John Deere logo

    Conecta

    Sua fonte centralizada de notícias Agro

    VOCÊ CONECTADO: Fique ligado nas notícias do dia (19/9)

    Conecta traz um resumo dos principais fatos e acontecimentos que impactam o agronegócio no Brasil e no mundo para que o produtor rural termine o dia bem informado
    Rafael De Marco
    Arquivo
    Arquivo

    Tags:

    Agronegócio

    ALGODÃO: Antecipação da semeadura da pluma de sequeiro é aprovada na Bahia

    A semeadura do algodão de sequeiro, para a safra 2023/2024, foi antecipada e deverá ser feita no período de 11 de novembro a 31 de dezembro deste ano. Com isso, o período do vazio sanitário da próxima safra também será adiantado, ficando agendado para o dia 10 de setembro. A proposta da antecipação foi discutida e aprovada por unanimidade em reunião entre os integrantes da Comissão Técnica Regional do Algodão (CTR do Algodão), em formato híbrido, com participantes no escritório da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), em Barreiras (BA), e on-line. Nas áreas irrigadas, a data permanece sendo o dia 10 de fevereiro, para finalização da semeadura. Ela é definida pela Portaria 201 de setembro de 2019, da Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), como medida de controle do bicudo-do-algodoeiro, a praga mais representativa da cotonicultura brasileira.

     

    MILHO: Plantio da 1a safra 2023/24 atinge 15%, estima Conab

    O plantio de milho 1a safra 2023/24 atingiu 15% da área estimada no Brasil, conforme relatório da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) com dados até 17 de setembro. Em igual período do ano passado, os trabalhos haviam sido concluídos em 12,8% da área.

     

    CARNES: Com novos casos em SP, MS e SC, focos de gripe aviária no Brasil chegam a 105

    Até às 8h30 de hoje, o painel de dados para consulta online disponibilizado pelo Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) contabilizava 105 focos de influenza aviária de alta patogenicidade (H5N1) desde a primeira confirmação, ocorrida em 15 de maio. São 102 casos em aves silvestres e três em aves de subsistência. Outros 7 casos estão sendo investigados. O Espírito Santo segue com 29 casos, sendo 28 em aves selvagens e um em ave de fundo de quintal. O Rio de Janeiro conta com 18 focos em aves selvagens. São Paulo somou mais um registro e tem agora 28 casos confirmados. O Paraná possui 12 focos da doença. A Bahia segue com quatro ocorrências. Santa Catarina registrou mais um foco e totalizou 12 casos, sendo 11 em aves selvagens e um em ave de fundo de quintal. O Rio Grande do Sul continua com um caso registrado. O Mato Grosso do Sul, por sua vez, confirmou seu primeiro foco da doença em uma ave de subsistência. Do número total de focos confirmados até agora no Brasil, apenas um deles foi considerado em andamento, no munícipio de Bonito, em Mato Grosso do Sul. Os restantes foram considerados encerrados.

     

    ECONOMIA: IBC-BR sobe 0,44% em julho ante junho; mercado esperava alta de 0,60%

    O Indice de Atividade Econômica (IBC-Br) do Banco Central subiu 0,44% em julho em relação a junho, indo a 150,94 pontos. Nos dados sem ajuste sazonal, o IBC-Br atingiu 147,53 pontos, ganho de 0,66% na comparação com o mesmo mês de 2022. O Termômetro CMA apostava em alta de 0,60% em julho ante junho. Já na comparação com junho de 2022, o aumento esperado era de 0,70%. O indicador caiu 0,97% no trimestre na comparação com o trimestre anterior. Na base anual, subiu 3,21%. Em 12 meses, o IBC-BR tem alta de 3,12%. O indicador calculado pelo BC tem o objetivo de antecipar avaliações sobre o Produto Interno Bruto (PIB). As informações são da Agência CMA.

     

    TRIGO: Chuvas acima da média em período crítico à safra gaúcha preocupam

    A previsão de chuvas acima da média no Sul do Brasil para outubro, novembro e dezembro preocupa os produtores e o mercado de trigo. Isso porque este período é crucial para a consolidação da safra brasileira, em especial do Rio Grande do Sul. Na sexta edição do SAFRAS Agri Week, evento online que debate as principais comodities agrícolas brasileiras, o analista de SAFRAS & Mercado Elcio Bento explicou o momento atual do trigo e opinou sobre os movimentos do mercado e as perspectivas para a cultura. “Ao contrário do observado no ano passado, o Paraná deve ter uma safra sem grandes percalços, uma vez que as chuvas não são tão expressivas naquele estado e praticamente metade das lavouras já foram colhidas. No Rio Grande do Sul, por outro lado, a ceifa ainda nem iniciou e a ocorrência do El Niño deve trazer precipitações expressivas, ameaçando a qualidade e a produtividade". Conforme o analista, isso deve fazer com que os moinhos gaúchos acabem adquirindo trigo paranaense, invertendo o cenário observado em 2022/23.

