NOTÍCIAS DE HOJE – 8/10/2021

Veja algumas notícias preparadas pela equipe do SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS

Agricultura

img-news
CAFÉ: Fundos elevam posições compradas na Bolsa de Nova York – CFTC
A CFTC (Commodity Futures Trading Comission) divulgou os números do relatório de compromissos dos traders, com dados até 5 de outubro para o café na Ice Futures US. O levantamento mostrou que os grandes fundos e grandes especuladores apresentavam uma posição líquida comprada (long) de 66.571 contratos, contra 65.575 contratos comprados na semana anterior. As empresas comerciais, como indústrias, casas corretoras e comerciantes, estavam com uma posição líquida vendida (short) de 71.022 contratos. As posições não reportáveis, que representam pequenos especuladores e negociadores locais, indicam uma posição líquida comprada (long) de 4.454 contratos. Até 5 de outubro, eram 306.363 contratos em aberto no mercado futuro de café arábica da ICE Futures US, com alta de 12.097 lotes na semana.
 
TRIGO: Plantio da União Europeia atinge 4% da área
Os produtores de trigo da União Europeia começaram o plantio para a nova safra. A expectativa inicial é de que a área seja estável ou levemente maior, graças ao clima favorável e aos preços atrativos. O aumento deve ser limitado por uma recuperação de área da colza. Segundo analistas, as tensões no mercado de fertilizantes e a alta nos preços dos combustíveis não devem afetar o plantio, mas podem ser um problema durante os trabalhos de campo. O plantio já atinge 4% da área projetada até 4 de outubro, segundo a consultoria FranceAgriMer. A previsão de clima favorável deve permitir um avanço significativo neste final de semana. As informações são da Agência Reuters.
 
SOJA: Plantio atinge 20,31% em Mato Grosso – IMEA
A semeadura da safra de soja 2021/22 do Mato Grosso atingiu 20,31% da área projetada, conforme o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (IMEA), com número obtido até 8 de outubro. No mesmo período do ano passado, o plantio estava em 3,02%. Na semana passada, o número era de 6,16%.
 
ALGODÃO: Beneficiamento atinge 62% no Brasil, indica Abrapa
O beneficiamento de algodão no Brasil atingiu 62% até a quinta, 7, segundo dados das Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa). Veja a divisão por estado. BA e TO (73%); GO (95%), MA (50%); MG (88%), MS (99%), MT (55%), PI (91%) SP (100%) e PR (100%). 
 
 AGENDA: Acompanhe os principais eventos do agronegócio na semana que vem
Acompanhe abaixo os principais eventos ligados ao agronegócio e à economia na semana entre 11 e 15 de outubro:
 
Segunda-feira (11/10) - Japão: O mercado de ações do país permanece fechado em razão de um feriado. - Feriado parcial nos EUA (Columbus Day). Os escritórios oficiais ficam fechados. Os mercados operam normalmente. - O BC divulga às 8h30min o Relatório Focus com as previsões do mercado para a economia. - Dados de comercialização de soja, milho e algodão no MT - IMEA, 15hs. - Balança comercial das duas primeiras semanas de outubro no Brasil - Ministério da Economia, 15hs. - Exportações de café de setembro no Brasil - Cecafé, 16hs.
 
Terça-feira (12/10) - Feriado no Brasil - Dia de Nossa Senhora Aparecida. - Inspeções de exportação semanal dos EUA - USDA, 12hs. - Relatório de outubro de oferta e demanda dos EUA e mundial - USDA, 13hs. - Condições das lavouras dos EUA - USDA, 17hs. 
 
Quarta-feira (13/10) - China: A balança comercial de setembro será publicada na noite anterior pela alfândega. - Alemanha: A versão revisada do índice de preços ao consumidor de setembro será publicada às 3h pelo Destatis. - Reino Unido: A balança comercial de agosto será publicada às 5h30 pelo departamento de estatísticas. - Reino Unido: A produção industrial de agosto será publicada às 5h30 pelo departamento de estatísticas. - Eurozona: A produção industrial de agosto será publicada às 6h pela Eurostat. - Dados sobre as lavouras do Paraná - Deral, na parte da manhã. - EUA: o índice de preços ao consumidor de setembro será publicado às 9h30 pelo Departamento do Trabalho. - A posição dos estoques de petróleo dos EUA até sexta-feira da semana anterior será publicada às 11h30min pelo Departamento de Energia (DoE). - EUA: A ata da reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) de setembro será publicada às 15h. 

Quinta-feira (14/10) - China: A bolsa de Hong Kong permanece fechada em função de um feriado. - China: O índice de preços ao consumidor de setembro será publicado às na noite anterior pelo departamento de estatísticas. - China: O índice de preços ao produtor de setembro será publicado na noite anterior pelo departamento de estatísticas. - Japão: A leitura revisada da produção industrial de agosto será publicada durante a madrugada pelo Ministério da Economia, Comércio e Indústria. - EUA: O índice de preços ao produtor de setembro será publicado às 9h30 pelo Departamento do Trabalho. - Dados de desenvolvimento das lavouras argentinas - Bolsa de Cereais de Buenos Aires, 15hs. - Dados das lavouras no Rio Grande do Sul - Emater, na parte da tarde.
 
