John Deere logo

    Conecta

    Sua fonte centralizada de notícias Agro

    Crescem os investimentos no agronegócio brasileiro

    BNDES eleva investimentos na agropecuária em 50%, enquanto o crédito rural do Plano Safra 2022/2023 chegou a R$ 344 bilhões entre julho/22 e junho/23
    Rafael De Marco
    Fernando Frazão/Agência Brasil
    Fernando Frazão/Agência Brasil

    Tags:

    Agricultura

    Economia

    Boas notícias para os produtores rurais. O Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) elevou o investimento no setor agropecuário em 50% no primeiro semestre deste ano, comparando os números com 2022.

     

    A maior parte dos recursos contabilizados pelo BNDES são do Plano Safra/Safrinha 2023/2024, para os quais o banco reservou R$ 38,4 bilhões em créditos.

     

    NÚMEROS

    - R$ 50 bilhões é a soma das ações do banco nos primeiros seis meses do ano voltadas à agricultura familiar e ao agronegócio.

    - R$ 1 bilhão para novas operações de crédito e investimentos estão aprovados junto ao Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola da ONU (Fida).

    - 250 mil famílias de agricultores familiares do semiárido nordestino recebam investimentos do Fida em práticas agrícolas e segurança hídrica.

    - R$ 11,6 bilhões é o volume oferecido para a agricultura familiar, uma ampliação de 103%, chegando.

    - R$ 14,8 bilhões é o volume para a agricultura empresarial, um crescimento de 33% em relação ao plano anterior (2022/2023).

     

    CRÉDITO REATIVADO
    O BNDES destaca ainda a reativação de linhas de financiamentos para o agronegócio, que estavam fechadas até a posse da nova diretoria e a criação de uma nova linha indexada ao dólar, voltada para produtores que recebem na moeda estrangeira. Esses recursos somam mais R$ 11,5 bilhões.

     

    PLANO SAFRA 2022/2023

    O desembolso do crédito rural do Plano Safra 2022/2023 chegou a R$ 344 bilhões entre julho/2022 e junho/2023. Os financiamentos de custeio tiveram aplicação de R$ 204,7 bilhões. Já as contratações das linhas de investimentos totalizaram R$ 90,5 bilhões. As operações de comercialização atingiram R$ 33,5 bilhões e as de industrialização, R$ 15,2 bilhões.

     

    Crescem os investimentos no agronegócio brasileiro 1

    De acordo com a análise da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), foram realizados 1.903.436 contratos no período de 12 meses do ano agrícola, sendo 1.376.891 no Pronaf e 204.935 no Pronamp.

     

    Os valores contratados pelos pequenos e médios produtores em todas as finalidades (custeio, investimento, comercialização e industrialização) foram, respectivamente, de R$ 52,2 bilhões no Pronaf e de R$ 48,7 bilhões no Pronamp.

     

    Os demais produtores formalizaram 321.610 contratos, correspondendo a R$ 243 bilhões de financiamentos contratados nas instituições financeiras.

     

    RENOVAGRO

    O Programa para a Adaptação à Mudança do Clima e Baixa Emissão de Carbono na Agropecuária, conhecido como Programa ABC+, que no atual Plano Safra 2023/2024 mudou de nome para Programa para Financiamento a Sistemas de Produção Agropecuária Sustentáveis (RenovAgro), teve desembolso de R$ 3,75 bilhões. O Programa de Modernização da Agricultura e Conservação dos Recursos Naturais (Moderagro) teve contratações de R$ 1,8 bilhão. Já o Programa para Construção e Ampliação de Armazéns (PCA) somou R$ 2,8 bilhões.

     

    CONTRATAÇÃO POR FONTE DE RECURSOS

    Em relação às fontes de recursos do crédito rural, a participação dos recursos obrigatórios no total das contratações foi de R$ 70,7 bilhões, e a de recursos da poupança rural controlada somou R$ 63,5 bilhões. As duas fontes somam perto de 40% do total do crédito rural.

     

    A demanda por recursos não controlados somou R$ 150,4 bilhões, com destaque para os recursos da Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) com R$ 86,8 bilhões, o equivalente a 25% de todos os financiamentos.

     

    CONTRATAÇÃO POR REGIÃO

    A região Sul continua puxando os financiamentos do Plano Safra, com R$ 112 bilhões. O estado do Rio Grande do Sul lidera o ranking das contratações na região, com 45% das contratações, seguido pelo Paraná, com 40%.

     

    O Centro-Oeste está em segundo lugar no desempenho do crédito, com quase R$ 95 bilhões, sendo que Mato Grosso e Goiás respondem por 77% das contratações da região.

     

    Com informações da Agência Brasil e Ministério da Agricultura