John Deere logo

    Conecta

    Sua fonte centralizada de notícias Agro

    VOCÊ CONECTADO: Fique ligado nas notícias do dia (11/10)

    Conecta traz um resumo dos principais fatos e acontecimentos que impactam o agronegócio no Brasil e no mundo para que o produtor rural termine o dia bem informado
    Rafael De Marco
    Arquivo
    Arquivo

    Tags:

    Agronegócio

    SOJA/MILHO: Preços de fretes ficam estáveis na maioria das rotas do país

    Levantamento elaborado por SAFRAS & Mercado indica que os preços dos fretes da soja e do milho ficaram estáveis na maioria das principais rotas de escoamento do país na semana terminada em 11 de outubro. O frete entre Cascavel e Paranaguá teve estabilidade de R$ 170,00 por tonelada. Entre Sorriso (MT) e Paranaguá, o preço por tonelada seguiu em R$ 540,00. De Rondonópolis (MT) a Paranaguá, os preços continuaram em R$ 400,00. Entre Passo Fundo e Rio Grande, o frete permaneceu em R$ 165,00 por tonelada. Entre Rio Verde (GO) e o Porto de Santos, os preços aumentaram de R$ 360,00 para R$ 370,00. Entre Uberlândia (MG) e o Porto de Santos, os preços seguiram em R$ 250,00.

     

    CARNES: Com novo caso em SP, focos de gripe aviária no Brasil chegam a 121

    Até às 8h30 de hoje, o painel de dados para consulta online disponibilizado pelo Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) contabilizava 121 focos de influenza aviária de alta patogenicidade (H5N1) desde a primeira confirmação, ocorrida em 15 de maio. São 118 casos em aves silvestres e três em aves de subsistência. Outros 12 casos estão sendo investigados. O Espírito Santo atingiu 31 casos, sendo 30 em aves selvagens e um em ave de fundo de quintal. O Rio de Janeiro conta com 19 focos em aves selvagens. São Paulo somou mais um registro e tem 36 casos confirmados. O Paraná possui 12 focos da doença. A Bahia segue com quatro ocorrências. Santa Catarina totaliza 15 casos, sendo 14 em aves selvagens e um em ave de fundo de quintal. O Rio Grande do Sul soma agora três focos da doença, sendo um em ave selvagem e dois em mamíferos marinhos. O Mato Grosso do Sul, por sua vez, possui um foco da doença em uma ave de fundo de quintal. O Brasil permanece com status de livre da influenza aviária de alta patogenicidade segundo a Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA) já que nenhum caso foi identificado em aves comerciais, do setor produtivo.

     

    EUA: Indice de preços ao produtor sobe 0,5% em setembro ante agosto

    O Indice de Preços ao Produtor dos Estados Unidos (PPI, na sigla em inglês) subiu 0,5% em setembro na comparação com o mês anterior, após a alta de 0,7% em agosto, já descontados os fatores sazonais, informou o Departamento do Trabalho. Analistas previam alta de 0,3% em setembro. O núcleo do índice, que exclui os preços de alimentos, energia e comércio, subiu 0,2% em setembro em base mensal, após subir 0,2% em agosto. Os preços de alimentos avançaram 0,9% em setembro em base mensal, após a queda de 0,5% em agosto, enquanto os preços de energia subiram 3,3%, após a alta de 10,3% no mês anterior. As informações partem da Agência CMA.

     

    AGRONEGÓCIO: Fávaro e representantes chineses buscam parceria no setor

    O ministro da Agricultura e Pecuária Carlos Fávaro recebeu nesta terça-feira (10), em seu gabinete, em Brasília, representantes do Grupo Citic da China para estreitar cooperação, parceria e intercâmbio tecnológico e científico entre os dois países. Durante a audiência, o ministro apresentou o programa de recuperação de pastagens degradadas. A ideia do Governo Federal é recuperar 40 milhões de hectares de pastagens de baixa produtividade para aumento da produção agropecuária com sequestro de carbono e manutenção de 66% do território preservado do Brasil. Podemos, em dez anos, dobrar nossa produção de alimentos, com respeito ao meio ambiente, sem precisar de desmatamento. Sabemos da nossa responsabilidade em alimentar o Brasil e o mundo, ressaltou o ministro Fávaro. O presidente do Citic, Hexin Zhu, disse que a iniciativa é interessante e demonstrou intenção em fazer investimentos e parcerias na recuperação de solos degradados para conversão em áreas produtivas agrícolas. Hexin Zhu salientou o interesse em expandir a atuação do grupo com investimentos também em produtos químicos e fertilizantes, e ainda em armazenamento. Temos interesse em avançarmos na parceria com o Brasil e aproveitar o momento favorável de estabilidade política e econômica proporcionado pelo presidente Lula. Por isso buscamos o apoio do ministério para aumentar ainda mais os investimentos no país. Uma subsidiária do grupo já investe, desde 2017, no setor de sementes na região de Ribeirão Preto (SP). As informações são do Mapa.

     

    ECONOMIA: INPC avança 0,11% em setembro – IBGE

    O Indice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) teve alta de 0,11% em setembro, abaixo da variação registrada em agosto, de 0,20%. O acumulado de 2023 do INPC é de 2,91%, enquanto nos últimos 12 meses o índice acumula alta de 4,51%, acima dos 4,06% observados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em setembro de 2022, a taxa foi de -0,32%. Os produtos alimentícios tiveram recuo de 0,74% após caírem 0,91% em agosto. Já os preços dos produtos não alimentícios subiram 0,38%, menos do que no mês anterior, quando a alta foi de 0,56%. Entre os índices regionais, cinco áreas registraram queda em setembro. O menor resultado foi em Goiânia (-0,28%), pressionado pela queda de 2,97% na energia elétrica residencial. Já a maior variação foi em Rio Branco (0,53%), influenciada pela alta da gasolina (3,60%). As informações são do IBGE.

