John Deere logo

    Conecta

    Sua fonte centralizada de notícias Agro

    VOCÊ CONECTADO: Fique ligado nas notícias do dia (21/11)

    Conecta traz um resumo dos principais fatos e acontecimentos que impactam o agronegócio no Brasil e no mundo para que o produtor rural termine o dia bem informado
    Rafael De Marco
    Arquivo
    Arquivo

    Tags:

    Agronegócio

    SOJA: Line-up prevê embarques de 5,192 milhões de toneladas pelo Brasil em novembro

    O line-up, a programação de embarques nos portos brasileiros, projeta a exportação de 5,192 milhões de toneladas de soja em grão para novembro, conforme levantamento realizado por SAFRAS & Mercado. Já foram embarcadas 3,436 milhões de toneladas. No mesmo mês do ano passado, exportações somaram 1,986 milhão de toneladas segundo a estimativa. Em outubro, foram embarcadas 5,957 milhões de toneladas. Para dezembro, são previstas exportações de 2,889 milhões de toneladas. De janeiro a novembro, o line-up projeta o embarque de 98,155 milhões de toneladas, contra 75,605 milhões de toneladas em igual período do ano passado. A Secretaria do Comércio Exterior (Secex) indica o embarque no período em 95,852 milhões de toneladas.

     

    EMPRESAS: JBS retoma operação de unidade da Friboi em Diamantino (MT)

    A JBS realizou ontem (20) a cerimônia para oficializar a retomada das atividades da unidade da Friboi na cidade de Diamantino, em Mato Grosso, após o incêndio ocorrido em junho deste ano. Com capacidade instalada de processamento de 3.600 cabeças por dia, a fábrica será a maior de carne bovina da América Latina, com 3.000 colaboradores divididos em dois turnos. O evento contou com a participação do ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, e do governador de Mato Grosso, Mauro Mendes, bem como de lideranças regionais. A JBS foi representada por diversos diretores e pelos acionistas controladores do grupo J&F. "Viemos todos para ratificar o compromisso da empresa com o estado. A unidade passa a contar com tudo o que há de melhor em tecnologia, equipamentos e estrutura, nessa que será a nossa maior planta no Brasil e a maior de bovinos da América Latina", afirmou Renato Costa, presidente da Friboi. A unidade passa a operar com capacidade inicial de processamento de 600 cabeças de gado por dia, chegando a 1.800 nas próximas semanas. Neste momento, Diamantino contará com apoio em atividades complementares de duas unidades da Friboi: as plantas de Barra do Garças (MT) e Campo Grande (MS). A etapa inicial contou com um investimento de R$ 300 milhões na fábrica. "Esse investimento reforça nosso compromisso com o desenvolvimento das regiões em que operamos. Só no estado do Mato Grosso, já empregamos mais de 9.500 pessoas", afirmou Gilberto Xandó, CEO da JBS Brasil.

     

    ALGODÃO: Demanda segue incerta para médio prazo, destaca Rabobank

    O encerramento da colheita brasileira confirma uma safra recorde para o ciclo 2022/23. O Brasil deverá produzir um volume acima de 3,2 milhões de toneladas, uma alta de 24%, se comparado ao volume do ano passado. O clima extremamente favorável para a cultura do algodão foi um dos protagonistas para que o Brasil alcançasse este volume. O fraco desempenho das exportações durante a primeira metade de 2023 (uma redução de 49% entre os meses de janeiro 2023 a junho 2023) ocasionou um excesso de oferta no mercado doméstico, pressionando as cotações da pluma no mercado interno. Neste período, os quatro maiores importadores da pluma brasileira (China, Vietnã, Indonésia e Bangladesh) reduziram suas importações do Brasil em 45%. Atualmente, a China é o principal destino da pluma brasileira, responsável por 29% de toda exportação realizada em 2023. No acumulado do ano até outubro, as exportações ainda apresentam uma redução de 25%, em comparação ao mesmo período do ano anterior. A recente recuperação das exportações brasileiras, a partir de julho 2023, ocorreu devido à redução da oferta nos Estados Unidos durante o início da temporada 2023/24. A colheita norte-americana apresentou uma redução de 11% se comparada a safra 2022/23.

