John Deere logo

    Conecta

    Sua fonte centralizada de notícias Agro

    CONECTA NEWS – 28/09/2022

    Fique ligado nas principais notícias do agronegócio no Brasil e no mundo. O conteúdo do Conecta News é uma parceria com o SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS
    Agencia SAFRAS & Mercado, Portal de Notícias
    CONECTA NEWS – 28/09/2022
    CONECTA NEWS – 28/09/2022

    Tags:

    Algodão

    Cana-de-Açúcar

    Café

    Grãos

    Alimentação

    Clima

    Soja

    Agricultura

    Trigo

    Arroz

    ALGODÃO: NY avança seguindo petróleo e com queda do dólar
    A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures) para o algodão fechou com preços mais altos nesta quarta-feira. As cotações avançaram no dia diante da valorização do petróleo e queda do dólar contra outras moedas. O algodão seguiu o melhor humor nos mercados futuros de commodities. Além disso, a piora nas condições das lavouras americanas deu sustentação. Porém, os ganhos foram limitados novamente pelas apreensões com a demanda global, ante o risco de recessão mundial. Os contratos com entrega em dezembro/2022 fecharam o dia a 88,49 centavos de dólar por libra-peso, alta de 0,40 centavo, ou de 0,4%. A posição março/2023 fechou a 85,85 centavos, valorização de 0,46 centavo, ou de 0,5%.

    CANA: Áreas produtoras da Flórida serão pouco impactadas por Furacão Ian, diz World Weather
    O Furacão Ian está chegando na Flórida, nos Estados Unidos, e as chuvas fortes que trará consigo resultarão em perdas para a safra de algodão em alguns estados. Em relatório, o serviço privado de meteorologia World Weather Inc. apontou que o tempo mais seco que retornará após a passagem da tempestade pode ajudar a melhorar a qualidade da fibra, mas grande parte das perdas de qualidade e quantidade serão irreversíveis devido à intensidade da chuva esperada. Chuvas torrenciais são esperadas, principalmente perto e ao norte do centro do furacão, incluindo áreas de Port Charlotte a Tampa, e de lá a nordeste de Jacksonville, Orlando e Cabo Canaveral. Já as áreas canavieiras da Flórida devem ser menos impactadas do que as áreas produtoras de citros, mas a cana deverá ser derrubada pelo vento forte em algumas regiões. Não se espera muita mutilação da cana, e isso deve ajudá-la a se recuperar depois que a tempestade passar. O furacão Ian sairá brevemente da costa atlântica na noite de quinta-feira e depois se voltará para o norte, atingindo o continente pela segunda vez ao longo da fronteira Geórgia/Carolina do Sul. Ele virá para o interior como uma tempestade tropical com velocidades de vento de 30 a 50 milhas por hora, provavelmente no leste da Geórgia e na Carolina do Sul. O maior impacto para as Carolinas e o leste da Geórgia será a chuva. O algodão da Geórgia provavelmente não será seriamente afetado pela tempestade pelo menos não na parte sudoeste do estado. O Alabama e as áreas a oeste e norte também não serão seriamente afetados pela tempestade e as condições das lavouras permanecerão favoráveis. Não são esperados danos sérios à soja, milho não colhido ou outras culturas nos estados do sudeste. Atrasos na colheita são esperados por causa de campos alagados e lamacentos, mas essa situação deve melhorar com o tempo, disse o World Weather, Inc.

    EMPRESAS: Minerva realiza primeiro embarque de farinha de carne e osso para o Sri Lanka
    A exportação representa um avanço para o setor logístico da companhia, que segue ampliando possibilidades no mercado internacional por meio de uma maior diversificação geográfica Barretos, setembro de 2022 -- A Minerva Ingredients, unidade de negócio da Minerva Foods que produz e comercializa ingredientes derivados de bovinos, anuncia seu primeiro embarque de farinha de carne e osso para o Sri Lanka. O envio segue alinhado com a estratégia de negócios da Minerva Foods, com foco em reforçar a estratégia de diversificação geográfica da Companhia trazendo novas oportunidades de negócios. De acordo com o Gerente Executivo da unidade de negócio, Heron Antonio de Carli, a realização do envio desses produtos é de extrema importância para a empresa, uma vez que contribui para a solidificação da nossa Companhia como uma grande fornecedora global não só de carne bovina, mas também de todos os seus derivados, como é o caso dos nossos ingredientes para a indústria pet food. A farinha de carne e osso é utilizada na fabricação de ração de animais de produção como aves, camarões, peixes e suíno; e para a ração de animais pet, como cães, gatos, peixes e aves ornamentais de estimação. Atenta às oportunidades, a Companhia acredita que este primeiro envio pode abrir portas para outros clientes na Ásia e África, que são grandes mercados consumidores de farinhas de origem bovina para nutrição animal. As informações partem da assessoria de imprensa da empresa.

