Conquistas na luta contra a Peste Suína Clássica

Rio Grande do Sul completa sete anos como zona livre de Peste Suína Clássica e Alagoas vacina mais de 120 animais

Pecuária

img-news
O Rio Grande do Sul comemora sete anos de certificação internacional como zona livre de Peste Suína Clássica. O status foi concedido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), em 29/05/2015. O último foco da doença no Estado ocorreu em 1991.

Atualmente, além do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, existem outras duas zonas livres no Brasil que, juntas, representam cerca de 83% do rebanho suíno brasileiro, e uma zona não livre.

Ao longo dos anos, inúmeras ações têm sido desenvolvidas para assegurar este patamar sanitário. "A reintrodução da doença causaria severos impactos sanitários e socioeconômicos, seja pelas perdas diretas ou pelas restrições comerciais impostas a produtos oriundos de área não livre da doença, por isso a prevenção e a notificação de casos suspeitos são tão importantes", destaca a fiscal estadual agropecuária Juliane Galvani, do Programa Estadual de Sanidade Suídea (PNSS).

No Rio Grande do Sul, as ações de defesa sanitária animal são de responsabilidade do Departamento de Vigilância e Defesa Sanitária Animal da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (DDA/Seapdr). "As ações do Estado, as quais resultaram na conquista do status de zona livre de PSC, são decorrentes de programas de políticas federais e estaduais, e têm como base a vigilância, o monitoramento e a inspeção sanitária, de acordo com os parâmetros técnicos recomendados pelos organismos nacionais e internacionais, de forma a promover a sanidade do rebanho suíno gaúcho", explica Juliane.

As atividades incluem:
1 - Melhoria constante dos cadastros de propriedades e rebanhos
2 - Vigilância ativa e passiva em propriedades rurais
3 - Acompanhamento e a fiscalização da certificação de granjas de suínos reprodutores
4 - Vigilância sorológica para PSC em suínos domésticos e asselvajados (javalis)
5 - Revisão de aterros e lixões para evitar a presença de suínos domésticos e asselvajados
6 - Fiscalização de trânsito e a execução de barreiras sanitárias, bem como a educação sanitária de produtores e dos agentes de manejo populacional de suídeos asselvajados. 

HISTÓRICO
As atividades de defesa sanitária animal na primeira Zona Livre de Peste Suína Clássica (PSC), formada pelos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina são realizadas desde a década de 1960, mas se intensificaram a partir da regulamentação dos Órgãos Executores Estaduais, acompanhadas de aplicações de recursos financeiros e incrementos das atividades técnicas que permitiram o avanço na estruturação e na qualidade dos serviços veterinários.

Houve a ampliação da quantidade e da estrutura das unidades locais, além da contratação de veterinários, auxiliares técnicos e administrativos. A adequação na estrutura permitiu a intensificação das atividades de vigilância e fiscalização, melhorias dos cadastros de propriedades e rebanhos, e a declaração nacional dos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina como livres de peste suína clássica em 1994.

Em 2015, houve o reconhecimento internacional desses estados como Zona Livre de PSC pela OIE.

O QUE É A PESTE SUÍNA CLÁSSICA (PSC)
A PSC é uma doença de notificação imediata ao Serviço Veterinário Oficial (SVO) de qualquer caso suspeito. Ela pode ser causada por vírus (Pestivirus) que afeta suínos e javalis. Os animais doentes podem apresentar-se:
-Apáticos
-Amontoados
-Com febre alta (40,5C a 42 C)
-Falta de coordenação
-Queda dos posteriores
-Manchas vermelhas ou roxas na pele e extremidades (orelhas, membros, focinho e cauda)
-Conjuntivite
-Alta mortalidade.

A transmissão é feita através do contato direto entre animais doentes e animais sadios, de alimentos contaminados, pois o vírus pode sobreviver por meses na carne fresca, linguiça, salame e outros e de veículos transportadores de suínos, seus produtos e subprodutos, como carne fresca, linguiça, salame e outros.

De acordo com Juliane, "o fornecimento de restos de alimentos contaminados com o vírus aos suínos, sem tratamento térmico, é a forma de introdução da doença mais comum em países ou zonas livres".

SITUAÇÃO DA PSC NO BRASIL
O Ministério da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Agrário (Mapa) lançou em 2020 o Plano Estratégico Brasil Livre de Peste Suína Clássica, já que parte do Nordeste e da Região Norte ainda não estão livres da doença. O objetivo do Plano é erradicar a PSC do Brasil, reduzindo as perdas diretas e indiretas causadas pela doença e gerando benefícios pelo status sanitário de país livre da doença. 

ALAGOAS
A segunda etapa da campanha de vacinação contra a Peste Suína Clássica (PSC) imunizou mais de 120 mil suínos, distribuídos em quase seis mil propriedades rurais do estado de Alagoas. A iniciativa ocorreu nos meses de março e abril e atingiu a meta planejada de animais a serem vacinados.

A campanha faz parte do projeto piloto de implantação do Plano Estratégico Brasil Livre de Peste Suína Clássica (PSC) em Alagoas. O investimento para a realização do projeto piloto conta com recursos público e privado, que somam quase de R$ 3 milhões.

Além de Alagoas, outros dez estados fazem parte da zona não livre da doença, sendo eles Amapá, Amazonas, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Roraima.

logo