NOTÍCIAS DE HOJE – 11/11/2021

Veja algumas notícias preparadas pela equipe do SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS

Agricultura

img-news
MILHO: Plantio 2021/22 atinge 29% na Argentina - Bolsa de Buenos Aires

O plantio de milho da safra 2021/22 atinge 29% da área na Argentina. Segundo a Bolsa de Cereais de Buenos Aires, a superfície é projetada em 7,1 milhões de hectares, 7,6% acima do ano anterior. Os trabalhos avançaram 0,6 ponto percentual na semana e estão 2,2 pontos atrasados na comparação com igual período do ano passado. Em números absolutos, o plantio chega a 2,056 milhões de hectares.


SOJA: Plantio atinge 18,8% da área na Argentina - Bolsa de Buenos Aires

O plantio da soja atinge 18,8% da área na Argentina. Segundo a Bolsa de Cereais de Buenos Aires, os trabalhos avançaram 11,6 pontos percentuais na última semana. A área é projetada em 16,5 milhões de hectares, a menor dos últimos 15 anos. Em números absolutos, já foram semeados 3,1 milhões de hectares.


AÇÚCAR REFINADO: Londres fecha com cotações em forte alta

A ICE Futures Europe (Bolsa de Londres) para o açúcar refinado fechou as operações com cotações em forte alta. Os contratos com entrega em dezembro/2021 fecharam a US$ 522,80 por tonelada, alta de US$ 15,60 por tonelada (+3%) na comparação ao fechamento anterior. Março/2022 fechou a US$ 516,00 por tonelada, ganho de US$ 11,30 a tonelada (+2,23%). 


CAFÉ: Londres fecha em forte alta seguindo NY

A Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres (ICE Futures Europa) para o café robusta encerrou as operações desta quinta-feira com preços acentuadamente mais altos. A valorização do arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US), que superou a linha de US$ 2,10 a libra-peso para março com folgas, puxou também para cima o robusta em Londres. A apreensão com a oferta em 2022, com o Brasil devendo colher uma safra bastante prejudicada pelo clima (seca e geadas) segue como aspecto altista no mercado. Os contratos para entrega em janeiro/2022 fecharam o dia a US$ 2.292 a tonelada, com alta de US$ 77, ou de 3,5%. A posição março/2022 fechou a US$ 2.227 a tonelada, alta de US$ 62, ou de 2,9%. 


TRIGO: Chicago tem alta moderada após atingir máxima em quase nove anos

A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o trigo opera com preços mais altos no meio-pregão de hoje. Após atingir o maior nível desde 11 de dezembro de 2012, chegando a US$ 8,24 3/4 por bushel no contrato dezembro/21, os preços diminuíram os ganhos. O cenário fundamental de segue altista, com o aperto da oferta global do grão e a firme demanda internacional. Os contratos com entrega em dezembro de 2021 estão cotados a US$ 8,10 por bushel, alta de 7,00 centavos de dólar, ou 0,87%, em relação ao fechamento anterior. Os contratos com entrega em março de 2022 operam a US$ 8,21 1/4 por bushel, ganho de 6,25 centavos de dólar, ou 0,76% em relação ao fechamento anterior.



EMPRESAS: Coruripe vê reservas florestais como importantes ativos econômicos

As reservas legais e Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN) da Usina Coruripe foram destaques na COP 26, através da apresentação do Gerente de Sustentabilidade, Bertholdino Apolônio Junior, na terça-feira (9). Ele participou do estande do Brasil na COP 26 via estúdio da CNI em Brasília. Durante todo o dia, ocorreram palestras sobre iniciativas empresariais bem-sucedidas em transição energética, economia circular e conservação de florestas. 

Bertholdino Apolônio disse que a Usina Coruripe tem aproximadamente 250 mil hectares de cana tanto no bioma Mata Atlântica quanto Cerrado e criou uma estratégia, para cumprir a exigência de 20% de reserva legal, mesmo antes do Código Florestal Brasileiro. O grupo começou a adquirir florestas para atender a essa exigência e chegou num número aproximado de 18 mil hectares de floresta preservada: 10 mil hectares no Cerrado e cerca de 8 mil de Mata Atlântica. 

"A intenção era atender a legislação, ter um ativo ambiental e explorar essas áreas com os parceiros de arrendamento. Quando tem um fornecedor, por exemplo, com déficit de reserva legal, arrenda uma área de floresta, através de contratos entre as partes". Mas não basta somente ter as reservas, é preciso vê-la como um ativo e criar uma estrutura que agregue valor. Com isso, o grupo transformou parte das reservas em Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs), que são parques particulares, a fim de dar mais segurança na sua perpetuidade. 

Criou, também, um Posto Avançado da Biosfera da Mata Atlântica, em Alagoas, além de produzir 80 mil mudas nativas, por ano, tanto de Cerrado quanto de Mata Atlântica, o que resultou em grandes maciços florestais. Essas reservas contam com torre de observação para monitorar os possíveis incêndios, veículos apropriados de combate, sede para cientistas fazerem as pesquisas, centro de produção de mudas, viveiros para recuperação das áreas degradadas. 

Além da importante integração com a comunidade, com projetos de apicultura, extrativismo, visitação de cientistas, e projetos ambientais, com destaque para o do monitoramento de mamíferos, da flora e dos rios, Carinhanha, em Minas Gerais, e Coruripe em Alagoas, importantes para perenização de toda bacia hidrográfica onde estão localizados. 

