John Deere logo

    Conecta

    Sua fonte centralizada de notícias Agro

    Seu rebanho não pode ficar sem alimento

    Estratégias de alimentação e suplementação de bovinos de corte no período seco
    Sophia Honigmann, Médica veterinária - Scot Consultoria
    Seu rebanho não pode ficar sem alimento
    Seu rebanho não pode ficar sem alimento

    Tags:

    Máquinas Agrícolas

    Veterinária

    Notícias

    Forragem

    Feno

    Agricultura

    Clima

    Pecuária

    Na estação seca, a qualidade e quantidade de pastagens diminui em função da redução da incidência luminosa, da queda na temperatura e do menor índice pluviométrico (chuvas).

    Com isso, o produtor deve se planejar com antecipação para que não falte alimento para o rebanho e para que não ocorram prejuízos à atividade.

    O período seco revela a necessidade de suplementação , objetivando o fornecimento dos nutrientes e minerais necessários para a manutenção do desempenho animal, no caso da pecuária, o ganho de peso ou produção de leite.

    Para definir a suplementação a ser utilizada, é necessário avaliar as condições, principalmente econômicas, como o preço de venda dos animais, os preços dos grãos e a disponibilidade de forragem, estruturas, equipamentos, mão de obra, bem como as questões climáticas.

    No caso da suplementação mineral , os produtos disponíveis atualmente são:
              1. Suplementos minerais de pronto uso: possuem em sua composição macro e/ou microelemento mineral.
              2. Suplementos minerais para mistura: possuem em sua composição macro e/ou microelemento mineral. Deverão ser misturados ao cloreto de sódio (sal comum) ou a outros ingredientes para serem fornecidos ao animal.
              3. Suplementos minerais proteico-energéticos: possuem em sua composição macro e/ou microelemento mineral, pelo menos vinte por cento de proteína bruta e fornecem, no mínimo, trinta gramas de proteína bruta e cem gramas de nutrientes digestíveis totais (NDT) por cem quilos de peso corporal.
              4. Suplementos minerais proteicos: possuem em sua composição macro e/ou microelemento mineral, pelo menos vinte por cento de proteína bruta (PB) e fornecem, no mínimo, trinta gramas de proteína bruta (PB) por cem quilos de peso corporal.
              5. Núcleos: pré-mistura composta por aditivos e minerais (macro e micronutrientes) e contêm ou não veículo ou excipiente, que facilita a dispersão em grandes misturas. Não podem ser fornecidos diretamente aos animais.
              6. Suplementos minerais com ureia: possuem em sua composição macro e/ou microelemento mineral, ureia e, no mínimo, quarenta e dois por cento de equivalente proteico.
              7. Concentrados: misturas compostas por ingredientes ou aditivos que, quando associadas a outros ingredientes, em proporções adequadas, constituam uma ração.

    A utilização de cada produto depende da estratégia, do nível de tecnologia empregado e manejo nutricional de cada sistema e visa corrigir a limitação primária de proteína e minerais das pastagens e permitir que o animal aumente o consumo da forrageira de baixa qualidade.

    Para a produção de alimentos volumosos , a conservação de forragens pode ser indicada, aproveitando os excessos do período chuvoso e armazenando-os para a época crítica, mantendo as suas qualidades nutritivas.

    O produtor precisa conhecer seus pastos e saber quanto cada área produz, assim como conhecer as normais climatológicas (médias históricas) de chuvas e temperaturas da região.

    Para isso, o produtor pode diferir (vedar) uma porção de sua área de pasto, pode produzir feno, silagem ou até irrigar o pasto no inverno.

    Abordamos a seguir três estratégias de conservação de forragem:

    Produção de silagem
    No Brasil, a silagem de milho é a mais conhecida e utilizada, seguida do sorgo, cana-de-açúcar, capim Napier e outras gramíneas forrageiras. Entretanto, é possível ensilar muitos outros produtos e subprodutos agrícolas.

    Na colheita, a altura do corte das plantas, tanto do milho quanto do sorgo, ocorre normalmente entre 15 e 20 cm do solo. Quanto maior a altura do corte, menor será o volume colhido por hectare. O ponto ideal para o corte do milho e do sorgo para a ensilagem deve ser quando a planta apresenta de 28 a 35% de matéria seca.

    Normalmente é plantado na safra de verão (outubro/novembro), colhido (fevereiro/março) e ensilado para abertura do silo e utilização na seca (maio/junho).

    O processo de ensilagem é composto pelo corte, trituração do material, compactação e vedação do silo. É importante que o corte e a compactação sejam feitos rapidamente. A compactação, realizada de forma intensa, colabora com o processo de fermentação e preserva as qualidades nutricionais da planta. O maquinário e as técnicas de colheita, picagem, compactação e vedação garantem o rendimento da silagem e seu custo-benefício.

    Fenação
    Para a fenação, é indicado que a planta escolhida tenha boa produção de massa verde, boa resistência aos cortes frequentes, caules finos e muitas folhas e fácil cultivo e adaptabilidade ao clima da região.

    O processo de fenação engloba o corte da planta, a desidratação/secagem, o enfardamento e o armazenamento.  A forragem deve ser cortada e desidratada até que permaneçam entre 15 e 20% de umidade. A taxa de secagem é favorecida pela presença de maior proporção de folhas e caules finos, que depende da espécie, do momento de corte e do processamento no campo.

    A secagem deve ser uniforme e rápida, visando manter a qualidade do feno. No caso de gramíneas a secagem se dá durante 1 a 2 dias após o corte, com 2 ou 3 viradas.

    Durante o processo devem-se evitar chuvas, pois a água arrasta os nutrientes da planta e compromete o rendimento.

    Entre as gramíneas para a fenação se destacam pangola, jaraguá, colonião, gordura, rhodes, kikuio, espécies do gênero Cynodon em geral, braquiárias, etc. Entre as leguminosas, podemos citar a alfafa, soja perene, siratro, centrosema, etc.

    Pré-secado
    Consiste em reduzir a quantidade de água das forragens expondo-o ao sol ainda no campo, logo após a colheita. Implica em menor risco do que a fenação, porque o período necessário para eliminação de umidade é menor.

    Enquanto a fenação requer de três a quatro dias para “desidratar” e atingir o ponto ideal abaixo de 20% de umidade, o pré-secado pode ser enfardado com em torno de 55% a 65% de umidade.

    Qual método de conservação de forragem devo escolher?
    O pecuarista pode adotar inúmeras estratégias com relação à suplementação de bovinos no período seco, cada uma apropriada às condições do sistema de produção utilizado na propriedade ou sistema, porém, um ponto importante é a disponibilidade de maquinário para cada tipo de processamento ou a possibilidade de terceirização dos serviços, assim como a categoria animal a qual pretende atender com o alimento.

    A escolha do volumoso a ser produzido vai depender da disponibilidade de mão de obra, insumos, maquinário, clima e do conhecimento técnico do produtor ou do responsável pela propriedade.

    Referências
    Embrapa – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária.