NOTÍCIAS DE HOJE – 04/11/2021

Veja algumas notícias preparadas pela equipe do SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS

Agricultura

img-news
MILHO: Plantio 2021/22 atinge 28,4% na Argentina - Bolsa de Buenos Aires

O plantio de milho da safra 2021/22 atinge 28,4% da área na Argentina. Segundo a Bolsa de Cereais de Buenos Aires, a superfície é projetada em 7,1 milhões de hectares, 7,6% acima do ano anterior. Os trabalhos avançaram 0,8 ponto percentual na semana e estão 2,5 pontos atrasados na comparação com igual período do ano passado. Em números absolutos, o plantio chega a 2,02 milhões de hectares.


SOJA: Plantio atinge 7,1% da área na Argentina - Bolsa de Buenos Aires

O plantio da soja atinge 7,1% da área na Argentina. Segundo a Bolsa de Cereais de Buenos Aires, os trabalhos avançaram 2,5 pontos percentuais na última semana. A área é projetada em 16,5 milhões de hectares, a menor dos últimos 15 anos. Em números absolutos, já foram semeados 1,177 milhão de hectares.


ARROZ: AMIS estima safra mundial de 518,2 milhões de toneladas em 2021/22

A produção mundial de arroz em 2021/22 deverá totalizar 518,2 milhões de toneladas, contra 513,7 milhões do ano anterior. A estimativa faz parte do relatório de novembro do Sistema de Informação do Mercado Agrícola (AMIS), órgão do G-20 para divulgar dados de oferta e demanda das principais commodities globais. A previsão anterior era de 519,7 milhões de toneladas. A previsão para baixo na estimativa é resultado da retração na projeção de produção da Indonésia. O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) indica produção global de 510,7 milhões. O Conselho Internacional de Grãos indica safra de 512,7 milhões de toneladas. 


MILHO: AMIS projeta safra global de 1,197 bi de toneladas em 2021/22

A produção mundial de milho em 2021/22 deverá ser recorde e totalizar 1,197 bilhão de toneladas, contra 1,157 bilhão do ano anterior. A estimativa faz parte do relatório de novembro do Sistema de Informação do Mercado Agrícola (AMIS), órgão do G-20 para divulgar dados de oferta e demanda das principais commodities globais. Na estimativa anterior, o número era de 1,192 bilhão. A estimativa subiu em razão das revisões para cima nas estimativas de produção do Brasil, India e vários países da África. O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) indica produção global de 1,198 bilhão. O Conselho Internacional de Grãos indica safra de 1,21 bilhão de toneladas.


CAFÉ: Londres recua com fatores técnicos, dólar firme e baixa do petróleo

A Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres (ICE Futures Europa) para o café robusta encerrou as operações desta quinta-feira com preços mais baixos. Foi mais uma sessão bem volátil. Mas, ao final das contas, Londres caiu diante de fatores técnicos, após recentes altas, apresentando uma correção. O dólar em alta contra outras moedas e o movimento de baixa do petróleo ao longo do dia, em que chegou a ter alta, pressionou o robusta para baixo. Os contratos para entrega em janeiro/2022 fecharam o dia a US$ 2.204 a tonelada, com recuo de US$ 28, ou de 1,2%. A posição março/2022 fechou a US$ 2.154 a tonelada, declínio de US$ 21, ou de 1,0%.


LOGISTICA: Mourão defende investimento em hidrovias e portos na Amazônia

Representando o Conselho Nacional da Amazônia Legal, do qual é presidente, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, detalhou hoje (4) as ações que vêm sendo implementadas pelo governo na região amazônica. No debate, que foi transmitido de forma online para o estande do Brasil na Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2021 (COP-26), Mourão falou também sobre as perspectivas que têm para o desenvolvimento sustentável da Amazônia brasileira. Segundo Mourão, o conselho teve, como primeiro passo, a análise de vulnerabilidades da região para, em seguida, começar a ter tarefas de proteção, preservação e desenvolvimento desse espaço. "Costumo dizer que falar 'desenvolvimento sustentável' para a região amazônica é um pleonasmo porque não há como falar de desenvolvimento nessa região sem que ele seja sustentável", disse o ministro. 

