John Deere logo

    Conecta

    Sua fonte centralizada de notícias Agro

    VOCÊ CONECTADO: Fique ligado nas notícias do dia (22/12)

    Conecta traz um resumo dos principais fatos e acontecimentos que impactam o agronegócio no Brasil e no mundo para que o produtor rural termine o dia bem informado
    Rafael De Marco
    Arquivo
    Arquivo

    Tags:

    Agronegócio

    AGENDA: Acompanhe os principais eventos do agronegócio na semana que vem

    Acompanhe os principais eventos ligados ao agronegócio e à economia na semana entre 25 e 29 de dezembro:
    -Segunda-feira (25/12) - Feriado de Natal.
    -Terça-feira (26/12) - Japão: A taxa de desemprego de novembro será publicada na noite anterior pelo departamento de estatísticas. - O Banco Central divulga, às 8h30, o Relatório Focus com as previsões do mercado para a economia. - Inspeções de exportação semanal dos EUA - USDA, 13h. - O Ministério do Desenvolvimento, da Indústria. do Comércio e Serviços divulga, às 15h, a parcial mensal preliminar de dezembro. - Dados sobre as lavouras do Paraná - Deral, na parte da manhã.
    -Quarta-feira (27/12) - Não há indicadores a serem divulgados.
    -Quinta-feira (28/12) - Japão: A leitura preliminar da produção industrial de novembro será publicada na noite anterior pelo ministério da Economia, Comércio e Indústria. - A FGV divulga, às 8h, o IGP-M de dezembro. - O IBGE divulga, às 9h, o IPCA-15 de dezembro. - O Ministério do Trabalho divulga o Caged de novembro. - EUA: A posição dos estoques de petróleo até sexta-feira da semana passada será publicada às 13h pelo Departamento de Energia (DoE). - Dados de desenvolvimento das lavouras argentinas - Bolsa de Cereais de Buenos Aires, 15hs. - Relatório de condições das lavouras da Argentina Ministério da Agricultura, na parte da tarde. - Dados sobre o desenvolvimento das lavouras no RS - Emater, na parte da tarde.
    -Sexta-feira (22/12) - Feriado bancário no Brasil. - O IBGE divulga, às 9h, a Pnad Contínua de novembro. - Exportações semanais de grãos dos EUA - USDA, 10h30.

     

    SOJA/MILHO: Chuvas beneficiam cultivos de primeira na Região Núcleo

    Os cultivos de soja e milho na Região Núcleo foram beneficiados pelas últimas chuvas registradas, de acordo com a Bolsa de Cereais de Rosário (BCR). Devido às precipitações da última semana, que acumularam entre 60 e 100 milímetros, 75% da soja de primeira alcançou um estado excelente a muito bom, e 30% está iniciando a floração. Enquanto isso, 95% do milho de primeira está em estado excelente a muito bom, e 10% está em floração. No entanto, as chuvas também causaram alguns problemas em áreas específicas da região. No centro-sul de Santa Fé e em áreas próximas a Córdoba, foram registrados excessos de água que resultaram em inundações em algumas áreas. Nessas áreas, foram relatadas perdas nas safras, principalmente de soja e milho. Na soja de segunda safra, 5% da área precisará ser replantada, e há outra parcela ainda por ser semeada. Também houve perda de área plantada de milho precoce devido às inundações. Além das inundações, as chuvas também atrasaram o plantio da soja de segunda safra e do milho tardio. Até o momento, apenas 62% da soja de segunda está plantada, e 55% do milho tardio. Os técnicos estimam que os trabalhos de plantio poderão ser retomados nos próximos dias, se o clima e as condições dos terrenos permitirem. No entanto, o atraso no plantio já está resultando em uma redução no potencial de rendimento das safras.

     

    SOJA: Plantio da safra brasileira 2023/24 está em 97%, aponta SAFRAS

    O plantio da safra de soja 2023/24 do Brasil está em 97% da área total esperada até o dia 22 de dezembro. A estimativa parte de levantamento de SAFRAS & Mercado. Na semana anterior, o número era de 94,6%. Em igual período do ano passado, a área semeada era de 98%.

     

    AÇÚCAR: India, segunda maior produtora mundial, pode precisar de importações em 2024

    A India, o segundo maior produtor de açúcar, tem sido um exportador líquido do adoçante nos últimos seis anos. No entanto, há previsão não só de proibição das exportações no ano agrícola que começou em outubro, como também o País poderá se ver forçado a importar açúcar em 2024, à medida que os agricultores se voltam para outras culturas, segundo comerciantes, responsáveis ??da indústria e agricultores relataram para a Reuters. O declínio da produção é impulsionado por condições de clima seco, devido ao El Niño, que atinge os estados de Maharashtra, Karnataka, que juntamente com Uttar Pradesh, no norte, são responsáveis por mais de 80% da produção de açúcar indiana. A India produziu 33,1 milhões de toneladas de açúcar no ano encerrado em setembro, atrás apenas dos 46,9 milhões de toneladas esperados pelo Brasil. Hoje, a India fornece 12% do açúcar comercializado mundialmente e exportou, em média, 6,8 milhões de toneladas de açúcar nos últimos cinco anos, tornando-se o segundo maior exportador nesse período, porque foi superado no ano passado pela Tailândia. A Associação Indiana de Usinas de Açúcar disse em agosto que a produção do País poderia cair para 31,7 milhões de toneladas no ano que começou em outubro. E mais de 180 agricultores de 11 distritos produtores de cana de Maharashtra e outros 49 agricultores de Karnataka disseram à Reuters que a menor precipitação de monções durante a fase crucial de crescimento atrofiou o desenvolvimento das culturas. A India hoje abriga cerca de 50 milhões de produtores de açúcar. Cálculos da Reuters que conversou com pelo menos 10 agricultores em cada um dos distritos que respondem pela maior produção nos dois estados revelaram que a produção poderá cair 12,2% este ano, para 29,05 milhões de toneladas.

     

    CARNE BOVINA: Exportações da Argentina sobem 16,8% em novembro ante outubro

    As exportações de carne bovina resfriada e congelada da Argentina totalizaram em novembro 57,5 mil toneladas de peso de produto, um aumento de 16,8% em relação a outubro deste ano. Em termos de valor, o total de novembro atingiu US$ 215,4 milhões, informou o Consórcio ABC. Comparado com novembro de 2022, os volumes exportados foram 0,8% maiores, enquanto o valor obtido foi 10,0% menor. No acumulado dos primeiros onze meses de 2023, as vendas externas de carne bovina refrigerada e congelada chegaram a cerca de 619,0 mil toneladas de peso de produto, com um valor aproximado de US$ 2,541 bilhões. Em comparação com os primeiros onze meses de 2022, os volumes exportados aumentaram em 5,9%, enquanto o valor obtido diminuiu em 22,2%. A República Popular da China é o principal destino de exportação, tanto para o mês de novembro quanto para o acumulado dos primeiros onze meses do ano. No último mês, foram enviadas para a China 11,0 mil toneladas de carne com osso e ossos bovinos desossados, no valor de US$ 15,8 milhões e 36,4 mil toneladas de carne bovina desossada, no valor de US$ 123,9 milhões.

     

    SOJA: Agro Amazônia bate recorde em vendas de sementes

    A Agro Amazônia alcançou um marco histórico ao registrar R$ 1 bilhão em vendas de sementes de soja entre agosto e novembro, representando um aumento de 19% em relação ao mesmo período de 2022. Esse feito foi impulsionado por investimentos em tecnologia e parcerias para criar plataformas de sementes de soja altamente adaptadas ao bioma Cerrado, como a DAGMA e a DonMario. Apesar de desafios climáticos adversos, como a escassez de chuvas, a empresa superou obstáculos logísticos para movimentar esse volume de sementes, especialmente durante o período de plantio da soja, que ocorre entre setembro e dezembro no Centro-Oeste. Viumar Joenck, diretor de sementes da Agro Amazônia, ressalta a importância de entregar as sementes no momento ideal para garantir a qualidade, pois fatores ambientais como temperatura e umidade afetam diretamente sua vida útil e vigor. Além das sementes, a empresa também atua na distribuição de outros insumos agrícolas. Com planos ambiciosos, a Agro Amazônia projeta um faturamento de R$ 6 bilhões em 2023, um aumento de 7,1% em relação ao ano anterior. Com 64 lojas em nove estados atualmente, a empresa planeja estabelecer 90 filiais até 2025 e investir R$ 150 milhões na construção de sua primeira indústria de beneficiamento de sementes.

