John Deere logo

    Conecta

    Sua fonte centralizada de notícias Agro

    VOCÊ CONECTADO: Fique ligado nas notícias do dia (01/12)

    Conecta traz um resumo dos principais fatos e acontecimentos que impactam o agronegócio no Brasil e no mundo para que o produtor rural termine o dia bem informado
    Rafael De Marco
    Arquivo
    Arquivo

    Tags:

    Agronegócio

    CLIMA: Inmet prevê chuvas acima da média para o Sudeste e Centro-Oeste em dezembro

    Em dezembro, a previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) é de chuvas próximas ou abaixo da climatologia do mês em áreas da Região Norte, como o oeste do Amazonas, leste do Pará e Tocantins e grande parte da Região Nordeste, com volumes previstos inferiores a 200 milímetros (mm). Já a parte leste da Região Nordeste, ainda estará em seu período seco e é normal que os acumulados de chuva não ultrapassem os 100 mm. Em grande parte das Regiões Centro-Oeste e Sudeste, a previsão indica chuvas acima da média e chuvas mais regulares, com volumes que podem superar os 300 mm em áreas de Mato Grosso, Goiás, centro-sul de Minas Gerais, nordeste de São Paulo e sul do Rio de Janeiro. No norte dos estados de Goiás, Minas Gerais e Espírito Santo, as chuvas previstas poderão ser abaixo da média, com volumes inferiores a 200 mm. Para a Região Sul, ainda são previstas chuvas acima da média nos estados do Paraná e Santa Catarina, onde são previstos volumes acima de 180 mm. Volumes inferiores, são previstos para o centro-sul do Rio Grande do Sul, onde as chuvas devem ser próximas ou ligeiramente abaixo da média.

    O prognóstico climático do Inmet para o mês de dezembro de 2023 e seu possível impacto na safra 2023/24 para as diferentes regiões produtoras indica que em áreas do Matopiba (região que engloba os estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), os baixos volumes de chuva previstos ainda manterão os níveis de água no solo baixos, exceto em áreas do sul de Tocantins e extremo sudoeste da Bahia, onde haverá uma ligeira recuperação da umidade no solo. Essa condição poderá impactar a evolução do plantio e desenvolvimento inicial dos cultivos de primeira safra que já estão em andamento. Segundo o Inmet, o mês será marcado por volumes mais regulares na parte central do País, continuidade das chuvas na Região Sul e, na Região Nordeste e parte da Região Norte, volumes abaixo da média histórica. Em grande parte do Brasil Central, o retorno gradual das chuvas está sendo importante para a recuperação do armazenamento de água no solo, especialmente em áreas do norte de Mato Grosso e sul de Goiás. No geral, a umidade no solo será favorável para a semeadura e o desenvolvimento dos cultivos de primeira safra, exceto em áreas do norte de Minas Gerais e do Espírito Santo, bem como no noroeste do Mato Grosso do Sul e sudoeste de Mato Grosso, onde os níveis de umidade poderão ser mais baixos. Na Região Sul, os níveis de água no solo podem continuar elevados e beneficiar as fases iniciais dos cultivos de primeira safra. Contudo, em algumas áreas o excesso de chuvas poderá resultar em excedente hídrico e encharcamento do solo, impactando a colheita dos cultivos de inverno e impedir o avanço da semeadura dos cultivos de primeira safra.

    TEMPERATURA

    A previsão também indica que as temperaturas que deverão ser acima da média em grande parte do País, principalmente no leste da Região Norte e grande parte da Região Nordeste, onde as temperaturas médias podem superar 28ºC. Ressalta-se que, a ocorrência de dias consecutivos com chuva sobre o oeste da Regiões Sul, poderá amenizar as temperaturas, chegando a valores inferiores a 24C. As informações partem da assessoria de imprensa do Mapa.