     

    COMBUSTIVEIS: Preços do diesel e da gasolina estão tecnicamente na paridade de importação

    O acompanhamento diário da Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom) apontou, nesta terça-feira, que o litro da gasolina e do diesel nas principais refinarias do País estavam 1% mais altos, em média, que o preço no exterior, ante 3% ontem (20). O parâmetro usado para a comercialização desses combustíveis pelos importadores brasileiros é preço praticado no Golfo do México. No caso da gasolina, a variação de hoje representa R$ 0,03, em média, mais cara, e no diesel, R$ 0,02, em média, acima do exterior. Ainda conforme a medição de hoje da Abicom, a variação nos polos operados pela Petrobras, por sua vez, indicou que o preço da gasolina estava em linha com o exterior (-R$ 0,01), em média, e o do diesel estava 2% acima da paridade internacional, ante 2% e 4%, respectivamente, na segunda-feira (20).

     

    AÇÚCAR: Começa em Londres o 32º Seminário Internacional do Açúcar

    Teve início em Londres, Inglaterra, o 32º Seminário anual da Organização Internacional do Açúcar, que se estenderá até amanhã, dia 22. O evento reúne os principais representantes do setor sucroenergético, proporcionando debates de alto nível e análises profundas sobre o futuro do setor bioenergético, sob o tema "Energia, Preços, Geopolítica e Regulações Complexas: Oportunidades para Inovação". O presidente da SIAMIG, Mário Campos, participará como palestrante no dia 22, no Painel 6, abordando o tema "Políticas públicas do agro no Brasil", compartilhando suas visões e contribuições com o público presente. Autoridades políticas e personalidades do agronegócio brasileiro também marcam presença, incluindo o presidente da Câmara dos Deputados, deputado federal Artur Lira, e o presidente do Sindicato dos Produtores de Açúcar e Álcool de Alagoas, vice-presidente do COAGRO da CNI Confederação Nacional da Indústria do Brasil, Pedro Robério de Melo Nogueira, que terá a honra de ser o "Chairman" deste evento de grande relevância para o setor. Além do seminário, Mário Campos cumpriu agenda ontem, dia 20 de novembro, em Londres, participando de um almoço de trabalho na Embaixada do Brasil para discutir oportunidades no setor. Durante o encontro, o presidente da Datagro, Plínio Nastari, apresentou as principais oportunidades no setor sucroenergético no Brasil e no mundo.

     

    SOJA: Esmagamento em MT totaliza 990 mil toneladas em outubro

    Em outubro/23, o esmagamento da soja em Mato Grosso alcançou 0,99 milhão de toneladas. O volume esmagado no mês apresentou queda de 2,22% ante a set/23 e alta de 13,75% no comparativo com o mesmo período do ano passado. Em relação ao acumulado de 2023 (jan/23 a out/23), o total processado no estado alcançou o recorde de 9,87 milhões de t, aumento de 3,55% ante o mesmo período de 2022. O principal motivo do maior volume esmagado foi a alteração da mistura do biodiesel no diesel, que saiu de 10,00% para 12,00% na composição. Além disso, com a quebra de safra na Argentina (principal fornecedor mundial de farelo e óleo), outros mercados destinaram sua demanda para os subprodutos de MT, principalmente para o farelo, que apresenta recorde na exportação em 2023. Por fim, a margem bruta de esmagamento, em out/23, fechou com média de R$ 491,25/t, alta de 49,20% ante a out/22, justificada pela queda no preço da soja em grão em relação aos subprodutos, onde a oleaginosa reduziu 26,34% no comparativo anual. As informações constam no Boletim Semanal do Imea - Instituto Mato-grossense de Economia Agrícola.

     

    AGRONEGÓCIO: Novo dólar de exportação beneficiará preços no mercado interno argentino

    Após as eleições presidenciais de domingo que resultou na vitória do libertário Javier Milei, e faltando três semanas para a transferência do cargo, o governo prorrogou até 10 de dezembro o dólar especial que incentiva as exportações. Em vez de permitir que 30% das moedas sejam liquidadas pela taxa de câmbio de liquidação financeira (CCL) e os 70% restantes pela cotação do dólar oficial, como era permitido na edição em dólar que expirou na semana passada, agora é permitido liquidar 50% pelo valor CCL e 50% pelo valor oficial. Consequentemente, o valor do dólar de exportação aumentará dos atuais 508,93 pesos para 613,88 pesos, experimentando um aumento de 30,9%. O analista de SAFRAS & Mercado, Joaquín Aspiroz Arias, explicou que esta medida beneficiará os preços dos grãos no mercado interno, mas esclareceu que terá de ser ver a atitude que o produtor tomará dada que a incerteza cambial é muito elevada. Segundo ele, não seria estranho se, apesar desta melhoria da taxa de câmbio, não se observasse uma comercialização mais agressiva do que a que se verifica atualmente. A medida também estabelece que os exportadores devem pagar taxas, impostos e outros itens antes de 31 de dezembro de 2023 para incentivar a entrada de moeda estrangeira, permitindo os exportadores obtenham uma quantidade maior de pesos em relação à liquidação pela taxa de câmbio oficial de 100% de suas vendas. As informações partem da Agência CMA Safras LatAm.

     

    FEIJÃO: Colheita da 1a safra 2023/24 atinge 1% no Paraná

    O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, informou, em seu relatório semanal, que a colheita de feijão 1a safra 2023/24 atingiu 1% da área estimada de 111,4 mil hectares. Ela deve ficar 4% abaixo dos 115,9 mil hectares plantados na safra anterior (2022/23). O plantio ainda segue em andamento no estado, atingindo 97% da área prevista. Até o momento, 59% das lavouras estão em boas condições, 33% em condições médias e 8% ruins, entre as fases de germinação (5%), crescimento vegetativo (40%), floração (29%), frutificação (22%) e maturação (4%). No dia 13 de novembro, o plantio ocupava 90% da área, com 67% das lavouras em boas condições, 29% em situação média e 4% ruins, entre as fases de germinação (1%), crescimento vegetativo (55%), floração (29%), frutificação (13%) e maturação (2%). O Departamento de Economia Rural (Deral), vinculado à Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná (SEAB), estimou que a produção da 1a safra de feijão em 2023/24 deve chegar a 215,6 mil toneladas, 8% acima das 199 mil toneladas na safra anterior (2022/23). A produtividade é estimada em 1.935 quilos por hectare em 2023/24, alta ante os 1.717 quilos por hectare da safra 2022/23.

     

    MILHO: Plantio da safra verão 2023/24 atinge 98% no Paraná

    O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, informou, em seu relatório semanal, que o plantio da safra de verão 2023/24 de milho atingiu 98% da área de 314,4 mil hectares. Ela deve ficar 17% aquém dos 379,1 mil hectares cultivados na safra verão 2022/23. Até o momento, 79% das lavouras estão em boas condições, 17% em situação média e 4% ruins, entre as fases de germinação (2%), crescimento vegetativo (66%), floração (28%) e frutificação (4%). No dia 13 de novembro, o plantio atingia 96% da área, com 81% das lavouras em boas condições, 16% em situação média e 3% ruins, divididas entre as fases de germinação (2%), crescimento vegetativo (86%) e floração (12%). O Departamento de Economia Rural (Deral), vinculado à Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná (SEAB), estimou que a 1a safra 2023/24 de milho no Paraná está estimada em 3,115 milhões de toneladas, baixa de 18% frente às 3,783 milhões de toneladas colhidas na 1a safra 2022/23. A produtividade para a 1a safra 2023/24 é estimada em 9.908 quilos por hectare, abaixo dos 9.980 quilos por hectare da safra anterior (2022/23).

     

    TRIGO: Colheita da safra 2022/23 no Paraná é concluída

    O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, informou, em seu relatório semanal, que a colheita atingiu 100% da área cultivada de 1,412 milhão de hectares. A área deve ser 14% maior do que em 2022, quando cultivou 1,237 milhão de hectares. Segundo o Deral, 40% das lavouras estão em boas condições, 52% em situação média e 8% em situação ruim, com 100% em maturação. No dia 13 de novembro a colheita atingia 99% da área, com 12% das lavouras estavam em boas condições, 46% em situação média e 42% em situação ruim, na fase de maturação (100%). A safra 2023 de trigo do Paraná deve registrar uma produção 3,855 milhões de toneladas, 10% acima das 3,515 milhões de toneladas colhidas na temporada 2022. A produtividade média é estimada em 2.729 quilos por hectare, abaixo dos 2.847 quilos por hectare registrados na temporada 2022.

     

    SOJA: Plantio 2023/24 atinge 93% da área no Paraná, aponta Deral

    O plantio da safra 2023/24 de soja do Paraná atinge 93% da área. Segundo o Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Agricultura do estado, a superfície deve totalizar 5,803 milhões de hectares, contra 5,779 milhões na safra 2022/23. A produção é projetada em 21,945 milhões de toneladas, 2% abaixo do ano anterior, de 22,358 milhões de toneladas. As lavouras se dividem entre as fases de germinação (10%), desenvolvimento vegetativo (65%), floração (20%) e frutificação (5%), com 87% em boas condições, 11% em situação média e 2% ruins. No dia 13 de novembro, o plantio chegava a 84%, com 88% das lavouras em boas condições, 10% em situação média e 2% ruins, entre as fases de germinação (15%), crescimento vegetativo (68%), floração (14%) e frutificação (3%). A produtividade média foi estimada em 3.782 quilos por hectare em 2023/24, abaixo dos 3.869 quilos registrados na safra 2022/23.