Sexta-feira (15/10) - Eurozona: A balança comercial de agosto será publicada às 6h pela Eurostat. - IGP-10 de outubro - FGV, 8hs. - O BC divulga às 9h o índice de atividade econômica (IBC-Br) referentes a agosto. - Atualização da evolução das lavouras argentinas e levantamento mensal - Ministério da Agricultura, na parte da manhã. - Exportações semanais de grãos dos EUA - USDA, 9h30min. - Processamento de soja dos EUA em setembro - NOPA, 13hs - Dados de desenvolvimento das lavouras do Mato Grosso - IMEA, na parte da tarde. - Custos de produção de soja, milho, algodão e pecuária no MT - IMEA, 15hs. - Estoques de café dos EUA em setembro - GCA, 16hs.
 
ALGODÃO: NY realiza lucros e recua cerca de 1%
A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures) para o algodão fechou com preços mais baixos. Após atingir os maiores patamares em 10 anos, o mercado finalmente realizou lucros no encerramento da semana. O resultado semanal, no entanto, foi positivo, com valorização de 5,63% na posição dezembro. O cenário fundamental segue positivo, combinando as preocupações com o tamanho das safras dos Estados Unidos e da India, com a perspectiva de aumento da demanda chinesa. Os agentes também procuram um melhor posicionamento frente ao relatório de outubro do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que será divulgado na terça, 12hs. Os contratos com entrega em dezembro fecharam a 110,41 centavos de dólar por libra-peso, baixa de 1,20 centavo, ou de 1,07%. Março/2022 fechou a 107,85 centavos, com perda de 0,88 centavos, ou de 0,8%.
 
MILHO: Chicago fecha em baixa pressionada por avanço da ceifa nos EUA
A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o milho fechou a sessão de hoje com preços mais altos. O avanço da colheita nos Estados Unidos apareceu como fator baixista. Na semana, a posição dezembro caiu 1,21%. Os agentes também aguardam o relatório de oferta e demanda de outubro do Departamento de Agricultura do país (USDA), que será divulgado na próxima terça-feira (12). O retorno da China ao mercado após o feriado de Golden Week também contribui com os ganhos. Analistas consultados pelas agências internacionais apostam que o Departamento irá reduzir a estimativa de produção dos Estados Unidos para 14,948 bilhões de bushels em 2021/22, ante os 14,996 bilhões de bushels projetados no mês passado. O volume ainda será maior frente aos 14,182 bilhões de bushels colhidos em 2020/21. Os estoques finais de passagem da safra 2021/22 norte-americana devem ser indicados em 1,421 bilhão de bushels, acima dos 1,408 bilhão de bushels indicados em setembro. Para a safra global 2021/22, os estoques finais de passagem devem ser indicados em 298,4 milhões de toneladas, superando as 297,6 milhões de toneladas previstas em setembro. Os contratos de milho com entrega em dezembro fecharam a US$ 5,30 1/2 por bushel, baixa de 3,50 centavos de dólar, ou 0,65%, em relação ao fechamento anterior. A posição março de 2022 fechou a sessão a US$ 5,39 1/2 por bushel, recuo de 3,50 centavos de dólar, ou 0,64%, em relação ao fechamento anterior.
 
TRIGO: Fraca competitividade dos EUA pressiona queda em Chicago
A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o trigo encerrou com preços mais baixos. O mercado reverteu os ganhos registrados mais cedo. O sentimento é de baixa competitividade do produto estadunidense no mercado internacional. Na semana, as perdas acumuladas chegam a 2,81%. Esta foi a primeira retração semanal nas últimas quatro semanas. No fechamento de hoje, os contratos com entrega em dezembro de 2021 eram cotados a US$ 7,34 por bushel, baixa de 7,25 centavos de dólar, ou 0,97%, em relação ao fechamento anterior. Os contratos com entrega em março de 2022 eram negociados a US$ 7,47 1/4 por bushel, recuo de 7,50 centavos de dólar, ou 0,99%, em relação ao fechamento anterior.
 
SOJA: Chicago muda de direção e fecha em baixa por avanço da colheita
Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a sexta-feira com preços mais baixos, mudando de direção na parte da tarde e determinando desvalorização de 0,28 na semana para a posição novembro. A perspectiva de bom avanço para a colheita nos Estados Unidos pressionou as cotações. Na maior parte da sessão, o mercado encontrou suporte na alta do petróleo e de óleos vegetais. Na Malásia, o óleo de palma bateu recorde. Além disso, há expectativa de retomada da demanda chinesa, após o prolongado feriado. Mas o movimento perdeu força na parte da tarde, também por pressão técnica. Para a próxima semana, as expectativas se voltam para o relatório de outubro do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que será divulgado na terça, 12. Os contratos da soja em grão com entrega em novembro fecharam com baixa de 4,25 centavos de dólar por bushel ou 0,34% a US$ 12,43 por bushel. A posição janeiro teve cotação de US$ 12,54 1/4 por bushel, com perda de 4,00 centavos ou 0,31%. Nos subprodutos, a posição dezembro do farelo fechou com baixa de US$ 0,60 ou 0,18% a US$ 318,70 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em dezembro fecharam a 61,51 centavos de dólar, baixa de 0,55 centavo ou 0,88%.

logo