     

    AGENDA: Acompanhe os principais eventos do agronegócio na semana que vem

    Acompanhe os principais eventos ligados ao agronegócio e à economia na semana entre 4 e 8 de dezembro:
    -Segunda-feira (4/12) - Alemanha: O resultado da balança comercial de outubro será publicado às 4h pelo Destatis. - O Banco Central divulga, às 8h30, o Relatório Focus com as previsões do mercado para a economia. - Inspeções de exportação semanal dos EUA - USDA, 13h. - Dados de Oferta e demanda de algodão, soja e milho no MT - Imea, 16h.
    -Terça-feira (5/12) - OCDE: O relatório mensal de índice de preços ao consumidor será publicado pela OCDE. - Eurozona: O índice de preços ao produtor de outubro será publicado às 7h pela Eurostat. - O IBGE divulga, às 9h, o Sistema de contas trimestrais referentes ao 3 trimestre, com os dados do PIB do país no período. - Dados sobre as lavouras do Paraná - Deral, na parte da manhã.
    -Quarta-feira (6/12) - A FGV divulga, às 8h, o IGP-DI de novembro. - EUA: O saldo da balança comercial de outubro será publicado às 10h30 pelo departamento do Comércio. - EUA: A posição dos estoques de petróleo até sexta-feira da semana passada será publicada às 12h30 pelo Departamento de Energia (DoE).
    -Quinta-feira (7/12) - China: O saldo da balança comercial de novembro será publicado à meia-noite pela alfândega. - Alemanha: A produção industrial de outubro será publicada às 4h pelo Destatis. - Eurozona: A leitura do PIB do terceiro trimestre será publicada às 7h pelo Eurostat. - Dados trimestrais de abate no Brasil - IBGE, 9h. - Levantamento Sistemático de Produção Agrícola de novembro - IBGE, 9h. - Novo levantamento para a safra brasileira de grãos em 2023/24 - Conab, 9h. - Dados do setor automotivo do Brasil em novembro - Anfavea, 10h. - Exportações semanais de grãos dos EUA - USDA, 10h30. - Dados de desenvolvimento das lavouras argentinas - Bolsa de Cereais de Buenos Aires, 15hs. - Relatório de condições das lavouras da Argentina Ministério da Agricultura, na parte da tarde. - Dados sobre o desenvolvimento das lavouras no RS - Emater, na parte da tarde.
    -Sexta-feira (8/12) - Japão: A leitura do PIB do terceiro trimestre será publicada na noite anterior pelo gabinete do governo. - Alemanha: A versão revisada do índice de preços ao consumidor de novembro será publicada às 4h pelo Destatis. - EUA: O número de empregos criados ou perdidos pela economia (payroll) e a taxa de desemprego referentes a novembro serão publicados às 10h30 pelo Departamento do Trabalho. - Relatório de Oferta e Demanda internacional e dos Estados Unidos em dezembro (WASDE) - USDA, 14h. - O Imea divulga relatório sobre a evolução das lavouras no Mato Grosso.

     

    ARROZ: Governo conclui negociações para abertura do mercado do Quênia ao cereal do Brasil

    Brasil e Quênia concluíram as negociações para abertura do mercado queniano de arroz para consumo, após a certificação fitossanitária encaminhada, em 30/11, ao Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) pelo Serviço de Inspeção Sanitária Vegetal do Quênia (KEPHIS). De acordo com a Secretaria de Comércio e Relações Internacionais (SCRI/Mapa), as exportações brasileiras de arroz e suas variedades alcançaram US$ 657 milhões em 2022, representando 2% do comércio mundial do produto. Os principais mercados importadores do produto brasileiro são México, Senegal, Venezuela, Costa Rica e Gâmbia. O Quênia importou, em 2022, US$ 290 milhões em arroz. Espera-se que a abertura do mercado queniano para o arroz brasileiro resulte em aumento de US$ 2,15 milhões nas exportações brasileiras, considerando o potencial econômico do Quênia. No ano passado, o comércio mundial de arroz movimentou US$ 31,2 bilhões, sendo o Brasil um dos dez principais exportadores do produto. A abertura de mais um mercado consolida a posição brasileira nesse setor, que é privilegiada em termos de sustentabilidade e produtividade, e contribui para garantir a segurança alimentar e nutricional. Trata-se da 72a abertura de mercado agrícola para o Brasil em 2023. A abertura é resultado das ações de prospecção de mercado e do esforço conjunto entre o Mapa e o Ministério das Relações Exteriores (MRE). As informações são da assessoria de imprensa do Mapa.

