NOTÍCIAS DE HOJE – 23/9/2021

Veja algumas notícias preparadas pela equipe do SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS

Agricultura

img-news
TRIGO: Argentina tem 33% da área em déficit hídrico - Bolsa de Buenos Aires
As chuvas esparsas se concentraram no extremo noroeste e no sudoeste da Argentina na última semana. Segundo a Bolsa de Cereais de Buenos Aires, o clima favoreceu a recuperação de setores do centro-oeste, que apresentavam focos de excessos hídricos. As lavouras em situação de regular a seca passaram de 30 a 33% semana a semana. Em igual período do ano passado, 59% das lavouras estavam nesta situação. A superfície totaliza 6,5 milhões de hectares. As lavouras se dividem entre excelentes ou boas (50%), normais (27%), regulares ou ruins (23%). 

MILHO: Isenção de PIS/Cofins para importação vem em boa hora
O Governo Federal publicou nesta quinta-feira Medida Provisória para zerar a cobrança de PIS/PASEP e da COFINS na importação de milho, principal componente para a ração animal de aves e suínos. Os tributos representam queda de 9,25% nos custos, cerca de R$ 9,00 por saca. Para o deputado federal Covatti Filho, presidente da Frente Parlamentar da Suinocultura, a medida vem em boa hora e ajuda a reduzir os custos de produção, que nos últimos 12 meses tiveram alta de mais de 40% na produção de aves e suínos. "A isenção era urgente e necessária. O alto custo de produção vem corroendo a renda dos produtores, impactando negativamente milhares de famílias e centenas de municípios cujas atividades são a base da economia", ressalta Covatti. A recém-confirmada desoneração complementa outras ações implementadas anteriormente pelo Governo Federal: a isenção da Tarifa Externa Comum (imposto de importação) até o fim de 2021; e a liberação de compras de milho geneticamente modificado cultivados nos Estados Unidos. Atualmente o milho representa 70% dos custos de produção. A expectativa do governo é que a medida também impacte na diminuição de preços dos alimentos ao consumidor. A medida vale até 31 de dezembro de 2021.

SOJA: Área da safra 2021/22 em Unaí (MG) deve ocupar 280 mil hectares 
O plantio de soja da safra 2021/22 em Unaí, no noroeste de Minas Gerais, deverá ocupar uma área de 280 mil hectares, segundo informa o departamento técnico da Cooperativa Agrícola de Unaí Ltda (Coagril). De acordo com fonte do departamento técnico, a área deve ser similar à cultivada neste ano. "Deverão ser cultivados 70 mil hectares de soja em áreas de pivô e 210 mil hectares em áreas de sequeiro", comenta. A expectativa é de que as chuvas retornem à região em outubro, a partir do dia 8, o que permitiria o início de cultivo nas áreas de pivô. "Já nas áreas de sequeiro, o cultivo deve começar no final de outubro", projeta. A expectativa da Coagril é de que o rendimento médio das lavouras possa atingir acima de 3.600 quilos por hectare. 

FERTILIZANTES: Cibra inaugura fábrica em Uberaba (MG)
Com investimento de R$ 55 milhões, uma nova fábrica de fertilizantes foi inaugurada nessa terça-feira (21/9) no Distrito Industrial 3 de Uberaba, no Triângulo Mineiro. Já em operação, a nova empresa da Cibra gerou aproximadamente 50 empregos diretos e tem expectativa de criar, também diretamente, cerca de 200 oportunidades para o ano que vem. Segundo informações da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Inovação de Uberaba, a nova planta da Cibra, adquirida da Heringer Fertilizantes e totalmente reformada, tornou-se a maior unidade da empresa, com 114 mil m de área total e 26 mil m de área construída. Além disso, a nova empresa, com sede em Camaçari (BA), tem capacidade para produzir até 400 mil toneladas de fertilizantes ao ano e integra o plano de expansão da empresa que prevê produção total de 3 milhões de toneladas até 2025. Além das tradicionais misturas e elementos simples de NPK que a Cibra produz nas outras unidades, a nova planta de Uberaba terá uma das máquinas completamente destinada à produção de hidrossolúveis (fertilizantes para sistema de fertirrigação).

FERTILIZANTES: China vai liberar reservas de potássio para garantir oferta
O planejador estatal da China disse ontem (22) que o governo vai tomar medidas para manter a oferta e os preços dos fertilizantes estáveis, inclusive liberando reservas de potássio e garantindo que as importações cheguem aos agricultores, enquanto visa reforçar a segurança alimentar. A Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC, na sigla em inglês) disse que foi um dos 13 departamentos do governo que emitiu um aviso exigindo que as empresas priorizassem o fornecimento de matérias-primas e energia aos fabricantes de fertilizantes. A capacidade de transporte para as importações de fertilizantes será garantida e as taxas de utilização da capacidade nas empresas de fertilizantes aumentadas, acrescentou. A China depende das importações de potássio, amplamente utilizado como fertilizante, para cerca de metade de sua demanda anual total. A oferta está "muito apertada" em grande parte devido à falta de contratos de importação firmados com os fornecedores no início do ano, disse Humphrey Knight, analista sênior de potássio da CRU. Os preços do cloreto de potássio, o principal ingrediente dos fertilizantes à base de potássio, saltaram 61% no acumulado do ano até o fim de julho, para 3,95 iuanes (US$ 0,62) por quilo, observou o NDRC. "Afetados por fatores como o aumento dos preços das matérias-primas e a oferta doméstica restrita, os preços domésticos dos fertilizantes e pesticidas permanecerão altos", disse o NDRC, observando que ambos são essenciais para a produção agrícola e o sustento das pessoas.