     

    ECONOMIA: IPCA tem alta de 0,26% em setembro. Arroz sobe 3,2% - IBGE

    A inflação do mês de setembro foi de 0,26%, ficando 0,03 ponto percentual (p.p.) acima da taxa de 0,23% registrada em agosto. O resultado foi impulsionado pela alta de 2,80% da gasolina, subitem com a maior contribuição individual (0,14 p.p.) no Indice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) divulgado hoje (11) pelo IBGE. No ano, a inflação acumulada é de 3,50% e, nos últimos 12 meses, de 5,19%, acima dos 4,61% observados nos 12 meses imediatamente anteriores. “Em setembro de 2022, a variação havia sido de -0,29%. A gasolina é o subitem que possui maior peso no IPCA. Com essa alta, acaba contribuindo de maneira importante para o resultado do mês de setembro”, explica André Almeida, gerente do IPCA.

     

    SOJA: Patos de Minas (MG) espera aumento de 6% na área da safra 2023/24

    O plantio da safra de soja 2023/24 em Patos de Minas, no centro-oeste de Minas Gerais, deverá ocupar uma área de 27,5 mil hectares, o que representa um aumento de 6% frente aos 26 mil hectares cultivados na temporada 2022/23, segundo informações da Emater. Conforme o engenheiro-agrônomo Oswaldo Ferreira Filho, por conta dos custos menores, o produtor decidiu novamente apostar na soja, fazendo bons investimentos em tecnologia e esperando colher ao menos 3.900 quilos por hectare. O produtor está em compasso de espera de chuvas melhores para poder iniciar o cultivo da oleaginosa. Oswaldo destaca que, para o curto prazo, não há expectativa de precipitações, muito embora a janela de plantio ainda esteja adequada, pois dificilmente o cultivo inicia na região antes de 25 de outubro. De acordo com levantamento de SAFRAS & Mercado, o plantio de soja no estado de Minas Gerais atingia 0,5% da área estimada de 2,2 milhões de hectares na temporada 2023/24 até sexta-feira (6). A área deve crescer 2,3% frente aos 2,15 milhões de hectares cultivados na temporada 2022/23. A produção no estado deve atingir 8,274 milhões de toneladas em 2023/24, 0,8% abaixo das 8,343 milhões de toneladas obtidas na safra 2022/23. O rendimento médio esperado deve atingir 3.780 quilos por hectare, aquém dos 3.900 quilos por hectare registrados na temporada anterior.

     

    SOJA: USDA anuncia 213.000 toneladas recebidas para destinos não revelados

    Exportadores privados dos Estados Unidos informaram ao Departamento de Agricultura norte-americano uma operação envolvendo 213.000 toneladas de soja recebidas no período coberto pelo relatório para destinos não revelados na temporada comercial 2023/24. Toda operação envolvendo a venda de volume igual ou superior a 100 mil toneladas do grão, feita para o mesmo destino e no mesmo dia, tem que ser reportada ao USDA.

     

    MILHO: Com área menor, plantio da safra de verão se aproxima do fim na área da Coopavel (PR)

    O plantio de milho verão se aproxima do final na área de abrangência da Cooperativa Coopavel, que atua em 20 municípios do oeste e sudoeste do Paraná. De acordo com fonte da cooperativa, que concedeu entrevista exclusiva à Agência SAFRAS, 95% da área já foi semeada. A estimativa é de uma área de 20 mil hectares este ano, um pouco menor que os 24 mil hectares do ano passado, relata. O clima tem ajudado no desenvolvimento inicial das lavouras. Choveu no final de semana, no sábado e no domingo, relata a fonte. Já o sol apareceu de segunda-feira até hoje. Segundo relatório divulgado dia 9 de outubro, 78% das lavouras estão em fase de desenvolvimento vegetativo e 22% em emergência. A produtividade média está estimada em 10.000 quilos por hectare.

     

    AGRONEGÓCIO: Pauta verde avança na Câmara dos Deputados

    A Comissão Especial de Transição Energética e Produção de Hidrogênio da Câmara, apresentou o relatório preliminar que propõe a criação do Marco Legal do Hidrogênio de Baixo Carbono. O colegiado, presidido pelo deputado federal Arnaldo Jardim (Cidadania-SP), membro da Frente parlamentar da Agropecuária, prevê a votação do texto para o dia 24 de outubro. O Projeto Combustível do Futuro também avança na Casa. A proposta institui, também, a Política Nacional do Hidrogênio de Baixo Carbono com a intenção de inserir, competitivamente, o hidrogênio de baixo carbono na matriz energética brasileira para sua descarbonização. Além disso, a previsibilidade na formulação de regulamentos e na concessão de incentivos para expansão do mercado e o fomento à pesquisa e desenvolvimento do uso de hidrogênio de baixo carbono. Segundo os especialistas presentes na audiência pública que precedeu a apresentação do relatório, a relevância de um marco legal para acabar com a insegurança jurídica e o atraso nos investimentos em hidrogênio no Brasil é fundamental. Considerado "o combustível do futuro", o hidrogênio é estratégico nos esforços de redução das emissões de gases poluentes em todo o mundo.