Produzir e regenerar: uma soma possível

Assim a Rizoma Agro consolida seu modelo de produção orgânica e regenerativa, um negócio que ainda tem muito a crescer no Brasil

Agricultura

img-news
A Rizoma Agro é fruto do “sonho sonhado junto” pelos empresários Pedro Paulo Diniz e Fabio Sakamoto, de levar agricultura orgânica e regenerativa a milhares de hectares de terras no Brasil. 

O nome pode soar estranho, já que a técnica ainda não é muito conhecida por aqui, mas a prática é relativamente simples: consiste em associar floresta a sistemas produtivos agrícolas e de pecuária, aproveitando a própria natureza e a sua capacidade de proteger e regenerar o solo para levar esses benefícios também às lavouras e pastos.

Ou seja, ao invés de obrigatoriamente retirar árvores e outras vegetações de áreas que se tornarão produtivas, essas espécies podem ser mantidas e conviver com as que serão plantadas. Ou ainda, no caso de elas não serem próprias para esse convívio, retirá-las, plantando então outras mais adequadas no lugar. Aqui a palavra de ordem é equilíbrio.

A Rizoma Agro nasceu em 2018, mas sua história começou nove anos antes na Fazenda da Toca, área de 2,3 mil hectares localizada em Itirapina, a 200 km da capital paulista. Ali foi uma espécie de laboratório para Pedro Paulo Diniz, quando o empresário decidiu desbravar o universo da produção orgânica, mercado que, na época, já parecia promissor no Brasil e que vem crescendo consistentemente desde então.