NOTÍCIAS DE HOJE – 5/1/2022

Veja algumas notícias preparadas pela equipe do SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS

Agricultura

img-news
AÇÚCAR: Nova York fecha com fortes perdas com cenário de menor demanda
A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures US) para o açúcar bruto encerrou o pregão eletrônico com cotações acentuadamente mais baixas nesta quarta-feira. Os contratos com entrega em março/2022 encerraram o dia a 18,34 centavos de dólar por libra-peso, queda de 0,41 centavo em relação ao fechamento anterior (ou 2,2%). A posição Maio/2022 fechou cotada a 18,10 centavos (-2,0%). O mercado foi pressionado pelos fundamentos, com menor demanda e oferta tranquila globalmente. Sinalizações gráficas e técnicas completam o quadro desfavorável aos preços.

AÇÚCAR REFINADO: Londres fecha sessão com cotações em baixa
A ICE Futures Europe (Bolsa de Londres) para o açúcar refinado fechou as operações com cotações em baixa. Os contratos com entrega em março/20221 fecharam a US$ 488,20 por tonelada, baixa de US$ 7,10 a tonelada (-1,4%) na comparação ao fechamento anterior. Maio/2022 fechou a US$ 483,10 por tonelada, queda de US$ 7,60 a tonelada (-1,5%).

CLIMA: RS tem 123 municípios em emergência por seca e governo define ações
O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, esteve reunido na manhã desta quarta-feira com a secretária da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Silvana Covatti, para tratar das ações do governo estadual com relação à estiagem. Até esta quarta, 123 municípios decretaram situação de emergência - 15 já tiveram a situação homologada pelo Estado e 11, reconhecida pelo governo federal. As principais regiões atingidas são Norte e Nordeste. "Estamos atentos à situação dos municípios e unindo esforços, com atuação de várias secretarias, para prestar atendimento aos produtores. Temos muito respeito e admiração pelos nossos empreendedores rurais, que precisam lidar com esse tipo de intempérie, seja a ausência ou o excesso de chuva", destacou o governador. 
Para mitigar os efeitos da estiagem e visando o aumento da oferta de alimentos para o rebanho assim que as chuvas permitirem a implantação das pastagens, o governador deu aval para a ampliação do programa Sementes Forrageiras, cujo prazo para manifestação de interesse foi prorrogado até 15 de janeiro pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr). O Estado também ampliará o subsídio para o programa Troca-Troca de Semente de Milho da safra 2021/2022 aos produtores que estão em municípios que decretaram situação de emergência. O detalhamento do repasse dos valores ainda será discutido entre a Seapdr e a Secretaria da Fazenda (Sefaz). 
No começo de dezembro, o governo do Estado anunciou o programa Avançar na Agropecuária e no Desenvolvimento Rural, com aporte de R$ 275,9 milhões. É o dobro do que já foi investido no setor nos últimos dez anos. Para a qualificação da irrigação, serão investidos R$ 201,42 milhões. Há, ainda, previsão de investimentos no fortalecimento da agricultura familiar (R$ 35,34 milhões) e melhorias nos acessos às propriedades para facilitar o escoamento da produção agropecuária (R$ 39,15 milhões). Os recursos para irrigação devem ser liberados em breve. 

CAFÉ: Londres volta a recuar com fatores técnicos
A Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres (ICE Futures Europa) para o café robusta encerrou as operações desta quarta-feira com preços mais baixos. As cotações deram sequência ao movimento técnico da terça-feira na Bolsa de Londres, com ajustes. O robusta mostra-se descolado um tanto do arábica (ICE Futures US), que ontem teve forte valorização que não foi seguida em Londres. E nesta quarta-feira NY mostra dificuldades para um melhor direcionamento e o robusta caiu mais. Os contratos para entrega em março/2022 fecharam o dia a US$ 2.321 a tonelada, com baixa de US$ 28, ou de 1,2%. A posição maio/2022 fechou a US$ 2.270 a tonelada, com perda de US$ 23, ou de 1,0%.

EMPRESAS: JBS não comenta pedido de investigação nos EUA
A JBS disse que não vai comentar o pedido de investigação feito por parlamentares dos EUA e Europa em Washington contra práticas anticomerciais, antimonopólio e ambientais contra o frigorífico JBS, considerado o maior da América Latina. Para Rodrigo Crespi, analista da Guide Investimentos, o impacto da notícia é negativo para a companhia. "Além de potencial dano à imagem, a investigação, caso concretizada, deve pressionar os papéis em virtude das incertezas geradas em relação as expectativas dos desdobramentos", avalia. 
Os parlamentares pediram aos governos de seus países que investiguem o frigorífico por conta de práticas anticomerciais, antimonopólio e sobre como a empresa lida com o meio ambiente, em documento assinado pelo presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado dos Estados Unidos, Bob Menéndez; o legislador britânico Ian Liddell-Grainger e o presidente da Comissão de Agricultura e Desenvolvimento Rural do Parlamento Europeu, Norbert Lins. 
Segundo os autores da proposta, a JBS teria aumentado os preços de seus produtos aos consumidores e reduzido o valor pago aos produtores. Eles também questionam como os fundadores da JBS, os empresários Joesley e Wesley Batista, que já foram processados por usar informações privilegiadas no mercado financeiro, continuem a ser acionistas majoritários da empresa. 
No terceiro trimestre, a companhia registrou lucro líquido de R$ 7,6 bilhões, 142% acima de um ano antes, impulsionado pelas operações nos Estados Unidos, que responde por 25% do faturamento da empresa. 

EMPRESAS: Credit Suisse muda recomendação de compra e eleva preço da BRF
O Credit Suisse atualizou a avaliação da BRF para "outperform" (equivalente à compra), de neutra, e aumentou o preço-alvo para os próximos 12 meses para R$ 30,00, de R$ 22,00, para incorporar os últimos resultados da companhia, mudanças recentes nos preços de grãos e novos custos de ativos assumidos. A nova avaliação considera um rendimento de 30% de uma potencial valorização. "Estamos revisando para cima nossas estimativas para 2021 e 2022 em 14% e 20%, respectivamente. Os números do ebitda ajustado também foram revisados para cima para R$ 5,3 bilhões para 2021 e R$ 6 bilhões para 2022, considerando um custo de capital próprio de 13% em reais para derivar nosso preço-alvo de R$ 30 por ação. Em nossa estimativa mais otimista, vemos a ação em R$ 34, e na pessimista, em R$ 15, por conta da fraca demanda no mercado interno e forte valorização do real", explica o analista Victor Saragiotto, em relatório divulgado ontem (4).
O banco suíço considera um cenário de custos ainda desafiador nos próximos trimestres, o que deve impactar os lucros da companhia, mas considera que o preço atual das ações como um bom ponto de entrada, considerando sua execução bem-sucedida e expectativa de melhores resultados. "Por fim, negociando a um múltiplo de 6x EV/ebitda, a ação BRFS3 é uma das mais baratas do setor de alimentos do mundo, o que ajuda a apoiar nossa postura positiva sobre a tese de investimento", acrescenta. Entre os riscos para o investimento, o analista destaca uma potencial valorização do real, uma recuperação morna da demanda interna, intensificação do ambiente competitivo e excesso de oferta de aves no Brasil. 

CARNES: Exportação argentina cai 33,4% em novembro em base anual
As exportações argentinas de carne bovina totalizaram 43,9 mil toneladas de peso do produto (pp) em novembro, o equivalente a 62,4 mil toneladas de carne bovina com osso (r/c/h), o que representou uma redução de 33,4% em relação ao recorde de novembro de 2020 e inferior aos volumes registrados nos meses de novembro de 2019, 2005 e 2006. As informações correspondem à Câmara da Indústria e Comércio de Carnes e Derivados (CICCRA). "Em novembro de 2021 a indústria de processamento de carnes continuou exportando um volume semelhante ao dos três meses anteriores, em decorrência das restrições implementadas pelo governo nacional (amenizadas desde agosto) com as quais busca (ineficazmente) 'controlar' a evolução do preço da carne bovina nos balcões nacionais", criticou a CICCRA no relatório. 
Nos onze primeiros meses de 2021, as exportações de carne bovina totalizaram 524,2 mil toneladas pp, equivalentes a 737,6 mil toneladas r/c/h. Em relação a janeiro-novembro de 2020, verificou-se um decréscimo de 7,6% medido em toneladas de peso do produto (-43 mil tn pp) e de 11,2% medido em toneladas de carne com osso (-93,1 mil tn r/c/h). A receita gerada pelas exportações de carne certificada em novembro de 2021 foi equivalente a US$ 260,5 milhões, valor apenas 0,4% inferior ao gerado em novembro do ano passado. Aumento do preço médio declarado, que passou de US$ 3.964 por tonelada pp para US$ 5.929 por toneladas pp nos últimos doze meses, compensou a queda no volume exportado. 
No caso do valor por tonelada de carne bovina com osso, a média foi de US$ 4.176 (+ 50,8% ao ano). Em novembro de 2021, os embarques de carne bovina para a China se sustentaram em 30,9 mil toneladas pp, volume 43,4% menor que em novembro de 2020. As exportações para o Brasil aumentaram 1,1% ao ano e mantiveram-se em 7.026 toneladas pp (1,3% do total), gerando receitas de 55,7 milhões de dólares (+ 6,7% ao ano). Por fim, a Câmara informou que, em dezembro, o preço médio dos cortes de carne bovina registrou mais um aumento mensal de 9,7%, após o reajuste mensal de 11,2% registrado em novembro. Assim, entre dezembro de 2020 e dezembro de 2021, o preço médio do gado em pé registou um acréscimo de 51,2%. 

MILHO: Lei define acesso de pequeno criador a cereal vendido pela Conab
Nesta quarta-feira, o governo federal publicou a Lei no 14.293/2022, que institui o Programa de Venda em Balcão (ProVB), com o objetivo de promover o acesso do pequeno criador de animais aos estoques públicos de milho. De acordo com a norma, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) poderá comercializar o produto para o criador que tenha a Declaração de Aptidão ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (DAP-Pronaf) ativa, ou outro documento que venha a substituí-la. "O programa antes era operacionalizado pela Conab por meio de portarias, que tinham que ser editadas anualmente", explica o diretor de Operações e Abastecimento da Companhia, José Trabulo Júnior. "Com a promulgação da lei, fica assegurada a manutenção do programa e o desenvolvimento de um dos mais representativos segmentos da economia nacional, que é o de produção de proteína animal." 
O presidente da Conab, Guilherme Ribeiro, também celebrou a publicação da lei. "O milho a ser adquirido certamente contribuirá para a manutenção do pequeno criador na sua atividade, assegurando consequentemente renda e empregos", afirmou. A norma instituída também prevê a inclusão dos aquicultores entre o público beneficiado pelo Programa. "Para garantir esse acesso, a Conab também procederá um estudo sobre o consumo per capita para atendimento dos plantéis e o método para fiscalização dessas criações ", pondera a superintendente de Abastecimento Social da Companhia, Diracy Lacerda. 
Aquisição do milho Com a sanção da lei, a Conab ganha uma nova ferramenta para a adquirir milho com objetivo de abastecer o Programa de Venda em Balcão, além da Política de Garantia de Preços Mínimos (PGPM). A operação de compra será estabelecida anualmente por Portaria Interministerial dos ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e da Economia, não podendo exceder 200 mil toneladas. Em situações excepcionais, esse limite poderá ser alterado. 
A medida visa assegurar o suprimento de insumos de maneira regular a inúmeras propriedades rurais, especialmente após a quebra de safra do milho. Vale ressaltar que a PGPM é uma importante ferramenta para diminuir oscilações na renda dos produtores rurais e assegurar uma remuneração mínima, atuando como balizadora da oferta de alimentos, incentivando ou desestimulando a produção e garantindo a regularidade do abastecimento nacional. De acordo com esta norma, o governo federal pode adquirir quaisquer produtos contemplados pela Política, desde que os preços pagos aos produtores estejam abaixo do mínimo estabelecido pelo governo. 
Programa de Venda em Balcão
O ProVB, tem como objetivo promover o acesso do pequeno criador de animais ao estoque público de milho. Serão beneficiários do programa os pequenos criadores de animais, inclusive os aquicultores, caracterizados de acordo com a política nacional de agricultura familiar. O volume permitido para a compra por produtor é avaliado de acordo com o tamanho do plantel, não podendo superar o limite máximo de 27 toneladas mensais. Para ter acesso ao Programa, o interessado deverá estar cadastrado no Sistema de Cadastro Nacional de Produtores Rurais, Público do PAA, Cooperativas, Associações e demais Agentes (Sican), da Conab, além de estar em situação regular junto ao Sistema de Registro e Controle de Inadimplentes (Sircoi), da Conab, entre outras exigências.

SOJA: Perda por seca em Júlio de Castilhos (RS) fica entre 20% e 30%
As perdas de produtividade da soja em Júlio de Castilhos são estimadas entre 20% e 30%. A área plantada totaliza 104,7 mil hectares. A expectativa inicial era de 60 sacas por hectare. Segundo o engenheiro agrônomo da Cotrijuc, Felipe Mello, muitas lavouras já tem quebra irreversível. Ele alerta que a situação pode piorar se o município não receber chuvas suficientes nos próximos dias. A previsão aponta para precipitações apenas nos dias 14 e 15. As lavouras se dividem entre as fases de desenvolvimento vegetativo (25%), floração (50%) e desenvolvimento de vagem (25%).

SOJA: Maringá (PR) deve ter perda consistente de produtividade
As lavouras de soja em Maringá, no noroeste do Paraná, estão sofrendo com o déficit hídrico e devem ter perdas consistentes de produtividade. Segundo o engenheiro agrônomo Gilson José Fagion, da Integrada Cooperativa Agroindustrial - Regional Maringá, que concedeu entrevista exclusiva à Agência SAFRAS, o rendimento está estimado entre 1.500 e 2.100 quilos por hectare. "Inicialmente, eram esperados 3.500 quilos por hectare", relata. As precipitações, quando ocorrem, são irregulares na região, como aconteceu ontem. "Têm chuvas previstas da última segunda até a próxima sexta-feira, mas esporádicas", frisa o entrevistado, acrescentando que a situação não se normaliza.

ETANOL: Produção dos EUA cai e estoques sobem na semana até 24 de dezembro
A produção de etanol de milho dos Estados Unidos caiu 11 mil barris por dia para 1,048 bilhão de barris diários (*) na semana encerrada em 24 de dezembro, segundo dados da AIE (Administração de Informação de Energia). Já os estoques de etanol dos Estados Unidos passaram de 20,68 milhões de barris para 21,359 milhões de barris no mesmo período comparativo. (*) Cada barril equivale a 159 litros.

logo