Bertholdino disse, também, que o Brasil tem que avançar muito no modelo de servidão florestal, que é um tipo de aluguel de áreas de floresta para quem tem déficits de reserva legal. "É um mecanismo de proteção das florestas e que tem que fortalecer, mas ainda precisa de regularização para se expandir no Brasil e em outros territórios", afirmou. Segundo a jornalista e mediadora, Renata Agostini, o Brasil possui a segunda maior cobertura vegetal do mundo, só perde para a Rússia, e é detentor da maior biodiversidade global. Ela reforça que essas áreas têm que ser vistas como um ativo econômico, com muitas oportunidades de negócios. Ela ressalta que é preciso transformar essas vantagens comparativas em competitivas, o que exige investimento, conhecimento e estratégia. 


CARNE BOVINA: B3 tem forte queda com casos suspeitos de vaca louca no Rio

Em meio ao forte cenário de alta nos preços da arroba do boi gordo em uma semana, a notícia de que a Fiocruz está analisando dois casos suspeitos do mal da vaca louca em humanos no Rio de Janeiro impacta fortemente os negócios na B3. "A doença fez com que o contrato dezembro invertesse o movimento de alta e passasse a cair 4,86% por volta das 13h45 de hoje, cotado a R$ 298,00", ressalta o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias. De acordo com agencias e veículos de imprensa do centro do país, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) informou, nesta quinta-feira (11), que recebeu dois pacientes com suspeita de Encefalopatia Espongiforme Bovina (EBB), popularmente conhecida como "Mal da Vaca Louca". A Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro destacou que os casos suspeitos são de moradores de Belford Roxo e de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, que estão internados no centro hospitalar criado para a pandemia de coronavírus no Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz), no Rio de Janeiro. Em nota, a Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro destacou que as notificações foram encaminhadas à Secretaria Estadual de Saúde para desenvolvimento de ações junto às secretarias dos municípios de residência.

TRIGO: Abitrigo lamenta aprovação de farinha com transgênico da Argentina

A Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo) lamentou a aprovação da utilização de farinha de trigo transgênico no Brasil. A Comissão Nacional de Biossegurança aprovou nesta quinta-feira a liberação a partir de solicitação apresentada pela empresa argentina Bioceres, detentora da tecnologia. Segundo a Abitrigo, em nota assinada pelo presidente executivo da entidade, Rubens Barbosa, "apesar da forte rejeição do mercado internacional nos últimos 20 anos, lamentavelmente o Brasil passará a ser conhecido como o primeiro país a aprovar a utilização de trigo transgênico no mundo". A decisão, para a Abitrigo, é carregada de incertezas no âmbito dos desdobramentos perante o mercado e a comunidade internacional e teria sido tomada sem maior estudo sobre condições de mercado e de comportamento do consumidor. "Não foram poucas as tentativas da Abitrigo de sensibilizar o poder público sobre os riscos desta decisão, no sentido de que o processo de análise considerasse o desejo do consumidor brasileiro e as consequências sobre a cadeia do trigo no Brasil", disse a nota. A entidade considera que não se pode ignorar o eventual impacto sobre as exportações brasileiras de produtos derivados (massas, biscoitos e pães) e desdobramentos imprevisíveis sobre a imagem do agronegócio nacional. Por fim, a Abitrigo disse que solicitará à Casa Civil da Presidência da República a convocação imediata do Comitê Nacional de Biossegurança, composto por vários ministros, para que sejam analisadas, de forma mais abrangente, as implicações da presença de trigo transgênico da Argentina sobre o mercado brasileiro. "A Abitrigo analisará a tomada de medida cautelar para suspender a implementação da decisão da CTNbio até o pronunciamento do Comitê Nacional de Biossegurança", finalizou a nota As informações são da assessoria de imprensa da Abitrigo.


ARROZ: Produção de Bangladesh deve alcançar 35,5 mi de toneladas em 2021/22

A produção de arroz beneficiado de Bangladesh deverá alcançar 35,5 milhões de toneladas no ano comercial 2021/2022 (início em maio de 2021), ante 34,600 milhões de toneladas no período anterior. As informações são do relatório Gain Report, do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). A área plantada deve avançar de 11,5 para 11,420 milhões de hectares no ano comercial 2021/22. As importações de cereal beneficiado deverão somar 1,2 milhão de toneladas no ano comercial 2021/22, ante 1,370 milhão na temporada anterior. O consumo de beneficiado deve ficar em 36,6 milhões de toneladas em 2021/22, ante 36 milhões na temporada anterior. Os estoques finais do país devem avançar de 1,529 milhão de toneladas para 1,617 milhões em 2021/22.


AÇÚCAR: E20 ajudará a reduzir subsídio à exportação na India, diz governo

Os planos da India de misturar 20% de etanol à gasolina (E-20) a partir de abril de 2023 ajudarão a reduzir os subsídios à exportação de açúcar, disse o secretário do Petróleo, Tarun Kapoor, a repórteres nesta quinta-feira. A India aprovou na quarta-feira uma proposta para atingir 20% de mistura de etanol com gasolina até 2025, cinco anos antes de sua meta anterior. Uma maior produção de etanol reduzirá a produção de açúcar da India, reduzindo a necessidade de incentivos à exportação do adoçante. As informações partem da Reuters.

logo