John Deere logo

    Conecta

    Sua fonte centralizada de notícias Agro

    Confira como fica o clima na primeira quinzena de novembro

    Condições de chuvas são pouco animadoras para o último mês de 2023 no centro-norte do Brasil
    Rafael De Marco
    Arquivo
    Arquivo

    Tags:

    Clima

    As condições de clima deverão seguir pouco animadoras no que tange a chuvas no centro-norte do Brasil na primeira metade de novembro, de acordo com o alerta agroclimático da Rural Clima.

     

    Segundo o agrometeorologista Marco Antonio dos Santos, a previsão de chuva para o norte do Tocantins, Piauí, oeste da Bahia diminuiu muito com ingresso de uma massa de ar frio. Ele afirma que no norte de Mato Grosso, Goiás, Mato Grosso do Sul até pode chover de forma irregular na semana, mas com volumes limitados.

     

    Ao longo de novembro, pode chover melhor no sul do Brasil, com alagamentos registrados no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, mas na metade norte do país ainda haverá poucas chuvas.

     

    Santos disse que deve voltar a chover no Rio Grande do Sul no dia 11, com os corredores de umidade vindos do Paraguai podendo atingir também Santa Catarina, Paraná e sul de Mato Grosso do Sul.

     

    Porém, em boa parte do Sudeste, do Centro-Oeste, Matopiba, Pará, Rondônia e parte da Amazônia não há previsão de chuvas nos próximos 10 dias.

     

    Confira como fica o clima na primeira quinzena de novembro 1

    De modo geral, Santos sinaliza que há algumas chuvas irregulares pelo país nessa semana e tempo aberto na próxima, com retorno das precipitações na seguinte.

     

    Assim, nos próximos 15 dias, os modelos meteorológicos europeu e americano indicam poucas chuvas previstas para Sorriso (MT), Rio Verde (GO) e Patos de Minas (MG).

     

    Os maiores volumes de precipitações devem ser em Chapecó (SC) e Passo Fundo (RS).

     

    Em Cascavel (PR) e Dourados (MS) as chuvas devem ser muito irregulares.

     

    Já em Balsas, no Maranhão, com exceção dessa semana, nas demais também haverá poucas precipitações.

     

    Santos ressalta que o fato do pico do El Niño estar sendo empurrado seguidamente, agora previsto para janeiro, faz com que o centro-norte do Brasil siga com poucas chuvas e o sul continue com volumes extremos, o que poderá comprometer a safra de milho e de soja.

     

    Pelo cenário atual de chuva previstas, também há riscos para as safras de cana-de-açúcar e de café no cerrado mineiro.

     

    Com informações da Agência Safras