John Deere logo

    Conecta

    Sua fonte centralizada de notícias Agro

    Brasil tem o menor custo de produção de suínos entre 17 países

    Em 2022, o custo de produção por quilo vivo ficou em US$ 1,28 em Santa Catarina e US$ 1,13 no Mato Grosso. Média dos outros países que fazem parte da rede InterPIG é US$ 1,72
    Rafael De Marco
    Arquivo
    Arquivo

    Tags:

    Porco

    Embrapa

    Os custos mundiais da produção de suínos aumentaram significativamente em 2022. Porém, os produtores brasileiros seguem como destaque. O Brasil mantém a liderança mundial, entre 17 países, no valor do custo de produção em dólares por quilo vivo de suíno.

     

    O Brasil participa com os dados dos estados de Mato Grosso e Santa Catarina. Em Mato Grosso, o custo de produção em 2022 ficou em US$ 1,13 por quilo vivo de suíno, enquanto em Santa Catarina ficou em US$ 1,28. Apesar dos aumentos de 10% e 12% nos dois estados, respectivamente, em comparação a 2021, os valores ainda são menores que nos Estados Unidos (US$ 1,42 por quilo vivo), Dinamarca (US$ 1,49), Espanha (US$ 1,66), Holanda (US$ 1,74) e Alemanha (US$ 1,83).

     

    A média dos países que fazem parte da rede InterPIG é de US$ 1,72 por quilo vivo ( veja mais detalhes no infográfico abaixo ).

     

    Brasil tem o menor custo de produção de suínos entre 17 países 1

    Os dados são do Grupo para Comparação dos Custos de Produção na Suinocultura (rede InterPIG), que reúne instituições de 17 países produtores de carne suína, incluindo o Brasil, que é representado pela Embrapa. Os números foram apresentados este ano durante a reunião do grupo e mostram que os custos mundiais da produção de suínos aumentaram significativamente em 2022.

     

    Por outro lado, os menores preços recebidos pelo quilo vivo também são do Brasil, com US$ 1,06, em Mato Grosso, e US$ 1,10, em Santa Catarina, enquanto a média, por exemplo, nos Estados Unidos é de US$ 1,58 por quilo vivo.

     

    Esses valores, além do desempenho da produção brasileira na produtividade das matrizes, no peso de abate, no ganho de peso na terminação e na conversão alimentar podem ser acompanhados em infográficos produzidos pela Embrapa ( veja abaixo ).

     

    Brasil tem o menor custo de produção de suínos entre 17 países 2

    “O principal objetivo desta divulgação é trazer informações para os agentes da cadeia produtiva no Brasil sobre o grau de competitividade dos seus principais concorrentes”, relata o pesquisador da área de socioeconomia da Embrapa Suínos e Aves (SC) Marcelo Miele.

     

    Ele destaca que todos os países apresentaram significativo aumento nos custos de produção em 2022 e que os preços recebidos pelo suíno também aumentaram, porém, na maioria dos países a variação foi menor do que os custos, gerando prejuízos na suinocultura, sendo os Estados Unidos uma exceção.

     

    O pesquisador explica que o aumento generalizado dos custos de produção em 2022 ocorreu sobretudo em função dos preços do milho e do farelo de soja. Os insumos da ração animal foram impactados tanto por eventos climáticos quanto geopolíticos como a guerra na Ucrânia, que encareceu os fertilizantes e reduziu a oferta global de grãos. “Além disso, também se destaca a inflação global nos preços (energia elétrica, vacinas e medicamentos e construções), na remuneração da mão de obra e seu impacto nas taxas de juros”, completa Miele.

     

    PERSPECTIVA DE AMPLIAR EXPORTAÇÕES
    O quadro geral em 2023 foi de queda no preço da ração e de estabilidade dos demais preços, porém em patamares elevados, exceto por um certo alívio na energia elétrica e pelo aumento nos salários.

     

    Os preços recebidos pelo quilo do suíno vivo também apresentam tendência de recomposição na maioria dos países. Por isso, o pesquisador aponta para uma perspectiva de ampliação das oportunidades para as exportações brasileiras no próximo ano.

     

    “Hoje [essas exportações] ocupam a quarta posição no mercado internacional de carne suína, mas podem assumir a terceira colocação se os embarques do Brasil ultrapassarem os do Canadá. Caso isso se reflita nos preços recebidos pelos produtores, haverá impacto positivo nas margens de lucro”, analisa o cientista.

     

    Os principais fatores que explicam os custos mais baixos do Brasil em comparação a esses países estão relacionados a eficiência produtiva e preços. O País tem apresentado coeficientes zootécnicos competitivos em comparação à maioria dos seus concorrentes, fruto sobretudo da incorporação de tecnologia e da sanidade dos rebanhos alcançada com investimentos em biosseguridade nas granjas e em defesa agropecuária.

     

    Brasil tem o menor custo de produção de suínos entre 17 países 3

    Também merecem destaque a menor remuneração da mão de obra e o menor custo das instalações. No caso dos salários, o Brasil tem patamares bem inferiores aos praticados lá fora; a hora trabalhada aqui, em 2022, ficou em torno de US$ 3, enquanto em um importante concorrente como a Espanha, está em US$ 16,29 ( veja tabela abaixo ).

     

    Brasil tem o menor custo de produção de suínos entre 17 países 4

    Entretanto, o custo da alimentação animal foi o principal determinante. A suinocultura mato-grossense obteve o menor custo de alimentação nesse comparativo. Naquele estado, gastou-se, em média, US$ 0,87 para produzir um quilo de suíno vivo tendo em vista a baixa conversão alimentar e o menor preço da ração.

    Em Santa Catarina esse valor ficou em torno de US$ 1,02 e foi determinado pela baixa conversão alimentar, tendo em vista preços da ração mais elevados. Merecem destaque a Dinamarca e os Estados Unidos, com um custo de US$ 0,96 e US$ 1,03 por quilo de animal vivo, respectivamente ( veja detalhes no gráfico abaixo ).

     

    Brasil tem o menor custo de produção de suínos entre 17 países 5

    As tabelas com os principais resultados e três infográficos estão disponíveis na Central de Inteligência em Aves e Suínos ( CIAS ) da Embrapa, em “custos de suínos”. Na página da CIAS, podem ser consultados os custos mundiais desde 2010. Uma análise mais detalhada dos resultados estará disponível, até o fim do ano, em um Comunicado Técnico.

     

    Com informações da Embrapa Suínos e Aves