NOTÍCIAS DE HOJE - 18/8/2021

Veja algumas notícias de hoje preparadas pela equipe do SAFRAS & MERCADO através da Agência SAFRAS

Agricultura

img-news
MILHO: Isenção de PIS/Cofins não alterará custo de importação
O governo federal informou que pretende, até o próximo dia 30, anunciar a isenção da cobrança de PIS/Cofins sobre as importações de milho de qualquer origem. Analistas de SAFRAS & Mercado avaliam que, na prática, isso não irá alterar o custo de importação do cereal, o qual depende da matemática de preços FOB, fretes e internalização.

Segundo SAFRAS, hoje apenas os importadores que têm a facilidade do regime de Draw Back se beneficiam do abatimento de PIS/Cofins. Com a nova medida do governo, todos os consumidores de milho no mercado interno poderão importar isentos desta tarifa. Na prática, porém, esta tarifa já não faz parte do cálculo de importação.

O SAFRAS detalha que a medida será válida apenas até dezembro de 2021 e abre espaço também para que mais importadores participem das compras. As tradings, que poderão, por exemplo, trazer um navio com cereal importado e revendê-lo para vários compradores internos.

Para o mercado interno, o quadro tende a se alterar muito pouco. É preciso verificar qual será a real atitude do consumidor interno em importar e, também, do produtor com as fixações, muito embora a notícia tenha chegado em um momento de vencimento de dívidas da safrinha, o que pode ajudar na decisão de venda.

"Para que a medida realmente ajude a ter efeito nos preços internos, mais importações precisam ocorrer e para que as cotações no país venham a cair, o produtor brasileiro precisará vender", alertam os analistas de SAFRAS.
Segundo o line-up, a programação dos portos brasileiros, o Brasil deverá exportar 4,581 milhões de toneladas de milho em agosto, com embarques já efetivos de 2,133 milhões de toneladas, ao passo que as importações do cereal da Argentina para este mês estão indicadas pela Secex em 174,461 mil toneladas de milho.

SOJA: Clima favorável nos EUA pressiona contratos em Chicago
Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a quarta-feira com preços mais baixos. A previsão de clima favorável ao desenvolvimento das lavouras no Meio Oeste dos Estados Unidos deflagrou um movimento técnico de vendas. O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) anunciou nova venda por parte dos exportadores privados. No nono dia seguido de vendas, dessa vez o volume envolveu 131 mil toneladas para a China. Mas já há sinais de que as compras chinesas estejam se esgotando.

Nas movimentações da madrugada no país asiático, os preços cederam com o sentimento de que o interesse comprador dos importadores estaria diminuindo, em decorrência do menor interesse nas vendas internas de farelo. Amanhã, 19/8, o USDA divulga o relatório com as vendas líquidas semanais e a expectativa do mercado é de um número entre 900 mil e 1,2 milhão de toneladas. 

CAFÉ: Serasa Experian e Cecafé firmam parceria para mitigar riscos
Nos últimos anos, o advento das novas tecnologias e suas constantes evoluções trouxeram dinamismo e fortalecimento ao mercado cafeeiro. Mantendo sua gestão moderna e contemporânea, o Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé) firmou parceria com a Serasa Experian para a utilização de uma plataforma que visa trazer proteções adicionais aos contratos futuros e a termo de café, como forma de instrumento de mercado de longo prazo, a qual agrega liquidez, previsibilidade, sustentabilidade e mitigação de riscos à cafeicultura.

As informações partem da assessoria de comunicação do Cecafé. "A plataforma, desenvolvida em total conformidade com as legislações vigentes de proteção de dados, de defesa da concorrência e de proteção de crédito, visa reduzir a assimetria de informações e dar mais segurança ao instrumento de mercado futuro, buscando gerar inteligência mercadológica para uma melhor gestão de riscos nas tomadas de decisões, gerando benefícios a todos os segmentos da cadeia produtiva", explica Marcos Matos, diretor geral do Cecafé.

Segundo o diretor do DataLab e responsável pelas ações voltadas ao agronegócio da Serasa Experian, Marcelo Pimenta, "o Brasil é o maior exportador de café do mundo e os traders precisam ter uma visibilidade melhor da reputação e dos riscos contratuais e de produção de seus fornecedores. Por isso queremos ser o principal parceiro a trazer dados para facilitar o acesso a crédito e novos negócios no mercado futuro".

Os executivos afirmam que a iniciativa trará mais equilíbrio à saúde financeira do mercado e de seus atores, da produção ao comércio, haja vista que, com vendedores e compradores honrando os compromissos firmados, cria-se um cenário positivo e proativo que possibilita que os produtores permaneçam realizando barter - troca de café por insumos ou maquinários - e tendo acesso aos créditos diversos, como do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) e das demais linhas de financiamento, inclusive de forma antecipada.

As informações incluídas na plataforma, que será operada exclusivamente pela Serasa Experian, serão fornecidas por associados do Cecafé que aderirem ao projeto, atendendo, de maneira rigorosa, a legislação pátria, especialmente a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), quando aplicável.
logo