Na avaliação dele, as ações estratégicas implementadas têm por objetivo "melhorar o combate a ilegalidades; melhorar o sistema de monitoramento; e buscar financiamento para projetos de desenvolvimento e para a bioeconomia; além de recuperar a capacidade operacional de órgãos de fiscalização". Para tanto, acrescentou Mourão, é necessário mapear as cadeias de valor "que podem ser devidamente exploradas". Ainda segundo o general, são necessários investimentos na infraestrutura da região, de forma a melhorar hidrovias e portos "para que as pessoas que vivem da floresta tenham melhores condições de entregar seus produtos". Mourão citou ainda a necessidade de estabelecimento de um "vetor de financiamento" para a região. "Precisamos casar. projetos que exploram a biodiversidade da floresta e pessoas com capacidade de investir. Para isso, é importante que [investidores] entendam que há, ali, retorno a seus investimentos", disse.


MILHO: USDA deve elevar safra dos EUA em 2021/22

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulga no dia 9, o relatório de oferta e demanda de novembro, trazendo estimativas de oferta e demanda de milho norte-americano e mundial para a temporada 2021/22 e 2020/21. Analistas consultados pelas agências internacionais apostam que o Departamento irá elevar a estimativa de produção dos Estados Unidos para 15,040 bilhões de bushels em 2021/22, ante os 15,019 bilhões de bushels projetados no mês passado. O volume ainda será maior frente aos 14,111 bilhões de bushels colhidos em 2020/21. A produtividade média do milho estadunidense em 2021/22 deverá ser ampliada para 176,8 bushels por acre, contra os 176,5 bushels indicados em setembro, mas acima dos 171,4 bushels por acre obtidos na safra 2020/21. A área a ser colhida deverá ficar em 85,1 milhões de acres, similar à indicada em outubro e acima dos 82,3 milhões de acres registrados na safra passada. Os estoques finais de passagem da safra 2021/22 norte-americana devem ser indicados em 1,482 bilhão de bushels, aquém dos 1,5 bilhão de bushels indicados em setembro. Para a safra global 2021/22, os estoques finais de passagem devem ser indicados em 301,4 milhões de toneladas, abaixo das 301,7 milhões de toneladas previstas em outubro. A previsão é de que os estoques finais de passagem da safra mundial 2020/21 sejam apontados em 290,6 milhões de toneladas, à frente das 290 milhões de toneladas indicadas no mês passado.


ARROZ: Conab indica plantio em 48,9% nos principais produtores do país

O plantio do arroz avançou para 48,9% da área estimada para a temporada 2021/22 nos seis principais estados produtores do Brasil (Tocantins, Maranhão, Mato Grosso, Goiás, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, que representam 87% do total), conforme levantamento semanal da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), com dados recolhidos até 30 de outubro. Na semana anterior, a semeadura estava em 35,2%. Em igual período do ano passado, o número era de 56,1%.


AÇÚCAR: NY sobe com correção técnica, mas fundamentos e petróleo contêm alta

A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures US) para o açúcar bruto encerrou o pregão eletrônico com cotações em alta. Os contratos com entrega em março/2022 encerraram o dia a 19,63 centavos de dólar por libra-peso, alta de 0,25 centavo (+1,28%) em relação ao fechamento anterior. A posição maio/2022 fechou cotada a 19,39 centavos (1,2%). O mercado avançou com correção técnica, mas os ganhos foram contidos pela volatilidade das cotações internacionais do petróleo, que passaram a cair após bons ganhos intradiários, além dos fundamentos. Com o óleo cada vez mais caro, o etanol se torna ainda mais atrativo para as usinas do Brasil e outros grandes players globais do mercado de açúcar, potencialmente diminuindo a oferta do adoçante. Assim, operadores tentam "empurrar" os contratos de volta para a linha dos 20 centavos, mas esbarram nas perspectivas de boas safras de açúcar na India e na Tailândia em 2022, e ainda na melhora nas perspectivas para o Brasil após a quebra histórica na produção registrada em 2021.


