John Deere logo

    Conecta

    Sua fonte centralizada de notícias Agro

    CONECTA NEWS – 24/05/2022

    Fique ligado nas principais notícias do agronegócio no Brasil e no mundo. O conteúdo do Conecta News é uma parceria com o SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS
    Agencia SAFRAS & Mercado, Portal de Notícias
    CONECTA NEWS – 24/05/2022
    CONECTA NEWS – 24/05/2022

    Tags:

    Algodão

    Grãos

    Cana-de-Açúcar

    Café

    Alimentação

    Arroz

    Trigo

    Agricultura

    Soja

    Clima

    MILHO: Combinação de fatores pressiona forte queda dos preços em Chicago
    A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o milho fechou a sessão de hoje com preços acentuadamente mais baixos. O mercado foi pressionado pelo ritmo mais rápido que o esperado no plantio dos Estados Unidos. Realizações de lucros também contribuem para a queda nas cotações. Além disso, segundo agências internacionais, o anúncio da Reuters de que o governo Biden considera isenções na exigência de mistura de gasolina trouxe riscos de demanda para produção de etanol. Outro fator, conforme analistas, é o anúncio, nesta terça-feira, de que o Brasil finalmente tem um acordo fitossanitário para vender milho à China. O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou relatório sobre a evolução do plantio das lavouras de milho. Até 22 de maio, a área plantada estava estimada em 72%. O mercado esperava 68%. Em igual período do ano passado, o número era de 89%. Na semana passada, os trabalhos cobriam 49% da área. A média para os últimos cinco anos é de 79%. Na sessão, os contratos de milho com entrega em julho fecharam a US$ 7,71 3/4 por bushel, recuo de 14,50 centavos de dólar, ou 1,84%, em relação ao fechamento anterior. A posição setembro de 2022 fechou a sessão a US$ 7,41 por bushel, baixa de 13,75 centavos, ou 1,82% em relação ao fechamento anterior.

    TRIGO: Chicago fecha em forte baixa pressionada por vendas técnicas
    A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o trigo encerrou com preços acentuadamente mais baixos. Após reabrir em alta, os preços reverteram e passaram a se pressionados por um movimento de realização de lucros. Segundo agências internacionais, apesar dos atrasos no plantio de primavera dos Estados Unidos, os investidores optaram por vendas técnicas nesta terça-feira. Além disso, alguns traders veem o trigo com potencial alternativa ao milho caso este não seja plantado na área esperada. No fechamento de hoje, os contratos com entrega em julho de 2022 eram cotados a US$ 11,54 3/4 por bushel, baixa de 35,25 centavos de dólar, ou 2,96%, em relação ao fechamento anterior. Os contratos com entrega em setembro de 2022 eram negociados a US$ 11,63 1/4 por bushel, recuo de 34,25 centavos ou 2,86% em relação ao fechamento anterior.

    SOJA: Chicago fecha com preços mistos, em dia de volatilidade
    Os contratos futuro da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a terça-feira com preços mistos. A boa demanda pela soja americana limitou o impacto negativo do desempenho dos cereais vizinhos. Milho e trigo caíram forte, mas a soja teve uma sessão de muita volatilidade. O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou relatório sobre a evolução de plantio das lavouras de soja. Até 22 de maio, a área plantada estava apontada em 50%. O mercado esperava o número em 49%. Na semana passada, eram 30%. Em igual período do ano passado, a semeadura era de 73%. A média é de 55%. Os contratos da soja em grão com entrega em julho fecharam com alta de 6,00 centavos ou 0,35% a US$ 16,93 por bushel. A posição agosto teve cotação de US$ 16,32 1/4 por bushel, com ganho de 3,50 centavos de dólar ou 0,21%. Nos subprodutos, a posição julho do farelo fechou com alta de US$ 4,60 ou 1,08% a US$ 427,10 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em julho fecharam a 80,12 centavos de dólar, com perda de 0,35 centavo ou 0,43%.

