John Deere logo

    Conecta

    Sua fonte centralizada de notícias Agro

    CONECTA NEWS – 21/10/2022

    Fique ligado nas principais notícias do agronegócio no Brasil e no mundo. O conteúdo do Conecta News é uma parceria com o SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS
    Agencia SAFRAS & Mercado, Portal de Notícias
    CONECTA NEWS – 21/10/2022
    CONECTA NEWS – 21/10/2022

    Tags:

    Arroz

    Soja

    Trigo

    Clima

    Agricultura

    Alimentação

    Café

    Algodão

    Grãos

    Cana-de-Açúcar

    SOJA: Plantio avança para 66,94% no Mato Grosso, aponta IMEA
    A semeadura da safra de soja 2022/23 do Mato Grosso atingiu 66,94% da área projetada, conforme o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (IMEA), com número obtido até 21 de outubro. No mesmo período do ano passado, o plantio estava em 68,75%. Na semana passada, o número era de 41,35%.

    CAFÉ: "Especulação penaliza o produtor de café brasileiro", diz CNC
    Editorial do presidente do Conselho Nacional do Café (CNC), Silas Brasileiro, destaca os efeitos da especulação sobre a atividade dos produtores de café do Brasil. Acompanhe na íntegra abaixo, que está no Balanço Semanal do CNC: "A próxima safra de café no Brasil tradicionalmente por ser um ano ímpar deverá ser avaliada com muita precaução, pois além disso, está comprometida por fenômenos naturais como La Niña, mudanças climáticas adversas, temperaturas elevadas, que devem ser vistos como ameaças à cafeicultura nacional. A falta de chuvas já afetou a primeira florada ocorrida em agosto, fazendo com que houvesse seu abortamento. A segunda e mais recente está seriamente comprometida pela ausência de chuvas, já verificando um prognóstico negativo com relação ao café a ser colhido. Como se isso não fosse o bastante, ainda temos a tempestade de granizo ocorrida em algumas regiões. No entanto, como sempre, os sites internacionais já começaram a publicar suas previsões, na contramão do que estamos vivenciando, sem dúvidas, atendendo interesses do mercado consumidor que se aventura a fazer prognóstico de safra no sentido especulador, penalizando assim, os produtores de café. Mesmo que tenhamos uma normalização climática, ainda assim, avaliamos sério comprometimento na safra 2023/2024. Diariamente, temos visto enorme pressão sobre os preços, faltando o entendimento dos compradores de que estão trabalhando contra eles próprios, sufocando os produtores que hoje cultivam com elevados custos de produção, com a indefinição do mercado e com a falta de renda. É impossível não atentar para o efeito climático extremamente danoso para a produção de café. Estamos alertando e lançando um desafio: ou o mercado reconhece que o produtor não pode continuar com essa indefinição e pressão diárias, com a manifestação daqueles que buscam a desvalorização do café ou em curto prazo, aí sim, não teremos como abastecer o mundo consumidor. O Conselho Nacional do Café (CNC) é um braço operacional da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e dentro do Conselho Deliberativo da Política do Café (CDPC) defende permanentemente, junto a esse colegiado, a renda para os cafeicultores e a produção dentro dos princípios da sustentabilidade." As informações partem do CNC.

    AÇÚCAR: Fundos/especuladores elevam carteira comprada em NY – CFTC
    A CFTC (Commodity Futures Trading Comission) divulgou os números do relatório de compromissos dos traders com dados até 11 de outubro para o açúcar bruto na ICE Futures U.S. (Bolsa de Nova York). Os números do relatório revelam que os grandes fundos e especuladores possuíam até a data 126.412 posições líquidas compradas (long), ante 101.115 posições compradas na semana anterior. As casas comerciais, como indústrias, casas corretoras e comerciantes, estavam com uma posição líquida vendida (short) de 164.671 contratos. As posições não reportáveis, que representam pequenos especuladores e negociadores locais, indicam que os especuladores estão vendidos em 38.259 contratos líquidos. Em 18 de outubro, 711.664 contratos estavam em aberto no mercado futuro de açúcar bruto da ICE Futures US, 24.455 lotes a mais que na semana anterior.

