John Deere logo

    Conecta

    Sua fonte centralizada de notícias Agro

    Saiba mais sobre a evolução e a importância do trigo no Brasil

    Em 50 anos, cultura do cereal passa de 1,6 milhão de hectares para 3,1 milhões, quintuplicando a produção, que saiu de 1,9 para 9,6 milhões de toneladas ao ano
    Rafael De Marco
    Arquivo
    Arquivo

    Tags:

    Trigo

    A área cultivada com trigo no Brasil quase duplicou nos últimos 50 anos. Passou de 1,6 milhão de hectares, em 1973, para 3,1 milhões, em 2022. E mais, neste mesmo período, a produção foi quintuplicada, passando de 1,9 para 9,6 milhões de toneladas anuais (suprindo 70% da demanda nacional). Da mesma forma, a produtividade das lavouras atingiu o patamar de 3,1 toneladas por hectare, que corresponde a 2,7 vezes à obtida em 1973. O Brasil, atualmente, faz parte do grupo dos países importadores e exportadores de trigo.

     

    A expansão territorial da área de cultivo também foi expressiva. Em 1973, cinco estados brasileiros apresentaram registro de plantio de trigo (Mato Grosso, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo). Atualmente, este número subiu para nove estados (Bahia, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo), além do Distrito Federal.

     

    O aumento da produtividade e da área cultivada com trigo é resultado direto da pesquisa agropecuária. Com destaque para:
    - Criação de novas cultivares mais bem adaptadas às condições climáticas nacionais
    - Desenvolvimento de métodos mais eficientes de controle de pragas e doenças
    - Aprimoramento do sistema de rotação de culturas com técnicas que propiciaram melhorias na qualidade do solo
    - Interação com os diferentes elos do complexo agroindustrial do trigo por meio de parcerias que visam a assegurar sustentabilidade econômica, social e ambiental, desde o campo até a mesa do consumidor

     

    HISTÓRIA NO BRASIL E NO MUNDO
    São dados ainda mais relevantes para divulgação no mês de novembro. No último dia 10, foi comemorado o Dia do Trigo no Brasil, considerado alimento fundamental para a humanidade. O cereal conta com um capítulo especial no livro “ Brasil em 50 alimentos ”, recém-lançado pela Embrapa.

     

    O trigo surgiu, há cerca de 10 mil anos, por meio de cruzamento natural entre gramíneas selvagens, na região chamada de Crescente Fértil, oeste da Ásia, que abarca os territórios de países como Síria, Líbano, Turquia, Iraque e Irã.

     

    O consumo desse alimento, originalmente, era diferente do atual: do grão torrado no fogo e semelhante a pipoca ou triturado grosseiramente e cozido, passou, também, a ser consumido na forma de uma massa fina e achatada assada sobre pedras quentes (precursor do pão e do biscoito modernos). Posteriormente, com a descoberta da fermentação biológica (atribuída ao acaso), associada ao desenvolvimento de técnicas de moagem mais aprimoradas, os pães primitivos passaram a ter melhor palatabilidade.

     

    A composição química e estrutura do grão de trigo, com predominância de carboidratos (74%) e proteínas (14%) e a possibilidade de separação em três componentes principais - endosperma (83%), farelo (14%) e gérmen (3%) - configuram esse cereal como matéria-prima de alta versatilidade. Pode ser usado em formulações domésticas e industriais, tanto para alimentação humana quanto animal, na área farmacêutica e como colas no setor de mobiliário, entre outros.

     

    Saiba mais sobre a evolução e a importância do trigo no Brasil 1

    No Brasil, o trigo foi introduzido pelos portugueses, no século XVI, no centro do País, destacando-se, na sequência, no Sul, a experiência dos açorianos (por volta de 1750) e, posteriormente, com as imigrações alemã (1824) e italiana (1875).

     

    Até 1980, a produção de trigo no Brasil, estava, exclusivamente, concentrada na Região Sul. Desde então, apesar de ainda majoritário no Sul, o cultivo avançou para o bioma Cerrado nos estados da Região Centro-Oeste, consolidando uma triticultura genuinamente tropical. Um novo olhar, atualmente, tem sido voltado aos estados das regiões Norte e Nordeste.

     

    REFERÊNCIA MUNDIAL

    O sucesso da triticultura brasileira, consolidando o trigo tropical como uma nova fronteira agrícola, deve ser atribuído ao trabalho de equipes multidisciplinares de pesquisadores lotados em cerca de 40 instituições de pesquisa públicas e privadas nacionais. Hoje, o Brasil é referência mundial em triticultura tropical.

     

    Para estimular o cultivo e o uso do trigo nacional, o governo estabeleceu, na década de 1960, medidas protecionistas, como o Decreto-Lei nº 210, de 27 de fevereiro de 1967, que proibia a comercialização de trigo nacional e importado pelo setor privado, e, o Estado, por esse decreto, assumiu a compra e a venda desse cereal.

     

    A internacionalização da economia, no início dos anos 1990, impôs um novo desafio para a triticultura brasileira - a qualidade tecnológica do trigo – e, com ela, a determinação do fim da intervenção estatal no complexo agroindustrial do trigo no Brasil. Esta medida trouxe uma série de desafios e oportunidades para a pesquisa brasileira, como a necessidade de estabelecer padrões de classificação comercial do trigo, a caracterização da qualidade do trigo produzido no Brasil e a inclusão da qualidade do trigo como um dos critérios para o melhoramento genético das cultivares comerciais.

     

    Em 1973, não era conhecida a qualidade tecnológica do trigo brasileiro. Cinquenta anos depois, todas as cultivares registradas apresentam descrição de diversas características de qualidade, objetivando atender a demanda de informações dos diferentes mercados que utilizam o trigo como matéria prima, seja para a alimentação humana, ração para animais ou outros usos industriais. Desta forma, depois de superada a barreira da produtividade, a pesquisa brasileira voltou seus esforços para melhorar a qualidade e a liquidez do trigo nacional. Hoje estão disponíveis cultivares para os diferentes usos: panificação industrial e caseira, fabricação de massas, biscoitos, bolos, pizzas, confeitaria, indústria de proteína animal e biocombustíveis, entre outros.

     

    Com informações da Embrapa.

    Clique AQUI para mais informações no site da Embrapa