John Deere logo

    Conecta

    Sua fonte centralizada de notícias Agro

    Força tarefa para brecar a Influenza Aviária no Brasil

    Governo e entidades do setor estão fazendo trabalho rigoroso para evitar que a doença chegue ao segmento comercial
    Rafael De Marco
    Arquivo
    Arquivo

    Tags:

    Agropecuária

    Aves

    Pecuária

    A Associação Gaúcha de Avicultura (Asgav), entidade promotora do 4a Conbrasul, procurou tranquilizar a todos dizendo que o serviço oficial e a segmento da avicultura como um todo estão fazendo um trabalho rigoroso para evitar que a Influenza Aviária chegue ao setor comercial.

     

    "Os técnicos da Defesa Sanitária estão realizando um forte trabalho na Reserva do Taim, com helicópteros e drones e com um monitoramento permanente das aves migratórias para evitar que a doença se espalhe", ressaltou o presidente da Asgav, José Eduardo dos Santos.

     

    Santos afirma que o setor vem atuando em várias frentes setoriais para monitorar esses casos surgidos no Brasil em aves silvestres. "Sempre trabalhávamos com a possibilidade de a Influenza Aviária chegar ao Brasil depois que ela foi registrada em aves silvestres migratórias na Argentina e no Uruguai", comenta.

    Santos disse que os casos de Influenza Aviária em aves silvestres não alteram em nada o status do Brasil, pois não há caos na avicultura comercial. "Estamos na fase final de preparação do 4a Conbrasul, que será realizada em junho, o qual oportunizará melhor ao setor mais conhecimento e entendimento sobre a doença, que nunca havia sido registrada no Brasil", complementa.

     

    VACINA

    O presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin, informa que o trabalho realizado visa preparar o país em termos de defesa sanitária, com ações que envolvem a hipótese de se adotar uma vacina contra a Influenza Aviária ou a plena erradicação dos casos. Ele diz que o Brasil está plenamente seguro daquilo que vem fazendo para seguir livre da Influenza Aviária, elevando agora o nível de prevenção nas granjas, tanto de corte quanto de postura. "O Brasil está avançando na exportação de ovos, para atender mercados como o Japão, o maior comprador, bem como outros mercados, como Taiwan", sinaliza.

     

    O presidente do Instituto Ovos Brasil, Edival Veras, relembra uma importante decisão tomada pelo setor avícola de adotar o cercamento de todas as granjas há 10 anos. Essa medida foi muito importante, pois garante a biosseguridade como a questão mais importante atualmente dentro das granjas brasileiras", conclui.

    Com informações da Agência Safras