    CAFÉ: NY fecha com valorização com aperto na oferta, queda do dólar e subida do petróleo
    A Bolsa de Mercadorias de Nova York (Ice Futures US) para o café arábica encerrou as operações desta quarta-feira com preços mais altos. As cotações voltaram a subir diante das preocupações com a oferta apertada no curto prazo. Além disso, a queda do dólar contra o real e outras moedas e a subida do petróleo deram suporte aos avanços do café arábica. A contínua queda nos estoques certificados da bolsa e as indicações de que o Brasil colheu uma safra menor que o esperado em 2022 seguem como aspecto altista para o café. Porém, o mercado chegou a ter perdas ao longo do dia. Na mínima, NY bateu em 220,35 centavos de dólar por libra-peso, mas encontrou sustentação técnica. E, na alta, o contrato dezembro não superou a linha e resistência de US$ 2,30 a libra-peso, ficando na máxima em 229,40 centavos. Assim, NY parece amarrado no momento nesta faixa entre US$ 2,20 e US$ 2,30 a libra-peso. Os contratos com entrega em dezembro/2022 fecharam o dia a 228,70 centavos de dólar por libra-peso, alta de 4,35 centavos, ou de 1,9%. A posição março/2023 fechou a 219,60 centavos, elevação de 3,30 centavos, ou de 1,5%.

    SOJA: Plantio, que atinge 18% na área da Coopavel (PR), só não é maior por excesso de chuvas
    Porto Alegre, 28 de setembro de 2022 A semeadura da soja atinge 18% na área da Cooperativa Coopavel, que atua em 20 municípios do oeste e sudoeste do Paraná. O percentual só não é maior pelo excesso de chuvas, adverte fonte da cooperativa, que concedeu entrevista exclusiva à Agência SAFRAS. Mas temos filial com 40% plantado, acrescenta. No acumulado de setembro, as precipitações se aproximam de 300 milímetros. O tempo deve permanecer fechado até sexta-feira, abrindo no final de semana. E segunda já deve voltar a chover, relata o entrevistado. Das lavouras plantadas, 63% estão em fase de emergência e 37% em início de desenvolvimento vegetativo. O rendimento médio está estimado em 4.030 quilos por hectare. Em relação aos insumos, como adubos e fertilizantes, a situação é tranquila na região. A área nesta temporada está estimada em 410 mil hectares, mesmo patamar do ano passado.

    SOJA: Chicago fecha em leve alta. Petróleo assegura recuperação técnica
    Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a quarta-feira com preços em leve alta. Em dia volátil, a boa alta do petróleo ajudou a sustentar o movimento de recuperação técnica. Mas o clima de incerteza sobre o rumo da economia global e fatores fundamentais limitaram a reação. As condições climáticas favorecem o início do plantio na América do Sul e o avanço da colheita nos Estados Unidos. A área de plantio de soja na Argentina para a campanha 2022/23 deverá ser de aproximadamente 16,7 milhões de hectares, um crescimento de 3% em relação ao total plantado na safra passada, que foi de 16,2 milhões de hectares, segundo estimativas da Bolsa de Cereais de Buenos Aires. A produção de soja estaria projetada em 48 milhões de toneladas, 11% superior à campanha anterior. Os estoques trimestrais norte-americanos de soja na posição 1o de setembro deverão ficar abaixo do número indicado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) em igual período do ano anterior. A projeção é de analistas e corretores entrevistados pelas agências internacionais, que indicam estoques trimestrais de 247 milhões de bushels. O relatório trimestral será divulgado às 13hs, nesta sexta, 30. Em igual período do ano anterior, o número era de 257 milhões de bushels. Em 1º de junho, data do relatório anterior, os estoques estavam em 971 milhões de bushels. Os contratos da soja em grão com entrega em novembro fecharam com alta de 0,75 centavo ou 0,05% a US$ 14,08 por bushel. A posição janeiro teve cotação de US$ 14,16 1/4 por bushel, com ganho de 2,25 centavos de dólar ou 0,15%. Nos subprodutos, a posição dezembro do farelo fechou com baixa de US$ 0,90 ou 0,21% a US$ 412,70 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em dezembro fecharam a 62,15 centavos de dólar, com perda de 0,24 centavo ou 0,38%.

    TRIGO: Chicago dispara e fecha perto da máxima do dia com tensão no Mar Negro
    A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o trigo encerrou com preços acentuadamente mais altos. O mercado foi impulsionado pela preocupação quanto ao aperto da oferta global em caso de acirramento do conflito entre Rússia e Ucrânia. Os dois países respondem por cerca de 28% das exportações globais, em anos normais. O fornecimento pelo Mar Negro tem sido regular nas últimas semanas devido ao corredor de grãos, mas o acordo pode não ser renovado devido à escalada das agressões na região. No fechamento, os contratos com entrega em dezembro de 2022 eram cotados a US$ 9,03 1/4 por bushel, alta de 31,75 centavos de dólar, ou 3,64%, em relação ao fechamento anterior. Os contratos com entrega em março de 2023 eram negociados a US$ 8,84 1/4 por bushel, elevação de 30,75 centavos, ou 3,47%, em relação ao fechamento anterior.

