John Deere logo

    Conecta

    Sua fonte centralizada de notícias Agro

    VOCÊ CONECTADO: Fique ligado nas notícias do dia (16/8)

    Conecta traz um resumo dos principais fatos e acontecimentos que impactam o agronegócio no Brasil e no mundo para que o produtor rural termine o dia bem informado
    Rafael De Marco
    Arquivo
    Arquivo

    Tags:

    Notícias

    MILHO: Consumo na China em 2023/24 deve atingir 304 milhões de toneladas

    O consumo de milho na China deverá chegar a 304 milhões de toneladas na China na safra 2023/24, segundo informações divulgadas por SAFRAS & Mercado com base em dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos. O volume fica acima das 299 milhões de toneladas demandadas na temporada 2022/23. A oferta de milho da China deverá chegar a 505,32 milhões de toneladas na safra 2023/24, acima das 504,34 milhões de toneladas disponibilizadas em 2022/23. A produção chinesa em 2023/24 deve chegar a 277 milhões de toneladas, volume menor que as 277,2 milhões de toneladas colhidas na safra 2022/23.

     

    MILHO: Europa deve produzir 59,7 milhões de toneladas em 2023/24

    A produção de milho da Europa deve atingir 59,7 milhões de toneladas na safra 2023/24, segundo informações de SAFRAS & Mercado com base em dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos. Se confirmado, esse volume ficará acima das 52,23 milhões de toneladas registradas na temporada 2022/23. A oferta total de milho na safra 2023/24 deve atingir 90,90 milhões de toneladas, superando as 88,09 milhões de toneladas disponibilizadas na temporada 2022/23. O consumo de milho na temporada 2023/24 deve somar 79,5 milhões de toneladas, acima das 77,10 milhões de toneladas demandadas na safra 2022/23. A importação de milho pela Europa na temporada 2023/24 deve chegar a 24 milhões de toneladas, abaixo das 24,5 milhões de toneladas adquiridas na safra 2022/23.

     

    MILHO: Oferta dos EUA em 2023/24 deve atingir 421,46 milhões de toneladas

    A oferta total de milho dos Estados Unidos pode atingir 421,46 milhões de toneladas na temporada 2023/24, segundo estimativas de SAFRAS & Mercado, tendo como base dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). O número fica acima das 384,6 milhões de toneladas registradas na temporada 2022/23. Os Estados Unidos deverão cultivar uma área de 94,1 milhões de acres em 2023/24, superior à registrada na safra 2022/23, de 88,6 milhões de acres. Já a área a ser colhida está prevista em 86,3 milhões de acres na temporada 2023/24, também maior frente aos 79,2 milhões de acres colhidos na safra 2022/23. A produção estadunidense em 2023/24 deve ser de 383,82 milhões de toneladas, superando as 348,7 milhões de toneladas colhidas na temporada anterior (2022/23). O consumo de milho nos Estados Unidos na safra 2022/23 é projetado em 365,53 milhões de toneladas, superando as 347,8 milhões de toneladas demandadas na temporada 2022/23.

     

    CARNE DE FRANGO: Impacto do embargo do Japão a ES e SC foi limitado às exportações

    O presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin, destacou, em coletiva de imprensa, que os efeitos do embargo temporário adotado pelo Japão às importações de carne de frango do Espírito Santo e de Santa Catarina, por conta dos casos de gripe aviária em aves de fundo de quintal, foram mínimos às exportações da proteína pelo Brasil. Santin diz que as 12 mil toneladas que Santa Catarina deixou de embarcar ao Japão não tiveram grande impacto no volume total de 437 mil toneladas exportadas pelo Brasil, trazendo um efeito muito limitado.

     

    MERCADO ETANOL: Preços sobem refletindo parcialmente reajuste da gasolina

    Os preços do etanol subiram nesta quarta-feira no mercado físico. Em Ribeirão Preto (SP), o etanol hidratado foi a R$ 2,70 litro, alta de 6,72%, com usinas pedindo R$ 2,80 o litro e distribuidoras tentando comprar a R$ 2,60. O anidro na mesma localidade ficou sem indicações de compras de distribuidoras e de venda por usinas. Segundo informações da Consultoria SAFRAS & Mercado, a demanda das distribuidoras começa a ficar mais forte porque estas antecipam movimentos de alta ainda maiores nos próximos dias e semanas. Na outra ponta, as usinas estão de fora do mercado, recuando na oferta, com o objetivo de armazenar estoques para a semana que vem e as posteriores, visto que os modelos de chuvas apontam volumes fortes de precipitação sobre os canaviais na quarta e na quinta semana de agosto.