NOTÍCIAS DE HOJE – 10/12/2021

Veja algumas notícias preparadas pela equipe do SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS

Agricultura

img-news
ARROZ: Programação da Abertura da Colheita é definida
A organização da Abertura Oficial da Colheita do Arroz e Grãos em Terras Baixas, que chega à sua 32 edição e ocorrerá de 16 a 18 de fevereiro na Estação Experimental Terras Baixas, da Embrapa Clima Temperado, em Capão do Leão (RS), já definiu as temáticas da programação de palestras para o evento. Os assuntos abordados estão relacionados à proposta do evento, que para 2022 tem como tema "A Produção De Alimentos No Pós-Pandemia. Novos Patamares, Novos Desafios". 

Segundo o presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), Alexandre Velho, este tema tem a ver com este novo momento de uma exigência cada vez maior de produtividade para enfrentar os desafios cada vez maiores em relação aos custos de produção que enfrentaremos na próxima safra. "É a continuidade da busca pela intensificação do sistema de produção e queremos cada vez mais trazer as ferramentas necessárias para que o produtor possa se manter na atividade", destaca. 

O dirigente reforça que, assim como foi introduzida a soja na rotação com o arroz, os produtores buscam a introdução de outros grãos como o milho e até o trigo na várzea para que venham a complementar o sistema. "Penso que uma intensificação da pecuária se faz necessária pois temos cada vez mais a cobertura vegetal e as pastagens neste sistema de produção. Por isso falamos na agricultura no pós-pandemia, pois enxergamos que o único caminho que o produtor tem para buscar mais eficiência, além da gestão do seu negócio, são as alternativas e intensificação desses sistemas", observa. 

Velho salienta também que este aumento do custo de produção trouxe este desafio de se manter com as altas produtividades e se adequar à realidade de custos elevados. Além das palestras que serão realizadas nas tardes dos dias 16 e 17 no Auditório Frederico Costa, também deve ocorrer a tradicional reunião da Câmara Setorial do Arroz na manhã do dia 16 de fevereiro. Uma novidade será uma reunião do Fundo Latinoamericano de Arroz Irrigado (Flar), que se reunirá pela primeira vez de forma presencial depois do início da pandemia e o fará durante o evento. 

CAFÉ: Londres fecha em baixa seguindo perdas do arábica em NY
A Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres (ICE Futures Europa) para o café robusta encerrou as operações desta sexta-feira com preços mais baixos. As cotações recuaram no dia com o mercado acompanhando em Londres no robusta as perdas registradas para o arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US). O mercado também passa por ajustes após recentes altas e no geral se espera que em 2022 sejam reduzidos os entraves logísticos nas exportações, o que poderia melhorar o fluxo de oferta no mercado. No balanço da semana, o contrato março acumulou baixa de 0,3%. Os contratos para entrega em janeiro/2022 fecharam o dia a US$ 2.376 a tonelada, com perda de US$ 25, ou de 1,0%. A posição março/2022 fechou a US$ 2.291 a tonelada, com baixa de US$ 15, ou de 0,6%.

AÇÚCAR REFINADO: Londres fecha sessão com cotações em leve alta
A ICE Futures Europe (Bolsa de Londres) para o açúcar refinado fechou as operações com cotações em leve alta. Os contratos com entrega em março/20221 fecharam a US$ 511,40 por tonelada, alta de US$ 0,70 a tonelada (+0,13%) na comparação ao fechamento anterior. Maio/2022 fechou a US$ 508,40 por tonelada, ganho de US$ 0,90 a tonelada (+0,17%).

ALGODÃO: USDA estima safra 2021/22 da India em 28 milhões de fardos
A produção de algodão da India está estimada em 28 milhões de fardos no ano comercial 2021/22 (que inicia em agosto de 2021), ante 27,9 milhões no período anterior. As informações são do Gain Report, do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). A área está prevista em 12,4 milhões de hectares, ante 13 milhões no período anterior. As exportações do país foram projetadas em 6,2 milhões de fardos para 2021/22, ante 6,189 milhões no período anterior. O consumo doméstico deve atingir 26 milhões de fardos, ante 25 milhões de fardos em 2020/2021. Os estoques finais foram previstos em 10,639 milhões de fardos para 2021/2022, ante 13,839 milhões na temporada anterior.

MILHO: Line-up prevê embarques em dezembro de 3,593 milhões de toneladas
O line-up, a programação de embarques nos portos brasileiros, indica que poderão ser exportadas 3,593 milhões de toneladas de milho em dezembro, conforme levantamento de SAFRAS & Mercado. Desse total, 691,3 mil toneladas já foram embarcadas. Para janeiro, o line-up projeta embarques de 50 mil toneladas de milho. No acumulado de fevereiro/21 a janeiro/22, a programação de embarques aponta volumes de 19,500 milhões de toneladas de milho.

AGRONEGÓCIO: Balança comercial bate recorde de US$ 8,36 bilhões em novembro
Em novembro, as exportações do agronegócio somaram US$ 8,36 bilhões, recorde para o mês, conforme dados divulgados nesta sexta-feira (10) pela Secretaria de Comércio e Relações Internacionais (SCRI) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O resultado positivo ocorreu em função dos elevados preços médios dos produtos exportados pelo Brasil. O índice de preço desses produtos foi 22,3% superior ao observado em novembro de 2020. 
Por outro lado, o índice de quantum apresentou queda de 12,7% no mesmo período analisado. O recorde anterior para os meses de novembro foi registrado em 2011, quando as vendas externas foram de US$ 8,31 bilhões. As importações de produtos do agronegócio cresceram 10,5%, chegando a US$ 1,45 bilhão. Esses valores também foram impactados pela alta dos preços médios, como trigo (+25,3%), papel (+22,9%) e óleo de palma (+59,7%). O saldo da balança comercial do agronegócio atingiu US$ 6,9 bilhões. O agronegócio contribuiu com 41,2% nas exportações totais brasileiras. 
De acordo com os analistas da SCRI, o principal destaque do mês foi a soja em grão, com incremento de 80,2% em quantidade, alcançando 2,6 milhões de toneladas no mês analisado. Os preços tiveram incremento de 38,7%, resultando em embarques de US$ 1,32 bilhão (+150%). A China foi o principal país importador da oleaginosa, alcançando 86,2% de todo o volume exportado, com 2,2 milhões de toneladas. Conforme os analistas, dois fatores são fundamentais para explicar o resultado favorável: atraso no plantio e colheita da soja, em função de condições climáticas adversas, e safra recorde da oleaginosa (137,3 milhões de toneladas em 2020/2021). Desta forma, as exportações do grão foram postergadas em 2021, e, em função do recorde de safra, ainda há grãos para a venda externa neste final de ano. Outro fator é a alta do preço médio de exportação do grão: US$ 511/tonelada (+38,7%). As informações partem da assessoria de imprensa do Mapa.

logo