    CAFÉ: Fundos reduzem posições compradas na Bolsa de NY pela metade – CFTC
    A CFTC (Commodity Futures Trading Comission) divulgou os números do relatório de compromissos dos traders, com dados até 18 de outubro para o café na Ice Futures US. O levantamento mostrou que os grandes fundos e grandes especuladores apresentavam uma posição líquida comprada (long) de 19.923 contratos, contra 40.534 contratos comprados na semana anterior (11). As empresas comerciais, como indústrias, casas corretoras e comerciantes, estavam com uma posição líquida vendida (short) de 21.605 contratos. As posições não reportáveis, que representam pequenos especuladores e negociadores locais, indicam uma posição líquida comprada (long) de 2.382 contratos. Até 18 de outubro, eram 196.729 contratos em aberto no mercado futuro de café arábica da ICE Futures US, com alta de 8.531 lotes na semana.

    MILHO: Frete segue dificultando abastecimento no RS e em SC
    Acompanhe abaixo os fatos que deverão merecer a atenção do mercado de milho na próxima semana. As dicas são do analista da SAFRAS Consultoria, Fernando Henrique Iglesias. - O mercado brasileiro de milho fecha a semana sem contar com grande movimentação; - Muitos produtores ainda aguardam pelo resultado eleitoral para enfim assumir alguma posição no mercado; - O processo de valorização do real ao longo da semana é fator importante motivando a queda dos prêmios e por consequência queda das cotações nos portos - O frete segue como um complicador adicional, tornando mais difícil o abastecimento de milho no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina. - No decorrer da semana a aversão ao risco foi um fator importante na composição de mercado, com fundos e investidores buscando a renda fica norte-americana como forma de proteção em um ambiente global de grande turbulência; - Esse tipo de estratégia remete a fortalecimento do dólar ante a outras moedas, o que por consequência enfraquece as commodities norte-americanas no mercado internacional; - O avanço do trabalho de campo no Meio-Oeste é uma variável importante a ser considerada na formação de tendência de curto prazo; - O clima na América do Sul passa a ser um fator determinante em um ano de estoques globais reduzidos, havendo necessidade de safras cheias na Argentina e no Brasil.

    ALGODÃO: NY sobe nos contratos mais próximos com recuperação técnica
    A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures) para o algodão fechou com preços mais altos nos contratos mais próximos nesta sexta-feira, embora com perdas nas posições mais distantes. Após as recentes baixas acentuadas, em meio à continuidade dos temores com recessão global, NY apresentou um movimento de recuperação técnica. Assim, ao menos as posições mais próximas fecharam no terreno positivo no dia. Porém, no acumulado da semana, o contrato dezembro acumulou uma desvalorização de 4,8%. Os contratos com entrega em dezembro/2022 fecharam o dia a 79,13 centavos de dólar por libra-peso, valorização de 1,73 centavo, ou de 2,2%. A posição março/2023 fechou a 78,55 centavos, alta de 1,29 centavo, ou de 1,7%.

    CAFÉ: NY cai pela oitava sessão seguida, com apreensões com demanda
    A Bolsa de Mercadorias de Nova York (Ice Futures US) para o café arábica encerrou as operações desta sexta-feira com preços moderadamente mais baixos. As cotações caíram pela oitava sessão seguida. As perdas foram leves no fechamento, mas o mercado manteve uma trajetória negativa diante do sentimento de oferta mais tranquila. Final de ano marca a entrada da safra de arábica da América Central e Colômbia e também do robusta vietnamita. Afora isso, há preocupações com a demanda diante da recessão global. Assim, espera-se um ritmo menor de crescimento no consumo mundial. No balanço da semana, o contrato dezembro acumulou uma baixa de 2,9%. Os ganhos foram limitados no fechamento por aspectos técnicos e cobertura de posições vendidas. Após 8 sessões de perdas é natural movimentos corretivos. O contrato dezembro bateu na mínima em 186,20 centavos de dólar por libra-peso, teve momentos de reação e atingiu na máxima 192,55 centavos. De qualquer forma, o contrato dezembro ainda fechou acima da linha técnica importante de 190 centavos. Os contratos com entrega em dezembro/2022 fecharam o dia a 190,90 centavos de dólar por libra-peso, baixa de 0,15 centavo, ou de 0,1%. A posição março/2023 fechou a 185,80 centavos, queda de 0,60 centavo, ou de 0,3%.