     

    FEIJÃO: Plantio da 1a safra 2023/24 chega a 34% no Paraná

    O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, informou, em seu relatório semanal, que o plantio de feijão 1a safra 2023/24 atingiu 34% da área estimada de 111,5 mil hectares. Ela deve ficar 4% abaixo dos 115,9 mil hectares plantados na safra anterior (2022/23). Até o momento, 96% das lavouras estão em boas condições e 4% em condições médias, entre as fases de germinação (38%) e crescimento vegetativo (62%). No dia 11 de setembro, o plantio ocupava 20% da área, com 96% das lavouras em boas condições e 4% em situação média, entre as fases de germinação (55%) e crescimento vegetativo (45%). O Deral estimou que a produção da 1a safra de feijão em 2023/24 deve chegar a 215,8 mil toneladas, 8% acima das 199 mil toneladas na safra anterior (2022/23). A produtividade é estimada em 1.936 quilos por hectare em 2023/24, alta ante os 1.717 quilos por hectare da safra 2022/23.

     

    CAFÉ: Colheita da safra 2022/23 atinge 93% no Paraná

    O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, informou, em seu relatório semanal, que a colheita da safra 2022/23 de café atingiu 93% da área cultivada de 25,8 mil hectares, 1% abaixo dos 26 mil hectares da temporada anterior. Segundo o Deral, 90% das lavouras apresentam boas condições e 10% condições médias, na fase de maturação (100%). No dia 11 de setembro, a colheita atingia 89% da área, com 90% das lavouras em boas condições, 10% em situação média, na fase de maturação. A produção de café na safra 2022/23 do estado deve ficar em 41,2 mil toneladas, alta de 41% ante as 29,2 mil toneladas da temporada anterior (2021/22). A produtividade média em 2022/23 é estimada em 1.596 quilos por hectare, acima dos 1.127 quilos colhidos na temporada 2021/22.

     

    TRIGO: Colheita da safra 2022/23 no Paraná atinge 47% da área

    O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, informou, em seu relatório semanal, que a colheita atingiu 47% da área cultivada de 1,41 milhão de hectares. A área deve ser 14% maior do que em 2022, quando cultivou 1,238 milhão de hectares. Segundo o Deral, 73% das lavouras estão em boas condições, 21% em situação média e 6% em situação ruim, com 2% em crescimento vegetativo, 10% em floração, 36% em frutificação e 52% em maturação. No dia 11 de setembro a colheita atingia 35% da área, com 73% das lavouras estavam em boas condições, 21% em situação média e 6% em situação ruim, divididas entre as fases de crescimento vegetativo (6%), floração (10%), frutificação (35%) e maturação (49%). A safra 2023 de trigo do Paraná deve registrar uma produção 4,493 milhões de toneladas, 28% acima das 3,515 milhões de toneladas colhidas na temporada 2022. A produtividade média é estimada em 3.187 quilos por hectare, acima dos 2.847 quilos por hectare registrados na temporada 2022.

     

    MILHO: Colheita da safrinha atinge 96% no Paraná

    O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná (SEAB), indicou que a colheita da safrinha de milho do estado atingiu 96% da área cultivada de 2,375 milhões de hectares. Ela deve cair 13% frente à temporada anterior, de 2,739 milhões de hectares. Segundo o Deral, as lavouras estão na fase de maturação, com 77% em boas condições, 22% em situação média e 1% ruins. No dia 11 de setembro, 78% das lavouras apresentavam boas condições de desenvolvimento, 21% situação média e 1% ruins, todas em maturação. A colheita estava em 89%. A 2a safra 2022/23 de milho no Paraná está estimada em 13,981 milhões de toneladas, volume 5% maior ante as 13,273 milhões de toneladas da temporada anterior (2021/22). A produtividade média deve alcançar 5.888 quilos por hectare em 2022/23, acima da registrada na temporada anterior, de 4.880 quilos por hectare.

     

    MILHO: Plantio da safra verão 2023/24 atinge 58% no Paraná

    O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, informou, em seu relatório semanal, que o plantio da safra verão 2023/24 de milho atingiu 58% da área de 317 mil hectares. Ela deve ficar 16% aquém dos 379,1 mil hectares cultivados na safra verão 2022/23. Até o momento, 96% das lavouras estão em boas condições e 4% em situação média, entre as fases de germinação (33%) e crescimento vegetativo (67%). No dia 11 de setembro, o plantio atingia 42% da área, com 98% das lavouras em boas condições e 2% em situação média, divididas entre as fases de germinação (50%) e crescimento vegetativo (50%). O Deral estimou que a 1a safra 2023/24 de milho no Paraná está estimada em 3,135 milhões de toneladas, baixa de 17% frente às 3,787 milhões de toneladas colhidas na 1a safra 2022/23. A produtividade para a 1a safra 2023/24 é estimada em 9.889 quilos por hectare, abaixo dos 9.988 quilos por hectare da safra anterior (2022/23).

     

    SOJA: Plantio 2023/24 atinge 6% da área no Paraná

    O plantio da safra 2023/24 de soja do Paraná atinge 6% da área. Segundo o Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Agricultura do estado, a superfície deve totalizar 5,801 milhões de hectares, variando menos de 1% na comparação com 22/23. A produção é projetada em 21,939 milhões de toneladas, 2% abaixo do ano anterior. As lavouras, todas em boas condições se dividem entre germinação (97%) e desenvolvimento vegetativo (3%). Na semana passada, o plantio chegava a 1%, com toda a área em boas condições e em fase de germinação.