     

    AGRONEGÓCIO: Café brasileiro eleito o melhor do mundo tem selo do Certifica Minas

    A São Mateus Agropecuária, que conquistou o Best of the Best na 8 edição do Prêmio Internacional de Café Ernesto Illy, é uma das propriedades certificadas pelo Certifica Minas Café. É a primeira vez que um café brasileiro recebe essa premiação, anunciada em novembro, em Nova York (EUA). Um júri independente de especialistas avaliou os melhores lotes da safra 2022/2023, em uma degustação às cegas de cafés dos nove países finalistas: Brasil, Costa Rica, El Salvador, Etiópia, Guatemala, Honduras, India, Nicarágua e Ruanda. E o Guima Café, produzido pela São Mateus, na região do Cerrado mineiro, obteve a melhor pontuação, sendo considerado uma bebida "redonda, saudável e encorpada, com sabores ricos e suaves de um equilíbrio de chocolate, caramelo, açúcar mascavo e amêndoas torradas". Os lotes participantes do concurso foram primeiro analisados pelos laboratórios de controle de qualidade da illycaffè e, na degustação às cegas, foram classificados em termos de riqueza e complexidade aromática, elegância e equilíbrio dos sabores e intensidades dos aromas. Andreza Sebaio, extensionista da equipe do Certifica Minas na Emater-MG (empresa estadual de assistência técnica e extensão rural), destaca a importância da certificação para o sucesso do Guima Café: "Eles estão com a gente desde 2016. Apesar de ser uma fazenda com um potencial grande, sempre seguem as orientações da Emater.Tudo que é feito lá passa pela gente. Por exemplo, antes da pré-auditoria, para a certificação, sempre nos consultam, para saber se está tudo conforme as regras do Certifica Minas. É um trabalho de melhoria contínua na produção do café, e o prêmio é o maior reconhecimento", afirma. Atualmente, cerca de 900 propriedades cafeeiras no estado ostentam o selo do programa de certificação do Governo de Minas Gerais.

     

    ARROZ: Após fortes chuvas, previsão de temperaturas altas pode ser positiva em SC

    Os eventos climáticos que atingiram Santa Catarina entre os meses de setembro e novembro geraram preocupação para muitas pessoas e setores, entre eles o do arroz. O Estado, que é o segundo maior produtor do grão no Brasil, foi atingido por uma grande quantidade de chuvas, que ultrapassaram a média histórica dos últimos 100 anos. No entanto, a previsão de altas temperaturas e maior incidência solar no período de dezembro e janeiro pode ser positiva para a rizicultura e, por isso, traz boas expectativas para o cultivo do grão na safra 2023/24. Conhecido internacionalmente pela sua qualidade, o cereal catarinense deve manter a produtividade dentro do esperado, uma vez que as chuvas não chegaram a prejudicar consideravelmente o processo de desenvolvimento do arroz.

    A influência do El Niño
    Os eventos climáticos que geraram preocupações para a cadeia produtiva do arroz aconteceram em decorrência do fenômeno El Niño, cujo maior efeito costuma ser na primavera. Com isso, o aquecimento anormal das águas do Oceano Pacífico, que fazem com que os padrões de ventos sejam alterados, faz com que o fluxo de umidade seja invertido. Este fato, conforme explica o especialista em agrometeorologia da estação da Epagri de Urussanga, Márcio Sônego, influenciou nas fortes chuvas que atingiram a região. Além disso, os dados mostram que tanto setembro quanto outubro tiveram suas médias históricas de chuva superadas. A diferença, conforme explica Sônego, é que no primeiro caso, o sol se fez presente em mais dias, resultando, inclusive, em temperaturas acima das consideradas normais para o período. É nos meses de dezembro e janeiro que o sol se torna ainda mais indispensável nas lavouras de arroz. Segundo as previsões da Epagri/Ciram, os próximos dois meses devem ultrapassar a média, favorecendo diretamente as plantações.

     

    CLIMA: Próximos dias serão de umidade e chuva no RS, diz Seapi

    A próxima semana permanecerá com umidade e chuva no Rio Grande do Sul. É o que prevê o Boletim Integrado Agrometeorológico 51/2023, da Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (Seapi), em parceria com a Emater/RS-Ascar e o Irga. Até domingo (24), a presença de uma massa de ar quente e úmido manterá as temperaturas elevadas, com valores acima de 30C e possibilidade de pancadas de chuva, típicas de verão, na maioria das regiões. Na segunda-feira (25), feriado de Natal, a aproximação de uma área de baixa pressão manterá a nebulosidade e vai provocar chuva em todo o Estado. Na terça (26), o tempo permanecerá seco, com ligeira elevação das temperaturas. Na quarta-feira (27), a propagação de uma frente fria vai provocar chuva no Rio Grande do Sul, com possibilidade de novas tempestades na maioria das regiões. Os volumes esperados deverão oscilar entre 15 e 35 mm na Metade Sul. No restante do Estado, os totais esperados deverão oscilar entre 50 e 70 mm, podendo alcançar 80 mm nas Missões e Alto Uruguai. As informações são da Seapi.