AGROPECUÁRIA: Comissão aprova projeto sobre programas de fiscalização

A Comissão de Finanças e Tributação (CFT) da Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (3), o parecer do deputado Christino Áureo (PP-RJ) ao projeto de lei (1293/2021) que dispõe sobre os programas de autocontrole nas atividades agropecuárias. O texto segue agora para Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC). As informações partem da assessoria de comunicação da Frente Parlamentar da Agropecuária. O relator afirma que a intenção do projeto é fazer com que os órgãos públicos, com a função de polícia administrativa sanitária, passem a atuar de forma mais "inteligente", com base em fatores de risco para atingir índices de maior eficiência no desempenho das atribuições para o benefício de toda sociedade. "Essa proposta coloca o Brasil em igualdade com o mercado internacional, com especial destaque para a cadeia de proteína animal," disse o deputado. 

O projeto prevê a obrigação dos agentes privados a atender critérios mínimos, na ampliação das responsabilidades desses entes. Na prática, a proposta possibilita que o Estado concentre suas ações no controle e na fiscalização de atividades de maior risco, além de permitir maior dinamismo e liberdade às atividades econômicas agropecuárias. De acordo com Christino Áureo, o texto aprovado visa modernizar a legislação agropecuária. "A aprovação do sistema de autocontrole é um passo para que os agentes privados tenham cada vez mais responsabilidade diante dos produtos que colocam para o consumo e, com isso, vamos amadurecer a cadeia, com funções mais qualitativas aos quadros do Ministério da Agricultura e aos fiscais agropecuários dos estados e municípios." 

Pelo texto, os agentes privados passarão a desenvolver programas de autocontrole com o objetivo de garantir a identidade, a qualidade e a segurança dos seus produtos. O programa não é obrigatório para agentes da produção primária agropecuária, mas esses produtores poderão aderir voluntariamente a programas de autocontrole por meio de protocolo privado de produção. O deputado Evair de Melo (PP-ES) disse que o texto assegura a qualidade dos produtos para o consumidor e permite maior dinamismo e liberdade às atividades econômicas agropecuárias.

Os programas conterão registros sistematizados e auditáveis de todo o processo produtivo, desde a recepção da matéria-prima até o produto final. Deverão conter também medidas para recolhimento de lotes em desconformidade com o padrão legal e os procedimentos de autocorreção. Presidente da CFT, o deputado Júlio Cesar (PSD-PI) ressaltou a necessidade de aprovar a regulamentação dos programas de autocontrole no Brasil. "Estamos interessados em trabalhar com conformidade para fazer com que nossas indústrias sejam cada vez mais importantes e representativas no universo das exportações", finalizou. 


AÇÚCAR: Indicador de preços/FAO cai pela primeira vez após seis altas consecutivas

O indicador de preços globais do açúcar da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) somou 119,10 pontos em outubro, queda de 2,1 pontos, ou 1,8%, contra setembro, marcando a primeira queda após seis altas consecutivas. Conforme a FAO, "apesar da queda, as cotações permanecem mais de 40% acima dos níveis de um ano atrás, puxadas principalmente por preocupações com a safra brasileira após uma quebra histórica em 2021". A recente queda mensal nos preços internacionais do açúcar foi desencadeada pela limitada demanda global de importação e perspectivas de grandes exportações da India e da Tailândia. A desvalorização do real frente ao dólar norte-americano também contribuiu para a queda dos preços mundiais do açúcar em outubro. Os preços mais altos do etanol no Brasil, no entanto, impediram quedas mais substanciais no preço do açúcar.


