John Deere logo

    Conecta

    Sua fonte centralizada de notícias Agro

    VOCÊ CONECTADO: Fique ligado nas notícias do dia (21/12)

    Conecta traz um resumo dos principais fatos e acontecimentos que impactam o agronegócio no Brasil e no mundo para que o produtor rural termine o dia bem informado
    Rafael De Marco
    Arquivo
    Arquivo

    Tags:

    Agronegócio

    BIOCOMBUSTIVEIS: Proposta de revisão de resolução sobre metas individuais do RenovaBio passará por consulta pública

    A Diretoria da ANP aprovou hoje (21/12) a realização de consulta, seguida de audiência pública, sobre proposta de revisão da Resolução ANP nº 791/2019, que trata da individualização das metas compulsórias anuais de redução de emissões de gases causadores do efeito estufa para a comercialização de combustíveis, no contexto do RenovaBio. O objetivo é incluir, no regulamento, a possibilidade de redução das metas individuais do distribuidor de combustíveis a partir de contratos de longo prazo firmados entre distribuidores de combustíveis e Empresas Comercializadoras de Etanol (ECEs). A redução da meta a partir de contratos de longo prazo firmados entre distribuidores e produtores de biocombustíveis está prevista na Resolução ANP 921, de abril de 2023, que alterou a Resolução ANP 791/2019 para inclusão dessa possibilidade. No entanto, a Resolução nº 921/2023 não incluía os contratos firmados entre distribuidoras e ECEs, o que passou a ser permitido com a publicação da Lei 14.592, de 30 de maio de 2023, motivando a revisão aprovada hoje. Empresa Comercializadora de Etanol (ECE) é a pessoa jurídica controlada diretamente ou indiretamente por dois ou mais produtores ou cooperativas de produtores de etanol, que não contenha, em seu objeto social, a produção ou qualquer outra forma de industrialização de etanol (fonte: Resolução ANP nº 43/2009).

     

    CAFÉ: Safra do Paraná 2023/24 é estimada em 42,4 mil t, aponta Deral

    O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, informou, em seu relatório mensal de dezembro, que a safra 2023/24 do estado deve ficar em 42,4 mil toneladas, baixa de 3% ante as 43,8 mil toneladas da temporada anterior (2022/23). A produtividade média em 2023/24 é estimada em 1.650 quilos por hectare, abaixo dos 1.691 quilos colhidos na temporada 2022/23. A área a ser colhida deve ficar em 25,7 mil hectares na safra 2023/24, 1% abaixo dos 25,9 mil hectares da temporada anterior.

     

    AGRONEGÓCIO: Setor se destaca como um dos principais empregadores no Mato Grosso

    Durante os primeiros dez meses de 2023, a agropecuária se posicionou como o segundo setor que mais gerou empregos em Mato Grosso, evidenciando sua crescente importância na economia local. Com um saldo de 57.497 novos empregos, o setor agropecuário registrou a criação de 10.811 novos postos de trabalho, representando 18,8% do total de empregos gerados no período. Esses dados foram divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). No mesmo intervalo, o setor de serviços liderou como o principal empregador, com a criação de 21.834 postos de trabalho. Comparado ao ano anterior, a agropecuária superou suas próprias estatísticas ao criar mais empregos em apenas dez meses do que durante todo o ano de 2022. Michel Muniz, diretor-executivo do Instituto Farmun, enfatizou que o agro oferece um leque diversificado de empregos para jovens do ensino médio. Além disso, destaca que há espaço para crescimento na carreira, citando exemplos de profissionais que iniciaram como aprendizes ou estagiários e hoje são empresários de sucesso no setor agrícola. As informações são do Instituto Farmun.

     

    ARGENTINA: Governo estabelece por decreto que não será possível proibir exportações

    Através do Decreto de Necessidade e Urgência (DNU) anunciado ontem à noite pelo presidente da Argentina, Javier Milei, foram estabelecidas alterações no Código Aduaneiro, encerrando especificamente o artigo que permitia impor restrições às exportações ou importações. O documento especifica que o Poder Executivo Nacional não poderá estabelecer proibições ou cotas para exportações ou importações por motivos ou fundamentos econômicos, sendo que estas só podem ser realizadas por meio de lei. Além disso, o decreto estabelece várias modificações no Código Aduaneiro e revoga os artigos que determinavam as causas e formas pelas quais o Poder Executivo poderia decidir restringir o comércio exterior.

     