MILHO: Colheita da safrinha em Unaí (MG) é concluída
A colheita da safrinha de milho em Unaí, no noroeste de Minas Gerais, foi concluída recentemente e o rendimento médio obtido nas lavouras ficou bem abaixo do previsto. Quem informa é o departamento técnico da Cooperativa Agrícola de Unaí Ltda (Coagril). Segundo fonte do departamento técnico, a produtividade média obtida nas lavouras de milho irrigado ficou em 8.400 quilos por hectare, uma vez que algumas áreas sofreram com o ataque da cigarrinha. Nas lavouras de sequeiro, os efeitos na produtividade média ainda foram maiores em razão da estiagem, ficando abaixo dos 3.000 quilos por hectare. "Para o milho sequeiro, as perdas foram grandes frente à média inicial prevista de 5.400 quilos por hectare", pontua. as lavouras, ocupando 80 mil hectares, se dividem entre as fases de maturação (15%) e enchimento de grãos (85%). "A colheita nas áreas de pivô e nas áreas de sequeiro plantada mais cedo deve ocorrer a partir de julho. Mas o forte da colheita, devido ao atraso no cultivo, deve ocorrer em agosto. É possível que os trabalhos possam ser concluídos apenas em setembro", disse. Segundo SAFRAS & Mercado, a área cultivada da safrinha em Minas Gerais ocupou 870,252 mil hectares. Ela avançou 11,2% frente aos 782,531 mil hectares cultivados no ano passado. A produção de milho safrinha em Minas Gerais deve chegar a 2,640 milhões de toneladas, acima das 3,463 milhões de toneladas colhidas no ano passado. A produtividade média é esperada em 3.034 quilos por hectare, abaixo dos 5.275 quilos por hectare colhidos na safrinha 2019/20.

CAFÉ: Londres reage e fecha com ganhos seguindo NY e atenta ao Vietnã
A Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres (ICE Futures Europa) para o café robusta encerrou as operações desta quinta-feira com preços mais altos. A sessão foi novamente de altos e baixos e Londres teve perdas em parte do dia. Mas, encontrou uma boa recuperação e reverteu para o terreno positivo, fechando com ganhos moderados. As altas do arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US), no petróleo e em outras commodities e também nas bolsas de valores deram sustentação ao robusta. O mercado também está preocupado com o aperto na oferta de robusta, com queda em estoques. As dificuldades para as exportações do Sudeste da Ásia, afetando o Vietnã entre outros país, com escassez de contêineres e outros empecilhos, e o aumento da demanda pelo robusta pelos torrefadores com o alto custo do arábica vêm garantindo suporte às cotações. As vendas no Vietnã nessa semana seguem lentas diante da oferta curta de grãos. Traders aguardam a entrada da nova safra no Vietnã, que começa no próximo mês, enquanto a oferta cai também na Indonésia, em final de colheita. Os contratos para entrega em novembro/2021 fecharam o dia a US$ 2.146 a tonelada, com alta de US$ 4, ou de 0,2%. A posição janeiro/2022 fechou a US$ 2.119 a tonelada, ganho de US$ 9, ou de 0,4%.

AÇÚCAR: Nova York avança com rolagens e valorização do petróleo
A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures US) para o açúcar bruto encerrou o pregão eletrônico com cotações em alta. Os contratos com entrega em outubro/2021 encerraram o dia a 19,49 centavos de dólar por libra-peso, alta de 0,16 centavo em relação ao fechamento anterior (+0,82%). A posição março/2022 fechou cotada a 20,29 centavos (+1,09%). O mercado avançou seguindo o direcionamento do petróleo, em mais uma sessão dominada por operações de rolagens de outubro para diante, com o primeiro contrato se aproximando do vencimento. 

MILHO: Governo atende pleito da ABCS ao isentar PIS/Cofins na importação
O setor suinícola recebeu de forma muito positiva a publicação do Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira (23), sobre a redução, a zero, das alíquotas de contribuição do PIS e Cofins para importação de milho. A medida entra em vigor a partir da data de sua publicação e valerá até o dia 31 de dezembro de 2021. O pleito era uma das prioridades da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos, desde o primeiro semestre desse ano, pois a alta do custo de produção, puxada principalmente pelos preços do milho e do farelo de soja, deixou margens negativas no acumulado do ano de 2021, em todas as grandes regiões. "Em função da quebra da safra de milho a medida é essencial para dar folego aos suinocultores", reforça o presidente da ABCS, Marcelo Lopes. Lopes destaca ainda que o empenho da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) e Frente da Suinocultura foi essencial para essa conquista. "Na nossa última reunião com a ministra ela garantiu que esse assunto estava nas prioridades da Pasta e ela trabalhou por isso". Situação nada diferente na Bancada da Suinocultura e na Ruralista, pois em ambas o assunto foi tratado com enfoque pelos parlamentares, que estiveram reunidos na última semana com a equipe técnica do ministério da Economia. O presidente da ABCS explica ainda que a medida é uma forma do Brasil agropecuário continuar trabalhando. "Sem a escassez de milho e sem o desabastecimento de proteína animal, cenário que beneficiará também o consumidor brasileiro", disse Lopes. As informações partem da assessoria de imprensa da ABCS.

logo