CARNE SUINA: Cooperativa A1 e Agroceres PIC inauguram Centro de Pesquisa

Reconhecida como uma das cooperativas mais arrojadas do agronegócio brasileiro, a Cooperativa A1 acaba de construir, em parceria com a Agroceres PIC, um Centro de Pesquisa e Inovação. Instalada no município de Iporã do Oeste (SC), a 57 km de Palmitos, sede da cooperativa, a unidade foi inaugurada na quarta-feira (03/11) e será usada como base para a realização de experimentos e validações nas áreas de genética, nutrição, manejo e equipamentos, na fase de crescimento dos suínos. Um dos grandes diferenciais do centro experimental está na dimensão de suas instalações. 

São ao todo três galpões com capacidade para alojar 1.800 suínos. Construída a partir de rigorosos padrões ambientais, de segurança sanitária e bem-estar animal, a unidade conta com sistema automatizado de alimentação dos animais e equipamentos de última geração. Robusta, essa infraestrutura vai permitir a realização de análises, experimentos e validações em escala comercial, o que confere grande precisão às informações, e o mais importante, em condições brasileiras de produção. 

"A Cooper A1 sempre foi uma cooperativa associada à inovação. A construção desta unidade experimental não só confirma essa percepção, como ressalta a importância que o desenvolvimento e adoção de novas tecnologias têm para a cooperativa", afirma Paulo Costacurta, diretor de Pecuária da Cooper A1."A partir de agora, o centro será um dos pilares da inovação em nossa área de suínos e vai nos permitir oferecer aos produtores associados tecnologias, produtos e manejos devidamente testados e validados, aptos a gerar benefícios zootécnicos e econômicos". 

Segundo Amanda Pimenta Siqueira, gerente de Serviços Técnicos da Agroceres PIC, o Centro de Pesquisa e Inovação Cooper A1 foi planejado para ser uma referência na investigação e validação de tecnologias, manejos e produtos na fase de crescimento de suínos. Voltada a inovação tecnológica, a unidade será responsável, por exemplo, por avaliar a eficiência de dietas com distintos níveis nutricionais, a efetividade de diferentes tipos de comedouros e bebedouros, analisar a performance de animais com diferentes índices genéticos, além, é claro, de testar e validar tecnologias e novas formas de manejo, sempre com vistas a assegurar ganhos produtivos e econômicos para todo sistema suinícola da cooperativa, fortalecendo os ganhos e a competitividade de seus integrados. 

"O Centro de Pesquisa e Inovação Cooper A1 será uma referência dentro e fora da cooperativa. Na unidade experimental será possível realizar um amplo leque de avaliações, em diferentes áreas, com rigor científico, em escala comercial e condições brasileiras de produção. Essa estrutura nos permitirá gerar um grande volume de informações, de alta precisão e confiabilidade, o que nos ajudará não apenas a potencializar o desempenho zootécnico e econômico dos animais no campo, mas também a estabelecer recomendações técnicas aplicáveis a toda a suinocultura brasileira", completa Amanda. 

O centro experimental da Cooperativa A1 vai contar com o apoio de uma equipe de quatro profissionais exclusivamente dedicados. Todos os experimentos e validações serão coordenados pela equipe de Serviços Técnicos da Agroceres PIC. 


ARROZ: Preço de exportação na Tailândia recua por menor demanda

Os preços de exportação na Tailândia caíram nesta semana. A menor demanda doméstica causou queda no preço local e para exportação. O preço da tonelada de arroz com 5% de quebrados oscilou de US$ 382 a US$ 384 nesta quinta-feira (4), ante US$ 385 a US$ 406 na semana anterior. Já os preços de exportação de arroz do Vietnã oscilaram entre US$ 430 a US$ 435 a tonelada nesta quinta (4), ante US$ 425 a US$ 430 na semana passada. O preço buscou suporte no fim da colheita de outono-inverno na maior parte das províncias do Delata do Mekong. As informações são da Agência Reuters.

logo