NOTÍCIAS DE HOJE – 10/9/2021

Veja algumas notícias preparadas pela equipe do SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS

Agricultura

img-news
TRIGO: Chicago fecha mista em dia de volatilidade após USDA

A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o trigo encerrou com preços mistos. O mercado passou a oscilar após relatório do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) indicar maior oferta global do grão. O mesmo documento indicou menores estoques estadunidenses. A posição dezembro caiu pela quarta sessão consecutiva. Na semana, o contrato acumulou desvalorização de 5,2%. 
A safra mundial de trigo em 2021/22 é estimada em 780,28 milhões de toneladas, contra 776,91 milhões de toneladas em agosto. Para 2020/21, a estimativa fica em 775,83 milhões de toneladas. Os estoques finais globais em 2021/22 foram estimados em 283,22 milhões de toneladas, acima das 279,06 milhões de toneladas estimadas no mês passado. 
O mercado esperava 278,9 milhões de toneladas. Para 2020/21, as reservas finais são estimadas em 292,56 milhões de toneladas, contra 288,83 milhões em agosto. O mercado esperava 288,6 milhões de toneladas. A produção do cereal no país em 2021/22 é estimada em 1,697 bilhão de bushels, mesmo volume de agosto. Para a safra 2020/21, a produção estadunidense ficou em 1,826 bilhão de bushels. Os estoques finais do país em 2021/22 foram projetados em 615 milhões de bushels, contra 627 milhões no mês passado. O mercado esperava 619 milhões. Em 20/21, foram 844 milhões, mesmo volume de agosto. No fechamento de hoje, os contratos com entrega em dezembro de 2021 eram cotados a US$ 6,88 1/2 por bushel, baixa de 3,75 centavos de dólar, ou 0,54%, em relação ao fechamento anterior. Os contratos com entrega em março de 2022 eram negociados a US$ 6,99 1/4 por bushel, recuo de 2,75 centavos de dólar, ou 0,39%, em relação ao fechamento anterior.

SOJA: Mesmo com USDA baixista, Chicago sobe por recuperação técnica 

Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a sexta-feira com preços mais altos. Apesar do relatório baixista do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), indícios de maior demanda ajudaram na recuperação técnica de hoje, que diminuiu a queda semanal para 0,42% na posição novembro. O relatório indicou que a safra norte americana de soja deverá ficar em 4,374 bilhões de bushels em 2021/22, o equivalente a 119,04 milhões de toneladas. O mercado esperava safra de 4,363 bilhões ou 118,74 milhões. Em agosto, a indicação era de 4,339 bilhões de bushels ou 118,08 milhões de toneladas. A produtividade foi elevada de 50 bushels por acre para 50,6 bushels, enquanto o mercado estimava 50,3 bushels por acre. Os estoques finais estão projetados em 185 milhões de bushels ou 5,03 milhões de toneladas. 
O mercado apostava em carryover de 178 milhões ou 4,84 milhões de toneladas. No mês passado, os estoques finais estavam estimados em 155 milhões de bushels ou 4,22 milhões de toneladas. O USDA indicou esmagamento em 2,180 bilhões de bushels e exportação de 2,090 bilhões. Em agosto, os números eram de 2,205 bilhões e 2,055 bilhões, respectivamente. Em relação à temporada 2020/21, o USDA elevou a previsão para os estoques de passagem de 160 milhões de bushels para 175 milhões - de 4,54 milhões para 4,76 milhões de toneladas. O mercado apostava em número de 166 milhões de bushels ou 4,52 milhões de toneladas. 
O USDA projetou safra mundial de soja em 2021/22 de 384,42 milhões de toneladas. Os estoques finais estão estimados em 98,89 milhões de toneladas. O mercado esperava por estoques finais de 96,9 milhões de toneladas. Em agosto, o USDA indicou produção de 383,63 milhões e estoques de 96,15 milhões de toneladas. A projeção do USDA aposta em safra americana de 119,04 milhões de toneladas, contra 118,08 milhões do relatório anterior. 
Para o Brasil, a previsão é de uma produção de 144 milhões de toneladas. A safra da Argentina está estimada em 52 milhões de toneladas. As importações chinesas deverão ficar em 101 milhões de toneladas. Para a temporada 2020/21, a estimativa para a safra mundial ficou em 363,27 milhões de toneladas. Os estoques de passagem estão projetados em 95,08 milhões de toneladas. O mercado apostava em estoques de 92,5 milhões de toneladas. 
A produção do Brasil foi mantida em 137 milhões. Já a safra argentina ficou em 46 milhões de toneladas. A previsão para as importações chinesas foi elevada de 97 milhões para 99 milhões de toneladas. As exportações líquidas norte-americanas de soja, referentes à temporada 2021/22, com início em 1 de setembro, ficaram em 1.471.900 toneladas na semana encerrada em 2 de setembro. A China liderou as importações, com 764.000 toneladas. Os analistas esperavam exportações entre 1 milhão e e 1,6 milhão de toneladas. Os contratos da soja em grão com entrega em novembro fecharam com alta de 16,00 centavos de dólar por bushel ou 1,25% a US$ 12,86 1/2 por bushel. A posição janeiro teve cotação de US$ 12,94 3/4 por bushel, com ganho de 16,00 centavos ou 1,25%. Nos subprodutos, a posição dezembro do farelo fechou com alta de US$ 4,60 ou 1,36% a US$ 342,50 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em dezembro fecharam a 55,99 centavos de dólar, perda de 0,20 centavo ou 0,35%. 

