NOTÍCIAS DE HOJE – 13/10/2021

Veja algumas notícias preparadas pela equipe do SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS

Agricultura

img-news
CARNES: ABPA confia em rápida ação para conter peste suína clássica no Ceará
Em nota divulgada à Agência SAFRAS, a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) reforça que o foco de Peste Suína Clássica (PSC) registrado no município de Marco, no interior do Ceará, em setembro, é diferente de menor gravidade em relação à Peste Suína Africana. A doença foi informada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento à Organização Mundial de Sanidade Animal (OIE). Em comunicado divulgado na última segunda-feira (11), a OIE disse que a doença atingiu nove suínos de subsistência no município de Marco, no interior do Ceará, dos quais oito morreram e um foi sacrificado. A ABPA reforça, ainda, que o Ceará não está inserido na área brasileira reconhecida como livre da enfermidade pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). A ABPA informa que confia no rápido e efetivo trabalho do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e das autoridades sanitárias estaduais do Ceará para controlar e eliminar o foco detectado. O Mapa, também por meio de nota, destacou que, conforme as estratégias para erradicação de focos de PSC adotadas no país, será realizada a eutanásia dos suínos envolvidos e a limpeza e desinfecção na propriedade, além de investigações para rastreamento de provável origem e vínculos epidemiológicos. A peste suína clássica, também chamada cólera dos porcos, é uma doença viral que apresenta elevada taxa de contaminação e é, com frequência, mortal aos suínos e javalis. Ela não oferece riscos à saúde humana.

CAFÉ ARÁBICA: Nova York recua com realização/lucros e boas chuvas no Brasil
A Bolsa de Mercadorias de Nova York (Ice Futures US) para o café arábica encerrou as operações de hoje com cotações em baixa. Os contratos com entrega em Dezembro/21 fecharam o dia a 208,65 centavos de dólar por libra-peso, com desvalorização de 4,50 centavos, ou de 2,1%. A posição Março/22 fechou a 211,60 centavos (-2,05%). Em sessão volátil, as cotações passaram a cair depois que o primeiro contrato se aproximou das máximas de seis anos e meio estabelecidas em julho, quando bateu em 215,20 centavos de dólar por libra-peso. Ontem, a posição dezembro chegou a encostar em 215,15 centavos, e na máxima intradiária de hoje em 214,95 centavos. Do lado fundamental, as chuvas seguem ocorrendo em boa intensidade e passarão a ser abrangentes no cinturão cafeeiro do Brasil após prolongada estiagem, deixando o mercado futuro de café na expectativa sobre o quanto essas chuvas poderão fazer para compensar os danos provocados pela seca histórica para o desenvolvimento da safra 2022.

GRÃOS: Safra russa deve ser suficiente para demanda interna e exportações
A safra de grãos da Rússia deve ser suficiente para atender à demanda interna e ao potencial de exportação do país. Segundo o ministro da agricultura, Dmitry Patrushev, a colheita já soma mais de 111 milhões de toneladas, restando cerca de 5 milhões. O trigo deve responder por 81 milhões de toneladas. As informações são da APK-Inform.

AÇÚCAR: Nova York cai com correção técnica e chuvas no Brasil
A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures US) para o açúcar bruto encerrou o pregão eletrônico com cotações em baixa. Os contratos com entrega em março/2022 encerraram o dia a 19,86 centavos de dólar por libra-peso, queda de 0,21 centavo (-1,04%) em relação ao fechamento anterior. A posição maio/2022 fechou cotada a 19,43 centavos (-0,96%). As cotações futuras do açúcar seguiram em modo de correção depois da escalada da última segunda-feira, quando posição março bateu em 20,61 centavos, nível mais alto desde fevereiro de 2017. Nesta quarta-feira, o mercado manteve uma postura defensiva, em um misto de correção técnica, realização de lucros e ainda uma pressão de baixa do fator clima. As boas chuvas que se espalharam pelo Brasil passam a ideia de que os canaviais terão um bom desenvolvimento e poderão recuperar ou pelo menos amenizar boa parte de perdas de rendimento depois da forte quebra registrada na safra 2021 diante de uma prolongada e histórica estiagem.

AÇÚCAR REFINADO: Londres fecha com cotações em baixa
A ICE Futures Europe (Bolsa de Londres) para o açúcar refinado fechou as operações com cotações em baixa. Os contratos com entrega em dezembro/2021 fecharam a US$ 514,10 por tonelada, queda de US$ 2,90 por tonelada (-0,56%) na comparação ao fechamento anterior. Março/2022 fechou a US$ 510,20 por tonelada, perda de US$ 4,80 a tonelada (-0,93%).

MILHO: Line-up prevê embarques em outubro de 1,968 milhão de toneladas
O line-up, a programação de embarques nos portos brasileiros, indica que poderão ser exportadas 1,968 milhão de toneladas de milho em outubro, conforme levantamento de SAFRAS & Mercado. Desse total, o volume já embarcado no mês soma 485,7 mil toneladas. Para novembro, os embarques estão previstos em 62,468 mil toneladas. No acumulado de fevereiro/21 a novembro/21, a programação de embarques aponta volumes de 12,663 milhões de toneladas de milho.

CAFÉ: Londres fecha em baixa, seguindo direcionamento do arábica em NY
A Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres (ICE Futures Europa) para o café robusta encerrou as operações desta quarta-feira com cotações em baixa. Os contratos para entrega em novembro/2021 fecharam o dia a US$ 2.133 a tonelada, com queda de US$ 11/t, ou de 0,51%. Janeiro/2022 fechou a US$ 2.143 a tonelada, caindo 0,37%. O mercado acompanhou a volatilidade do referencial nova-iorquino, que passou a cair após testar novas máximas em meio a um cenário de preocupação com a próxima safra brasileira e incertezas quanto ao seu volume com a chegada das tão esperadas chuvas ao cinturão cafeeiro após uma prolongada estiagem e episódios de geadas. Para o café robusta, no entanto, o sentimento é de um abastecimento tranquilo, pelo menos no curto prazo, com a safra nova do Vietnã - maior produtor global da variedade - na iminência de iniciar.

CAFÉ: Chuvas seguem com bom volume e abrangência no Brasil – Somar
As chuvas continuam nas áreas produtoras de café meteorológicos atualizados da Somar. O acumulado deve girar em média a 80 milímetros no sul de Minas Gerais, e nas áreas que ficam acima de 1.000 metros de altitude a chuva pode vir acompanhada de granizo. No Paraná até o sul do Espírito Santo o acumulado chega a 50 milímetros. No Cerrado de Minas Gerais o volume de chuvas deve oscilar entre 20 milímetros a 50 milímetros. Para os dias entre 14 a 20 de outubro a chuva prevista é para todas as regiões produtoras de café do Brasil. No sul de Minas Gerais e na Mogiana a média acumulada pode chegar a 80 milímetros nesse período.

logo