NOTÍCIAS DE HOJE - 1/10/2021

Veja algumas notícias preparadas pela equipe do SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS

Agricultura

img-news
CARNE SUINA: Exportações atingem 101,896 mil toneladas em setembro  – Secex
As exportações de carne suína "in natura" do Brasil renderam US$ 242,313 milhões em setembro (21 dias úteis), com média diária de US$ 11,538 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 101,896 mil toneladas, com média diária de 4,852 mil toneladas. O preço médio ficou em US$ 2.378,00. Em relação a setembro de 2020, houve alta de 37,64% no valor médio diário da exportação, avanço de 33,98% na quantidade média diária exportada e valorização de 2,73% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

CARNES: Exportação de aves atinge 388,951 mil toneladas em setembro – Secex
As exportações de carne de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas do Brasil renderam US$ 671,367 milhões em setembro (21 dias úteis), com média diária de US$ 31,969 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 388,951 mil toneladas, com média diária de 18,521 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 1.726,10. Na comparação com setembro de 2020, houve alta de 54,68% no valor médio diário, ganho de 21,73% na quantidade média diária e avanço de 27,07% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

AÇÚCAR: Exportação cai para 2,5 milhões de toneladas em setembro – Secex
A receita diária média obtida com as exportações brasileiras de açúcar e outros melaços totalizou US$ 40,420 milhões em setembro). Já o volume médio diário de exportações atingiu 122,701 mil toneladas. Foram exportadas 2.576.735 toneladas de açúcar em setembro, com receita total de US$ 848,828 milhões e um preço médio de US$ 329,40 por tonelada. Na comparação com a média diária de setembro de 2020, de US$ 45,377 milhões, verificou-se queda de 10,92% no valor obtido diariamente pelas exportações de açúcar em setembro de 2021. Em volume, houve recuo de 23,94%, ante as 161,331 mil toneladas diariamente embarcadas em setembro de 2020. Já o preço médio subiu 17,12%, ante os US$ 281,3 por tonelada verificados em agosto de 2020. 

CARNE BOVINA: Exportação atinge 187,017 mil toneladas em setembro – Secex
As exportações de carne bovina fresca, congelada ou refrigerada do Brasil renderam US$ 1,082 bilhão em setembro (21 dias úteis), com média diária de US$ 51,566 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 187,017 mil toneladas, com média diária de 8,905 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 5.790,40. Em relação a setembro de 2020, houve ganho de 85,73% no valor médio diário da exportação, alta de 31,38% na quantidade média diária exportada e valorização de 41,37% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

ALGODÃO: Exportação soma 140,21 mil toneladas em setembro – Secex
As exportações de algodão do Brasil renderam US$ 237,67 milhões em setembro (21 dias úteis), com média diária de US$ 11,32 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 140,21 mil toneladas, com média diária de 6,68 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 1.695,20. Em relação a setembro de 2020, houve alta de 2,98% no valor médio diário da exportação, perda de 11,72% na quantidade média diária exportada e valorização de 16,65% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

MILHO: Exportações somam 2,855 milhões de toneladas em setembro – Secex
As exportações de milho do Brasil apresentaram receita de US$ 536,947 milhões em setembro (21 dias úteis), com média diária de US$ 25,568 milhões. A quantidade total de milho exportada pelo país ficou em 2,855 milhões de toneladas, com média de 135,964 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 188,10. Em relação a setembro de 2020, houve baixa de 48,30% no valor médio diário da exportação, queda de 55,19% na quantidade média diária exportada e valorização de 15,37% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

SOJA: Exportações do Brasil somam 4,833 mi de toneladas em setembro – Secex
As exportações de soja em grão do Brasil renderam US$ 2,559 bilhões em setembro (21 dias úteis), com média diária de US$ 117,103 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 4,833 milhões de toneladas, com média diária de 230,157 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 508,80. Na comparação com setembro de 2020, houve alta de 57,95% na receita média diária e de 13,43% no volume. O preço subiu 39,24%. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

ECONOMIA: Balança comercial tem superávit de US$ 4,3 bi em setembro
O Brasil teve superávit comercial de US$ 4,322 bilhões em setembro, resultado de US$ 24,3 bilhões em exportações e de US$ 20 bilhões em importações - o que representa médias diárias de, respectivamente, US$ 1,2 bilhão e US$ 950,6 milhões -, de acordo com dados divulgados pelo Ministério da Economia. A corrente de comércio no período foi de US$ 44,2 bilhões. Em setembro, comparando com igual mês do ano anterior, a média diária de exportações cresceu 12,4% no setor agropecuário, 41,1% na indústria extrativa e 36,2% na indústria de transformação. 

No setor agropecuário, o destaque das exportações ficou com a soja (+57,9%), café (+8,2%) e madeira em bruto (+224,3%). Na indústria extrativa, houve aumento de 30,9% no minério de ferro e de 61,1% em óleos brutos de petróleo, enquanto na indústria de transformação houve crescimento de 85,7% nas vendas ao exterior de carne bovina fresca, refrigerada ou congelada e em produtos semiacabados de ferro ou aço (+235,6%). 

Nas importações, houve crescimento de 40,6% na média diária do setor agropecuário, de 240,0% na indústria extrativa e de 46,6% em produtos da indústria de transformação. O destaque das importações no setor agropecuário foi para o milho (+342,3%) e o pescado inteiro (+100,5%), enquanto na indústria extrativa ficou com o gás natural (+552,9%) e os óleos brutos de petróleo (+306,6%). Na indústria da transformação, o Ministério destacou a expansão na compra de adubos ou fertilizantes (+126,6%) e medicamentos e produtos farmacêuticos (+228,8%). Do início de janeiro até setembro, a balança comercial brasileira teve saldo positivo de US$ 56,4 bilhões, ante superávit de US$ 40,8 bilhões no mesmo intervalo do ano anterior. As exportações aumentaram 36,9% na mesma base de comparação, para US$ 213,2 bilhões, enquanto as importações subiram 36,4%, para US$ 156,8 bilhões. A corrente de comércio teve alta de 36,7%, para US$ 370 bilhões.

MILHO: Plantio está finalizado em Júlio de Castilhos (RS)
O plantio de milho verão em Júlio de Castilhos, na região central do Rio Grande do sul, está finalizado. A área é estimada em 1,5 mil hectares, sendo 300 de sequeiro e 1,2 mil de irrigado. Segundo o engenheiro agrônomo da Cotrijuc, Felipe Mello, as lavouras estão em início de desenvolvimento vegetativo, com bom desenvolvimento. Os produtores já fazem os manejos de herbicidas e a adubação de cobertura com nitrogênio e potássio. Por enquanto, o clima é considerado normal para a cultura.

CAFÉ: Dia Internacional do Café é celebrado neste 01 de outubro
Nesta sexta-feira, 01 de outubro, é celebrado o Dia Internacional do Café. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) destaca a importância do café em seu site, com o Brasil sendo o maior produtor e exportador do mundo e segundo maior consumidor, atrás apenas dos Estados Unidos. 
A popularidade da bebida é tamanha, que neste dia 1 de outubro, comemora-se o Dia Internacional do Café. No Brasil, o café também representa a excelência do agronegócio, colocando o país na liderança isolada como maior produtor e exportador do mundo e em segundo lugar como maior mercado consumidor da bebida. É o café brasileiro que reúne também o maior número de produtos com o registro de Indicações Geográficas (IGs), totalizando 13. 

logo