    MILHO: Previsão de chuvas prejudiciais à colheita nos EUA auxilia dia de alta em Chicago
    A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o milho fechou a sessão de hoje com preços em alta. O mercado foi sustentado pelo indicativo de chuvas prejudiciais à colheita no cinturão produtor dos Estados Unidos. Problemas de abastecimento de cereais na região do Mar Negro e a alta do petróleo também serviram como fator de suporte às cotações. A tensão no conflito entre Rússia e Ucrânia voltou a ganhar força, o que influenciou uma alta generalizada nos preços das commodities, como o trigo e a soja. Apesar disso, os ganhos foram limitados pela baixa demanda de milho voltado para produção de etanol nos Estados Unidos. A produção de etanol de milho dos Estados Unidos caiu 5,1% na semana encerrada em 23 de setembro, atingindo 855 mil barris diários (*), ante 901 mil barris na semana anterior (16) segundo dados da AIE (Administração de Informação de Energia). Já os estoques de etanol dos Estados Unidos passaram de 22,501 milhões de barris para 22,691 milhões de barris no mesmo período comparativo (+0,84%). A produção caiu pela terceira semana consecutiva, e de forma mais acentuada que a esperada pelo mercado, que apostava numa queda para até 876 mil barris. Na sessão, os contratos de milho com entrega em dezembro fecharam a US$ 6,70 1/2 por bushel, ganho de 3,00 centavos de dólar, ou 0,44%, em relação ao fechamento anterior. A posição março fechou a sessão a US$ 6,76 1/2 por bushel, alta de 3,75 centavos, ou 0,55% em relação ao fechamento anterior.

    TRIGO: Excesso de chuvas pode afetar qualidade do grão na área da Coopavel (PR)
    As lavouras de trigo estão sofrendo com o excesso de umidade na área da Cooperativa Coopavel, que atua em 20 municípios do oeste e sudoeste do Paraná. Segundo fonte da cooperativa, que concedeu entrevista exclusiva à Agência SAFRAS, além de atrapalhar a colheita, a qualidade do grão pode ser afetada. Quando o produtor conseguir entrar na lavoura, isto pode ser comprovado, destaca. O tempo deve permanecer fechado até sexta-feira, abrindo no final de semana. E segunda já deve voltar a chover, adverte. Em setembro, as chuvas acumuladas na região giram em torno de 300 milímetros. A área colhida chega a 40%. Das lavouras restantes, 80% estão em fase de maturação e 20% em enchimento de grão. A área plantada foi estimada em 119,4 mil hectares. Já o rendimento médio esperado é de 2.900 quilos por hectare.

    AÇÚCAR: NY volta a subir com cobertura de posições vendidas, seguindo petróleo
    A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures US) para o açúcar bruto encerrou o pregão eletrônico com cotações em leve alta. Os contratos com entrega em outubro/2022 encerraram o dia a 18,29 centavos de dólar por libra-peso, alta de 0,10 centavo (+0,54%). A posição Março/2023 fechou cotada a 17,71 centavos (+0,68%). O mercado voltou a subir com cobertura de posições vendidas, na medida que os agentes correm para evitar o compromisso da entrega física do açúcar em cima do contrato outubro, que expira na próxima sexta-feira. A forte alta do petróleo completou o tom mais positivo do dia. No entanto, os ganhos foram limitados pelos números robustos de produção de açúcar do Brasil na primeira quinzena de setembro. A produção de açúcar totalizou 2,86 milhões de toneladas na primeira metade de setembro, elevação de 12% no comparativo com o mesmo período do ano passado.

    CAFÉ: Londres fecha com alta com oferta apertada e seguindo mercados
    A Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres (ICE Futures Europa) para o café robusta encerrou as operações desta quarta-feira com preços acentuadamente mais altos. As cotações subiram no dia para o robusta acompanhando a reação do arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US), a subida do petróleo e de outros mercados numa quarta-feira de melhor humor para as commodities. Além disso, segue a preocupação com a oferta apertada no curto prazo. Os estoques certificados na Bolsa de NY seguem caindo a patamares históricos e as indicações continuam de que o Brasil colheu uma safra abaixo das expectativas em 2022. Os contratos para entrega em novembro/2022 fecharam o dia a US$ 2.205 a tonelada, alta de US$ 25 a tonelada, ou de 1,1%. A posição janeiro/2023 fechou a US$ 2.194 a tonelada, elevação de US$ 16, ou de 0,7%.

    SOJA: Plantio na região de Santa Maria (RS) deve iniciar em 11 de outubro
    O plantio de soja na região de Santa Maria (RS) deve iniciar no dia 11 de outubro. A projeção de área é de 1 milhão e 46 mil hectares. Segundo o assistente técnico da regional da Emater/RS, Luis Fernando Rodrigues, essa área representa um aumento em relação ao ano anterior. Vem aumentando ano após anos, destaca.