John Deere logo

    Conecta

    Sua fonte centralizada de notícias Agro

    Safra de soja 2022/23 – Pontos de atenção

    Clima será, por mais uma temporada, fundamental para a precificação da safra brasileira 2022/23
    Scot Consultoria
    Safra de soja 2022/23 – Pontos de atenção
    Safra de soja 2022/23 – Pontos de atenção

    Tags:

    Clima

    Soja

    Notícias

    Grãos

    Agricultura

    A safra 2021/22 está em reta final. O clima, mais uma vez, ditou o ritmo no campo e no mercado de grãos, com destaque ao primeiro semestre, onde, só no Brasil, quase 15 milhões de toneladas a menos de soja foram produzidas. O motivo? O fenômeno climático La Niña.

    O cenário deu sustentação à cotação da soja no país no primeiro semestre, apesar dos recuos da moeda norte-americana no período e, mesmo com o avanço da colheita no Brasil, os preços sofreram pouca pressão de baixa. 

    O mercado hoje acompanha a safra norte-americana 2022/23. Com o clima quente e seco por lá, as condições das lavouras sofreram negativamente, preocupando a oferta local. 

    No país, a produção da oleaginosa foi estimada em 126,3 milhões de toneladas em maio/22. Em agosto, 123,3 milhões estão estimadas e novos cortes não estão descartados. Situação que, junto à retomada da moeda norte-americana, limitou a pressão de baixa pela entrada da safra brasileira. 

    Veja a evolução dos preços da soja em grão no porto de Paranaguá-PR e do câmbio na figura 1.

    Figura 1.
    Evolução dos preços da soja em grão no porto de Paranaguá-PR, em R$/saca de 60 quilos (eixo da esquerda) e cotação do dólar, em R$/US$ (eixo da direita). 

    Expectativa para a safra global 2022/23 e para a safra brasileira 
    O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), no quadro global para a safra 2022/23, elevou ligeiramente sua estimativa para a produção, de 391,4 milhões de toneladas em julho para 392,8 milhões em agosto. 

    Isto porque é esperado um aumento da produção nos principais países produtores, como o Brasil e os Estados Unidos e, consequentemente, aumento nos estoques mundiais, mesmo com a crescente demanda chinesa.

    Segundo dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), os norte-americanos deverão produzir 123,3 milhões de toneladas em 2022/23, o que, apesar de menor que as expectativas iniciais, deverá ser menor frente às 120,7 milhões de toneladas colhidas em 2021/22.

    No Brasil, 42,4 milhões de hectares de soja deverão ser semeados no próximo ciclo, crescimento de 3,5%, com a expectativa de recorde na produção, estimada em 150,36 milhões de toneladas, expectativa de crescimento de 21,2% para próxima safra. 
    A produtividade do ciclo 2022/23 deve apresentar recuperação em relação à atual safra após os problemas climáticos registrados nos estados do Sul do país e em parte do Mato Grosso do Sul. 

    Do lado da demanda, a China, maior compradora mundial, deverá importar 98 milhões de toneladas de soja em grão na próxima temporada, frente às 90 milhões de toneladas importadas em 2021/22.

    Com isso, com relação aos estoques mundiais ao final de 2022/23, a previsão é de 101,41 milhões de toneladas, frente às 89,73 milhões de toneladas em estoques no final de 2021/22.

    Assim, para a próxima temporada no Brasil (2022/23), a expectativa é de preços ainda em patamares altos para a soja em grão, mas provavelmente em um cenário mais baixo, comparativamente com esse ano.

    Dentre os principais fatores que poderão impactar a safra brasileira, está o clima e o aumento nos custos de produção. E o que podemos esperar pela frente? 

    De olho no clima

    Em agosto, o Instituto de Pesquisa Internacional da Universidade da Columbia (IRI) aponta de 86% a 72% de chance de ocorrência do fenômeno La Niña até dezembro/22. Veja na figura 2.

    Figura 2.
    Probabilidade de ocorrência de La Niña e El Niño. Referência: agosto/22.

    Ou seja, pelo terceiro ano consecutivo, as previsões climáticas apontam para a presença do fenômeno climático La Niña, fator que requer atenção do produtor.

    Como fica a conta para 2022/23?

    A seguir, apresentamos as estimativas de resultados econômicos para a soja em Mato Grosso em 2020/21 (safra passada), 2021/22 (safra atual) e as expectativas para a próxima temporada (2022/23).

    Para o ciclo atual (2021/22), o preço de venda considerado foi a média de julho de 2021 a agosto de 2022, de R$169,81 por saca de 60 quilos, mas destacamos que a referência chegou a R$191,00 na região em março de 2022 e, atualmente, está em R$164,50 por saca, o que impacta os resultados de quem antecipou a venda da produção no ciclo atual ou deixou para negociar mais recentemente.

    Observe, na tabela 1, que apesar do aumento nos custos de produção e da ligeira queda na produtividade média das lavouras em 2021/22, frente a 2020/21, os preços em patamares historicamente elevados garantiram melhores resultados para a atividade, com um lucro médio de R$5.544,99 por hectare. 

    Tabela 1.
    Estimativas de resultados econômicos para a soja em Rondonópolis-MT nas temporadas 2020/21 e 2021/2022 e projeções para 2022/23.

    Para a próxima temporada (2022/23), o preço médio considerado foi de R$153,30 por saca em Rondonópolis-MT, ou seja, abaixo da média de 2021/22 e acima da média de 2020/21 (IMEA).

    Dessa forma, considerando um aumento de 67,8% nos custos de produção da atividade e incremento de 1,8% no rendimento médio das lavouras (dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária – Imea), o resultado projetado é de um lucro médio de R$1.895,63 por hectare em 2022/23, ou seja, bem abaixo do resultado médio em 2021/22, mas ainda positivo para o produtor, após dois anos com ótimos resultados.

    Felipe de Lima Junqueira Franco Fabbri, zootecnista, msc.
    Scot Consultoria