John Deere logo

    Conecta

    Sua fonte centralizada de notícias Agro

    Como realizar uma boa transição entre água e seca

    Entenda quais são os pontos essenciais para uma boa transição do período de águas ao período seco
    Scot Consultoria
    Créditos: Arquivo
    Créditos: Arquivo

    Tags:

    Notícias

    Pasto

    Clima

    Boi

    Com o outono se aproximando, iniciamos o trânsito entre o período das águas (outubro a março), para o período seco do ano. Temporada em que as chuvas cessam e a qualidade nutricional do capim declina, dado pelo aumento do conteúdo fibroso e queda nos teores proteicos.

    Essa perda de qualidade e de disponibilidade de pasto impacta diretamente no desempenho dos bovinos, deste modo, é importante ter estratégias adequadas para cada época do ano, sobretudo na fase transicional.

    No que tange aos bovinos, ao deixar uma pastagem verde e farta e se deparar com uma que está secando, o processo de perda de peso é sutil. Diferente da maioria dos animais que apresentam perda de peso imediata, quando submetidos a uma nova dieta.

    Em razão desta perda ser progressiva, não é sentido de imediato o impacto que “pesará” na balança ao final do ciclo, ou até mesmo no bolso do pecuarista. A baixa produtividade nestes três ou quatro meses transicionais é um gargalo da pecuária brasileira que irá influenciar no resultado de todo o processo produtivo.

    PLANEJAMENTO
    A principal estratégia para ter sucesso na atividade é planejar. As metas para o ano devem ser delineadas e, assim, as deliberações em concordância com o objetivo buscado. Cada categoria de produção possui exigências distintas, deste modo, é necessário ter propósitos personalizados.

    Por ser um período de pouca chuva e de queda na produção forrageira, algumas práticas podem auxiliar o pecuarista na tomada de decisão.

    Ainda assim, não existe uma “receita de bolo” para todos os sistemas produtivos. De modo geral, quando falamos de transição águas-seca, temos que velar pelo planejamento alimentar, a fim de compensar a perda dos atributos forrageiros.

    Posto isto, muitos criadores optam pela vedação do pasto , visando a produção de massa verde para a temporada de escassez.

    Atrelado a esta estratégia, a redução da taxa de lotação do pasto é uma alternativa bem difundida na atividade.
    As decisões tomadas ainda na época de chuvas e transição, definirão o desempenho dos bovinos em longo prazo, assim como a colheita do capim na seca e a rebrota do próximo ano.

    Além do mais, a suplementação nutricional nesta fase contribui para manter o ganho de peso que o bovino dispunha no período chuvoso, reduzindo o impacto da chegada da seca.

    A terminação intensiva , seja em confinamento ou semiconfinamento, também é uma estratégia adotada para o período de escassez de capim.

    Como realizar uma boa transição entre água e seca 1

    MANEJO DE PASTAGEM: ESSENCIAL NO PERÍODO TRANSITÓRIO
    Durante a transição, o ajuste de carga de pastejo é uma alternativa de manejo. A depender da estrutura e objetivo da fazenda, que em determinados casos, dependerá da venda de bovinos.

    As forrageiras devem ser manejadas com altura superior à recomendada de sobra pós-pastejo, uma vez que o reestabelecimento da planta depende da quantidade de material fotossintético excedente.

    Uma menor sobra de capim no período crítico pode comprometer a produtividade ou iniciar um processo de degradação da pastagem. Mas atenção, pois esse manejo difere de acordo com a espécie forrageira e suas particularidades.

    Um ponto a considerar é a altura de entrada e de saída do gado do pasto. O fato da pastagem estar verde não garante que está preparada para o pastejo. É bem comum depararmo-nos com pasto bom mas que a proporção de caule está alta em relação às folhas, o que ocorre quando a entrada dos bovinos não acontece na época correta.

    Do mesmo modo em que o gado fica no pasto até que a altura do capim esteja muito baixa, sem capacidade de suporte. Ambas as situações devem ser evitadas, além de comprometer a produtividade do bovino, implica em uma rebrota deficitária.

    A vedação da pastagem, como citada anteriormente, também é uma estratégia para o período. A prática consiste no isolamento de determinada área, sendo utilizada apenas durante a seca.

    Recomenda-se realizar o processo ao final da estação chuvosa ou durante todo o período, a depender da localidade. Trivialmente, a vedação é feita entre 60 e 90 dias antes das chuvas cessarem.

    A composição bromatológica da forragem pós-vedação está associada ao tempo de duração da vedação. Com o passar do tempo, mesmo com elevada produção de massa, seu valor nutricional pode ser menor.