     

    SOJA: SAFRAS indica exportação de 100 milhões de toneladas em 2024

    As exportações de soja do Brasil deverão totalizar 100 milhões de toneladas em 2024, repetindo o volume indicado para 2023. A previsão faz parte do quadro de oferta e demanda brasileiro, divulgado por SAFRAS & Mercado. No relatório anterior, divulgado em dezembro, as projeções eram de 99 milhões e 98 milhões, respectivamente. SAFRAS indica esmagamento de 54 milhões de toneladas em 2024 e de 53 milhões de toneladas em 2023, com uma elevação de 2% entre uma temporada e outra. Em setembro, as projeções eram de 55 milhões e 53 milhões de toneladas, respectivamente. SAFRAS indica importação de 110 mil toneladas em 2024, contra 180 mil toneladas em 2023. Em relação à temporada 2024, a oferta total de soja deverá aumentar 3%, passando para 166,724 milhões de toneladas. A demanda total está projetada por SAFRAS em 157,7 milhões de toneladas, crescendo 1% sobre o ano anterior. Desta forma, os estoques finais deverão subir 72%, passando de 5,237 milhões para 9,024 milhões de toneladas. Subprodutos SAFRAS trabalha com uma produção de farelo de soja de 41,45 milhões de toneladas em 2024, subindo 2%. As exportações deverão cair 6% para 21 milhões de toneladas, enquanto o consumo interno está projetado em 18,5 milhões, aumentando 3%. Os estoques deverão subir 80% para 4,38 milhões de toneladas. A produção de óleo de soja deverá aumentar 1% para 10,9 milhões de toneladas. O Brasil deverá exportar 1,8 milhão de toneladas, com queda de 16%. O consumo interno deve subir 8% para 9,3 milhões de toneladas. O uso para biodiesel deve aumentar 13% para 4,5 milhões de toneladas. A previsão é de estoques recuando 28% para 460 mil toneladas.

     

    CAFÉ: Embarques brasileiros de novembro totalizaram 3,911mi scs

    As exportações brasileiras de café em grão em novembro de 2023 totalizaram 3.911.766 sacas de 60 quilos (média diária de 195.583 sacas), com receita chegando a US$ 735,480 milhões (média diária de US$ 36,774 milhões), e preço médio de US$ 187,980a saca. A receita média diária obtida com as exportações de café em grão em novembro foi 16,9% menor no comparativo com a média diária de novembro de 2022, que fora de US$ 44,234 milhões. Já o volume médio diário embarcado foi 8,5% maior que o de novembro de 2022, que tinha o registro de 180.290 sacas diárias de média. O preço médio, por sua vez, recuou 23,4%. Os dados são da Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

     

    SOJA: Atrasado, plantio atinge 35% na região de Santa Maria (RS)

    O plantio de soja atingiu 35% da área na região de Santa Maria, no Rio Grande do Sul. Em igual momento do ano passado, os trabalhos atingiam 70%. De acordo com o assistente técnico da regional da Emater/RS, Luis Fernando Rodrigues, em entrevista exclusiva à Agência SAFRAS, na semana passada, a semeadura estava em 25%. A área é projetada em 1,063 milhão de hectares. Clima A situação climática adversa é um fator determinante. Rodrigues explicou que as chuvas frequentes têm causado dificuldades, as áreas de baixada apresentam alto nível de umidade, o que atrapalha a entrada do maquinário nas lavouras. Ass condições nas partes altas permitem os trabalhos. A perspectiva melhora para a próxima semana, pois não são esperadas chuvas, proporcionando uma oportunidade para avançar com a semeadura. Desde o dia 18 [de novembro], a região não registra chuvas, relatou. A emergência das lavouras está boa até o momento. No entanto, o atraso na semeadura pode impactar no potencial produtivo. A produtividade esperada para a soja é de 3.200 quilos por hectare. Comercialização Segundo o assistente técnico, as vendas da oleaginosa da última temporada continuam, e os armazéns ainda mantêm estoques de trigo, já que a safra deste cereal está chegando ao fim.