CARNES: Mapa proíbe entrada de produtos suínos no ingresso de viajantes

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) adotou mais uma medida preventiva para evitar a introdução do vírus da Peste Suína Africana (PSA) no país. A partir de hoje, está proibida a entrada de produtos de origem suína de todos os países em bagagens de viajantes que ingressarem no Brasil e bagagens desacompanhadas. A medida temporária vale para quem chegar ao país por via aérea, marítima ou terrestre. Até o momento, a restrição se limitava para entrada de produtos de origem suína de países com casos de PSA registrados nos últimos três anos. 
A proibição consta na atualização da lista de mercadorias autorizadas, estabelecida pela Instrução Normativa n 11/2019, e busca permitir a melhor fiscalização de fronteira desempenhada pelas unidades da Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro). "Ainda que os produtos suínos que sofreram tratamento térmico ou de cura previstos no Código da Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) apresentem riscos insignificantes de introdução da doença no país, decidimos por proibir, de forma temporária, a maioria dos produtos suínos de todos os países, até que melhorias nos procedimentos operacionais sejam implementadas para que não corra o risco de autorizar o ingresso de algum produto suíno não permitido", explica o coordenador de Trânsito e Quarentena Animal do Mapa, Bruno Cotta. 
A exceção está para os produtos suínos enlatados - esterilizados pelo calor. Para estes, continua permitido o ingresso no país, desde que estejam com a embalagem original, identificados adequadamente e em quantidade condizente para consumo próprio do viajante, não permitida a comercialização ou distribuição. 

ALGODÃO: USDA estima produção do Brasil em 2,678 mi de toneladas em 2021/22

A produção de algodão em pluma do Brasil deve atingir 2,678 milhões de toneladas no ano comercial 2021/2022 (agosto de 2021 a julho de 2022), ante 2,458 milhões de toneladas no período anterior. As informações são do Gain Report, do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). A área semeada deve aumentar de 1,370 milhão para 1,45 milhão de hectares. As exportações deverão somar 2,417 milhões de toneladas na temporada 2021/22, ante 2,4 milhões de toneladas no ano comercial anterior. O consumo doméstico foi previsto em 631 mil toneladas para 2021/22, ante 665 mil toneladas na temporada anterior.

AÇÚCAR: Nova York fecha dia e semana com perdas diante de demanda fraca

A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures US) para o açúcar bruto encerrou o pregão eletrônico com cotações em baixa. Os contratos com entrega em outubro/2021 encerraram o dia a 18,79 centavos de dólar por libra-peso, recuo de 0,45 centavo (-2,33%) em relação ao fechamento anterior, acumulando queda de 4,2% na semana. A posição março/2022 fechou cotada a 19,51 centavos (-2,05%). Conforme operadores ouvidos pela Reuters, os futuros do açúcar bruto atingiram mínimas de um mês com fundos de investimento liquidando posições compradas em meio a sinalizações de fraca demanda. O mercado parece ter perdido o viés de alta de julho e agosto com a demanda caindo acentuadamente na medida em que os fretes marítimos disparam ao redor do mundo e a queda na produção brasileira já está precificada. Esses fatores levaram os fundos a realizarem lucros, reduzindo suas posições compradas. A região centro-sul do Brasil produziu 2,95 milhões de toneladas de açúcar na segunda metade de agosto, elevação de 0,5% em comparação ao mesmo período do ano passado, disse a União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) nesta sexta-feira. 
logo