    Outro fator importante é a escolha da espécie forrageira, afinal nem todas são adaptadas a esse tipo de manejo, gerando resultados adversos à prática.

    No Brasil, a Brachiaria ssp. tem apresentado bom aporte nutricional para o gado de corte durante a seca, devido a sua abundância em folhas e poucos talos.

    MANEJO NUTRICIONAL
    É recomendado, pela literatura, iniciar uma suplementação proteica no período de transição e, se possível, mantê-la posteriormente. Nesse período em que os bovinos tendem a perder peso gradativamente, o suplemento pode manter o peso e até proporcionar ganho de peso, além de garantir um desempenho satisfatório durante a seca.

    Poucos criadores adotam a estratégia de trocar ou introduzir a suplementação com o pasto ainda verde. A maioria opta pela mudança quando o pasto já está completamente seco, desacelerando o ganho de peso do rebanho.

    Não obstante, a prática exige investimento, por isso deve-se buscar a melhor maneira de executá-la, para que os bons resultados não se tornem perdas.

    Como realizar uma boa transição entre água e seca 2

    Se a produtividade for elevada durante o período das águas, o rebanho chegará bem no período da estiagem, dessa forma não demandará investimentos extraordinários.

    Por isso, garantir um bom manejo durante a temporada farta, assegura que os bovinos enfrentem a fase crítica de maneira mais branda, evitando que o pecuarista desembolse mais que o necessário para o período.
     
    SISTEMAS INTEGRADOS
    A Integração Lavoura-Pecuária (ILP), em diferentes casos, é praticada com a finalidade de produzir massa verde, que pode ser conservada em forma de silagem e/ou feno. Inúmeras culturas são utilizadas no processo de ensilagem, como milho – mais comum – além de gramíneas tropicais.

    Desta forma, os pecuaristas têm utilizado os sistemas integrados a fim de aumentar sua produtividade na safra, melhorando a composição físico-química do solo.

    Um modelo de integração mais praticado tem sido o plantio de soja (primeira safra), seguido do plantio de milho segunda safra, consorciado com gramínea tropical perene. Posterior à colheita do milho, tem-se uma pastagem de qualidade, suprindo a deficiência de alimento volumoso.

    Neste caso, todas as culturas são aproveitadas. Os grãos podem ser comercializados, complementado a receita da atividade, além da disponibilidade de área para pastejo de qualidade continuamente.

    CONCLUSÃO
    Inúmeras são as estratégias a serem adotadas durante a transição, porém o planejamento continua sendo o melhor instrumento que gere a pecuária brasileira. Independente do sistema de produção praticado (cria, recria, engorda ou ciclo completo), o que trará o êxito ou o insucesso da atividade é o estabelecimento das metas a serem atingidas.

    Por: Jayne Costa, zootecnista, me; Felipe Fabbri, zootecnista, me; Jéssica Olivier, engenheira agrônoma.

    Referências bibliográficas
    ASPECTOS práticos da suplementação alimentar de bovinos de corte. 2006. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/326990/aspectos-praticos-da-suplementacao-alimentar-de-bovinos-de-corte. Acesso em: 24 fev. 2023.
    CUIDADOS e impactos no manejo do pastejo no período de transição águas-seca. 2022. Disponível em: https://www.barenbrug.com.br/manejo-do-pastejo-aguas-seca. Acesso em: 24 fev. 2023.
    5 dicas para fazer uma boa transição de aguas-seca-aguas. 2018. Disponível em: https://www.dsm.com/tortuga/pt_BR/homeblog/5_dicas_para_fazer_uma_boa_transicao_de_aguas-seca-aguas.html. Acesso em: 24 fev. 2023.
    FASE de transição entre águas e seca é período de decisão para pecuaristas. 2020. Disponível em: https://www.connan.com.br/fase-de-transicao-entre-aguas-e-seca-e-periodo-de-decisao-para-pecuaristas/. Acesso em: 24 fev. 2023.
    MANEJO de pastagem para gado de corte: principais cuidados e estratégias. 2022. Disponível em: https://rehagro.com.br/blog/estrategias-de-manejo-de pastagem/#:~:text=Manejo%20de%20pastagem%20na%20seca,%C3%A1guas%20para%20uso%20na%20seca.. Acesso em: 24 fev. 2023.
    PERÍODO de Transição águas x Secas: E agora? 2021. Disponível em: https://macal.com.br/noticia/49-periodo-de-transicao-aguas-x-secas-e-agora. Acesso em: 24 fev. 2023.
    SUPLEMENTAÇÃO de novilhos Nelore sob pastejo, no período de transição águas-seca. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/abmvz/a/yCnRhRTTnLCQdtn6NCx4F3d/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 24 fev. 2023.