    ECONOMIA: Previsão de alta do PIB 2023 sobe de 2,9% para 3%

    O Banco Central (BC) elevou a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano, de 2,9% para 3% na edição de dezembro do Relatório Trimestral de Inflação (RTI). Para 2024, o BC indicou crescimento de 1,7%, abaixo da estimativa de 1,8% indicada em setembro. Segundo o relatório, a alteração na projeção de crescimento do PIB em 2023, de 2,9% para 3,0%, refletiu, sob a ótica da oferta, elevações nas projeções para a agropecuária e para o setor de serviços parcialmente compensadas por recuo na previsão para a indústria. A projeção para a variação anual da agropecuária foi alterada de 13,0% para 15,5%. A mencionada revisão das séries históricas das CNT, que inclui a atualização dos prognósticos de safra, foi particularmente importante neste setor: a variação do Valor Adicionado Bruto (VAB) da agropecuária no primeiro semestre de 2023 ante o mesmo período do ano passado subiu de 17,9% para 22,0%, afetando consideravelmente a previsão de crescimento anual. Para o setor de serviços, a projeção de crescimento anual em 2023 foi revista de 2,1% para 2,5%. A desaceleração do setor no terceiro trimestre foi menor do que a esperada, refletindo, em especial, surpresas positivas em intermediação financeira e serviços relacionados e em atividades imobiliárias e aluguel, atividades que apresentaram, juntamente com serviços de informação, crescimento igual ou superior a 1% no trimestre. Para 2024, a projeção recuou de 1,8% para 1,7%, sem alterações significativas a respeito da expectativa para o ritmo de crescimento da atividade econômica ao longo do ano. Pelo lado da oferta, a ligeira revisão para baixo na projeção de crescimento do PIB reflete recuo nas estimativas para a agropecuária e para a indústria e ligeira alta na previsão para o setor de serviços. A projeção para a variação da agropecuária em 2024 recuou de 1,5% para 1,0%, refletindo atualizações em prognósticos para a safra de 2024 que, de modo geral, passaram a indicar produção agrícola menor do que se previa à época do Relatório anterior. Para a indústria, a projeção foi revista de 2,0% para 1,7%, em razão, principalmente, da atualização do carregamento estatístico implicada pela divulgação do dado do terceiro trimestre de 2023. A previsão para a indústria extrativa, em particular, foi reduzida para refletir os anúncios mais recentes dos principais produtores de petróleo e minério de ferro, que não sugerem altas expressivas para o setor em 2024. Por fim, a previsão de crescimento do setor de serviços passou de 1,8% para 1,9%, sem alterações significativas no ritmo de crescimento dos principais componentes ao longo do ano.

    CARNES: Prazo para efetuar declaração de rebanho termina no dia 30 de dezembro em Goiás

    O Governo de Goiás, por meio da Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa), alerta que termina no dia 30 de dezembro de 2023 o prazo para efetuar a declaração de rebanho existente nos 246 municípios do Estado. O pecuarista goiano deve informar dados como evolução da faixa etária, saldo, nascimento e mortes de animais, entre outros, através do Sistema de Defesa Agropecuária de Goiás (Sidago). O acesso só é permitido com a utilização de login e senha exclusivos do titular da propriedade rural. É fundamental ainda que o produtor faça a atualização do cadastro no Sidago. Caso não seja feita a declaração de rebanho até o prazo determinado, a propriedade rural pode ser autuada e bloqueada a circulação de animais no local. Além disso, o pecuarista fica impedido de vender ou adquirir animais de terceiros até resolver a situação junto à Agrodefesa. Com o término da vacinação contra a raiva de herbívoros, no último dia 15 de dezembro, o produtor goiano também precisa fazer a declaração de imunização antirrábica até 30 de dezembro. Foram vacinados animais de até 12 meses das espécies bovina, bubalina, equídea (equina, muar, asinina), caprina e ovina em 119 municípios considerados de alto risco para a raiva no Estado. Agora, é necessário declarar a imunização por meio do Sidago. O presidente da Agrodefesa, José Ricardo Caixeta Ramos, ressalta que apesar de o produtor goiano ser consciente da importância de declarar a quantidade de rebanho e de vacinação contra raiva, é necessário reforçar os prazos. "Estamos no período de fim de ano e nessa época são várias atividades ocorrendo ao mesmo tempo. Então, para aqueles que ainda não fizeram a declaração, é importante lembrar de acessar o Sidago e atualizar as informações de rebanho. No caso dos 119 municípios onde houve a imunização contra a raiva, o pecuarista também deve efetuar a declaração de vacinação do rebanho. É por meio do comprometimento de cada produtor em vacinar e declarar que vamos garantir a sanidade animal em Goiás", enfatiza. As informações são da Comunicação Setorial da Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa) do Governo de Goiás.

     

    BIODIESEL: UE investigará alegação de dumping na China

    A União Europeia (UE) disse nesta quarta-feira que deve começar uma investigação antidumping sobre as importações de biodiesel da China, já que a indústria do bloco diz ter reduzido a produção doméstica. Em agosto, começou a investigar se o biodiesel da Indonésia estava driblando os direitos da UE ao passar pela China e pela Grã-Bretanha. A última investigação, motivada por uma reclamação do grupo de produtores European Biodiesel Board (EBB), cobrirá o período de 1º de outubro de 2022 a 30 de setembro de 2023. A investigação levará até 14 meses, com possibilidade de imposição de direitos provisórios no prazo de oito meses. As informações são da Agência Reuters.

     

    CAFÉ: CNA discute atualização do Funcafé

    A CNA participou nesta semana da reunião do Comitê Técnico do Conselho Deliberativo de Política do Café (CDPC) e, juntamente com instituições representantes do setor privado e governo federal, debateu a atualizações no texto do Decreto n.º 94.874/87, que estabelece a estrutura do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé). Entre as mudanças defendidas pela CNA estão:
    -inclusão de incentivos à certificação

    -promoção do café brasileiro
    -defesa do preço e do mercado
    -mitigação de riscos climáticos
    -capacitação e qualificação de recursos humanos em toda a cadeia da cafeicultura

    Na avaliação do presidente da Comissão Nacional do Café da CNA, Fabrício Andrade, a atualização do decreto era necessária devido às mudanças no cenário da cafeicultura no Brasil e no mundo. “Tivemos o alinhamento das entidades e o governo apoiando e entendendo a situação da cafeicultura nacional. A atualização do decreto traz mais possibilidades de continuarmos avançando na melhoria da competitividade da cadeia produtiva”, disse.