NOTÍCIAS DE HOJE - 30/9/2021

Veja algumas notícias preparadas pela equipe do SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS

Agricultura

img-news
TRIGO: Chicago sobe forte com novo sinal de aperto da oferta nos EUA 

A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o trigo encerrou com preços mais acentuadamente altos. O mercado repercutiu os relatórios de estoques trimestrais dos Estados Unidos e de estimativa de produção do país em 2021, divulgados nesta quinta-feira pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). Os documentos indicaram corte de oferta em níveis menores do que os esperados por analistas. Em setembro, os contratos com entrega em dezembro de 2021 acumularam alta de 0,45%. No trimestre, a valorização acumulada foi de 48,06%. A produção de trigo dos Estados Unidos em 2021 é estimada em 1,65 bilhão de bushels, queda de 10% na comparação com os 1,83 bilhão de bushels de 2020. O mercado esperava 1,681 bilhão de bushels. A área colhida com o grão totaliza 37,2 milhões de acres, alta de 1% ano a ano. A produtividade do trigo nos EUA é estimada em 44,3 bushels por acre, queda de 5,4 bushels por acre na comparação com o rendimento do ano anterior. Os estoques norte-americanos de trigo em 1o de setembro de 2021 totalizaram 1,78 bilhão de bushels - baixa de 18% em relação ao mesmo período de 2020. O mercado esperava o número em 1,857 bilhão de bushels. Os estoques trimestrais de trigo durum totalizaram 46,9 milhões de bushels, baixa de 34% frente ao ano passado. No fechamento de hoje, os contratos com entrega em dezembro de 2021 eram cotados a US$ 7,25 1/2 por bushel, alta de 15,25 centavos de dólar, ou 2,14%, em relação ao fechamento anterior. Os contratos com entrega em março de 2022 eram negociados a US$ 7,36 1/2 por bushel, ganho de 14,25 centavos de dólar, ou 1,97%, em relação ao fechamento anterior.

SOJA: Chicago cai mais de 2%, pressionado pelo relatório do USDA
Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a quinta-feira com preços acentuadamente mais baixos. O mercado foi pressionado pelo relatório de estoques trimestrais do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que indicou número bem acima do esperado. A posição novembro encerrou setembro com desvalorização de 2,82%. No trimestre, a commmodity recuou 10,22%. Os estoques trimestrais totalizaram 256 milhões de bushels. O volume estocado recuou 51% na comparação com igual período de 2020. O número ficou abaixo da expectativa do mercado, de 172 milhões de bushels. Do total, 68,1 milhões de bushels estão armazenados com os produtores, com queda de 52%. Os estoques fora das fazendas somam 188 milhões de bushels, com baixa de 51%. 

A safra norte-americana de soja em 2020 foi revisada para cima pelo USDA. A produção está agora estimada em 4,216 de bushels, com aumento de 80,8 milhões de bushels frente à projeção anterior. Em toneladas, a produção está agora estimada em 114,75 milhões de toneladas. A área plantada teve sua estimativa revisada para 83,4 milhões de acres. A área colhida está projetada em 82,6 milhões de acres. A produtividade média está agora estimada em 51 bushels por acre, com alta de 0,8 bushel.

As exportações líquidas norte-americanas de soja, referentes à temporada 2021/22, com início em 1 de setembro, ficaram em 1.093.900 toneladas na semana encerrada em 23 de setembro. A China liderou as compras com 776.500 toneladas. Para 2022/23, as vendas ficaram em 7.800 toneladas. Os analistas esperavam exportações entre 700 mil e 1,2 milhão de toneladas, somando-se as duas temporadas. Os contratos da soja em grão com entrega em novembro fecharam com baixa de 27,75 centavos de dólar por bushel ou 2,16% a US$ 12,56 por bushel. A posição janeiro teve cotação de US$ 12,65 1/2 por bushel, com perda de 28,00 centavos ou 2,16%. Nos subprodutos, a posição dezembro do farelo fechou com baixa de US$ 12,50 ou 3,66% a US$ 328,70 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em dezembro fecharam a 58,69 centavos de dólar, alta de 0,86 centavo ou 1,48%.

TRIGO: Colheita começa na Argentina com rendimento abaixo da média
A colheita de trigo foi iniciada na Argentina. Conforme a Bolsa de Cereais de Buenos Aires, os primeiros lotes ceifados ficam no norte do país e registram produtividades abaixo da média. A área plantada soma 6,6 milhões de hectares, contra 6,5 milhões no ano passado. No centro e no sul da área agrícola, seguem as aplicações de controles de fungos. Com as chuvas registradas no início deste mês, e com o aumento das temperaturas, houve maior presença de enfermidades foliares. Atualmente, 34% das lavouras argentinas estão com déficit hídrico, contra 33% na semana passada e 42% em igual momento de 2020. As plantas se dividem entre boas (51%), normais (25%) e ruins (24%). As áreas boas e ruins cresceram 1 ponto percentual nesta semana. A situação é expressivamente melhor do que a registrada um ano atrás, quando apenas 8% da área estava entre excelente e boa e 46% estava de regular a ruim.

MILHO: Produção 2020 dos EUA é cortada para 14,111 bilhões de bushels
A safra norte-americana de milho em 2020 foi revisada para baixo pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). A produção está agora estimada em 14,111 bilhões de bushels, com recuo de 71 milhões de bushels frente à projeção anterior. Em toneladas, a produção está agora estimada em 358,42 milhões de toneladas. A área plantada teve sua estimativa revisada para 90,7 milhões de acres. A área colhida está projetada em 82,3 milhões de acres. A produtividade média está agora estimada em 171,4 bushels por acre, com alta de 0,6 bushel. 

MILHO: Plantio 2021/22 atinge 16,8% na Argentina - Bolsa de Buenos Aires
O plantio de milho da safra 2021/22 atinge 8,5% da área na Argentina. Segundo a Bolsa de Cereais de Buenos Aires, a superfície é projetada em 7,1 milhões de hectares, 7,6% acima do ano anterior. Os trabalhos avançaram 8,3 pontos percentuais na semana e estão 1,4 ponto adiantados na comparação com igual período do ano passado.

logo