveis, que são válidas até o dia 31 de dezembro, ajudaram a dar sustentação ao mercado, na medida em que o etanol tende a ficar com preço mais competitivo que a gasolina ao consumidor final e pode mexer no mix das usinas na safra 2023/24.

    SOJA: Altas temperaturas e chuvas irregulares preocupam produtores em Mato Grosso
    Altas temperaturas, chuvas irregulares e o baixo volume de água no armazenamento do solo podem prejudicar a produtividade da safra 2022/2023 em Mato Grosso. De acordo com dados do Aproclima, projeto desenvolvido pela Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), existem municípios que estão há 25 dias sem chuvas. O produtor rural de Diamantino e associado da Aprosoja-MT, Napoleão Rutilli, disse que a situação na região é delicada. "Estamos com a soja plantada desde o dia 23 de setembro, está florescendo e não choveu. Neste mês de novembro já vamos para 12 dias sem chuva, sem contar com o sol escaldante e temperaturas altas", declarou. 
    A falta de chuvas preocupa também o produtor rural de Campo Novo do Parecis, Marcos Ortolan, algumas regiões estão até 15 dias sem chover. "É possível que a produtividade vai cair, pois com o solo seco a soja acaba sentindo", afirmou. De acordo com o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (IMEA), a área de plantio de soja em MT é de quase 12 milhões de hectares e a expectativa de produção de 42 milhões de toneladas do grão. O presidente da Aprosoja-MT, Fernando Cadore, disse que o Estado saiu de um período natural de estiagem e desde então as chuvas ainda não estão regulares. "Os plantios que foram feitos em quase todas as regiões vêm se desenvolvendo de maneira não satisfatória e já nos preocupa, uma vez que as previsões sempre levam em consideração as áreas plantadas versus a produtividade máxima, e quando a gente tem estiagem e a intercorrência na questão climática ao longo do desenvolvimento da cultura, existe a probabilidade de se colher volumes menores no final da safra". Cadore também salientou que no cenário de altos custos e agora a instabilidade climática o produtor já começa a ter preocupações. "A Aprosoja-MT volta a pedir que alguns Institutos revejam as previsões de estimativa de colheita, uma vez que deveriam ser avaliados a área plantada versus a produtividade mínima histórica, considerando o fator climático no decorrer da cultura, e aí sim fazer as atualizações da previsão de colheita em paralelo ao acompanhamento climático", finalizou o presidente. 

    CLIMA: Tempo no RS terá temperaturas altas e chuvas no início da semana
    A próxima semana terá calor e chuva forte no Rio Grande do Sul. É o que prevê o Boletim Integrado Agrometeorológico 45/2022 (em anexo), elaborado pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), em parceria com a Emater/RS-Ascar e o Irga. Entre hoje (18) e o domingo (20), o tempo permanecerá seco e as temperaturas elevadas, com valores superiores a 30C em todo o estado, e próximas de 35C em algumas regiões, principalmente na Metade Oeste. Na segunda (21) e terça-feira (22), a propagação de uma frente fria vai provocar chuva em todo território gaúcho, com possibilidade de temporais isolados e altos volumes acumulados. Na quarta-feira (23), o ingresso de uma nova massa de ar seco manterá o tempo firme, com temperaturas amenas na maioria das regiões. Somente nos setores Norte e Nordeste deverão ocorrer chuvas fracas e isoladas. Os totais esperados de chuva deverão oscilar entre 15 e 35 mm na maioria dos municípios gaúchos. Nas Missões e no Vale do Uruguai, os volumes oscilarão entre 35 e 50 mm e poderão alcançar 60 mm em algumas localidades.

    CAFÉ: Londres recua acompanhando petróleo  
    A Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres (ICE Futures Europa) para o café robusta encerrou as operações desta sexta-feira com preços mais baixos. As cotações caíram acompanhando a desvalorização do petróleo, com o dólar em alta contra outras moedas, embora em baixa no Brasil. Embora com uma produção menor e com um desempenho fraco recente nas exportações, a entrada da safra do Vietnã é um aspecto baixista. A chegada de outras origens do arábica e o clima favorável no Brasil com vistas à safra de 2023 seguem como fatores negativos para os preços. A apreensão com a demanda global, diante do cenário recessivo, temores ainda com covid-19 e as tensões geopolíticas com a guerra na Ucrânia persistem como pontos de pressão sobre os preços. No balanço semanal, o contrato janeiro acumulou queda de 1,4%. Os contratos para entrega em janeiro/2023 fecharam o dia a US$ 1.811 a tonelada, baixa de US$ 7 a tonelada, ou de 0,4%. A posição março/2023 fechou a US$ 1.787 a tonelada, desvalorização de US$ 7, ou de 0,4%.