NOTÍCIAS DE HOJE – 10/1/2022

Veja algumas notícias preparadas pela equipe do SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS

Agricultura

img-news
ALGODÃO: Brasil exporta 50,538 mil toneladas até 1ª semana de janeiro
As exportações brasileiras de algodão bruto somaram 50,538 mil toneladas até a primeira semana de janeiro (5 dias úteis), com média diária de 10,107 mil toneladas. A receita com as vendas ao exterior totalizou US$ 90,970 milhões, com média diária de US$ 18,194 milhões. As informações são do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Em relação à igual período do ano anterior, houve recuo de 26,22% no volume diário exportado (13,699 mil toneladas diárias em janeiro de 2021). Já a receita diária teve decréscimo de 14,43% (US$ 21,263 milhões diários em janeiro de 2021).

CARNES: Exportação de aves atinge 113,739 mil toneladas em janeiro – Secex
As exportações de carne de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas do Brasil renderam US$ 190,085 milhões em janeiro (5 dias úteis), com média diária de US$ 38,017 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 113,739 mil toneladas, com média diária de 22,747mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 1.671,20. Na comparação com janeiro de 2021, houve alta de 94,24% no valor médio diário, ganho de 69,33% na quantidade média diária e avanço de 14,12% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

CARNE BOVINA: Exportação atinge 33,476 mil toneladas em janeiro – Secex
As exportações de carne bovina fresca, congelada ou refrigerada do Brasil renderam US$ 179,273 milhões em janeiro (5 dias úteis), com média diária de US$ 35,854 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 33,476 mil toneladas, com média diária de 7,095 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 5.053,20. Em relação a janeiro de 2021, houve ganho de 48,12% no valor médio diário da exportação, aumento de 32,22% na quantidade média diária exportada e valorização de 12,03% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

FERTILIZANTES: Importações somam 529,6 mil toneladas em janeiro – Secex
As importações de fertilizantes do Brasil envolveram US$ 227,09 milhões em janeiro (5 dias úteis), com média diária de US$ 45,42 milhões. A quantidade total de fertilizantes importada pelo país ficou em 529,6 mil toneladas, com média de 105,92 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 428,80. Em relação a janeiro de 2021, houve alta de 41,6% no valor médio diário da importação, perda de 22,15% na quantidade média diária importada e valorização de 81,88% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

AÇÚCAR REFINADO: Londres fecha sessão com preços mais baixos
A ICE Futures Europe (Bolsa de Londres) para o açúcar refinado fechou as operações com cotações mais baixas. Os contratos com entrega em março/20221 fecharam a US$ 481,30 por tonelada, baixa de US$ 4,50 a tonelada (-0,9%) na comparação ao fechamento anterior. Maio/2022 fechou a US$ 475,80 por tonelada, queda de US$ 4,00 a tonelada (-0,8%).

SOJA: Exportações do Brasil somam 754,259 mil toneladas em janeiro – Secex
As exportações de soja em grão do Brasil renderam US$ 380,313 milhões em janeiro (5 dias úteis), com média diária de US$ 76,063 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 754,259 mil toneladas, com média diária de 150,852 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 504,20. Na comparação com janeiro de 2021, houve alta de 6.438,20% na receita média diária e de 5.995,16% no volume. O preço subiu 7,27%. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

MILHO: Exportações somam 697,475 mil toneladas em janeiro – Secex
As exportações de milho do Brasil apresentaram receita de US$ 170,067 milhões em janeiro (5 dias úteis), com média diária de US$ 34,013 milhões. A quantidade total de milho exportada pelo país ficou em 697,475 mil toneladas, com média de 139,495 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 243,80. Em relação a janeiro de 2021, houve alta de 48,09% no valor médio diário da exportação, ganho de 18,91% na quantidade média diária exportada e valorização de 24,55% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

SOJA: Instituto Soja Livre apresenta variedades convencionais em MT
O Instituto Soja Livre apresentará variedades de soja convencional para os produtores mato-grossenses no Dia de Negócios e Tecnologias (Dinetec), em Canarana, e em visita técnica no Centro Tecnológico Parecis (Ctecno), em Campo Novo do Parecis. De acordo com dr. Odilon Lemos, pesquisador da Embrapa e diretor técnico do Instituto Soja Livre, serão boas oportunidades para os agricultores do Estado. "Os produtores rurais poderão conhecer melhor cada variedade, as características, quais podem melhorar seu sistema de produção para que possam cultivar soja convencional conforme sua escolha", diz. O Dinetec ocorre de 12 a 14 de janeiro e reúne mais de 80 expositores. O Instituto Soja Livre terá um estande onde mostrará seu trabalho aos visitantes e o campo experimental com as variedades. Neste ano, serão apresentados três lançamentos da Embrapa: BRS 7582, BRS 7781 e BRS 8581, além de cultivares já conhecidas, como a BRSMG 534, BRS 8381 e TMG 4377 e TMG 4182. A visita técnica ao Ctecno Parecis será realizada dias 17 e 18 de janeiro e é organizada pela Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT). O centro tecnológico tem como objetivo oferecer aos agricultores diversas cultivares para manejo de solo com textura arenosa.

CAFÉ: Londres fecha com forte queda, seguindo arábica em NY
A Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres (ICE Futures Europa) para o café robusta encerrou as operações desta segunda-feira com preços acentuadamente mais baixos. As cotações caíram forte acompanhando a desvalorização acentuada observada pelo arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US). O comportamento foi mais ligado a aspectos técnicos. A alta do dólar contra o real e outras moedas pressionou o arábica em NY e também o robusta em Londres. Os contratos para entrega em março/2022 fecharam o dia a US$ 2.260 a tonelada, com baixa de US$ 56, ou de 2,4%. A posição maio/2022 fechou a US$ 2.211 a tonelada, com desvalorização de US$ 55, ou de 2,4%.

logo