    ARROZ: Exportações da Tailândia totalizam 1,946 milhões de toneladas no ano
    As exportações de arroz da Tailândia totalizaram 96,883 mil toneladas na semana compreendida entre 1 e 8 de maio. A média das últimas quatro semanas ficou em 89,095 mil toneladas. No acumulado do ano, as exportações somam 1,946 milhão de toneladas, ante 1,11 milhão em igual período do ano passado. Não estão computadas neste número as exportações de arroz aromático. As informações são Gain Report, do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

    CAFÉ: Nova York cai diante de preocupações com demanda global
    A Bolsa de Mercadorias e Futuros de Nova York (ICE Futures US) para o café arábica fechou a sessão de hoje com cotações em baixa. Os contratos com entrega em julho/2022 do café arábica encerraram a sessão negociados a 213,65 centavos de dólar por libra-peso, queda de 2,10 centavos (-0,97%) ante ao fechamento anterior. No fechamento, setembro/2022 tinha cotação de 213,95 centavos (-0,92%). Segundo operadores, os riscos de geada no Brasil, maior produtor mundial, inexistem agora, recolocando os futuros do café arábica sob pressão das preocupações com o conflito Rússia-Ucrânia e a disparada da inflação, elementos que devem pesar sobre o crescimento econômico global, com efeitos na demanda de café.

    SOJA: Esmagamento em MT totaliza 3,53 milhões de toneladas de janeiro a abril
    O esmagamento da soja atingiu um acumulado de 3,53 milhões de t no primeiro quadrimestre de 2022, aumento de 2,96% em relação ao mesmo período do ano passado. Somente no mês de abril deste ano, o estado registrou 0,92 milhão de t de grãos processados, um aumento de 1,41% diante o mês de março. Esse movimento é reflexo do maior preço e demanda pelo farelo e óleo. Para se ter uma ideia, as exportações desses subprodutos apresentaram alta de 12,41% e 38,91%, ante o mês de março, respectivamente. Apesar disso, é importante destacar que em 2021 o estado teve uma menor disponibilidade da oleaginosa, principalmente em janeiro, devido ao atraso na colheita da temporada passada, limitando o ritmo de esmagamento. Por fim, nos próximos dois meses, espera-se que o esmagamento continue em ritmo acelerado, como é observado historicamente neste período no estado. As informações constam no Boletim Semanal do Imea - Instituto Mato-grossense de Economia Agrícola.

    AÇÚCAR: Nova York fecha em leve baixa com realização de lucros
    A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures US) para o açúcar bruto encerrou o pregão eletrônico com cotações levemente mais baixas. Os contratos com entrega em julho/2022 encerraram o dia a 19,75 centavos de dólar por libra-peso, baixa de 0,02 centavo (-0,1%). A posição Outubro/2022 fechou cotada a 19,91 centavos (-0,1%). O mercado voltou a cair com realização de lucros depois de encostar em 20 centavos, não conseguindo sustentar os preços acima dessa linha pela quinta vez nas últimas seis sessões. O mercado global de açúcar parece continuar bem ofertado, enquanto surgiram rumores de que a India irá limitar as exportações da atual temporada a um volume de dez milhões de toneladas.

    GRÃOS: Condições meteorológicas na Ucrânia foram boas em maio
    As condições climáticas em maio foram favoráveis para as safras de primavera e inverno da Ucrânia, disseram meteorologistas nesta terça-feira. A Ucrânia quase completou a semeadura da primavera de 2022, mas a área é até 30% menor do que em 2021 por causa das hostilidades nas regiões sul e leste do país após a invasão da Rússia. O analista APK-Inform disse que aumentou sua previsão para a safra de grãos 2022/23 da Ucrânia para 48,3 milhões de toneladas, ante 41,4 milhões de toneladas no mês anterior.

    SOJA: Brasil deve embarcar até 11,278 milhões de toneladas em maio, aponta ANEC
    As exportações brasileiras de soja em grão deverão ficar em 11,278 milhões de toneladas em maio, conforme levantamento semanal da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (ANEC). Em maio do ano passado, as exportações ficaram em 14,221 milhões de toneladas. Em abril, o país embarcou 11,362 milhões de toneladas. Na semana entre 15 a 21 de maio, o Brasil embarcou 1,986 milhão de toneladas. Para o período entre 22 e 28 de maio, a ANEC indica a exportação de 2,860 milhões de toneladas. Para o farelo de soja, a previsão é de embarques de 1,903 milhão de toneladas em maio. No mesmo mês do ano passado, o total exportado foi de 1,700 milhão de toneladas. Em abril, volume ficou em 1,825 milhão de toneladas. Na semana passada, as exportações ficaram em 462,038 mil toneladas e a previsão para esta semana é de 475,787 mil toneladas.