    CARNE BOVINA: Argentina começará a exportar cortes desossados para Sérvia
    A Argentina começará a exportar carne bovina desossada para a Sérvia, após a auditoria realizada nos últimos meses, informou o Serviço Nacional de Saúde e Qualidade de Alimentos (Senasa). A auditoria da Sérvia ocorreu entre os dias 27 de agosto e 3 de setembro passado. O relatório de inspeção do serviço de saúde sérvio também aprovou a autorização de 19 estabelecimentos propostos para exportar para este destino. Além disso, foi estabelecido um sistema de pré-listagem para a qualificação de futuros estabelecimentos argentinos interessados em exportar para este destino. A abertura do mercado da República da Sérvia é fruto do trabalho público-privado realizado por nós que integramos a cadeia da carne, desde os produtores primários, passando pelos transformadores e o Estado nacional através do nosso Serviço, indicou o vice-presidente da Senasa Rodolfo Acerbi. As informações partem da Agência CMA Latam.

    SOJA: Chicago fecha em leve alta, seguindo melhora no cenário financeiro
    Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a sexta-feira com preços em alta, ampliando a valorização acumulada na semana. Após perdas iniciais, por realização de lucros e respondendo a fatores fundamentais, o mercado reagiu, acompanhando o cenário financeiro positivo. O clima de aversão ao risco diminuiu nesta sexta, com bolsas subindo, petróleo se valorizando e o dólar recuando frente a outras moedas. Com isso, as commodities também reagiram. Mas a recuperação da soja foi limitada pelo cenário fundamental, que segue apontando bom avanço do plantio no Brasil e da colheita nos Estados Unidos. Os contratos da soja em grão com entrega em novembro fecharam com alta de 4,00 centavos ou 0,28% a US$ 13,95 por bushel. A posição janeiro teve cotação de US$ 14,04 1/2 por bushel, com ganho de 4,50 centavos de dólar ou 0,32%. Nos subprodutos, a posição dezembro do farelo fechou com alta de US$ 4,60 ou 1,11% a US$ 417,90 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em dezembro fecharam a 71,50 centavos de dólar, com ganho de 1,08 centavo ou 1,53%.

    MILHO: Com sessão volátil, Chicago termina mista, mas semana é negativa
    A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o milho fechou a sessão de hoje com preços mistos. Com fatores conflitantes, o mercado teve uma sessão bastante volátil. Positivamente, apareceram a fraqueza do dólar frente a outras moedas correntes e a alta do petróleo. O bom desempenho nas bolsas de valores dos Estados Unidos também favoreceu o cenário de menor aversão ao risco, positivo para as cotações. Como fator negativo, traders acreditam que o acordo para o corredor de grãos do Mar Negro será estendido. Apesar dos ganhos, Chicago encerrou a semana em baixa. As perdas acumuladas na semana para o contrato dezembro ficaram em 0,8% Na sessão, os contratos de milho com entrega em dezembro fecharam a US$ 6,84 1/4 por bushel, ganho de 0,25 centavo de dólar, ou 0,03%, em relação ao fechamento anterior. A posição março fechou a sessão a US$ 6,90 1/2 por bushel, alta de 0,50 centavo, ou 0,07% em relação ao fechamento anterior.

    TRIGO: Em dia volátil, Chicago sobe com dólar fraco e recuperação
    A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o trigo encerrou com preços mais altos. Em dia volátil, o mercado oscilou entre os territórios negativo e positivo. Os ganhos foram determinados por uma recuperação técnica e pela fraqueza do dólar, que favorece a competitividade do grão estadunidense no cenário exportador. No acumulado da semana, a variação do contrato dezembro/22 foi negativa em 1,04%. No fechamento, os contratos com entrega em dezembro de 2022 eram cotados a US$ 8,50 3/4 por bushel, alta de 1,50 centavo de dólar, ou 0,17%, em relação ao fechamento anterior. Os contratos com entrega em março de 2023 eram negociados a US$ 8,69 1/2 por bushel, elevação de 1,50 centavo, ou 0,17%, em relação ao fechamento anterior.