NOTÍCIAS DE HOJE – 16/9/2021

Veja algumas notícias preparadas pela equipe do SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS

Agricultura

img-news
TRIGO: Chicago realiza e fecha em baixa predominante; menor oferta sustenta
A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o trigo encerrou com preços predominantemente mais baixos. Apenas os contratos dezembro e março de 2022 subiram, sustentados pelo aperto da oferta global do grão. As demais posições realizaram parte dos lucros acumulados nas últimas sessões. As vendas líquidas norte-americanas de trigo, referentes à temporada comercial 2021/22, que tem início em 1o de junho, ficaram em 617.100 toneladas na semana encerrada em 9 de setembro - maior patamar da temporada. Representa um avanço de 59% frente à semana anterior e uma forte elevação sobre a média das últimas quatro semanas. Destaque para a venda de 328.900 toneladas para a Nigéria. Os analistas esperavam exportações entre 300 mil e 700 mil toneladas. As informações são do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). No fechamento de hoje, os contratos com entrega em dezembro de 2021 eram cotados a US$ 7,13 por bushel, alta de 0,75 centavo de dólar, ou 0,1%, em relação ao fechamento anterior. Os contratos com entrega em março de 2022 eram negociados a US$ 7,24 por bushel, ganho de 0,25 centavo de dólar, ou 0,03%, em relação ao fechamento anterior.

SOJA: Bom Futuro inicia plantio e espera semear 313 mil hectares
O grupo agrícola Bom Futuro começou a plantar sua nova safra de soja na quinta-feira, esperando semear 313.000 hectares com a oleaginosa, um aumento de 2,36% em relação ao ano passado. Bom Futuro disse que o início das chuvas em Mato Grosso, principal estado produtor de grãos do Brasil, levou a projeções otimistas para o plantio de soja e algodão - que será semeado no final de dezembro. "As previsões do tempo nos mostram que as chuvas devem continuar no estado, por isso estamos olhando para uma produtividade entre 70 a 72 sacas de 60 quilos por hectare (para a soja)", disse em nota o diretor de produção da Bom Futuro, Inácio Modesto Filho. 

MILHO: Fraca demanda pelo grão dos EUA pressiona queda em Chicago
A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o milho fechou a sessão de hoje com preços mais baixos. Em uma sessão marcada por volatilidade, o cereal perdeu força e voltou a ser pressionado pelo indicativo de fraca demanda para o cereal norte-americano. As vendas líquidas norte-americanas de milho para a temporada comercial 2021/22, que tem início no dia 1o de setembro, ficaram em 246.600 toneladas na semana encerrada em 9 de setembro. O México liderou as compras, com 154.300 toneladas. Para a temporada 2022/23, foram mais 2,3 mil toneladas. Os analistas esperavam exportações entre 500 mil e 1 milhão toneladas, somando-se as duas temporadas. As informações são do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). Os contratos de milho com entrega em dezembro fecharam a US$ 5,29 1/2 por bushel, baixa de 4,00 centavos de dólar, ou 0,74%, em relação ao fechamento anterior. A posição março de 2022 fechou a sessão a US$ 5,36 3/4 por bushel, recuo de 4,00 centavos de dólar, ou 0,73%, em relação ao fechamento anterior.

CAFÉ: Após ter perdas expressivas, NY reage tecnicamente e avança
A Bolsa de Mercadorias de Nova York (Ice Futures US) para o café arábica encerrou as operações desta quinta-feira com preços mais altos. O mercado teve mais uma sessão volátil e teve perdas em grande parte do dia. O aumento nos estoques certificados da Green Coffee Association (GCA) e a desvalorização do petróleo pressionaram o mercado, além das previsões de chuvas benéficas para as floradas no Brasil, que vão resultar na safra de 2022. Mas, o mercado reagiu bem com cobertura de posições vendidas e subiu diante de recuperação técnica. Na mínima do dia, o contrato dezembro atingiu 183,45 centavos de dólar por libra-peso, e partiu para uma boa reação, que levou o mercado ao fechamento com ganhos e acima de US$ 1,88 a libra-peso. Os contratos com entrega em dezembro/2021 fecharam o dia a 188,15 centavos de dólar por libra-peso, alta de 0,80 centavo, ou de 0,4%. A posição março/2022 fechou a 190,90 centavos, ganho de 0,75 centavo, ou de 0,4%. 

SOJA: Importações de óleo do Brasil de janeiro a agosto sobem a recorde
As importações de óleo de soja do Brasil de janeiro a agosto dispararam para uma alta de mais de 20 anos em meio ao aumento dos preços domésticos, a um corte na produção e a uma regulamentação local que permite a importação de matérias-primas para a produção de biodiesel. No ano, até 31 de agosto, o Brasil importou 86.130 toneladas do óleo vegetal, o maior volume no período desde 110.530 toneladas em 1999, segundo dados do Ministério da Agricultura. 
Como comparação, nesta época em 2020 o Brasil importou apenas 22.119 toneladas. Até agora, em 2021, a Argentina foi o maior fornecedor de óleo de soja para o Brasil, respondendo por 55% de todas as compras brasileiras, seguida pelo Paraguai, com uma participação de 42%. Os três países fazem parte do bloco comercial do Mercosul. 

ECONOMIA: Ministério mantém previsão de crescimento em 5,3% este ano
A Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia manteve a projeção para o crescimento da economia este ano e elevou a estimativa para a inflação, de 5,9% para 7,9%, por influência da alta nos preços dos combustíveis e energia elétrica. As projeções estão no Boletim Macro Fiscal divulgado hoje (16). A estimativa para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB, a soma de todos os bens e serviços produzidos no país) permaneceu em 5,3% em 2021, em relação ao último boletim, divulgado em julho. No segundo trimestre do ano, o PIB teve recuo na margem de 0,1% em relação ao período anterior (com ajuste sazonal, já que são períodos diferentes) e cresceu 12,4% na comparação interanual, mostrando recuperação em relação à crise de 2020, segundo a SPE. A pasta destaca que a redução no segundo trimestre se encontra próxima à estabilidade, em um trimestre com o maior número de mortes da pandemia de covid-19. Apesar da queda do ritmo da atividade nesse período, os dados mensais de indicadores mostram que a recuperação da economia continua no terceiro trimestre. A projeção do PIB para o período é de crescimento de 0,6% em relação ao segundo trimestre (com ajuste sazonal) e de 5% em relação ao mesmo trimestre do ano passado. As informações são da Agência Brasil. 

AÇÚCAR: Nova York fecha em leve baixa com realização de lucros
A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures US) para o açúcar bruto encerrou o pregão eletrônico com cotações em leve baixa. Os contratos com entrega em outubro/2021 encerraram o dia a 19,49 centavos de dólar por libra-peso, recuo de 0,03 centavo (-0,15%) em relação ao fechamento anterior. A posição março/2022 fechou cotada a 20,13 centavos (-0,64%). Conforme operadores ouvidos pela Reuters, em uma sessão volátil, o mercado passou a cair com um misto de realização de lucros após os robustos ganhos de ontem e a queda nas cotações internacionais do petróleo. Enquanto as preocupações com a próxima safra brasileira seguem no foco, uma demanda enfraquecida e ainda um grande apetite das usinas da India na exportação devem limitar ganhos para os contratos futuros do açúcar. 

logo