John Deere logo

    Conecta

    Sua fonte centralizada de notícias Agro

    Embrapa contará com investimento recorde

    Todas os centros de pesquisa da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária receberão recursos do Novo PAC, que serão distribuídos de 2023 a 2026
    Rafael De Marco
    Arquivo
    Arquivo

    Tags:

    Embrapa

    Pesquisa

    Investimento pesado em pesquisa para o desenvolvimento da agropecuária nacional: a Embrapa receberá perto de R$ 1 bilhão até 2026 por meio do Novo PAC, o Programa de Aceleração do Crescimento. A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária terá quase R$ 850 milhões em investimentos estratégicos para aumentar a competitividade científica do agro brasileiro, e outros R$ 145 milhões irão para o Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária (SNPA).

     

    De acordo com Selma Beltrão, diretora-executiva de Pessoas, Serviços e Finanças, este é o maior volume de investimentos que a Embrapa já recebeu. Ela esclarece que o montante não inclui custeio e despesas obrigatórias. Conhecidos como investimento, recursos de capital são aplicados no patrimônio, tais como obras, construções, instalações e aquisição de equipamentos e materiais permanentes, que são incorporados ao patrimônio da instituição.

     

    Todas as 43 Unidades Descentralizadas (UDs) serão contempladas. A distribuição de recursos entre elas buscou conciliar as demandas mais urgentes da Empresa e as prioridades do Governo Federal, como o foco nas regiões Norte e Nordeste e a conclusão de obras iniciadas ou decorrentes do PAC 2008-2010.

     

    A diretora lembra que a Embrapa sofreu, na última década, com a falta de investimentos em sua estrutura de pesquisa. "O Novo PAC traz a possibilidade de a Empresa se modernizar para os próximos 50 anos e responder mais rapidamente aos desafios de garantir segurança alimentar, inclusão socioprodutiva e digital no campo, desenvolvimento de tecnologias ômicas e geração de métricas e indicadores de sustentabilidade para as diversas cadeias produtivas", afirma Selma.

     

    Para a presidente Silvia Massruhá, o Novo PAC é uma grande oportunidade de revitalização e fortalecimento da capacidade operacional da Empresa. "Esse investimento vultoso mostra que o Governo valoriza e reconhece a importância da ciência desenvolvida pelo sistema de pesquisa agropecuário, formado pela Embrapa e organizações estaduais, para a soberania alimentar e a sustentabilidade da agricultura", diz a gestora.

     

    A proposta da Embrapa foi dividida em quatro segmentos. Confira:

     

    1 - Infraestrutura para a pesquisa agropecuária territorial e inclusiva: nesse segmento está incluída a conclusão da instalação da Embrapa Cocais e da Embrapa Alimentos e Territórios, centros que estão localizados no Nordeste, região prioritária para o Governo;

     

    2 - Investimentos para a finalização de estruturas interrompidas, incluindo aquelas criadas pelo PAC 2008: Núcleo de Inovação em Enologia para Estudos do Vinho (Embrapa Uva e Vinho); Laboratório de Solos (PronaSolos) e Sala de Mapas (Embrapa Solos); e Quarentena Vegetal (Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia);

     

    3 - Demandas especiais: Núcleo de Estudos Avançados do Café; Laboratório de prospecção e uso de recursos genéticos microbianos da Amazônia; Ampliação laboratorial de sanidade animal (influenza aviária e peste suína africana); Fortalecimento do SNPA;

     

    4 - Investimentos para competitividade científica e tecnológica: destinados à implantação, expansão, modernização e reestruturação de laboratórios, instrumentação científica, máquinas e implementos, campos experimentais e automação.

     

    Para justificar a proposta, além de uma apresentação sobre a importância da Empresa para o País, os membros do grupo de trabalho argumentaram que o último investimento robusto foi o aporte do PAC Embrapa de 2008, cujos recursos esgotaram-se em 2012. A Empresa teve nos últimos sete anos valores iguais ou menores que 1% de seu orçamento global para investimento.

     

    Embrapa contará com investimento recorde 1

    Distribuição de recursos por ano:

    Total: R$ 983.449.962,00 (incluindo fortalecimento do SNPA)

    2023: R$ 60.513.220,00

    2024: R$ 364.957.660,00

    2025: R$ 468.120.587,00

    2026: R$ 89.858.495,00

     

    Sobre o Novo PAC

    O programa vai investir R$ 1,7 trilhão em todos os estados do Brasil. Os investimentos previstos no Novo PAC com recursos do Orçamento Geral da União (OGU) somam R$ 371 bilhões; o das empresas estatais, R$ 343 bilhões; financiamentos, R$ 362 bilhões; e setor privado, R$ 612 bilhões.

     

    O Novo PAC está organizado em medidas institucionais e nove eixos de investimento.

     

    As medidas institucionais são atos normativos de gestão e planejamento que contribuem para a expansão sustentada de investimentos públicos e privados no Brasil. São cinco grandes grupos: (1) Aperfeiçoamento do Ambiente Regulatório e do Licenciamento Ambiental; (2) Expansão do Crédito e Incentivos Econômicos; (3) Aprimoramento dos Mecanismos de Concessão e PPPs; (4) Alinhamento ao Plano de Transição Ecológica; (5) Planejamento, Gestão e Compras Públicas.

     

    O Novo PAC incluiu novos eixos de atuação, como inclusão digital e conectividade, para levar internet de alta velocidade a todas as escolas públicas e unidades de saúde, além de expandir o 5G e a rede 4G a rodovias e regiões remotas. Os demais eixos são: saúde, educação, infraestrutura social e inclusiva, cidades sustentáveis e resilientes, água para todos, transporte eficiente e sustentável, defesa e transição e segurança energética.

    Com informações da Embrapa e da assessoria de comunicação do Governo Federal