NOTÍCIAS DE HOJE – 8/9/2021

Veja algumas notícias preparadas pela equipe do SAFRAS & MERCADO por meio da Agência SAFRAS

Agricultura

img-news

SOJA: Chicago fecha em leve alta, buscando posicionamento frente USDA

 

Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a segunda-feira com preços mais altos. Em dia volátil, os agentes buscaram um melhor posicionamento frente ao relatório de setembro do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que será divulgado na sexta. Sinais de demanda firma pela soja americana, com nova venda para a China, dessa vez de 106 mil toneladas, ajudaram na sustentação, mas a alta foi limitada pelos problemas com embarques americanos, ainda em decorrência da passagem do furacão Ida. O Departamento deve elevar a sua estimativa para a safra de soja dos Estados Unidos em 2021/22. O relatório de setembro do Departamento será divulgado nesta sexta, 10, às 13hs.

Analistas consultados pelas agências internacionais apostam em produção de 4,363 bilhões de bushels em 2021/22. Em agosto, a previsão ficou em 4,339 bilhões de bushels. No ano passado, a produção foi de 4,135 bilhões. Para os estoques, o mercado aposta em estimativa de 178 milhões. Em agosto, o USDA indicou estoques em 155 milhões de bushels. A previsão para 2020/21 deverá passar de 160 milhões para 166 milhões de bushels.

 

CAFÉ: NY fecha em baixa em meio a fatores técnicos e dólar firme

 

A Bolsa de Mercadorias de Nova York (Ice Futures US) para o café arábica encerrou as operações desta quarta-feira com preços mais baixos. A sessão foi volátil e NY terminou com perdas expressivas em meio a fatores técnicos, com realização de lucros. O mercado testou e chegou a trabalhar abaixo da importante linha técnica de US$ 1,90 a libra-peso. Mas, reagiu dessa mínima e fechou para dezembro ligeiramente acima deste patamar, mostrando que de fato este é um importante suporte técnico. Os preços foram pressionados para o café pelo dólar em elevação contra o real no Brasil e firmes contra outras moedas. NY também observou os dados da Organização Internacional do Café (OIC) de oferta e demanda.

A produção global de café no ano-safra 2020/21 (outubro-setembro) deve totalizar 169,644 milhões de sacas de 60 quilos, alta de 0,4% na comparação com 2019/20 (168,980 milhões de sacas), disse a Organização Internacional do Café nesta quarta-feira em seu relatório mensal de acompanhamento do mercado. Em agosto, a estimativa de produção era de 169,604 milhões de sacas.

 

TRIGO: Chicago fecha em baixa significativa com força do dólar

 

A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o trigo encerrou com preços significativamente mais altos. O mercado foi pressionado pela firmeza do dólar, que tira a competitividade do produto estadunidense no mercado internacional. A proximidade do fim da colheita nos Estados Unidos também pesa negativamente. Além disso, os estoques canadenses acima do esperado atuaram como fator de pressão. Os agentes estão à espera do relatório de oferta e demanda do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que sai na próxima sexta-feira e deve indicar menor oferta global na comparação com o documento anterior.

 

SOJA EM GRÃO: Suporte e resistência na Bolsa de Chicago (CBOT)

EUA: Economia diminuiu ligeiramente para ritmo moderado, diz Livro Bege

 

A economia norte-americana diminui ligeiramente, refletindo preocupações com a propagação da variante Delta do novo coronavírus e a escassez de suprimentos, de acordo com o Livro Bege, relatório econômico sobre as 12 principais regiões dos Estados Unidos. "O crescimento econômico diminuiu ligeiramente para um ritmo moderado no início de julho até agosto", diz o documento. "A desaceleração na atividade econômica foi em grande parte atribuída a uma retração nos restaurantes, viagens e turismo na maioria dos distritos, refletindo preocupações de segurança devido ao aumento da variante Delta e, em alguns casos, restrições a viagens internacionais".

 

CARNE SUINA: Semana Nacional contará com 22 bandeiras de 10 redes de varejo

 

A Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS), enxerga no varejo um elo entre os produtores e os consumidores, um aliado na missão de comunicar a proteína suína, levando informações que normalmente ficariam restritas às granjas até o público que compra e consome carne suína. É por isso que a Semana Nacional da Carne Suína (SNCS) é recorrente no calendário do varejo nacional acontece ao lado das maiores e melhores redes de varejo do país, que com atuação nacional conseguem transmitir todo o conhecimento adquirido por meio dos treinamentos realizados pela ABCS para seus times de colaboradores, ajudando a desmitificar a proteína, levando informações sobre o sabor, saudabilidade, qualidade, praticidade, versatilidade e custo-benefício da carne suína para todo o Brasil.

Nesta nona edição, a ABCS conta com a parceria de 10 redes de varejo, alcançando cobertura em todas as regiões brasileiras, tanto presencialmente quanto online através do e-commerce e aplicativos, além de atender públicos diversos que vão da classe A até a D: Extra, Pão de Açúcar, Oba Hortifruti, Hortifruti, Natural da Terra, Lopes Supermercados, Carrefour, Grupo Big, Dia Supermercados e a Companhia Sulamericana de Distribuição, que vão participar com 22 bandeiras, engajando 1.847 lojas.

logo