     

    ALGODÃO: Brasil exporta 253,706 mil toneladas em novembro

    As exportações brasileiras de algodão somaram 253,706 mil toneladas em novembro (20 dias úteis), com média diária de 12.685 toneladas. A receita com as vendas ao exterior totalizou US$ 489,189 milhões, com média de US$ 24,459 milhões. As informações são do Ministério da Economia. Em relação à igual período do ano anterior, houve recuo de 5,5% no volume diário exportado (13,429 mil toneladas diárias em novembro de 2022). Já a receita diária teve decréscimo de 7% (US$ 26,306 milhões diários em novembro de 2022).

     

    SOJA: Exportações do Brasil somam 5,196 milhões de toneladas em novembro

    As exportações de soja em grão do Brasil renderam US$ 2,726 bilhões em novembro (20 dias úteis), com média diária de US$ 136,305 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 5,196 milhões de toneladas, com média diária de 259,81 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 524,60. Na comparação com novembro de 2022, houve alta de 76% na receita média diária e de 105,8% no volume. O preço caiu 14,5%. Os dados são do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

     

    ECONOMIA: Balança tem superávit de US$ 8,78 bi EM novembro

    Em novembro/2023, comparado a igual mês do ano anterior, as exportações cresceram 0,6% e somaram US$ 27,82 bilhões. As importações caíram -11,2% e totalizaram US$ 19,04 bilhões. Assim, a balança comercial registrou superávit de US$ 8,78 bilhões, com crescimento de 41,5%, e a corrente de comércio diminuiu -4,6%, alcançando US$ 46,86 bilhões. No acumulado janeiro/novembro 2023, em comparação a igual período do ano anterior, as exportações cresceram 0,5% e somaram US$ 310,61 bilhões. As importações caíram -12,1% e totalizaram US$ 221,32 bilhões. Como consequência destes resultados, a balança comercial apresentou superávit de US$ 89,28 bilhões, com crescimento de 56,0%, e a corrente de comércio registrou queda de -5,2%, atingindo US$ 531,93 bilhões. As informações são do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços.

     

    CARNE SUINA: Exportações atingem 91,181 mil toneladas em novembro

    As exportações de carne suína "in natura" do Brasil renderam US$ 208,476 milhões em novembro (20 dias úteis), com média diária de US$ 10,423 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 91,181 mil toneladas, com média diária de 4,559 mil toneladas. O preço médio ficou em US$ 2.286,40. Em relação a novembro de 2022, houve baixa de 3,9% no valor médio diário, ganho de 7,5% na quantidade média diária e queda de 10,6% no preço médio. Os dados foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

     

    AVES: Exportação atinge 356,342 mil toneladas em novembro

    As exportações de carne de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas do Brasil renderam US$ 632,131 milhões em novembro (20 dias úteis), com média diária de US$ 31,606 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 356,342 mil toneladas, com média diária de 17,817 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 1.773,90. Em relação a novembro de 2022, houve baixa de 11,9% no valor médio diário, avanço de 2,8% na quantidade média diária e recuo de 14,3% no preço médio. Os dados foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

     

    AÇÚCAR: Exportação cresce em volume e em receita em novembro

    A receita diária média obtida com as exportações brasileiras de açúcar e outros melaços atingiu US$ 95,548 milhões em novembro, com 20 dias úteis, de acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex). Já o volume médio diário de exportações chegou a 184,241 mil toneladas no mês. Foram exportadas 3.684.825 toneladas de açúcar em novembro, com receita de US$ 1,910 bilhão, a um preço médio de US$ 518,60 por tonelada. Na comparação com a média diária de novembro de 2022, de US$ 69,863 milhões, houve alta de 36,8% no valor obtido diariamente pelas exportações de açúcar em novembro de 2023. Em volume, houve alta de 10%, ante as 167,390 mil toneladas diariamente embarcadas em novembro de 2022. Já o preço médio subiu 24,3%, ante os US$ 417,40 por tonelada verificados em novembro de 2022. Em volume, a exportação de açúcar em novembro cresceu 10% na comparação com as 3,347 milhões de toneladas embarcadas no mesmo mês de 2022. Já a receita aumentou 37% na comparação com os US$ 1,397 bilhão obtidos em novembro de 2022.